não à cultura do estupro, injustiça e abuso

não à cultura do estupro, injustiça e abuso

Roma (NEV), 18 de outubro de 2019 – A Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) aderiu ao documento do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC) “Declaração sobre violência sexual e de gênero e sobre o Prêmio Nobel da Paz” de novembro de 2018.

“A declaração sobre a violência sexual e baseada no gênero continua sendo de grande relevância, de fato ainda hoje observamos o aumento da violência sexual e baseada no gênero contra mulheres, meninas e pessoas vulneráveis ​​– escrevem as evangélicas no documento de adesão -. Como diz a declaração, ‘ao ouvir os dolorosos testemunhos e histórias de mulheres sobreviventes de violência sexual, somos encorajados e desafiados a afirmar a dignidade, os direitos e as necessidades’ de todos os homens e mulheres”.

A CEC e a FDEI comprometem-se a “declarar tal violência como pecado; fazer esforços construtivos para superar as atitudes que predispõem a essa violência; continuar trabalhando com organizações e grupos locais que se opõem a todas as formas de violência sexual e de gênero; para dar suporte de várias formas, inclusive desenvolvendo caminhos de recuperação dos traumas sofridos por mulheres, meninas e outros sujeitos vulneráveis ​​a essa violência em suas comunidades”.

A FDEI também se juntou à campanha mundial #ThursdaysinBlack, também proposta pelo CEC, “para dizer junto com as irmãs de todo o mundo que nos opomos a uma cultura de estupro, injustiça de gênero, abuso e violência, mas acima de tudo para tornar a resiliência das mulheres e esforços visíveis”.

A FDEI convida todas as mulheres das diferentes denominações a visitar o site do CMI para saber mais sobre a campanha e as inúmeras adesões em todo o mundo, que nos demonstram a diversidade criativa por meio da qual essa mobilização global ocorreu. A campanha “Quinta-feira Negra” será relançada no dia 25 de novembro, dia mundial contra a violência contra a mulher.

“Pedimos o vosso empenho e apoio para promover e testemunhar contra a cultura da violação, da injustiça de género, dos abusos” voltam a escrever as mulheres da FDEI, pedindo a divulgação da campanha e a organização de iniciativas em território nacional “como sinal visível do Evangelho, que nos chama a um caminho de responsabilidade na luta contra a violência, de apoio a quem é vítima dela e de colaboração com quem trabalha há anos em centros antiviolência na esperança de deter os abusos, assassinatos de mulheres, estupros na guerra”.

As adesões à Declaração do CEC e à campanha #ThursdaysinBlack foram aprovadas durante o Comitê Nacional realizado em 12 de outubro. A Comissão também aprovou a compra de 1.000 broches “Quinta-feira Negra” com a inscrição: “Rumo a um mundo sem estupro e violência” e a logomarca da FDEI, com os grafismos propostos pelo CEC. Para encomendar os distintivos e o cartaz, contacte o presidente da FDEI, pároco Gabriela Liono seguinte endereço: [email protected]

Aqui está o PDF completo do declaração adotada pelo CMI sobre violência sexual e de gênero.


#QuintasemPreto é uma campanha nascida da Década das Igrejas em Solidariedade com as Mulheres (1988-1998), na qual trabalhamos para tornar visíveis histórias sobre estupro como arma de guerra, injustiça de gênero, abuso e violência. É inspirado em vários movimentos de mulheres ao redor do mundo, desde as Mães da Plaza de Mayo na Argentina em busca de seus filhos desaparecidos durante a ditadura, até as Mulheres de Preto em Israel e Palestina contra a guerra e a violência, até as mulheres de Ruanda e Bósnia que protestou contra o uso do estupro como arma de guerra durante o genocídio, ao movimento Black Sash na África do Sul em protesto contra o apartheid.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A experiência produz esperança”.  Apoiar redes de mulheres e comunidades

“A experiência produz esperança”. Apoiar redes de mulheres e comunidades

Foto por notas de thanun / Unsplash Roma (NEV), 20 de março de 2023 – A Federação de Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas (FFEVM) inicia, no dia 23 de março, em Florença, quatro dias de encontros para mulheres evangélicas e protestantes, mas não só. Na ordem do dia, entre outras coisas, a eleição do novo Conselho do BCE (agendada para 24 de março). Seguiu-se o Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) de 25 a 26 de março. Também estão agendadas duas mesas redondas públicas (detalhes no final da página). Gabriella Rustici Nós conversamos sobre isso com Gabriella RusticiPresidente da FFEVM: “Há muitas mulheres nas igrejas, mas elas não sentem a necessidade de estar juntas como antes, para fortalecer seu ser dentro da igreja. Muitos deles podem pensar que não têm tempo, mas com nosso congresso queremos reverter essa preocupação. Na verdade, a federação de mulheres valdenses e metodistas apóia todas as mulheres nas igrejas”, explica o presidente Rustici. Como? “Oferecendo ferramentas essenciais de formação, desde notícias teológicas, lidas e vivenciadas, à exegese bíblica, à formação específica sobre tarefas e papéis. Com nossas atividades temos contribuído para repensar o cuidado, entendido não como um 'acessório feminino', mas como uma forma de interpretar e viver em pólisportanto, como um ato político”. A FFEVM propôs recentemente várias reuniões de norte a sul. Entre elas, a conferência "Ambiente, trabalho e território" no Christian Service, na Sicília. E então “Ore, conte, pregue. Teologia feminista no devir das comunidades”, em Ecumene (Velletri, província de Roma). O encontro sobre as associações de mulheres nas igrejas, em Torre Pellice (na província de Turim). Escutando os territórios “Como crentes, mulheres valdenses e metodistas, nos interessamos pela teologia na formação de comunidades circulares. Estamos interessados ​​em rezar juntos, contar histórias e ouvir. Isso ajuda a fortalecer as atividades da comunidade e também dos pastores. Perguntamo-nos, por exemplo, se o pastorado feminino deveria ser totalmente igual ao masculino. O debate está aberto”, continua Gabriella Rustici. Outro nó fundamental diz respeito a como responder e ajudar as comunidades em suas diversas necessidades organizacionais: “Uma igreja pequena pode ter dificuldade em organizar uma reunião ou uma atividade. A Federação pode apoiar comunidades individuais. Nossa indicação mais forte neste momento é fazer alianças entre as igrejas. O circuito [insieme di chiese territoriali, ndr] é um elemento importante de nossas igrejas e deve ser valorizado. Desde a possibilidade de organizar sermões conjuntos até catequese. Aliás, já há catequese no circuito”. Apoiar redes de mulheres e comunidades Em suma, a Federação de Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas pretende “Apoiar as redes. Os grupos estão bem, os sindicatos de mulheres estão bem, mas é preciso criar redes territoriais, em sintonia com o que poderíamos chamar de um movimento de repensar os módulos organizacionais. Há algum tempo ouvimos falar disso e talvez seja a hora de fazê-lo. Não se pode viver comunidade a comunidade”. O Presidente Rustici nos convida então a redescobrir o “contato vivo com as igrejas, no sentido de estarmos juntos fisicamente”. Trabalhar durante a pandemia, “em condições absolutamente diferentes das vividas no século passado – continua Rustici – não nos impediu de organizar múltiplas atividades. No entanto, certas questões exigem uma discussão aberta e a presença do nosso corpo. Pensemos, por exemplo, nas questões relativas à superação da violência contra a mulher”. Em virtude desse novo desejo de estar juntos, o tema do encontro da FFEVM é justamente o versículo “A experiência produz esperança” (Romanos 5, 4). “Toda a igreja precisa florescer e se abrir” “Toda a igreja precisa florescer e se abrir. Se a igreja em crise quer se renovar, também é bom se reunir nas garagens, nas praças, nas estações. Não faz sentido chorar porque somos poucos. Uma nova história de evangelização se abre para nós – prossegue o presidente -. A pandemia nos mudou, para melhor ou para pior. Agora, com humildade, coragem e esperança, podemos seguir em frente. Relembrando as uniões de mulheres, para mim que sou apaixonada pelos antigos bordados de nossas mulheres, penso em quantas antes de nós fizemos, lavamos, passamos e engomamos guardanapos. Eram as empresas de costura do início do século XX. Hoje estamos nos anos 2000 e podemos trazer esse ardor para o nosso tempo”. Semear de graça, sem necessariamente esperar para ver os frutos E à nossa pergunta sobre a presença dos jovens, Gabriella Rustici conclui: “Acho que temos que ir além da questão geracional. Sim, nossos meninos e meninas, até filhos e filhas de pessoas da igreja, confirmam e desaparecem. Devemos ter a linguagem dos jovens? Educá-los? Não é correndo atrás da juventude que se resolve. Em vez disso, devemos ser como alguém que semeia uma semente. Somos uma comunidade de fé onde a esperança pode ser encontrada desde o berço até a velhice. Somos uma minoria, é verdade, mas isso é relevante? O cristianismo hoje dá esperança? Tem o frescor que você precisa? A esperança protestante, a esperança evangélica, é a certeza das coisas que se esperam. Em cada semente que plantamos. Enquanto isso vamos semear, essa é a nossa vocação no mundo, desde a ética protestante do trabalho até todos os outros grandes temas contemporâneos. Ser 'semeador', como diz a histórica revista protestante de evangelização. Podemos não colher, mas acho que não devemos ter tanto orgulho de nós mesmos a ponto de querermos ver os frutos. Quem ensina sabe disso. Ensina-se, como um dom gratuito que não se sabe que rumos vai tomar e onde vai brotar”. Os congressos FFEVM e FDEI acontecerão em Florença de 23 a 26 de março. “A escolha de uma fórmula 'combinada' – lê Riforma.it – é motivada pela necessidade de conter custos, mas também para facilitar a participação em ambos os congressos”. Aqui o programa completo: Congresso de Cartazes. ...

Ler artigo
Dia do clique, eu era estrangeiro: cotas do governo são insuficientes

Dia do clique, eu era estrangeiro: cotas do governo são insuficientes

Roma (NEV), 29 de março de 2023 – Aproximadamente 245.000 pedidos foram recebidos ontem por ocasião do dia do clique para a entrada de trabalhadores estrangeiros na Itália, três vezes o número de cotas previstas pelo decreto de fluxo do ano passado, ou seja, 82.705. Relativamente às pessoas que não vão ser incluídas neste contingente, está em curso uma reflexão que levanta a hipótese de canais preferenciais para quem já se candidatou: quem não regressar poderá não ter de repetir a candidatura e tem lugar reservado. O governo, inclusive, está discutindo a abertura de mais um clickday nos próximos meses, diante de um novo decreto de fluxos. “Como amplamente previmos e repetimos há poucos dias, no dia do clique de ontem, as quotas definidas para a entrada de trabalhadores e trabalhadoras de países terceiros para 2023 esgotaram-se em poucos minutos e dois terços das candidaturas enviadas pelos empregadores Dito de forma ainda mais clara - apoio às entidades promotoras da campanha Fui estrangeiro, que inclui também a FCEI - mais de 240.000 empregadores têm apresentado regularmente pedidos de entrada e contratação de tantos estrangeiros, mas apenas um terço deles, cerca de 82.000, poderão efectivamente vir trabalhar no nosso país, apesar de existirem empresas e empregadores individuais que precisam destes números. A mesma situação havia surgido no ano passado e no passado. Então, vamos voltar a perguntar ao governo: por que repetir que quer focar nas entradas regulares e depois limitar o acesso à única via de entrada legal para o trabalho que a legislação prevê?” “Como sublinha o documento que a campanha enviou nos últimos dias à primeira Comissão do Senado no âmbito da apreciação do decreto-lei dos fluxos migratórios, não basta simplificar o procedimento de entrada e permitir a rápida contratação de trabalhadores e trabalhadoras ” continuam as organizações que promovem a campanha. "Se não forem enfrentadas as questões que o atual sistema apresenta - e que conhecemos há vinte anos - é impossível, por um lado, atender às reais necessidades do mundo produtivo e, por outro, permitir que homens e mulheres trabalhadoras venham trabalhar para o nosso país com todas as salvaguardas e garantias. Por que não dar ao empregador a possibilidade de contratar pessoas do exterior a qualquer momento, sem a necessidade de definir um dia de clique? Poderíamos começar com a introdução da figura do patrocinador com a possibilidade de apoiar a entrada de estrangeiro para permitir o ingresso no mercado de trabalho, mediante garantias, evitando assim, entre outras coisas, sobrecarregar os escritórios, prefeituras e polícias sede em particular, que já está perpetuamente com problemas e com falta de pessoal. É certo que o decreto em tramitação no Parlamento prevê no art. 2 que os pedidos que excedam as cotas podem ser examinados no âmbito dos decretos posteriores. Mas quanto tempo levará para abrir uma nova janela? Que resposta damos aos empresários do sector do turismo que precisam de começar a época balnear dentro de um mês e têm pessoal suficiente? Ou para as muitas construtoras em um momento de máximo comprometimento? Ou, ainda, às dezenas de milhares de trabalhadores que têm apenas esta loteria disponível para poder entrar na Itália e trabalhar sem riscos? Por estas razões, a campanha elaborou “algumas emendas ao decreto em discussão no Senado, apresentadas por várias forças políticas e que pedimos ao governo e à maioria que aprovem. Primeiro, no art. 1, a definição das cotas para cada ano não deve ignorar o que aconteceu no ano anterior, de modo a refletir as necessidades reais dos setores produtivos e dos trabalhadores e trabalhadoras que esperam poder entrar regularmente na Itália. É ainda necessário garantir aos empregadores cuja candidatura não se enquadre inicialmente nas quotas estabelecidas, a possibilidade de proceder ao recrutamento em prazo curto e definido, introduzindo o prazo de 30 dias para a adoção de novo decreto dedicado aos pedidos que excedam o dia do clique enviado nos primeiros dez dias contados do início da transmissão Dentre as medidas de simplificação previstas no art. 2, propõe-se inserir uma intervenção para proteger trabalhadores e trabalhadoras. Como também já foi feito no passado, é necessário prever que nos casos de não finalização do recrutamento por motivos imputáveis ​​exclusivamente ao empregador, seja emitida ao cidadão estrangeiro uma autorização de residência para aguardar emprego, que dê a possibilidade de encontrar outro trabalho e convertê-lo em uma autorização de trabalho. Devem então prever-se as disposições já estabelecidas em junho de 2022, entre as intervenções de simplificação do governo Draghi sobre o decreto de fluxos, que é a possibilidade de permitir o acesso ao processo de recrutamento de pessoas já presentes na área e imediatamente disponíveis para trabalhar. Não há como, de fato, contratar e legalizar uma pessoa que já está na Itália, mas está sem documentos e talvez trabalhe ilegalmente, a não ser por meio de uma anistia, como aconteceu muitas vezes nos últimos vinte anos. Para essas pessoas, o decreto de fluxos é a única maneira de regularizar sua situação, mesmo com o custo de sair e voltar da Itália. Esta prática deveria ser ultrapassada em primeira instância com a alteração proposta, sem prejuízo da nossa proposta de introdução de um mecanismo de regularização individual e sempre acessível face à disponibilidade de emprego, que permitiria resolver o problema da irregularidade ser enfrentado a montante".“Reiteramos – concluem as entidades promotoras da campanha – que não basta remodular os decretos de fluxo que, mais uma vez, se têm revelado ineficazes. Para obter uma gestão eficaz da entrada no trabalho no nosso país, são necessárias reformas orgânicas que tomem nota do que está a acontecer na realidade não só no que diz respeito às necessidades do nosso mercado de trabalho, mas também no que diz respeito às expectativas de uma vida melhor no nosso país dos trabalhadores e trabalhadoras e suas famílias”. ...

Ler artigo
A Palavra Escrita – Nev

A Palavra Escrita – Nev

Roma (NEV), 9 de março de 2023 – Por ocasião do dia do patrimônio cultural metodista e valdense, é possível visitar em Roma, na igreja da via XX Settembre, até sábado, 11 de março, a exposição sobre a Bíblia "Os escritos Palavra", em colaboração com a Sociedade Bíblica Italiana. “A ideia da exposição nasceu há alguns anos para lançar as atividades da empresa na Itália”, conta Lorenzo Sgro, secretário da Sociedade Bíblica e voluntário do serviço público no Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. A exposição “compõe-se de 13 painéis expositivos que exibem imagens de manuscritos de várias épocas, dos primeiros maquinários de aparelhos modernos usados ​​para imprimir edições da Bíblia. Os textos exibidos nos painéis narram as atividades das sociedades bíblicas no mundo e na Itália e também é possível consultar vários volumes de traduções da Bíblia em línguas européias, asiáticas, africanas, antigas e modernas”. A iniciativa, explicam os promotores, “visa dar a conhecer as atividades nas igrejas que apoiam financeiramente o trabalho de investigação da Sociedade Bíblica e, ao mesmo tempo, envolver nas atividades tanto as novas igrejas como as paróquias católicas”. É de facto possível, aos interessados, registar-se como membro, participar com apoio financeiro em actividades de investigação, tradução e divulgação. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.