Especial Karlsruhe// O primeiro dia: “Uma oportunidade imperdível de ver as crises de…

Especial Karlsruhe// O primeiro dia: “Uma oportunidade imperdível de ver as crises de…

Especial Karlsruhe// O primeiro dia: “Uma oportunidade imperdível de ver as crises de…

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Ilaria Castaldo

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Ilaria Castaldo

Roma (NEV), 26 de outubro de 2021 – Em vista da Assembleia que se realizará dentro de alguns dias, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) encerrará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente será eleito , reunimos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho no Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo É hora de Ilaria Castaldotenente auxiliar do Exército de Salvação, atualmente responsável pela Casa Vacanze Concordia e pela comunidade local de Forio d'Ischia. Qual é a sua avaliação desta experiência? “O balanço desta experiência é absolutamente positivo. Lembro-me dos Assizes em que fui eleito: cheguei a Pomezia quando realmente não sabia nada sobre a FCEI. A única coisa que me deu coragem na época foi ver rostos conhecidos aqui e ali, já que a família de minha mãe é valdense. De resto, era tudo para perceber… Mas naqueles dias, ouvindo o relatório trienal e assistindo às várias sessões pensei que gostaria de mais Exército de Salvação na FCEI e mais FCEI no Exército de Salvação. Desde o primeiro Concílio em Roma, tentei entender o que realmente era a FCEI e qual o papel que o Exército poderia desempenhar em tudo isso. Nos últimos anos trabalhamos muito, em programas, mas também em unidade e possíveis interações. Foram anos de viragem para algumas questões e foi emocionante ter a sensação de contribuir para os progressos, conquistas e mudanças que aconteceram. Como representante de uma igreja que sempre luta com a falta de meios financeiros, foi bom ajudar e contribuir para a criação, design e implementação de uma série de projetos que agora estão em pleno andamento. Esses anos foram uma grande oportunidade para ampliar meu horizonte no cenário evangélico da FCEI. Tive oportunidade de visitar algumas das nossas realidades, de constatar a inventividade, espírito e vontade dos nossos coordenadores e operadores. Tentei ajudar a aumentar a conscientização sobre o FCEI em minha comunidade e talvez também o Exército de Salvação no FCEI. Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? A quem me substituir no Conselho como representante do Exército, gostaria de recomendar que "estejam lá". Muitas vezes ser minoria pode te levar a dar um passo atrás, mas acho que a beleza da FCEI é que somos um condomínio de igrejas que procuram ser uma família para fazer o bem ao próximo e a nós mesmos. Isso é algo que vale a pena gastar dinheiro. É maravilhoso que, com nossas particularidades, possamos trabalhar juntos, nos conhecer, nos enriquecer e atender às necessidades dos outros. Todos nós temos algo para dar. Em geral, no próximo Concílio gostaria de dizer duas coisas. Estrategicamente, estar junto é mais inteligente: juntos temos mais chances de sermos relevantes e mais eficazes nas ações que realizamos. Em um mundo onde há exclusões de todo tipo em benefício de uma uniformidade que cheira a achatamento, a ideia de igrejas com ideias e posicionamentos diferentes em alguns campos, mas que saibam planejar, dialogar e trabalhar juntas é uma realidade que vale a pena defender. E quero concluir repetindo o que venho dizendo há algum tempo: não esqueçamos de dizer, sempre que tivermos oportunidade, o que nos move. O que chamamos de "testemunho" deve ser explícito, transmitido, explicado como 1 Pedro 3:15 diz "Estai sempre prontos para dar conta da esperança que há em vós". Fazemos muitas coisas importantes e bonitas com profissionalismo e cuidado: seria muito triste se não disséssemos que somos motivados e movidos pelo amor por excelência: aquele demonstrado por Deus através de Jesus Cristo. Bom trabalho para todos vocês!". ...

Ler artigo
Bruxelas/UE.  3 milhões de euros para proteger locais de culto

Bruxelas/UE. 3 milhões de euros para proteger locais de culto

Foto CEC Roma (NEV/KEK), 6 de maio de 2021 – A Conferência das Igrejas Europeias (KEK), juntamente com o Centro de Segurança e Crise (SACC) do Congresso Judaico Europeu (EJC), Faith Matters e União Budista Europeia, recebeu uma subvenção de 3 milhões de euros da Comissão Europeia para a protecção dos locais de culto na Europa. Essa parceria inter-religiosa, que representa comunidades cristãs, muçulmanas e judaicas em toda a Europa, é chamada de “Comunidades mais seguras e fortes na Europa” (SASCE). É a primeira vez que quatro organizações religiosas europeias trabalharão juntas em um projeto conjunto financiado pela Comissão Européia para melhorar a segurança. “Estamos muito satisfeitos por fazer parte desta importante iniciativa – disse o Secretário-Geral da CEC Jørgen Skov Sørensen -. Juntamente com outros parceiros religiosos, esperamos contribuir com nossa experiência e conhecimento na área de proteção de locais sagrados e locais de culto na Europa." “É um trabalho importante, tendo em vista os ataques a locais religiosos nas últimas décadas. A questão é muito preocupante para nossas igrejas-membro”, acrescentou. O projeto O projeto SASCE visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como entre as comunidades. As quatro organizações desenvolverão ferramentas para fortalecer a conscientização sobre segurança e o gerenciamento de crises. Uma rede coordenará cursos de treinamento e briefings para comunidades religiosas. Campanhas de comunicação também serão ativadas. Finalmente, o projeto pretende promover a confiança e a cooperação entre a sociedade civil e as autoridades nacionais. O Grupo Focal de Direitos Humanos da CEC desempenhará um papel fundamental na implementação do projeto. À frente do grupo, o Secretário Executivo do CEC, Elizabeth Kitanovic. Uma publicação sobre a proteção de locais sagrados e locais de culto será lançada em breve. Esta publicação servirá de base temática para a próxima Escola de Verão CEC 2021 sobre “Direitos Humanos e Liberdade de Religião ou Crença e Segurança”. O projeto é financiado pelo Fundo de Segurança Interna da Comissão Europeia “ISF-P” e terminará em 2023. Saiba mais sobre as atividades de direitos humanos da CEC Para maiores informações: Naveen QayyumChefe de comunicação KEK [email protected] – Facebook: www.facebook.com/ceceurope – Twitter: @ceceurope ...

Ler artigo
Operação Especial: Paz – Nevada

Operação Especial: Paz – Nevada

Roma (NEV), 18 de julho de 2022 – Assis no centro de uma iniciativa internacional de paz e desarmamento. O encontro - que pode ser assistido em directo aqui - promovido pelo município da Úmbria, Rai Umbria e Rai para a ESG Sustainability visa "promover a resolução pacífica de conflitos através da diplomacia, cooperação, diálogo inter-religioso e intercultural, promovendo a participação das mulheres na tomada de decisões mesas, trazendo os conteúdos e princípios do “No Women No Panel”, projeto da Rai para o equilíbrio de gênero no debate público, mesmo em teatros de guerra”. Entre os palestrantes também o pastor batista Gabriela Lioda Federação das Mulheres Evangélicas da Itália. “No mundo – lê-se no comunicado que lança hoje a iniciativa – nos últimos dois anos apenas 6% das mulheres mediadoras e 13% das mulheres negociadoras estiveram formalmente envolvidas em mesas e processos de paz. No entanto, as mulheres não estão realmente ausentes, mas sim invisíveis: estão nos bastidores, criando pontes e conexões. Mesmo redes informais, associações e ONGs são o motor de uma sociedade civil que, embora nem sempre encontre representação institucional, atua como sentinela da paz. Assegurar a participação das mulheres em mesas estratégicas não é apenas uma questão de democracia e igualdade de gênero, mas significa liberar a outra metade dos talentos e habilidades que a sociedade pode oferecer para a resolução pacífica e duradoura de conflitos e ampliar a capacidade de ouvir as necessidades das populações". Aqui o programa e a nota de imprensa do Rai. artigo anteriorEm tempos sombrios, ouse ter esperançaPróximo artigoUma torre de livros 2022 Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.