Quem são os imigrantes?  – Neve

Quem são os imigrantes? – Neve

Roma (NEV), 27 de outubro de 2022 – Trazendo “Luta e verdade, a partir de palavras e dados”. O escritor disse isso esta manhã Djarah Kan, na apresentação do 32.º “Dossiê Estatístico da Imigração 2021”, editado pelo Idos, em colaboração com o Confronti e o Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V”. A referência é justamente às análises contidas no relatório – 493 páginas, informações estatísticas e análises elaboradas por uma pluralidade de estudiosos, projeto apoiado pelo Otto per mille da Tábua Valdense. Uma ferramenta na “caixa de ferramentas” de qualquer pessoa, por diversos motivos, que lida com (ou quer entender) migração.

Na reunião desta manhã, moderada por Cláudio Paravatidiretor do Confronti e apresentador do Protestantesimo on Rai Tre, compareceu, além de Kan, Luca Di Sciullo, presidente do centro de estudos e pesquisas IDOS, don Mussie Zerai (conectado do Canadá), padre e ativista eritreu, fundador da agência Habeisha, moderador da Mesa Valdense Alessandra Trottao jornalista Eleanor Camillio sociólogo da Universidade Estadual de Milão Maurizio Ambrosinio prefeito de Prato Mateus Biffonidelegar às políticas de Imigração e integração da Anci, em ligação de vídeo, Paulo de Nardis, presidente do Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V”.

os números falam

No que diz respeito aos migrantes que desembarcaram na Itália entre 2021-2022, segundo o relatório, “se olharmos para os fluxos migratórios rumo à Itália, as nacionalidades declaradas pelos migrantes são atribuíveis aos países que mais sofrem com a pressão das mudanças climáticas “. Entre 2021 e 2022 “entre os principais países de origem encontramos: Tunísia, Egipto, Bangladesh, Afeganistão, Síria, Costa do Marfim, Eritreia, Guiné, Paquistão e Irão”. No início de 2022 “havia 3.561.540 cidadãos extracomunitários a residir legalmente em Itália, um número que aumentou, face ao ano anterior (quando eram 3.373.876), de 187.664 unidades (+5,6%) e que, no entanto, continua ainda mais baixo do que os 3.615.826 no início de 2020 e os 3.717.406 no início de 2019.

Quanto ao contributo dos migrantes para a economia, a análise apresentada “confirma também para 2020 um saldo positivo entre receitas e despesas atribuíveis à imigração: face a saídas de 28,9 mil milhões, as receitas ascenderam a 30,2 mil milhões, garantindo um saldo positivo de quase 1,3 mil milhões de euros ”. É um dos dados contidos no dossiê discutido esta manhã em Roma, no Teatro Dom Orione, e ao mesmo tempo em todas as regiões italianas. “A dimensão do saldo – explica o Relatório – diminuiu sem dúvida face a 2019, quando tínhamos assistido a um ganho de 4 mil milhões de euros para o Estado, mas sabe-se que a pandemia em parte agravou a fragilidade social e económica, em parte detonou novos. O valor das despesas durante o ano de 2020 aumentou assim, com particular destaque para as despesas com redes de segurança social, que quase duplicaram face a 2019. No entanto, refira-se que as escolhas metodológicas efetuadas seguiram um percurso de estimativa parcimonioso”.

“No geral, confirma-se o que emergiu dos Dossiês anteriores, segundo os quais os estrangeiros contribuem tanto para a estabilidade do tecido produtivo do país como para o seu sistema de proteção social, incluindo a educação”, conclui o texto.


AQUI a lista de apresentações do Dossiê em andamento hoje em toda a Itália.

AQUI o comunicado de imprensa CS_Hoje a apresentação do Dossiê Estatístico de Imigração 2022 ocorreu após a apresentação de Idos.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Wim Wenders premiado pelo Júri Ecumênico em Cannes

Wim Wenders premiado pelo Júri Ecumênico em Cannes

O Júri do Prêmio Ecumênico também expressou seus votos e atribuiu seu prêmio ao filme “Dias Perfeitos” De Wim Wenders. O enredo: Hirayama trabalha limpando os banheiros públicos de Tóquio. Ele vive uma vida simples e uma rotina diária muito estruturada. Tem paixão por música, livros e árvores, que adora fotografar. Seu passado está prestes a ressurgir por meio de encontros inesperados. Motivos da premiação: “Esta obra-prima cinematográfica é uma joia com muitos atributos poéticos. Através dos vários personagens, o diretor transmite um poderoso conto de esperança, beleza e transfiguração em nosso cotidiano. A dignidade do protagonista, a realização do seu árduo trabalho, mas também o seu respeito pelos outros e a sua admiração pela natureza, retratam valores universais que muitas vezes faltam nas nossas sociedades contemporâneas. Este filme é pura graça.” O júri ecumênico também quis fazer uma menção especial a outro grande cineasta, Ken Loachcom o seu “Carvalho de Odl”. A trama: TJ Ballantyne é o dono do Old Oak, um pub que corre o risco de fechar depois que refugiados sírios chegam ao país sem avisar. Logo, TJ conhece uma jovem síria, Yara, que possui uma câmera. Uma amizade se desenvolve entre os dois... A motivação: “É um retrato intenso e comovente dos temas de acolhimento de estrangeiros, populismo e solidariedade nas comunidades locais. O filme mostra o surgimento da compaixão e da ajuda mútua, por meio de refeições compartilhadas e lutas comuns”. Desde 1974, o Júri Ecumênico é convidado ao Festival da França para premiar um filme da competição oficial.As associações Signis e Interfilm nomearam um Júri Ecumênico composto por seis membros de diferentes culturas e países. Esses jurados, renovados a cada ano, são competentes no campo do cinema como jornalistas, críticos, teólogos, pesquisadores, professores... São membros de uma das Igrejas cristãs e estão abertos ao diálogo inter-religioso. Eles se reúnem em vários momentos do Festival, analisam e comentam os filmes e deliberam de forma independente. A Interfilm foi fundada em 1955 por numerosas associações cinematográficas protestantes na Europa, organizadora de júris nos festivais de cinema mais importantes como Cannes, Berlim, Locarno. Desde 2011 também em Veneza, com o apoio da associação de cinema protestante "Roberto Sbaffi". A Signis é uma associação homóloga, nascida no âmbito católico. ...

Ler artigo
batistas.  Começa em Roma o Festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

batistas. Começa em Roma o Festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

Roma (NEV), 4 de setembro de 2013 - A história dos batistas em nosso país, os desafios da sociedade italiana, o acolhimento dos estrangeiros, as relações intergeracionais, as "igrejas verdes" e a salvaguarda da criação, o mundo da prisão, as relações com os outros igrejas protestantes. Estes são apenas alguns dos temas que serão abordados durante os quatro dias da Festa Batista, que acontecerá em Roma de 5 a 8 de setembro próximo. O evento será aberto amanhã à tarde com um culto presidido pelo pastor Raffaele Volpe, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Os momentos de reflexão previstos pelo programa (www.ucebi.it) são muitos, a partir das oficinas organizadas principalmente pelos departamentos de teologia, para as igrejas internacionais e de evangelização da UCEBI. Duas entrevistas públicas também estão planejadas. A primeira, sexta-feira à tarde, no chamado BMV - isto é, a colaboração entre as igrejas batista, metodista e valdense: entrevistar o presidente batista Volpe, a presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Alessandra Trotta , e o moderador da Mesa Valdense Eugenio Bernardini, será Luca Maria Negro, diretor do semanário "Riforma". No sábado de manhã, a Pastora Anna Maffei moderará um encontro sobre a dimensão internacional dos batistas, com intervenções de Tony Peck, secretário-geral da Federação Batista Europeia; Karin Wiborn, secretária geral do Conselho das Igrejas Cristãs da Suécia; e Regina Claas, vice-presidente da Aliança Batista Mundial. Também na tarde de sábado, a imigração, o meio ambiente e a política serão discutidos em uma conferência moderada por Gian Mario Gillio, diretor da revista "Confronti", que contará com a presença de Franca Di Lecce, diretora do Serviço de Refugiados e Migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Herbert Anders, membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente da FCEI, e Mercedes Frias, ex-deputada do Parlamento italiano. Uma exibição documental sobre a história e os princípios batistas estará em exibição durante todo o Festival. A programação do Festival será apresentada amanhã, quinta-feira, 5 de setembro, em entrevista coletiva a ser realizada às 13h na sala de imprensa da Câmara dos Deputados na via della Missione 4. Além do presidente da UCEBI Raffaele Volpe, o teólogo batista Também falarão Elizabeth Green e o parlamentar Luigi Lacquaniti. ...

Ler artigo
O dia em que o mundo disse não à guerra

O dia em que o mundo disse não à guerra

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – “As manifestações antiguerra deste fim de semana nos dizem que podem restar duas superpotências no planeta: os Estados Unidos e a opinião pública mundial”. Foi assim que o New York Times descreveu a onda de 110 milhões de pessoas que saíram às ruas em 15 de fevereiro de 2003 em todo o mundo, de acordo com seu próprio fuso horário, para se manifestar contra a guerra iminente no Iraque. “Uma superpotência de que o mundo ainda precisa”, disse ele Alfio Nicotraco-presidente da associação "Un ponte per", na abertura da conferência "Deserto a terceira guerra mundial em pedaços" - realizada em Roma na igreja metodista na via XX Settembre por iniciativa de "Un ponte per" e o “Rete paz e desarmamento” – que com exatos vinte anos quis relembrar aquelas manifestações para tentar refletir sobre o presente. Chris Nineham “Depois o movimento pacifista viu-se em ligação com a maioria da população mundial, propondo uma análise partilhada da realidade e uma clara rejeição da guerra”, recordou Chris Nineham, por Stop the War Coalition, via link de vídeo de Londres. Um contexto muito diferente do atual em que “a análise da guerra na Ucrânia é controversa e não há consciência de que o Ocidente segue uma política de guerra que se faz passar por uma luta de libertação”. “As manifestações de 2003 não impediram a guerra, mas certamente a detiveram. Os governos sabiam que estavam sob o escrutínio da opinião pública”, destacou. Piero Bernocchi Porta-voz do COBAS, recordando o papel crucial desempenhado pelo I Fórum Social Europeu realizado em Florença em 2002, do qual nasceu a ideia de um dia mundial de mobilização contra a intervenção no Iraque. Se aquela experiência rendeu frutos, a rede que hoje a sustentava encontra-se dispersa pela crise económica que mudou as pautas da opinião pública, pelo vício de duas décadas de guerras permanentes, mas também pela dificuldade de identificar um antagonista claro se opor: “Em 2003, o poder de oposição era claro: os Estados Unidos; enquanto deve ser dito que o anti-imperialismo e a hostilidade à guerra sempre funcionaram menos bem quando a URSS ou a Rússia lideravam as guerras”. Na realidade, voltou a sublinhar Bernocchi, "hoje existem muitos 'bandidos'" porque o mundo está repleto de conflitos regionais que podem ser percebidos como distantes, mas todos potencialmente capazes de gerar um efeito em cadeia e desencadear um conflito global . Bernocchi não tem ilusões sobre o cessar-fogo na Ucrânia: “Terminará quando os Estados Unidos decidirem que não podem mais apoiar esse oneroso apoio militar à Ucrânia. A essa altura, o desafio será definir um acordo negocial que não humilhe a Ucrânia e não recompense a Rússia, distinguindo os agredidos dos agressores”. Também segundo Raffaela Bolini, chefe de relações internacionais da ARCI, "o mundo de hoje não pode ser interpretado com as velhas visões", é preciso saber relê-lo. Nisso, porém, “a experiência de vinte anos atrás ainda pode nos ensinar muito. Antes de tudo a capacidade de não sucumbir à narrativa dominante, mas de desconstruí-la”. Em 2003 significou, por exemplo, resistir ao chamado daqueles que "identificavam o Islã como o inimigo"; hoje, pode ser afirmando que na "Ucrânia não se deve buscar a vitória, mas a paz". A tarefa do movimento pacifista, então como agora, é, segundo Bolini, "estar do lado das vítimas e do direito internacional, não do lado dos governos" e promover uma "segurança comum compartilhada: somente quando meu inimigo se sente seguro, estou seguro também." Filadélfia Bennis Muitas contribuições internacionais propuseram diferentes pontos de vista sobre a guerra na Ucrânia: o dos EUA Phyllis Bennis, do Instituto de Estudos Políticos, recordou os gravíssimos custos colaterais da guerra: a crise alimentar em várias partes do mundo, o drástico recuo das políticas ambientais, a crise energética que provoca uma maior utilização dos combustíveis fósseis, o perigo de um conflito nuclear. São consequências que devem pesar ao se pensar no conflito na Ucrânia. da América do Sul Edgardo Landerdo Transnational Institute and Global Dialogue, convidado a distinguir a guerra travada na Ucrânia, cuja responsabilidade recai sobre a Rússia, da guerra geopolítica global travada pelos EUA no confronto com a China de que também faz parte o conflito na Ucrânia. o iraquiano Ismaeel Daewoodda Iniciativa de Solidariedade da Sociedade Civil Iraquiana deu seu testemunho sobre as consequências de longo prazo da guerra no Iraque. No link do vídeo, Alexandre Belikdo Movimento Russo de Objetores de Consciência, contou como as autoridades russas não respeitam o direito à objeção de consciência e reprimem as "manifestações de luto" pelas vítimas da guerra. Eles também participaram Marga FerréTransformar a Europa; Moussa ThangariEspaço Alternativo Citoyens; Ada DonnoAssociação de Mulheres da Região do Mediterrâneo; Emanuele Genovesesextas-feiras para o futuro; Parisa Nazariativista iraniano; Sérgio Bassoli, Europa para a Paz. Ele moderou a reunião Fábio AlbertiUma ponte para. A reunião aconteceu na igreja metodista na via XX Settembre em Roma, em nome da qual o pároco cumprimentou Mirella Manocchio. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.