No Sínodo o encontro dos “ex-jovens” da FGEI

No Sínodo o encontro dos “ex-jovens” da FGEI

Torre Pellice (TO), 25 de agosto de 2022 – “Tínhamos 20 anos nos anos 80, 30 anos nos anos 90. Todas e todos diferentes *mas com algo que nos unia e ainda nos une: a busca da fé, capaz de incluir a todos*, vivida no protestantismo histórico e a busca da justiça global. Os resultados depois de tantos anos parecem poucos, mas a caminhada nos tornou testemunhas de esperança”. A pastora valdense de Milão escreveu em um post no Facebook Daniela DiCarloteólogo, comentando a foto com um grupo de “ex-jovens” pertencentes à Federação Juvenil Evangélica da Itália, que se reuniram nestes dias por ocasião da Assembleia do Sínodo em Torre Pellice.

“Depois de tantos anos foi possível graças à Assembleia-Sínodo que pudemos encontrar pessoas que foram muito ativas e militantes na FGEI a partir dos anos 1970, portanto várias gerações que se reuniram. Foi muito emocionante, tinha gente que eu não via há quarenta anos, porque nos perdemos de vista ou porque estamos distantes geograficamente. E foi bom não só relembrar todo o caminho percorrido juntos, mas também descobrir que esse vínculo ainda nos mantém unidos, nos motiva a ser atuantes nas igrejas, cada um à sua maneira. Cada um faz coisas diferentes, tem quem está nos conselhos das igrejas, nos consistórios, tem quem fica responsável por abrir e fechar as dependências, mas continuamos todos muito ativos nas igrejas”. Era também um espaço muito político…” Certamente, e afinal o slogan “Outro mundo é possível” foi o que nos manteve unidos mesmo estando dispersos. Mas essa esperança ainda existe.”

Pastora Daniela Di Carlo
A FGEI é uma federação formada por jovens de toda a Itália.
De fato, o nome vem da “Federação da Juventude Evangélica na Itália” e tem como objetivo reunir jovens e moças que reconhecem em sua vocação o testemunho de fé em Jesus Cristo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Maria Vingiani: explorando os caminhos do encontro

Maria Vingiani: explorando os caminhos do encontro

Com efeito, em 2021, recorda Gavarini, foram organizados três momentos de recordação e estudo: dois online, a 26 de fevereiro de 2021, promovidos não só pela Sae, mas também pela Universidade Ca' Foscari de Veneza, pelo San Bernardino Institute of Estudos Ecumênicos em Veneza, da bunda. «Amici di don Germano Pattaro» e por familiares, e uma segunda vez em março; então, em outubro, o Sae organizou um dia na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. O encontro de Pinerolo é promovido pela SAE (Grupo dos Vales de Pinerolo e Valdenses) em conjunto com a Comissão para o Ecumenismo das Igrejas Valdenses do Primeiro Distrito, que aderiu à iniciativa: a intenção é, explica Gavarini novamente, "divulgar este volume e o conhecimento desta figura que esteve entre os pioneiros do ecumenismo na Itália, dando origem a uma associação única a nível europeu, não só na Itália, como notaram testemunhas de autoridade como o teólogo valdense Paulo rico. Aproveitamos também a presença do jornalista em Pinerolo Raffaele Luise, decano dos vaticanistas de Rai, também aluno de Maria Vingiani, tendo sido professor no liceu. Juntamente com Luise envolvemos o atual presidente da Sae, Erica Sfreddaque teve a oportunidade de colaborar durante muito tempo, quando jovem, com a própria Maria Vingiani, como posso dizer que tive a sorte de o fazer eu próprio». Para quem ainda não conhece a figura de Maria Vingiani ou do Sae, uma boa oportunidade para o fazer, numa das primeiras “oficinas ecuménicas” em Itália, Pinerolo. Leia sobre a reforma ...

Ler artigo
O que vai acontecer em Karlsruhe – Nev

O que vai acontecer em Karlsruhe – Nev

Karlsruhe. Foto de Mohamed Amine Ben Haj Slama, unsplash Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2022 – 800 delegados de igrejas-membro de todo o mundo, outros 500 entre observadores, convidados e crentes de várias religiões, mais de 300 estudantes e voluntários. Esses são apenas alguns dos números de participantes - um total de mais de 1.500 pessoas por dia - na próxima cúpula do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que será inaugurada em poucos dias, no dia 31 de agosto, em Karlsruhe, na Alemanha . Sobre o que é isso? Da 11ª Assembleia do CMI, um “Encontro de Fé e Fraternidade” do mais alto órgão de governo do Conselho Ecumênico Mundial, que se reúne normalmente a cada 8 anos (a última vez foi em Busan, na Coreia do Sul, em 2013). O que isso faz? Ele elege o Comitê Central e os presidentes, estabelece a direção "política" do Conselho Mundial de Igrejas, prepara declarações públicas, revisa o trabalho do Conselho, faz quaisquer mudanças na constituição e nos regulamentos, decide as diretrizes financeiras. As decisões são tomadas usando o método de consenso. Para suas igrejas membros, o WCC (WCC em inglês) é, como explica o pastor Michael Charbonnier, que será delegado em Karlsruhe e é membro do Comitê Central do CMI, “um espaço único: um espaço no qual eles podem refletir, conversar, agir, louvar a Deus e trabalhar juntos, questionar e apoiar uns aos outros, compartilhar dons e desafios, e discutem entre si e com a sociedade civil”. O CMI é, por sua vez, "a mais ampla e inclusiva das muitas expressões organizadas do movimento ecumênico moderno, um movimento cujo objetivo é a unidade cristã". O trabalho diário, na Alemanha, será dividido em vários momentos: haverá pré-assembléias sobre mulheres e homens, jovens, indígenas, pessoas com deficiência, oração matutina e vespertina, cinco plenárias e reflexões teológicas, grupos de estudos bíblicos e de formação, conversas ecumênicas, encontros confessionais e regionais, assim como momentos mais "institucionais" e técnicos como Comissões, relatórios e eleições. Haverá também espaços "no estilo de um fórum social", ou seja, i Brunnen (literalmente 'fonte', em alemão), onde acontecerão oficinas, exposições e atividades culturais, performances. “Pequenos passos mas juntos” Qual será a relevância deste evento internacional? “É um momento importante para o cristianismo que tem consciência da necessidade de trabalhar juntos e ter lugares, momentos, momentos em que nos encontramos, nos conhecemos e nos reconhecemos”, declara o pároco Michael Charbonnier. Pr. Michel Charbonnier “Será uma forma de recarregar as baterias espirituais. Para igrejas muito pequenas como as nossas italianas é importante se encontrar em um contexto com igrejas diferentes, de tamanhos diferentes, para se reconhecer como parte de um cristianismo maior e ver que sua voz é preciosa e é ouvida naquele contexto. Além da parte de decisão, há uma parte importante da comunidade, nos encontramos para descobrir ou redescobrir uma enorme diversidade que é uma riqueza em termos de modos de ser Igreja. Isto é funcional para recarregar as baterias mencionadas. E também será importante a comparação com muitas ONGs ligadas às igrejas, associações, redes que trabalham em vários temas, desde a paz na Palestina e em Israel, passando pelo direito à água, até os dos povos apátridas…” Quais são suas expectativas antes de começar a trabalhar? “Será a minha terceira assembleia e por isso saio sabendo que não será possível acompanhar tudo mas que só de estar imerso neste evento será por si só uma experiência única e um grande privilégio. Uma parte importante será o networking, a possibilidade de construir novos relacionamentos”. As convergências serão encontradas em muitas questões e o caminho compartilhado será crucial: "pequenos passos, mas dados juntos". Na mesa de Karlsruhe, um dos assuntos mais quentes será inevitavelmente a guerra na Ucrânia e, em particular, as posições expressas pelo Patriarca Kirill. “A declaração do CMI, em junho passado, sobre a Ucrânia lança as bases para um trabalho mais ponderado e pode neutralizar o risco de conflitos – explica Charbonnier -. A assembléia trabalhará, portanto, no sentido de baixar os braços, físicos e outros, ou seja, para não elevar o nível de confronto também em termos de diplomacia eclesiástica. Por outro lado, deve-se lembrar que as igrejas ortodoxas não são monolíticas, há dissidência interna e também na política paralela há certamente uma oposição à linha de Putin. Em todo caso, o comitê central, por unanimidade por consenso - incluindo, portanto, os delegados do patriarcado de Moscou - já considerou que a tarefa do conselho não era aumentar o nível de confronto, como eu disse. A tarefa dos cristãos é trabalhar pela reconciliação e expulsão só isto de uma igreja – o que nunca aconteceu nem para igrejas durante o apartheid na África do Sul – acho que é um atalho”. E quanto à exploração da fé? “Devemos continuar denunciando e abrindo espaços contra esse uso perverso da fé”, conclui o pároco valdense. não ao eurocentrismo o pastor estagiário Simone De Giuseppe Simone De Giuseppe, battista, pároco probatório nas igrejas de Gravina e Altamura, na Puglia, 30 anos, está em sua primeira experiência como delegado à Assembleia da CEC. “Mesmo sendo um geração do milênioacho que a questão do clima, como você já apontou também Ioan Sauca, estar grávida, para qualquer outro discurso. Por isso, acho que deve ter um destaque particular e espero que sejam tomadas posições fortes sobre isso porque o futuro depende do clima e, infelizmente, percebemos a irreversibilidade do que está acontecendo”, declara De Giuseppe. Do ponto de vista humano e pessoal, o jovem Batista está "animado por poder compartilhar um encontro tão internacional, um compromisso global que certamente dará uma oportunidade preciosa para a riqueza de crenças e experiências, que já tive em parte em meus estudos teológicos no instituto ecumênico de Bossey, na Suíça, centro do Conselho Ecumênico de Igrejas”. Uma ocasião, portanto, mais única do que rara, aquela em que “mais de 4500 pessoas se reunirão, num momento histórico particularmente significativo como este que vivemos na Europa. Será um momento para realmente nos perguntarmos "Que Europa queremos construir?" Gostaria que tudo não fosse feito em chave eurocêntrica - conclui De Giuseppe -, há um risco neocolonial de viver o cristianismo com uma perspectiva autorreferencial que deve ser superada. Olhemos para os muitos hemisférios do sul, partamos das necessidades das populações e territórios que mais sofrem com o estilo de vida ocidental, escutemos as vozes dos oprimidos. A começar pelos rumores de que estarão presentes em Karlsruhe. Espero sinceramente, dado o caminho já percorrido pelo concílio ecumênico nessa direção, que possamos dizer 'não' à armadilha do eurocentrismo”. O CMI reúne igrejas, denominações e associações de igrejas em mais de 120 países e territórios em todo o mundo, representando mais de 580 milhões de cristãos* e incluindo a maioria das igrejas ortodoxas, anglicanas, batistas, luteranas, metodistas e reformadas, bem como muitas igrejas unidas e independentes igrejas. Enquanto a maioria das igrejas fundadoras do WCC eram européias e norte-americanas, hoje a maioria das igrejas-membro são encontradas na África, Ásia, Caribe, América Latina, Oriente Médio e Pacífico. Existem atualmente 352 igrejas membros. A agência de notícias NEV acompanhará o evento na Alemanha com seu editor. Artigos, entrevistas e insights serão publicados por Karlsruhe durante o encontro, a partir de 31 de agosto. Para saber mais: “Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática" “CEC. Rumo à Assembleia na consciência do valor de um organismo global”, da Reforma Todos os materiais aqui: www.oikoumene.org Aqui estão as últimas declarações do CEC: sobre a Ucrânia a-matar-e-todas-as-outras-consequências-miseráveis-que-acarrete-é-incompatível-com-a-própria-natureza-dos-deuses sobre Israel e Palestina direitos humanos iguais para todos na terra santa sobre a emergência climática de ação contra as mudanças climáticas sobre exploração sexual, abuso e violência e-assédio chama-igrejas-para-desafiar-a-injustiça-conscientizar- sobre as necessidades da Etiópia no chifre da África sobre o recém-eleito secretário-geral Relatório da Comissão Executiva de maio de 2022 oferece espaço para ouvir e cuidar uns dos outros Entrevista com o secretário-geral sobre a guerra na Ucrânia As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Coronavírus, a FCEI abre uma assinatura

Coronavírus, a FCEI abre uma assinatura

foto de unsplash.com Roma (NEV), 20 de março de 2020 - Seguindo a iniciativa da Tavola Valdese (as Igrejas Valdenses e Metodista, recordamos, são membros da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, ed), que ontem destinou 8 milhões de euros para a emergência coronavírus e para o "depois", a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) lança hoje uma assinatura para financiar intervenções para combater a pandemia causada pelo coronavírus e impedir sua propagação. “Nos dirigimos aos membros das igrejas evangélicas – explica o presidente da FCEI, pároco Luca Maria Negro – em um momento difícil e doloroso para todos. Manifestamos a nossa proximidade fraterna a quantos, devido à pandemia, perderam familiares e amigos, e a quantos trabalham no seu combate e contenção, em condições nem sempre seguras e com proteção nem sempre adequada. Fazemos o nosso apelo a um comportamento responsável e ao cumprimento rigoroso das normas emitidas nos dias de hoje. Peçamos ao Senhor que nos ajude a superar esta prova e, nestes dias difíceis, a não nos abandonarmos ao desânimo e ao desespero. Temos fé - prossegue o presidente da FCEI - que Deus que se revelou em Cristo é o Senhor da Vida, nos ama e não nos deixará sozinhos. Sentimos também a necessidade de promover ações concretas de apoio àqueles que estão trabalhando com todos os meios para conter os efeitos do vírus e, dentro dos limites de nossas forças, apoiar aqueles que mais precisam de proteção e assistência. Para isso a FCEI lança uma subscrição cuja arrecadação será revertida em três direções: fornecimento de kits desinfetantes a lares de idosos, centros de saúde, centros de imigrantes e outras instituições de utilidade pública; apoio aos institutos que monitoram a propagação do vírus para preparar planos de contraste adequados; apoio a 'casas de saúde' ou outras unidades básicas de saúde envolvidas em ações para prevenir a propagação da pandemia. Diante deste ensurdecedor 'gemido da criação' – conclui Negro citando o apóstolo Paulo (Romanos 8:22) – queremos ser testemunhas concretas e confiantes, operárias da esperança cristã que ilumina até a noite mais escura”. Os pagamentos para contribuir com a assinatura podem ser feitos por transferência bancária à ordem da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, especificando o motivo "emergência de coronavírus”: Conta corrente em nome da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália Unicredit Bank – Via Vittorio Emanuele Orlando, 70, 00185 Roma IBAN: IT26X0200805203000104203419 BIC: Bic/rápido: UNCRITM1704 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.