Por que a Igreja precisa do feminismo interseccional

Por que a Igreja precisa do feminismo interseccional

Roma (NEV), 9 de dezembro de 2021 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC) organiza, para terça-feira, 14 de dezembro, o webinar: “Por que a igreja precisa do feminismo interseccional“.

Este é o relançamento das políticas de justiça de gênero da Comunhão Mundial. O horário é das 15h às 16h30 (horário da Europa Central). eles participam Isabel Apawo Phiri, Peggy Kabonde, Aruna Gnanadason, Hanna Reichel e Eva Rebecca Parker. Moderado Karen Georgia Thompson*.

“A intenção do webinar é destacar a disparidade de gênero em nossas igrejas. E aprender com o que o feminismo pode nos oferecer para nos tornarmos uma comunidade justa de iguais”, disse ela. Philip Vinod PavãoCMCR Justiça e Testemunho Executivo.

Para se inscrever no webinar clique aqui

A Política de Justiça de Gênero do CMCR foi iniciada pelo Conselho Geral de 2017 e adotada pelo Conselho Executivo no início deste ano. Isso combina com a visão da Comunhão de viver seu chamado por justiça. Também convida as igrejas a participar da missão transformadora de Deus, e entre seus objetivos mais específicos está, por exemplo, abordar as desigualdades e injustiças de gênero na Comunhão e nas igrejas-membro.

“A justiça de gênero inclui relacionamentos justos e igualitários, respeito e responsabilidade na reciprocidade, respeito pela criação e o direito de todas as pessoas de experimentar a vida ao máximo. Justiça de gênero aborda gênero e injustiça econômica, violência baseada em gênero e toda uma gama de questões sociais que estão enraizadas em relações de poder desiguais. É um elemento fundamental para a Igreja e para a sociedade”, lê-se na introdução do documento sobre a política de gênero da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas.

O Comitê Executivo do CMCR, entre outras coisas, reuniu-se recentemente, lançando a Década do clima. A Comunhão também está organizando o Conselho Geral, a ser realizado em 2025, e iniciou um processo de reorganização tanto para os Conselhos Regionais adicionais quanto para a busca de um novo Secretário Executivo (prazo para nomeações: 15 de janeiro de 2022).


*Phiri é secretário-geral adjunto do Conselho Mundial de Igrejas (WCC). Kabonde é o ex-secretário geral da Igreja Unida da Zâmbia. Gnanadason é ex-coordenadora do Programa de Mulheres do WCC e da equipe de Justiça, Paz e Criação. Reichel ensina no Seminário Teológico de Princeton. Parker é professor na Durham University. Thompson é Ministro Geral Associado para Ministérios da Igreja e Co-Diretor de Ministérios Globais da Igreja Unida de Cristo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Armas e bilhões.  O “negócio principal”

Armas e bilhões. O “negócio principal”

Detalhe da capa do livro Futura D'Aprile "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27) Roma (NEV), 30 de março de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) relança a declaração do Observatório sobre os gastos militares italianos (MIL€X). Os Estados-Maiores das Forças Armadas pediram investimentos extraordinários para novos armamentos. "O custo dos investimentos extraordinários em novos armamentos será de pelo menos 25 mil milhões de euros - escreve MIL€X - se o ministro da Defesa Guido Crosetto implementará as propostas que os Chefes do Estado-Maior do Exército, da Marinha e da Aeronáutica apresentaram em suas audiências programáticas às Comissões de Defesa da Câmara e do Senado". Um programa de rearmamento, prossegue o Observatório, “impressionante, que teria um impacto considerável nos orçamentos dos Estados, justificado pelos militares com o risco real de guerra provocado pelo conflito na Ucrânia, mas que suscita mais do que uma perplexidade. Também em atenção ao recorde de aprovações de programas de compras militares ocorridas na última Legislatura”. Sobre o tema das armas e sistemas de guerra made in Italy, esta noite em Turim (18h00 no Circolo dei Lettori), Riforma – Eco delle valli valdesi juntamente com a Ordem dos Jornalistas do Piemonte e a editora SEB27 promovem um debate. “A política e as indústrias italianas no mercado de armas de guerra: como contribuem para a persistência dos conflitos bélicos, para a repressão de regimes autoritários, para as migrações; por que o setor de Defesa, cujos lucros nunca diminuem, é considerado estratégico e quanto contribui para o PIB e o emprego". É o que lemos na página do Círculo de Leitores dedicada ao evento, que conta com a participação de abril futuroespecialista em assuntos internacionais e armamentos e colaborador do jornal Domani; Albert Perducaex-procurador-chefe de Asti, assessor jurídico do Tribunal Penal Internacional por crimes cometidos na ex-Iugoslávia e depois da agência antifraude de Bruxelas Olaf, e chefe da missão Eulez, moderada por David De Michelisjornalista profissional, autor e realizador de documentários televisivos. Futura D'Aprile é, entre outras coisas, autora do livro "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27), com prefácio de Alex Zanotelli, volume no qual apresenta um panorama da indústria de defesa italiana, as leis utilizadas para regular o comércio de material bélico e a prática de contorná-las. “O negócio de armas nunca está em declínio na Itália como no resto do mundo – escreve Riforma citando o volume – «Seus lucros crescem tanto durante conflitos geopolíticos quanto em caso de crises econômicas, como a causada pela pandemia do COVID-19. O Estado, considerando estratégico o setor de defesa, apóia-o e protege-o da exposição à volatilidade do mercado. A escalada do conflito bélico à margem da União Europeia levou os parlamentos a votarem renúncias às exportações para zonas de guerra e ao aumento das despesas militares, de modo que enquanto na Ucrânia, como no Iémen ou na Líbia, os civis sofrem as terríveis consequências da a guerra, os lucros das holdings ao redor do mundo continuam subindo sem serem perturbados". > reserve aqui o seu lugar no Clube de Leitores de Turim. ...

Ler artigo
Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária

Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária

Roma (NEV), 7 de julho de 2022 – “Planear e gerir os fluxos migratórios para o trabalho de forma a garantir protecção e dignidade a quem chega a Itália e responder às necessidades do mercado de trabalho, superando o sistema ineficaz e tortuoso introduzido pela lei "Bossi-Fini" há vinte anos": ser discutido na quinta-feira 14 de julho em Roma, às 15h, na Sala Zuccari do Palazzo Giustiniani, no Senado, por ocasião da conferência "Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária", organizada pela campanha Eu era estrangeiro. Uma comparação qualificada sobre os limites do sistema atual, considerado “insuficiente para satisfazer a procura de mão-de-obra e sobre as potenciais oportunidades apresentadas por uma gestão racional e de longo prazo dos fluxos”, na qual intervirão, com dados e histórias: Chiara Tronchin, pesquisador da Fundação Leone Moressa; Hardeep Kaur, o sindicalista Flai Cgil Latina Frosinone; Cláudio Cappelliniresponsável pelas políticas comunitárias do CNA; Cris Richmond, CEO da MyGrants; Leonardo Becchettiprofessor titular de Economia Política na Universidade de Roma Tor Vergata; Tatiana Esposito, Director-Geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho, e Luciana Lamorgese, Ministra do Interior. Para a campanha vão intervir, entre outros, Emma Bonino E Louis Manconi. A moderar o debate esteve o jornalista de A impressão Francesca Schianchi. A conferência é organizada pela campanha “Fui estrangeiro”, nascida em 2017 com o objetivo de reformar o sistema que regula a imigração e o trabalho no nosso país através da introdução de novos canais de entrada dedicados e inclusão ativa na sociedade da população estrangeira já presentes no país, abordando a questão da gestão da imigração numa perspetiva que, nos últimos anos, tem sido negligenciada em prol de uma maior atenção aos desembarques e receção. Tornando-se também um projeto de lei de iniciativa popular intitulado "Novas regras para a promoção de autorizações de residência regulares e a inclusão social e laboral de cidadãos estrangeiros não pertencentes à UE", "Ero Straniero" foi arquivado com mais de 90.000 assinaturas na Câmara dos Deputados em 27 de outubro de 2017 e está estacionado desde março de 2020 na Comissão de Assuntos Constitucionais. AQUI e abaixo o programa da conferência 14 de julho de 2022: Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária A comparação sobre regularização e canais de entrada para obra vinte anos depois de Bossi-Fini Quinta-feira, 14 de julho de 2022, 15h00 Sala Zuccari, palácio Giustiniani – Via della Dogana Vecchia, 29 – Roma 14h30: Hall de entrada 15h00: Saudações de: Emma BoninoSenador, E Louis Manconipresidente da Com razão, para a campanha eu era um estrangeiro Relatório introdutório por: Julia CapitaniOxfam Itália, e Júlia GoriFederação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pela campanha eu era um estrangeiro Discursos de: Chiara Tronchin, pesquisador da Fundação Moressa Hardeep Kaur, sindicalista Flai Cgil Latina Frosinone Cláudio Cappellinigerente de política comunitária da CNA Cris Richmond, CEO da MyGrants Leonardo Becchettiprofessor de Economia Política, Universidade de Roma Tor Vergata Tatiana Esposito, Diretora Geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho e Políticas Sociais Luciana LamorgeseMinistro do Interior Moderado: Francesca Schianchi, A impressão As atas serão transmitidas ao vivo pela web-TV do Senado e pelo canal do YouTube. Informações e métodos de acreditação O encontro é quinta-feira, 14 de julho, às 15h00 (entrada na sala a partir das 14h30) no Palazzo Giustiniani, via della Dogana Vecchia, 29, Senado. Obrigatório paletó e gravata. Para se inscrever escreva para [email protected]. Os pedidos de credenciamento para jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos devem conter: dados pessoais (nome, local e data de nascimento); número de telefone; os dados do cartão da Ordem dos Jornalistas, ou os dados do documento de identidade para outros operadores de informação; cabeçalho de referência. Contatos: [email protected] A campanha "Fui estrangeiro" é promovida pela Radicais italianos, Fundação da Casa de Caridade "Angelo Abriani", ActionAid, ARCI, ASGI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, Oxfam, Federação das Igrejas Evangélicas Italianas (Fcei), CILD, ACLI e apoiado por Legambiente, Scalabriniani, AOI , CGIL e dezenas de outras organizações. ...

Ler artigo
Igrejas Protestantes da Europa Latina.  Que evolução?

Igrejas Protestantes da Europa Latina. Que evolução?

Foto tirada de Roma (NEV), 17 de outubro de 2022 – A Assembleia das Igrejas Protestantes do Sul da Europa (CEPPLE) será realizada nos dias 19, 20 e 21 de outubro na Sicília. Durante os três dias, também uma conferência de abertura intitulada: "Igrejas protestantes latinas, que evolução?". Entre os palestrantes, também o pároco Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), bem como professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia. Os membros italianos do CEPPLE são a União das Igrejas Metodistas e Valdenses e a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). O Delegado Titular para a Itália é sabina baral. Por sua vez, o CEPPLE faz parte da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE). O CCPE representa cerca de 50 milhões de protestantes e reúne igrejas luteranas, metodistas e reformadas. Nasceu em torno do Acordo de Leuenberg assinado em 1973. É um documento que recompôs as divergências doutrinárias que dividiam protestantes luteranos e reformados, sobretudo em torno do entendimento da Ceia do Senhor: um exemplo exitoso de ecumenismo de “unidade na diversidade”. As igrejas da comunhão, enquanto permanecem independentes, reconhecem os ministérios, sacramentos e membros da igreja uns dos outros. Abaixo, o release de informações retirado do site chiesavaldese.org A CEPPLE (Conferência das Igrejas Protestantes dos Países Latinos da Europa) está organizando um seminário teológico nos dias 19 e 20 de outubro em Riesi, Sicília, sobre o tema "Igrejas Protestantes Latinas, que evolução?" palestrantes: Daniele Garrone (Professor de Antigo Testamento na a Faculdade Valdense de Teologia); Pastor Alfredo Abad, presidente do CEPPLE, e Sabina Baral, membro do comitê executivo do CEPPLE, seguido da Assembleia Geral. A Assembleia (quinta-feira, 20) constituirá uma etapa importante na vida do CEPPLE, pois permitirá avaliar as tarefas e colaborações que as Igrejas protestantes dos países latinos compartilham entre si. A Assembleia também providenciará a eleição de um novo presidente e do Comitê para um mandato de quatro anos. No dia 21 de outubro os delegados poderão visitar os centros de acolhimento de Scicli (RG) e Adelfia (RG) e ver o programa esperança mediterrânea sobre a imigração, iniciada pela Federação das Igrejas Protestantes na Itália. Com base em seu compromisso comum no CEPPLE, as Igrejas membros fortalecem a presença protestante nos países latinos da Europa. Nascido em 1950, o CEPPLE é composto por 19 Igrejas ou Federações Protestantes na Bélgica, França, Itália, Portugal, Espanha e Suíça. A sua atividade desenvolve-se em quatro áreas: intercâmbios no campo catequético; formação teológica; o papel das Igrejas diante da migração; reflexão e partilha de recursos sobre a presença das Igrejas no média e na web. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.