Arcediago reconfirmado presidente da União Batista da Itália

Arcediago reconfirmado presidente da União Batista da Itália

João Paulo Arcediago – foto Pietro Romeo (Reforma)

Roma (NEV/CS11), 26 de abril de 2022 – João Paulo Arquidiácono foi reconfirmado presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Foi eleito pelos cerca de 100 delegados presentes em Pomezia (Roma) para a 46ª Assembleia Geral. O pastor também foi reconfirmado José Miglio como vice-presidente. O Comitê Executivo vê as pastoras juntas novamente Antonella Scuderio pastor Carmine Bianchi, Emmanuela Banfo, Marta D’Auria e o pastor Alessandro Spano. Recém eleito: Stephanie Polo E Stephen Meloni. As igrejas batistas italianas voltaram a se reunir presencialmente após uma parada de dois anos devido à pandemia. Esta edição da Assembleia Geral, realizada de 22 a 25 de abril, foi acompanhada pelos versículos bíblicos: “Não temais, pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o seu Reino” (Lucas 12, 32 ) / “Porque andamos por fé e não por vista” (II Coríntios 5:7).

O movimento programático

Pandemia e guerra

“Nos últimos meses, a tragédia e o horror da guerra na Ucrânia se somaram ao cansaço e ao luto da pandemia – lê-se na moção programática votada pela Assembleia -. Nossas igrejas trabalharam desde o primeiro dia, de acordo com os métodos e com a energia que já aprendemos com o trabalho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) com a Esperança do Mediterrâneo”. Esse compromisso, segundo a UCEBI, representa um caminho que “não pode ser só nosso, pelo contrário, o Espírito nos exorta a buscar companheiros de viagem, de ‘toda tribo, língua, povo e nação’ (Apocalipse 5:9)”.

Ecumenismo e embaixada da paz

No documento, é dada particular ênfase ao ecumenismo, entendido como um trabalho coletivo sobre “todo compromisso compartilhado”. Neste momento, escrevem os Batistas, “o esforço pela paz exige favorecer o diálogo inter-religioso com todas as religiões vivas e com aqueles movimentos que perseguem objetivos de paz entre os povos e de desarmamento”. A proposta é constituir um grupo de embaixadores da paz “que se possam empenhar na organização de eventos e iniciativas dentro e fora das igrejas, contra o massacre evidente na Ucrânia e contra todos os que se ocultam aos nossos olhos”.

Organização interna

No que diz respeito à organização interna da União, a moção programática traça algumas linhas de intervenção e fortalecimento: desde o trabalho do “Centro Evangélico de Rocca di Papa” e do “Centro de Estudos Martin Luther King”, até o da Comissão Histórica . Desde Departamentos e Ministérios existentes, até à promoção de outros mais específicos (por exemplo, no campo da pastoral juvenil, da proteção da criação, do aconselhamento e da “igreja digital”). Até às várias obras presentes nos territórios, às associações regionais e às convenções. Além disso, a Assembleia da UCEBI destaca a importância do Departamento de Teologia e dá continuidade ao mandato do Ministério Bíblico Teológico Itinerante.

Oito por mil e projetos

No Otto per mille, a Assembleia Geral deu o mandato de apoiar em particular o compromisso territorial social e diaconal, para as igrejas membros, também em colaboração com pequenas ONGs/associações. Além disso, a missão de solidariedade no Zimbábue é considerada prioritária. O combate à pobreza e a solidariedade com os menos favorecidos estão entre as diretrizes da UCEBI. Este projeto, ativo desde 2006, permitiu apoiar, entre outras coisas: o Hospital Sanyati e as clínicas rurais do distrito de Gokwe. Um programa de patrocínio. Projetos de educação. Apoio a famílias sem rendimentos.

intercultura

Finalmente, a moção fala de “intercultura”. E traça uma linha interpretativa para o futuro trabalho das igrejas e nas igrejas. É necessário “reconhecer e respeitar os limites individuais; desenvolver empatia para com os outros; ouvir; construir juntos um projeto baseado em regras compartilhadas e com respeito à diferença”, diz o documento.


As obras e os convidados

Durante a Assembleia também foi realizada uma mesa redonda intitulada: “Igrejas e visões do mundo: ‘O arco do universo moral é longo, mas se inclina para a justiça’ (Martin Luther King)”. moderado por Alberto Annarillia mesa redonda contou com a presença Alexandre Portelli, Igiaba Scego, Raffaele Volpe E Silvia Rapisarda. Para ler a reportagem ou assistir ao vídeo gravado, clique aqui.

Entre os convidados da Assembleia, o pároco Antonio Santana Hernández da Fraternidade das Igrejas Batistas de Cuba (FIBAC), com a qual a UCEBI mantém relações de geminação há vários anos, e Ingeborg te Loocoordenador do Redes de Aprendizagem doCentro Internacional de Estudos Teológicos Batista em Amsterdã.

Para mais informações, acesse o especial do NEV sobre a 46ª Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI).

Para informações: [email protected][email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os quartos do silêncio

Os quartos do silêncio

Roma (NEV), 15 de maio de 2018 - "Secularismo, espiritualidade e instituições: a sala do silêncio e/ou do culto como ferramenta de integração entre instituições e comunidades" é o título da conferência que será realizada na quinta-feira, 17 de maio de 2018, às Palazzo Marino, na Piazza della Scala em Milão. A linha comum é o significado dos lugares dentro de estruturas públicas onde uma pessoa pode se retirar em meditação ou oração. Salas de silêncio estão presentes, por exemplo, em hospitais e aeroportos. A conferência é organizada pelo grupo de trabalho nacional "A sala do silêncio e/ou cultos" e contará com a participação, entre outros, da pastora valdense Daniela DiCarlo com uma intervenção sobre o diálogo entre as fés. A partir das 9 da manhã e até à hora de almoço falaremos de espiritualidade, espaços de despedida entre tradição e novas necessidades rituais, liberdade religiosa em locais de cuidado, perspetivas estéticas e arquitetónicas, com alguns testemunhos como o da “Estância” de Ferrara e o Panteão da Certosa do Cemitério de Bolonha. A origem da "Sala do Silêncio" deve-se ao Secretário Geral da ONU Dag Hammarskjoeld, político e economista luterano sueco que ocupou o cargo de 1954 a 1961. Foi o próprio Hammarskjoeld quem montou uma "Sala Silenciosa" ou "Sala do Silêncio" na sede da ONU em Nova York. Como ele mesmo explicou, “num edifício inteiramente dedicado ao trabalho e ao debate, deve existir uma sala dedicada ao silêncio, no sentido externo, e à quietude, no sentido interno. Um lugar aberto a pessoas de todas as fés e desprovido de qualquer símbolo, porque é dever de quem entra preencher o vazio com o que encontra no centro do seu coração”. (mup) Faça o download do programa: A sala do silêncio Cartaz da conferência 17 de maio de 2018 ...

Ler artigo
Um centro de estudos para a paz dedicado a Martin Luther King

Um centro de estudos para a paz dedicado a Martin Luther King

Torre Pellice (TO), 23 de agosto – Centro nacional de estudos dedicado a Martin Luther King. Do encontro conjunto de italianos protestantes, batistas metodistas e valdenses (BMV), em andamento em Torre Pellice (TO), foi aceita a proposta batista de nomear o ganhador do Prêmio Nobel da Paz após o pastor e líder do movimento pelos direitos civis – que é o aniversário do discurso histórico "Eu tenho um sonho" em 28 de agosto de 1963 - um centro de formação e estudo de questões relacionadas ao pacifismo, que será mantido pelas três igrejas.É apenas um dos temas discutidos hoje, terça-feira, 23 de agosto, às 13h30, na sala de imprensa da Casa Valdese di Torre Pellice, na via Beckwith, durante uma reunião para a mídia com a presença do presidente do Sínodo Valdense Pawel Gajewskipároco de Terni e Perugia, e Sara Comparetti, presidente da Assembleia Batista e vice-presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI, que reúne as históricas igrejas protestantes italianas), encontro apresentado e moderado por pastor metodista Peter Ciaccio. Com efeito, hoje terminou a Assembleia-Sínodo, ou seja, o momento de encontro conjunto entre as três igrejas Baptista, Metodista e Valdense. Trata-se de uma nomeação particularmente aguardada, visto que a última assembleia conjunta deste tipo se realizou em 2007. A próxima Assembleia-Sínodo terá lugar dentro de cinco anos. No centro do momento de encontro com os temas da paz e de Proteção Ambiental - ou melhor da criaçãoem chave cristã – “dois pontos sobre os quais nosso testemunho como igrejas protestantes só pode ser forte e com vozes unificadas”, como disse Sara Comparetti, uma batista. Em vez disso, o Sínodo valdense e metodista continua de hoje até sexta-feira, 26 de agosto, novamente na Torre Pellice. Comparetti sublinhou "a crescente união de intenções e visão entre batistas, metodistas e valdenses, conquistada nestes dias passados ​​juntos na Torre Pellice, que levou, entre outras coisas, à decisão de estabelecer uma frequência quinquenal de sessões conjuntas". “Entre as palavras-chave desta sessão, o que nós protestantes chamamos de 'renovação do Pacto' – declarou Pawel Gajewski, presidente do Sínodo Valdense - . Trata-se de atualizar os acordos de colaboração e cooperação entre as Igrejas, não só em nome da nossa comum fé cristã e das nossas raízes reformadas, mas também pelos compromissos que assumimos juntos na luta contra a pobreza, na justiça social, na paz e no integridade do criado". É possível assistir ao vídeo da coletiva de imprensa em www.rbe.it. ...

Ler artigo
Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Unsplash foto Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Acabaram de terminar as festividades natalinas, mas de 18 a 25 de janeiro a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos nos oferece novamente um tema natalino, o da estrela avistada pelos Magos: “No oriente nós viu sua estrela aparecer e viemos aqui para honrá-lo” (Mateus 2:2). Por mais de meio século, o material para a Semana de Oração pela Unidade foi preparado conjuntamente por Protestantes, Ortodoxos e Católicos através do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, em colaboração com as igrejas de um determinado país ou região do mundo. Este ano, a Semana foi preparada com a ajuda do Conselho das Igrejas Cristãs do Oriente Médio. E a escolha do tema não é acidental. Com efeito, como lemos na introdução teológico-pastoral, "enquanto no Ocidente muitos cristãos celebram solenemente o Natal, para muitos orientais a festa mais antiga, e ainda a principal, é a Epifania, ou seja, quando a salvação de Deus foi revelada aos as nações. Essa ênfase no teofaniaou seja, do evento [alle nazioni] é, em certo sentido, o tesouro que os cristãos do Oriente Médio podem oferecer aos seus irmãos e irmãs no mundo inteiro”. A introdução destaca vários aspectos do tema da estrela da Epifania. Eu gostaria de levar dois. O primeiro é "a universalidade do chamado divino simbolizado pela luz da estrela que brilha do leste... Os Magos nos revelam a unidade de todos os povos queridos por Deus. Eles viajam de países distantes e representam culturas diferentes, mas todos são movidos pelo desejo de ver e conhecer o Rei recém-nascido”. Ao mesmo tempo, os Magos são símbolo da diversidade dos cristãos: "Embora pertençam a diversas culturas, raças e línguas" e - devo acrescentar - a diversas confissões - "os cristãos partilham uma comum busca de Cristo e um comum desejo de adorá-lo", apesar de sua diversidade. O segundo aspecto é a homenagem que os Magos prestam a Jesus, oferecendo-lhe vários dons que, "desde os primeiros tempos do cristianismo, foram entendidos como sinais dos vários aspectos da identidade de Cristo: o ouro pela sua realeza, o incenso pela sua divindade e a mirra que prenuncia a sua morte. Esta diversidade de dons dá-nos uma imagem da percepção particular que as várias tradições cristãs têm da pessoa e da obra de Jesus: quando os cristãos se reúnem e abrem os seus tesouros e os seus corações em homenagem a Cristo, enriquecem-se com a partilha dos dons de essas diferentes perspectivas. Por outras palavras, cada encontro ecuménico é semelhante à adoração dos Magos: oferecemos-nos a Deus e uns aos outros ao mesmo tempo, com os dons específicos que Deus concedeu a cada uma das nossas tradições cristãs. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.