Uma noite em um jantar com Desmond Tutu

Uma noite em um jantar com Desmond Tutu

Roma (NEV), 2 de janeiro de 2022 – 27 de maio de 1988 Desmond Tutu ele era um convidado da Faculdade Valdense de Teologia. O arcebispo anglicano da Cidade do Cabo esteve em Roma juntamente com uma delegação sul-africana que incluía algumas das figuras mais importantes na luta contra o apartheid: o pároco Frank Chicanena época Secretário-Geral do Conselho Sul-Africano de Igrejas (SACC), o Metodista Virgínia Gcabashevice-presidente da SACC, o pároco Sol Jacob.

A delegação, recebida anteriormente no Vaticano, reuniu-se com alunos, professores e representantes das igrejas evangélicas italianas da Faculdade Valdense. O professor fez as honras na ocasião Paulo rico que, em entrevista concedida ao programa de rádio Culto evangélico neste domingo, 2 de janeiro, relembrou aquele acontecimento. Abaixo, uma versão da entrevista preparada para a agência NEV/Notícias Evangélicas.


Professor Ricca, o que você aprendeu dessa reunião?

Paulo rico
Paulo rico

Lembro-me de muitas coisas, principalmente da alegria que acompanhou todo o encontro. O que me pressionava naquele momento era que nossos estudantes de teologia conhecessem pessoalmente esse protagonista da fé cristã de nosso tempo. E isso certamente aconteceu durante o encontro oficial com os representantes das igrejas evangélicas italianas, mas sobretudo aconteceu à noite na Faculdade, quando convidamos Tutu para jantar. Ele veio e jantou com professores e alunos. Foi um grande jantar que, recordo, terminou com uma canção: levantamo-nos e cantámos juntos Nós devemos superar o hino de Martin Luther King. Foi um grande jantar e uma grande festa; uma alegria, poder encontrar um homem daquela estatura que mostrava claramente como é possível estar plenamente inserido nas lutas do mundo, proclamando uma clara confissão da fé cristã.

Qual foi a mensagem que Tutu e os outros membros da delegação sul-africana trouxeram?

Apartheid
Um cartaz dos tempos do apartheid na África do Sul

Sublinharam essencialmente dois aspetos: a necessidade de justiça social e o fim do apartheid como sistema iníquo. Ainda me lembro de Sol Jacob, que foi um dos presentes, que disse que o apartheid não podia ser corrigido, tinha que ser abolido. Aqui, esta foi de certa forma a mensagem geral da reunião. Existem distorções na sociedade que não podem ser corrigidas, devem ser abolidas. O único remédio é radical, como em certas doenças que não se curam com canudos; em vez disso, precisamos intervir de forma radical. E assim é também no corpo da sociedade contemporânea. E esta mensagem foi sustentada por uma confissão de fé muito viva. Uma luta pela afirmação dos direitos humanos, mas partindo da mensagem da liberdade que Cristo dá ao ser humano. Deus é o libertador que nos liberta não só do apartheid, mas de todos os pecados, de todos os males internos e sociais.

Na sua opinião, que legado Desmond Tutu deixa?

Faculdade Valdense
A biblioteca da Faculdade Valdense

O maior legado, a meu ver, está na proposta que Tutu fez de criar, após a queda do regime do apartheid, uma comissão chamada ‘Verdade e Reconciliação’ para reunir as vítimas e perpetradores dos terríveis anos de segregação. O que significou o estabelecimento dessa comissão? Ele quis dizer que não existe perdão barato. O perdão costuma ser tratado como uma mercadoria barata; em vez disso, o barato não é perdão ‘criativo‘, ou seja, um perdão que criar Nova Condição. Perdão criativo é apenas o que passa pelo arrependimento e reconhecimento de culpa. Se não reconheces a tua culpa, não há perdão possível, pelo menos ao nível das relações pessoais. Assim, a ideia de que não há perdão barato parece-me ser o grande contributo de Desmond Tutu para todo o enorme problema das faltas sociais ou políticas, e da necessária reconciliação que, no entanto, tem um preço: o reconhecimento da culpa. Tutu foi muito firme em manter este ponto após a tragédia do apartheid que ceifou inúmeras vidas. Não há pecado, seja social ou pessoal, que não possa ser perdoado, tudo pode ser perdoado desde que haja reconhecimento de culpa.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Sepofa”.  Parque literário Lilliput inaugurado em Nápoles-Ponticelli

“Sepofa”. Parque literário Lilliput inaugurado em Nápoles-Ponticelli

Roma (NEV), 31 de maio de 2023 – “Sepofà”, pode ser feito. É o que dizem em napolitano. Por exemplo, comunidade e cultura podem ser criadas em um jardim social. Foi o que aconteceu na passada sexta-feira em Ponticelli, distrito de Nápoles, com a inauguração do parque literário Lilliput, na presença do vice-presidente da Câmara Sérgio Costa. O parque está localizado no jardim social do parque urbano Fratelli De Filippo, uma área administrada pela creche Lilliput da ASL Napoli 1 junto com inúmeras quitandas. O projeto, que integra comunidade, bairro e pessoas com vícios e fragilidades, é financiado pelo Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. “Além do vice-presidente Costa, estiveram também presentes várias autoridades locais – disse à agência NEV Salvatore Cortini, diretor do centro social Casa mia – Emilio Nitti de Ponticelli da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI) –. Costa expressou sua gratidão e apreço pelo empenho de nossas igrejas nas áreas social e cultural. Em 2022, foram financiados mais de 50 projetos em nossa Região, a maioria dos quais na área de Nápoles, nos subúrbios e em antigas áreas industriais. Aqui, muitas associações fazem um enorme trabalho social e solidário para as famílias, para as pessoas que têm necessidades específicas de assistência, mesmo em situações de degradação onde as instituições lutam para chegar. Em junho haverá também outras iniciativas, junto com outras redes territoriais, que atuam com projetos de apoio e acolhimento escolar”, finalizou Cortini. A iniciativa foi realizada pela cooperativa social “Sepofà”, explica seu colega no Il Mattino Alexander Button, juntamente com as associações Art33 Cultural Hub e Dal Sociale. O jardim social Ponticelli, nascido em 2015, contou com a colaboração de moradores e voluntários para recuperar uma grande área do parque municipal na via Malibran. Hoje tem duzentos terraços e jardins, espaços de entretenimento, obras de arte e instalações. ...

Ler artigo
Oração Ecumênica pela Paz, “Juntos pela Europa”

Oração Ecumênica pela Paz, “Juntos pela Europa”

Fotos Juntos pela Europa Roma (NEV), 11 de maio de 2023 – A oração ecumênica pela paz aconteceu ontem em Roma. A mensagem que emergiu é: a guerra nunca é a solução. A oração, que contou com a presença de autoridades religiosas e institucionais, comunidades e movimentos, aconteceu na igreja de S. Maria in Campitelli por ocasião do "Dia da Europa". Entre os representantes das Igrejas, o pastor valdense Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), o pastor batista Luca Maria Negrorepresentantes do Exército de Salvação (EOS), da Igreja Ortodoxa Romena, da Igreja Ortodoxa Grega, membros das comunidades pentecostais e do arcebispo anglicano Ian Ernestdiretor do Centro Anglicano de Roma. "Repudiemos verdadeiramente a guerra, que nunca é a solução para as disputas", disse o pastor metodista Mirella Manocchio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), entre a presença protestante. E acrescentou: "que se acabe com a fabricação de armas e outros instrumentos de morte", e que todos juntos, governantes e cidadãos, entendamos que só a justiça e a paz podem erguer as nações". “A guerra é a mãe de toda a pobreza. Destrói o que foi conquistado ao longo dos anos, aniquila o presente reduzindo-o à sobrevivência, impede o futuro”, afirmou. Maria Attias da Comunidade de Sant'Egidio. Leia o artigo da Agência SIR. "Juntos pela Europa" é uma rede de mais de 300 comunidades e movimentos cristãos espalhados por todo o continente. ...

Ler artigo
Terremoto Türkiye-Síria, as igrejas metodista e valdense alocam quinhentos mil euros

Terremoto Türkiye-Síria, as igrejas metodista e valdense alocam quinhentos mil euros

Roma (NEV), 9 de fevereiro de 2023 – A Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense, lemos no site chiesavaldese.org, está “próxima das populações síria e turca violentamente afetadas pelo trágico terremoto de 6 de fevereiro. Orações e sentimentos de proximidade vão para as vítimas, os feridos, os sobreviventes e todas as pessoas que estão trabalhando para levar ajuda e apoio na certeza de que Deus não se afasta da dor de suas filhas e filhos”. A Tavola Valdese, "sentindo, para as igrejas que representa, a responsabilidade de contribuir ainda que com meios extraordinários para o compromisso a favor das intervenções de ajuda às populações afectadas pelo sismo, decidiu destinar quinhentos mil euros, obtidos junto do Otto fundos para mil destinados anualmente às Igrejas Metodista e Valdense, para o estabelecimento de um Fundo especial destinado a este fim. "Graças à rede de Igrejas irmãs presentes nas áreas mais afetadas e às organizações de comprovada eficácia e confiabilidade com as quais estabelecemos relações consolidadas de colaboração nessas áreas - declara o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta – tentaremos obter ajuda adequada e eficaz, mesmo nos territórios menos expostos à atenção pública, como os sírios já castigados por anos de guerra. Diante de uma tragédia tão imensa, que revela ainda mais a fragilidade humana, somos todos chamados a mostrar o que de melhor pode fazer esta frágil humanidade se iluminada por um espírito de solidariedade capaz de superar fronteiras e barreiras”. O moderador Trotta também enviou uma mensagem de condolências ao pastor Najla Kassab do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e do Líbano, bem como presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, expressando total solidariedade e apoio às igrejas metodistas e valdenses italianas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.