Chile Via Crucis Popular

Chile Via Crucis Popular

Roma (NEV), 16 de abril de 2019 – As comunidades cristãs, as organizações ecumênicas, pelos direitos humanos e pela memória do Chile, como todos os anos, organizam uma marcha pela cidade para o dia 19 de abril, Sexta-feira Santa, a popular Via Sacra de Santiago do Chile com chegada a Villa Grimaldi, hoje um lugar de memória e durante os anos da ditadura, um centro clandestino de detenção e tortura no qual operava a DINA (Direção de Inteligência Nacional), a polícia secreta de Pinochet.

Muitas das comunidades e pessoas que participam da Via Crucis Popolare fizeram parte do movimento cidadão que entre o final dos anos oitenta e o início dos anos noventa se empenhou em dar a conhecer a realidade deste lugar de tortura e desaparecimento e que depois continuou a mobilizar até ao reconhecimento deste espaço como lugar de memória, em 1997.

A Via Crucis Popular, que agora é uma celebração recorrente, é realizada em memória da “Via Crucis” que milhares de chilenos sofreram neste lugar.

Há muitos anos as comunidades cristãs populares realizam esta caminhada coletiva que une o caminho de Cristo rumo à cruz com a luta pela verdade e pela justiça, contra a impunidade e em defesa dos homens e mulheres que hoje lutam pelos direitos humanos.

O tema da Via Sacra Popular de 2019 é o poder.

“Toda Sexta-Feira Santa, este grupo de comunidades olha para a realidade do país e a torna visível através da participação nesta popular Via Sacra – lê-se no convite à marcha -. A realidade deste período leva-nos a revelar o exercício abusivo do poder como uma constante na vida social, económica e cultural da nossa sociedade. Milhares de vítimas clamam por justiça e encontram a ocultação, o descaso, o descrédito e a hipocrisia daqueles que tiveram e têm a responsabilidade de exercer democraticamente o poder e administrar a justiça”.

Estas são as organizações que convocam a Via Crucis Popolare: Comunidad Ecuménica Martin Luther King, Agrupación de Familiares de Ejecutados Políticos (AFEP), Red Laical, Observatorio por el Cierre de la Escuela de las Américas, Committee Oscar Romero – Chile, Coalición Ecuménica por el Cuidado de la Creación, Centro Ignacio Ellacuría, Corporación Parque por la Paz Villa Grimaldi, Servicio Paz y Justicia, SERPAJ- Chile, Centro Ecuménico Diego de Medellín, Amerindia, Fraternidades Laicas Carlos de Foucauld, Revista Reflexión y Liberación, Periódico Electrónico Crónica Digital, Fundación Helmut Frenz, Iglesia Luterana El Buen Samaritano, Movimiento con la Niñez y la Juventud en Chile, Comunidad Eclesial de base Jesús buenas nuevas de La Legua, Mujeres Iglesia, Comunidad de San Vicente de Paul, Comisión Etica contra la Tortura.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Comunidade e idoso: que perspectivas?

Comunidade e idoso: que perspectivas?

Roma (NEV), 17 de maio de 2023 - Amanhã a conferência nacional promovida pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD-Waldensian Diaconia) intitulada "Comunidade e idoso: que perspectivas? Encontros, debates e vivências sobre envelhecimento, demência e Parkinson”. Dois dias de estudo e experiência entre Pinerolo (Hotel Barrage e Castello di Miradolo) na quinta-feira 18 de maio e sexta-feira 19 de maio de 2023. É um evento formativo credenciado pela Região Piemonte ECM e confere 20 créditos formativos, em colaboração com as realidades que fazem parte da Pinerolese Dementia Network - Asl TO3, Ciss Pinerolo, Unione Montana Valli Chisone e Germanasca e Ama (Mutuo Aid Association) . O congresso abre na quinta-feira, 18 de maio, às 9h, com uma primeira parte de saudações institucionais de Francisco Sciottopresidente da CSD – Diaconia Valdese; Alessandra Trottamoderador do Tavola Valdese; Louis IcardiConselheiro de Saúde da Região Piemonte. Seguem-se dois dias de trabalho com intervenções cruzadas que vão destacar experiências, testemunhos e boas práticas, com o envolvimento, entre outras coisas, das estruturas da Diaconia Valdese Valli (DVV). Do Refúgio Re Carlo Alberto em Luserna San Giovanni no Núcleo de Decaimento Cognitivo Janavel com uma abordagem diferente da demência e foco no Projeto da Comunidade Amiga das Pessoas com Demência. Depois, os chefes do asilo dos velhos de San Germano Chisone, da Casa Valdese delle Diaconesse, da Casa di Riposo Il Gignoro de Florença (Diaconia Valdese Fiorentina) e outros. Falamos sobre território, comunidade, pessoas, gestão da fragilidade na RSA, como reduzir internações hospitalares, experiências inovadoras na Itália e no exterior e muito mais. "Os idosos são um componente importante e devem encontrar o seu espaço", disse Gianluca Barbanottisecretário executivo da diaconia valdense. Mais informações: ouça a entrevista na Rádio Beckwith (RBE) a Daniel Massamembro do CSD – Diaconia Valdense, que propõe uma palestra sobre o tema “Pacto pela não autossuficiência“. Na Itália, a lei de habilitação sobre o tema foi aprovada recentemente, ficando para trás em comparação com outros países europeus. Massa explica na entrevista “Trata-se de reorganizar este setor de intervenção, que afeta diretamente cerca de 4 milhões de pessoas, mas se somarmos também famílias e operadores, chegamos a cerca de 10 milhões de pessoas. A lei aprovada não é insignificante, é uma oportunidade para o nosso país que não podemos perder. Acreditamos que os idosos precisam de ter respostas em todos os percursos e necessidades que têm nas suas vidas, desde os cuidados domiciliários aos acolhimentos residenciais. As pessoas têm o direito de escolher o que querem fazer da vida a qualquer momento. A outra necessidade é quebrar as desigualdades: os serviços não podem ser destinados apenas às pessoas que têm recursos, mas devem ser acessíveis a todos”. Programa sintético dos dois dias (para ver o programa completo clique aqui) QUINTA-FEIRA, 18 DE MAIO – 8h30 | 17h · Políticas sócio-saúde, RSA e território · Estruturas Residenciais para Idosos contam experiências e projetos específicos SEXTA-FEIRA 19 DE MAIO – 8h30 | 17h30 · Demência e tecnologia: projetos inovadores · Oficinas temáticas · Mesas Redondas O evento é organizado com o apoio 'não condicional' de Generali Arredamenti e Storello Ausili. Parceiro de mídia, Rádio Beckwith Evangelica (RBE). ...

Ler artigo
Encontro FCEI 2022: palavras e perguntas para iluminar a noite

Encontro FCEI 2022: palavras e perguntas para iluminar a noite

Roma (NEV), 30 de outubro de 2022 - "Iluminar a noite", "encontrar as palavras" para se livrar da complexidade da realidade: este é o fio comum da mesa redonda realizada na tarde de ontem, sábado, 29 de outubro, na igreja metodista da via XX Settembre, em Roma, no dia da abertura do Segundo Assédio Geral da FCEI, como disse o pároco introduzindo o encontro Pedro Ciacciodo Conselho da FCEI. Antes da reunião pública, adoração com o sermão de Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Liberdade e democracia, trabalho e meio ambiente, globalização e paz são os temas que estão no centro do debate promovido pelas igrejas protestantes. Débora Spini, professor da Liberal Studies New York University Florence, sublinhou o conceito cada vez mais emergente de "democracia", uma combinação de democracia e ditadura", fazendo a pergunta: "quem tem o direito de ter direitos?". Para o professor Spini, a democracia moderna inclui "promessas quebradas: autodeterminação e soberania" dos povos e indivíduos. Em outras palavras, fazer com que mulheres e homens se sintam cidadãos. E quais são as condições que tornam possível a cidadania democrática? “Reconhecimento e redistribuição”, disse Spini. Redistribuição que também é um tema ligado à equidade social e ao trabalho. O professor falou justamente de emprego em seu discurso Tonino Pernaque citou a obra e o pensamento do sociólogo Karl Polanyi, e recordou o trabalho comum feito com as igrejas protestantes da planície de Gioia Tauro, graças à Mediterranean Hope. “A renda básica – declarou Perna – é uma ideia de civilização, representa o direito à vida. E como “criam-se empregos criando necessidades, todos devemos ter um trabalho que dê sentido à vida”. Sem conflitos entre o trabalho e o meio ambiente - como aconteceu, por exemplo, em Ilva em Taranto - mas tentando potencializar experiências como "comunidades de energia, jardins urbanos" e outras práticas virtuosas nascidas de baixo, para proteger os recursos naturais. Alessandra Morelli, delegado do ACNUR para a Europa, delineou “uma solução para a globalização: construir espaços”. Diante de pessoas e realidades cada vez mais “necessitadas”, segundo a pessoa de contato da Agência das Nações Unidas para os Refugiados “a essência e a prática da cura é recolocar a globalização em seu caminho, colocando o ser humano de volta no centro e não deixá-lo na marginalidade". "Tenha coragem de recomeçar de #solidariedade para resolver as crises humanas. Prática #de cuidado de colocar o #globalização ao longo do caminho reto. Gerar comunidade e assumir o tema da justiça restaurativa". Assim Alessandra Morelli durante o Assise #Fcei pic.twitter.com/jg6yLyzUw7 — Agência NEV (@nev_it) 29 de outubro de 2022 Para tirar as conclusões do debate, o jurista Ilaria Valenzique sublinhou a necessidade de “nos questionarmos”: “o que vemos e o que devemos dizer?”. Para o jurista, "os direitos humanos são um elemento de contestação a respeito da predominância do religioso: é preciso refletir sobre isso" e é preciso "não ficar insensível ao sofrimento alheio, como acontece nos encontros (com migrantes ) no Molo Favaloro, em Lampedusa: e para isso é preciso começar logo por “fazer espaço”. Aqui o vídeo completo da reunião pública da FCEI: Os delegados da Igreja Evangélica Luterana na Itália (Celi), da Igreja Evangélica Valdense, da Obra pelas Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (Opcemi), da União Cristã Evangélica Batista da Itália (Ucebi), do Exército de Salvação ( Eds) , a Comunhão das Igrejas Livres na Itália, a Igreja Apostólica Italiana e a Igreja de Santo André da Escócia em Roma, continuarão o trabalho do Assise em Sassone (Ciampino - Roma) até 2 de novembro, abordando questões internas e questões gerais, também relacionadas a o papel das igrejas no espaço público. Para saber mais: Entrevista com Daniele Garrone, rumo ao Assise Artigo por Reforma FACTSHEET A Assembleia Geral da FCEI FOLHA A FCEI ...

Ler artigo
Novas indicações da Tabela Valdense para cultos e atividades

Novas indicações da Tabela Valdense para cultos e atividades

Roma (NEV), 9 de novembro de 2020 - Em 6 de novembro, o Conselho Valdense enviou uma carta às igrejas (para pastores e pastores, diáconos e diáconos da comunidade, membros de consistórios e conselhos de igrejas, conselhos de circuito e comissões executivas distritais) no qual moderador Alessandra Trotta dá indicações explicativas e práticas quanto aos procedimentos a seguir para a realização dos cultos e atividades afins, na sequência das mais recentes decisões governamentais. O site churchvaldese.org deu a notícia esta manhã. Em cumprimento ao Dpcm de 3 de novembro, a Mesa Valdense “recomenda, portanto, o seguimento de uma série de procedimentos destinados a conter o risco de contágio, desde que seja permitido o culto ‘presencial’”. “É cada vez mais evidente – escreve o moderador – que atravessamos uma verdadeira “crise global”. Para muitas das gerações vivas, esta é a primeira experiência percebida de uma crise global; mas apesar de tudo pode-se dizer que é a primeira experiência de uma crise global desta qualidade e dimensão. Perante esta realidade, a Igreja deve desenvolver a sua própria "sabedoria", que passa também da educação (particularmente importante para quem desempenha funções de liderança) para enfrentar as emergências sem se deixar abater pelas emoções (próprias e alheias), mas procurando uma racionalidade partilhada assente na objectividade dos factos e dos dados que os descrevem, a recolher e avaliar com paciência e confiança, mas que no entanto sabe sempre ver, por detrás dos dados, as pessoas de carne e osso sobre quem recaem as escolhas em seu contexto específico”. Perante este estado de grave necessidade, não faltam as raízes bíblicas das nossas escolhas: em particular aquela "inteligência do coração, que - nas palavras de Salomão - pedimos ao Senhor que nos conceda de mãos cheias, enquanto renovamos um forte apelo ao responsabilidade, em dois sentidos fundamentais: por um lado, para os conselhos/consistórios eclesiásticos, a necessidade, mas também a serenidade de fazer escolhas que (obviamente dentro dos espaços de "possibilidade" oferecidos pelos regulamentos em vigor) tenham devidamente em conta a contexto local, a composição da comunidade, a presença de pessoas particularmente expostas ao risco, as formas como as pessoas vão à igreja, sem medo de julgamentos ou tentação de entrar em lógicas competitivas em relação às escolhas de outras igrejas, próximas e distante. Por outro lado, a necessidade de fiscalizar com extremo rigor o cumprimento efectivo das medidas de protecção e distanciamento no interior dos recintos e durante as actividades eclesiásticas (...), mas também de fomentar uma auto-responsabilidade mais geral por parte de todos, adultos e filhos, em todos os âmbitos da vida e das relações também fora da Igreja, como forma de educação certamente não desvinculada das tarefas de uma comunidade evangélica". Após as indicações práticas, o moderador conclui com uma palavra de esperança: “Não duvidemos de que o Senhor manterá firme o nosso coração e guiará os nossos passos neste clima, dando-nos forças renovadas, amor criativo, clareza de visão!”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.