Alessandra Trotta: “A paz não se prega, se pratica!”

Alessandra Trotta: “A paz não se prega, se pratica!”

Foto Marco Pavani

Na presença dos líderes das grandes religiões mundiais, juntamente com representantes de autoridades das instituições, incluindo o Presidente da República Sérgio Mattarellafoi assinado o Apelo pela paz, entregue por um grupo de crianças aos embaixadores e representantes da política nacional e internacional.

Presentes, entre outros, o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negroo moderador da Mesa Valdense, o diácono Alessandra Trottaenvolvido na liturgia, o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Mirella Manocchio, o bispo luterano Heinrich Bedford-Strohmpresidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) e pastor luterano de Roma Michael Jonas.

“Mais uma vez neste ano acolhemos o convite da Comunidade de Sant’Egidio para participar do encontro internacional pela paz junto com representantes de outras importantes confissões religiosas, todos fortemente determinados a romper o binômio ‘religiões-guerras’ – declarou o moderadora Alessandra Trotta -. De fato, ao longo da história, ceder à exploração que potencializa as tentações do poder, a busca de privilégios ou mesmo apenas a necessidade de reconhecimento e proteção deixou, infelizmente, uma marca vergonhosa em muitas experiências religiosas”.

O moderador recordou então a experiência dos corredores humanitários, compartilhada na Itália precisamente com a Comunidade de Sant’Egidio e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália: “Um projeto que tornou visível, também para as muitas gerações que em nosso país não nunca experimentou em primeira mão o drama da guerra, as terríveis feridas físicas, psicológicas e espirituais de tantas guerras que ainda sangram um mundo cada vez mais interligado e uma família humana dividida por demasiadas desigualdades e discriminações”.

Em suma, a paz se constrói a partir dos lugares próximos: “A paz não se prega, se pratica! – conclui o moderador -. Parafraseando Jesus: não quem diz ‘paz, paz’, mas quem escolhe e age em conformidade com a vontade do Senhor para toda a sua criação experimenta a bênção de uma vida que já se enquadra plenamente na dimensão do Reino de Deus”.


Este ano foi o trigésimo quarto encontro promovido pela Comunidade de Sant’Egidio inspirado no histórico encontro inter-religioso desejado por João Paulo II em 1986. Um espírito de diálogo e amizade que convida homens e mulheres de religião a se reconhecerem na humanidade comum e enfrentar juntos a luta pela vida de todos.

“Guerras e paz, pandemias e cuidados de saúde, fome e acesso a alimentos, aquecimento global e desenvolvimento sustentável, movimentos populacionais, eliminação do risco nuclear e redução das desigualdades não dizem respeito apenas a nações individuais – lê-se no apelo à paz assinado ontem – . Compreendemo-lo melhor hoje, num mundo cheio de conexões, mas que muitas vezes perde o sentido da fraternidade… Aos dirigentes dos Estados dizemos: trabalhemos juntos por uma nova arquitetura de paz. Vamos unir forças pela vida, saúde, educação, paz”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os dez anos do Papa Francisco e o ecumenismo

Os dez anos do Papa Francisco e o ecumenismo

Catedral de Lund (Suécia), 31 de outubro de 2016. A partir da esquerda: Munib Younan, Papa Francisco, Martin Junge Roma (NEV), 13 de março de 2023 – Há dez anos, em 13 de março de 2013, foi eleito o papa "que veio do fim do mundo" Franciscoao século Jorge Bergoglio. O que mudou no movimento ecumênico em seus dez anos de pontificado? Não há dúvida de que, por meio de suas muitas viagens e encontros ecumênicos, Francisco trouxe um novo alento ao panorama estagnado das relações entre as divididas Igrejas cristãs. Gostaria de recordar algumas dessas visitas. A primeira é a da Igreja Pentecostal da Reconciliação de Caserta em 2014, uma visita "privada", mas ainda assim significativa: quando ainda estava na Argentina, Bergoglio fez amizade com seu pároco, John Traettino, e em todo caso foi a primeira visita de um papa a uma comunidade evangélica de língua italiana (seus predecessores só haviam visitado os luteranos de Roma, uma comunidade de língua alemã). Lá segundo é o encontro na Igreja Valdense de Turim, em 2015: uma visita histórica, porque pela primeira vez um papa visitou uma igreja herdeira direta da chamada "primeira reforma" do século XII, que pagou altíssimos preços em termos de repressão e perseguição sistemática. Em Turim, Francisco pediu perdão "pelas atitudes e comportamentos não cristãos, até mesmo não humanos" que os católicos tiveram contra os valdenses. Mas este não é o único aspecto significativo do encontro: outro, por exemplo, é a clara afirmação de que “a unidade que é fruto do Espírito Santo não significa uniformidade. Na verdade, os irmãos compartilham a mesma origem, mas não são idênticos entre si. Isso está muito claro no Novo Testamento”, disse o Papa, pois já então “nem todas as comunidades cristãs tinham o mesmo estilo, nem uma organização idêntica”. Em suma, Francisco fez seu o princípio ecumênico da "diversidade reconciliada", nascido no âmbito protestante. Outra visita fundamental foi a de Lund, na Suécia, em 31 de outubro de 2016, a convite da Federação Luterana Mundial para inaugurar as comemorações dos 500 anos da Reforma Protestante. A presença do Papa em Lund deu um claro caráter ecumênico ao quinto centenário, na esteira do documento “Do conflito à comunhão. A comemoração conjunta luterano-católica da Reforma em 2017”, publicado pela Comissão Luterana/Católica para a Unidade. Finalmente, gostaria de recordar a visita a Genebra em 2018, por ocasião do 70º aniversário da fundação do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). O que mais me impressionou neste encontro foi a imagem inusitada do movimento ecumênico como uma "grande empresa perdida". Hoje, de fato, todos procuram afirmar a própria identidade, e os que trabalham pelo ecumenismo parecem não proteger devidamente os interesses das comunidades a que pertencem. Mas cuidado, disse Francisco, não devemos ter medo de trabalhar com prejuízo, se for um “perda evangélica”, segundo o caminho traçado por Jesus: “Salvar os seus é andar segundo a carne; perder-se atrás de Jesus é caminhar segundo o Espírito”. O ecumenismo poderá progredir "se, caminhando sob a guia do Espírito, recusar qualquer afastamento auto-referencial". Para ouvir novamente o episódio, clique aqui: Culto evangélico na Rádio RAI 1 em 12 de março de 2023. A partir do minuto 19h37. ...

Ler artigo
igrejas européias.  Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

igrejas européias. Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

Roma (NEV), 27 de junho de 2022 – “Segurança, inteligência artificial e direitos humanos. O que os desenvolvimentos sociais e tecnológicos nessas três áreas significam para o futuro de sociedades livres, porém seguras?” Esta é a pergunta que pessoas de toda a Europa tentaram responder na 9ª Edição da Summer School on Human Rights da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Realizada de 13 a 16 de junho em Malmö, Suécia e parcialmente online, a escola de verão explorou diferentes aspectos. Das implicações morais e éticas da tecnologia aos riscos à privacidade individual. Do reconhecimento facial em locais públicos ao risco de discriminação. O último, potencialmente, pode acontecer no acesso a serviços sociais e cuidados de saúde se for deixado muito espaço para os algoritmos fazerem o trabalho. Finalmente, falou-se de ligações entre questões teológicas, antropológicas e éticas da inteligência artificial. Neste momento, porém, não existe um quadro regulamentar europeu que salvaguarde os direitos humanos e a dignidade neste domínio cada vez mais complexo e em rápida transformação. Relatório “Temos que ajudar as pessoas a entender as novas realidades que colocam questões éticas. Acima de tudo, mantendo o princípio cristão como chave do debate", sublinhou Johan Arvid Tyberg, Bispo de Lund da Igreja da Suécia, em seu discurso de abertura. E convidou as igrejas a se manterem atualizadas sobre os assuntos relacionados à inteligência artificial. “Os Estados europeus devem responsabilizar seus cidadãos. Deve ser possível se opor às decisões relacionadas à inteligência artificial, se forem discriminatórias e potencialmente capazes de violar os direitos humanos”, disse o presidente do CEC, pastor Christian Krieger. Durante a escola de verão, o espaço foi também dedicado à segurança das comunidades religiosas e à proteção dos locais de culto. Danny Choueka do Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu realizou uma sessão de formação sobre gestão de crises. Dentro do projeto inter-religioso Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), ficou claro que as legislações nacionais são muito diferentes umas das outras. Não é possível adotar uma abordagem comum em toda a Europa. Isso se aplica, por exemplo, às leis que regem o uso de câmeras de CFTV em espaços públicos e em propriedades privadas abertas ao público. O SASCE é financiado pela União Europeia e o KEK participa ativamente nele. A anual Human Rights Summer School é organizada pelo CEC Human Rights Focus Group, este ano pela primeira vez em cooperação com o Bioethics Focus Group. Organizado pela Igreja da Suécia, foi financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O diálogo inter-religioso e a cooperação no campo dos direitos humanos são as principais áreas de interesse desta experiência. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.