Cristãos Contra a Tortura (ACAT): “Silenciem as armas”

Cristãos Contra a Tortura (ACAT): “Silenciem as armas”

Roma (NEV), 18 de março de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT Itália) também se une ao grande coro de orações pela paz. E pede “que as armas sejam silenciadas, que a diplomacia faça o seu caminho, que o direito internacional seja respeitado e os civis sejam salvaguardados, que se façam esforços para acolher os refugiados, sem qualquer distinção, e que os manifestantes detidos sejam libertados na Rússia, culpados de terem protestado contra a guerra”.

A associação fala da guerra como um crime absoluto contra a humanidade e da negação total dos direitos humanos universalmente reconhecidos. “Nunca a guerra esteve tão perto do velho continente e nunca como agora corre o risco de degenerar num conflito muito maior com consequências catastróficas – lê-se no site da ACAT -. E talvez seja por isso que o vemos. Olhamos para o rosto dela como se fosse a primeira vez. Vemos as cidades destruídas, os prédios fumegantes, o medo nos olhos das crianças, os gritos de dor, a agonia dos que perderam tudo, os refugiados em fuga. Nós vemos o horror.”

E, no entanto, continua o texto, “já vimos este horror muitas vezes, mesmo em tempos recentes, sem nunca realmente querer olhar para ele. Vimos isso no Afeganistão, no Iraque, na Síria, na Líbia, em várias partes da África, no Iêmen (onde se arrasta uma guerra sangrenta e uma das mais graves crises humanitárias do mundo há 7 anos). Nós o vimos e o vemos pintado nos rostos e corpos exaustos de milhares de refugiados que continuam pressionando, ainda hoje, nos portões da Europa para serem rechaçados novamente. E vemos isso, agora, nos olhos e rostos dos refugiados ucranianos”.


UM GATO

A ACAT é uma associação cristã ecumênica que atua contra a tortura e a pena de morte, trabalhando ao lado de todos aqueles que têm os mesmos objetivos e promovem os direitos humanos. Formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento “Rinascita Cristiana”, a filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura deve-se à inspiração do pastor valdense Túlio Vinay, entre os primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Entre as últimas batalhas da história da agremiação, destaca-se a contra a pena de morte. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio, entre outras coisas, de 8×1000 das igrejas metodista e valdense.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense está de volta

O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense está de volta

Torre Pellice, casa valdense Roma (NEV), 25 de maio de 2021 – Após a paralisação do ano passado, o Sínodo das igrejas metodistas e valdenses retorna em 2021. Uma edição particular que acontecerá em modo telemático e reduzido de 22 a 25 de agosto de 2021. Assim foi anunciado, e a notícia é anunciada hoje no site chiesavaldese.org, pelo moderador do Tavola Valdese, Alessandra Trottaem carta às igrejas na qual explica como "ao final de um rigoroso processo de verificação e consulta alargada, decidiu-se privilegiar o método capaz de oferecer maiores garantias e, portanto, também a tranquilidade de todos os participantes, sem distinção de áreas geográficas e outras condições pessoais”. Em Torre Pellice, na província de Turim, local onde normalmente ocorre o Sínodo, apenas a Sede, a Comissão de Exame e, com vários tempos e métodos, os membros do Conselho Valdense e das Comissões Administrativas que respondem no Sínodo de trabalho deles. Uma escolha que envolverá um trabalho organizacional significativo e o desenvolvimento de competências técnicas e organizacionais que permanecerão como uma aquisição útil também para o futuro. Além disso, muito antes do Sínodo, será adquirida experiência no campo quanto à organização das assembléias locais e de circuito e, sobretudo, das conferências distritais que, exceto uma, serão todas realizadas remotamente. "Confiamos na ajuda do Senhor para preservar o que todos consideramos essencial em nosso modo de ser Igreja - escreve o moderador às igrejas - com o olhar voltado para a vocação de anúncio e serviço no tempo presente que o Espírito Santo não cessa de dirigem-se a nós, para empenhar as nossas energias e recursos com alegria, coerência e sentido de responsabilidade”. A sessão sinodal será aberta com o culto inaugural presidido pelo pároco Winfrid Pfannkuche Domingo, 22 de agosto, às 10h, no templo da Torre Pellice, durante o qual pôde ser realizada a consagração de um pároco e de um diácono. A habitual noite pública às segundas-feiras, marcada para 23 de agosto, também será mantida. ...

Ler artigo
Pluralismo religioso na Itália

Pluralismo religioso na Itália

Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – 4,2% das pessoas manifestam uma identidade religiosa diferente da católica na Itália. É o que afirma o relatório "Religiões na Itália", projeto organizado pelo CESNUR - Centro de Estudos das Novas Religiões, sob a direção de Massimo Introvigne E Pier Luigi Zoccatelli. “Muito mais incertas - e fonte de debates intermináveis ​​e politicamente condicionados - são as estatísticas sobre as minorias religiosas presentes na área se considerarmos também os imigrantes não cidadãos - presença que decuplicou nos últimos 25 anos - e não apenas os cidadãos italianos. A cifra pressuporia ainda a possibilidade de se ter dados fiáveis ​​sobre a imigração irregular – actualmente estimada entre 500.000 e 600.000 unidades – o que é notoriamente muito difícil”, lê-se no texto. A publicação parte dos dados do relatório anual editado pelo Centro de Estudos e Investigação IDOS em colaboração com o Centro de Estudos Confronti e o “S. Pio V", que atingiu sua trigésima segunda edição em 2022. No texto, entre outras contribuições, também um ensaio sobre o tema do pluralismo religioso, editado pelo professor Paulo Nasso. Em particular, de acordo com a estimativa do Dossiê Estatístico de Imigração 2022, também no decorrer de 2022, assim como em anos anteriores, a maioria (desde 2022 não mais absoluta) dos residentes estrangeiros na Itália - somando ortodoxos, católicos, protestantes e membros de outras comunidades - é cristã (2.583.000 pessoas, igual para 49,9%), seguido por uma minoria islâmica substancial, que representa um terço dos estrangeiros. O restante das filiações religiosas totaliza 15,9% dos estrangeiros residentes na Itália - entre os quais deve ser considerado separadamente um terço do subconjunto, que se enquadra na categoria de "ateus ou agnósticos" -, divididos em macroáreas distintas. Atualmente, as estimativas do relatório do IDOS não contabilizam a presença de imigrantes sikhs na Itália, que segundo outros relatórios de pesquisa totalizam cerca de 98 mil residentes em 2022, além dos que adquiriram a cidadania. ...

Ler artigo
“Não à superação das leis do mercado”

“Não à superação das leis do mercado”

Roma (NEV), 23 de março de 2023 – “Não podemos e não queremos desviar o olhar das injustiças que se perpetuam ao nosso lado; porque acreditamos que mudar de rumo é certo, necessário, possível". Com estas palavras, a igreja valdense de Florença anuncia sua "presença solidária" ao lado dos trabalhadores de QF ex Gkn, que convocaram uma manifestação nacional para sábado, 25 de março. A disputa surgiu há dois anos: no centro estão os funcionários da fábrica Campi Bisenzio, a poucos quilômetros de Florença, cuja alienação pela multinacional Gkn anunciou em julho de 2021. Desde então, como explica Angelo Mastrandrea neste extenso artigo no Il post , os trabalhadores têm estado em “assembléia permanente”, desde que receberam via email da empresa, que é propriedade do fundo inglês Melrose desde 2018, a comunicação do início do processo de despedimento. Não se desmobilizaram quando, a 23 de dezembro de 2021, o empresário Francesco Borgomeo assumiu a empresa, com o plano de a converter para a construção de motores elétricos. Agora desde fevereiro passado a empresa está em liquidação, com um liquidante substituindo outro e o Coletivo de Fábrica pede uma comissão parlamentar no Gkn e que sejam pagos salários que não veem há 6 meses. Enquanto isso, depois de um ano e meio de "controle permanente, luta, expectativas, esperanças traídas e mais de cinco meses de salários não pagos, não nos resta outra alternativa senão assumir a ex-fábrica de Gkn de forma cooperativa", escreve o trabalhadores. E “a fábrica deve sobreviver criando uma alternativa apenas com a força dos mais de 300 trabalhadores que foram despedidos a 9 de julho de 2021 e de todos os solidários que se juntaram a nós”. Daí o plano de reindustrializar a antiga GKN por baixo e fazê-lo de forma sustentável, através da produção de painéis fotovoltaicos, baterias e bicicletas de carga com reduzido impacto ecológico, com uma campanha de crowdfunding: “Não à deificação idólatra do Mercado – lê-se no panfleto divulgado pela igreja valdense da capital toscana -. Afirmamos que Jesus de Nazaré e não o mercado é o Senhor da história, por isso nos opomos ao poder excessivo das leis do mercado em cujo altar são imolados os direitos e a vida dos trabalhadores e suas famílias. Manifestamos assim o nosso firme desacordo com as práticas de relocalização que seguem o único critério da procura de maiores lucros sem qualquer consideração pelos interesses dos territórios. Afirmamos fortemente a convicção de que a mudança é certa, necessária e possível”. Aqui o apelo dos trabalhadores com todas as adesões. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=VrfSlTC0_iQ[/embed] Para saber mais: Insorgiamo.org “Novo Desafio de Gkn”, Itália jacobina23/03/2023 "O caso Gkn, os trabalhadores no parlamento", o poster. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.