Semana de oração pela unidade dos cristãos: “Trataram-nos com bondade”

Semana de oração pela unidade dos cristãos: “Trataram-nos com bondade”

O encontro na Golden Gate de Giotto (c. 1303-1305), afresco na Capela Scrovegni em Pádua, escolhido para acompanhar o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2020 “Eles nos trataram com bondade”. Imagem wikipedia

Roma (NEV), 25 de dezembro de 2019 – Em todo o mundo estão se preparando a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que acontecerá de 18 a 25 de janeiro. Tema de 2020: “Eles nos trataram com bondade” (Atos 28, 2). Igrejas evangélicas e protestantes, também na Itália, estarão presentes e ativas em inúmeras iniciativas para este evento ecumênico global promovido conjuntamente pela Comissão de Fé e Constituição do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), que reúne as principais Igrejas Evangélicas, Anglicanas e Ortodoxas denominações do mundo e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC).

O tema deste ano é inspirado na passagem bíblica relativa ao naufrágio do apóstolo Paulo em Malta (Atos 27.18 – 28.10). “Uma história de providência divina e ao mesmo tempo de acolhimento humano: é o que nos propõem as Igrejas cristãs de Malta e Gozo, que preparamos o material para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos deste ano”, lê-se no documento do SPUC . A introdução é assinada pelo presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negropara igrejas protestantes, pelo bispo de Frosinone-Veroli-Ferentino Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CEI, da Igreja Católica e do Metropolita Gennadiosarcebispo ortodoxo da Itália e Malta e exarca para o sul da Europa do Patriarcado Ecumênico, pela parte ortodoxa.

A história de que falamos está relatada no final do livro dos Atos dos Apóstolos e se passa em Malta e no mar tempestuoso que a rodeia. “A hospitalidade – escrevem os cristãos de Malta – é uma virtude altamente necessária na busca da unidade entre os cristãos. […] Nossa própria unidade como cristãos se revelará não apenas na hospitalidade mútua, por mais importante que seja, mas também no encontro amoroso com aqueles que não compartilham nossa língua, nossa cultura e nossa fé”.

O documento introdutório refere-se às várias iniciativas das igrejas para o acolhimento dos migrantes, entre as quais o Manifesto de Acolhimento da FCEI e o projeto ecuménico dos corredores humanitários.


Para saber mais:

Vigílias de oração, celebrações ecumênicas, estudos bíblicos, conferências, reuniões, trocas de púlpitos e outras iniciativas estão previstas durante o SPUC. O material preparatório pode ser baixado do site do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI) NESTE LINK.

No documento, além de propostas litúrgicas e orações, encontram-se datas importantes da história da oração pela unidade dos cristãos de 1740 até os dias atuais, bem como a lista de assuntos do SPUC a partir de 1968.

O texto é dirigido a todas as igrejas e comunidades cristãs. As liturgias podem ser integradas com outros textos e as orações da celebração ecumênica, a música e outros materiais propostos podem ser usados ​​para o próprio discernimento ou para inspirar a reflexão e a meditação.

O objetivo do SPUC é reunir crentes “que oram em outras partes do mundo para construir uma unidade maior e mais visível da Igreja de Cristo”, como afirma o guia proposto pelo CEC e PCPUC.

O SPUC foi instituído em 1908 nos Estados Unidos pela Igreja Episcopal Paul Wattson.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Kingston, apelo ecumênico pela paz

Kingston, apelo ecumênico pela paz

Kingston, Jamaica Roma (NEV), 23 de março de 2011 – Ao som de um hino composto para a ocasião, a cerimônia de lançamento da Convocação Ecumênica Internacional pela Paz, convocada na capital da ilha caribenha pelo Conselho da Conferência Ecumênica de Igrejas (CEC) de 17 a 25 de maio próximo. A cerimônia, organizada pelo Conselho de Igrejas da Jamaica e pela Conferência de Igrejas do Caribe (CCC), foi aberta pelo arcebispo católico Donald Reece, presidente do CCC: "A Jamaica é um lugar adequado para refletir sobre a paz, porque aqui sabemos bem o que significa marchar da violência para a paz”, disse Reece referindo-se à história de violência de toda a região do Caribe marcada pelo tráfico de escravos e pelos contratos de servidão. Apesar desta história passada, nenhum ser humano “é chamado ao ódio e à guerra, mas a experimentar a unidade e a paz”. No discurso principal da reunião, Mathews George Chunakara, diretor do programa de assuntos internacionais do CMI, destacou como a Convocação de Kingston está fortemente enraizada na experiência da Década para derrotar a violência (2001-2010), patrocinada pelo CMI. “Kingston representa o ápice da Década - sublinhou Chunakara -, bem como mais uma oportunidade para as igrejas renovarem seu compromisso com a não-violência e a paz justa”. , que recordou os muitos momentos que caracterizarão a Convocação de maio: não só conferências e grupos de estudo, mas também o plantio de árvores e um concerto pela paz. Um momento que vai unir as igrejas ao redor do mundo é o Domingo da Paz, convocado para o dia 22 de maio, durante o qual os cultos das igrejas de todos os continentes rezarão com as palavras de uma oração composta pelas igrejas caribenhas para a ocasião. Os protestantes italianos também estarão presentes na Convocação pela Paz em Kingston, representados pela Pastora Letizia Tomassone, vice-presidente da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália. (www.overcomingviolence.org/). Tomassone também estará entre os palestrantes do seminário "Ousando a paz pela fé", que será realizado em Roma no sábado, 2 e domingo, 3 de abril, com o título "Além da violência". À margem do seminário, que também terá intervenções do teólogo adventista Hans Gutierrez e Tonio Dall'Olio da associação “Libera” e membro do conselho da Mesa da Paz, a reunião dos delegados italianos será realizada na Convocação de Kingston. ...

Ler artigo
Celebração de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Celebração de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Foto Ivars Kupcis/CEC Roma (NEV), 24 de janeiro de 2021 – A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) termina em 25 de janeiro. O Secretário Geral Interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Padre Ioan Sauca, convida a família ecumênica e todas as comunidades globais a se unirem para o serviço de oração. A celebração será transmitida no dia 25 de janeiro. Na próxima segunda-feira, portanto, será possível ficar online para rezarmos juntos. “Como as restrições devido à pandemia estão dificultando a reunião física. disse Saúca. Esta celebração on-line global nos permitirá orar juntos onde quer que estejamos. A oração é um dos frutos que brota da nossa permanência no amor de Cristo”. Concluindo, mais algumas palavras sobre a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Tradicionalmente, é comemorado de 18 a 25 de janeiro, em meio às festas de Pedro e Paulo. O tema para 2021 é "Permanecei no meu amor: dareis muito fruto". Para saber mais: A carta convite de Ioan Sauca. Link para acompanhar o culto de oração na segunda-feira, 25 de janeiro de 2021, 14:00 CET. www.oikoumene.org/live unidade cristã. Carta conjunta católica, ortodoxa e protestante "Vivemos e celebramos nossa unidade na oração comum". Mensagem assinada pelo bispo Ambrogio Spreaficodo metropolita Polykarpos Stavropoulos e pelo pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), por ocasião do SPUC. agenda NEV de eventos italianos. Semana de oração pela unidade dos cristãos e recorrências históricas o artigo de Claudio Geymonat. “Este ano é também uma ocasião para comemorar os 500 anos da excomunhão de Lutero”… ...

Ler artigo
Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Unsplash foto Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Acabaram de terminar as festividades natalinas, mas de 18 a 25 de janeiro a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos nos oferece novamente um tema natalino, o da estrela avistada pelos Magos: “No oriente nós viu sua estrela aparecer e viemos aqui para honrá-lo” (Mateus 2:2). Por mais de meio século, o material para a Semana de Oração pela Unidade foi preparado conjuntamente por Protestantes, Ortodoxos e Católicos através do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, em colaboração com as igrejas de um determinado país ou região do mundo. Este ano, a Semana foi preparada com a ajuda do Conselho das Igrejas Cristãs do Oriente Médio. E a escolha do tema não é acidental. Com efeito, como lemos na introdução teológico-pastoral, "enquanto no Ocidente muitos cristãos celebram solenemente o Natal, para muitos orientais a festa mais antiga, e ainda a principal, é a Epifania, ou seja, quando a salvação de Deus foi revelada aos as nações. Essa ênfase no teofaniaou seja, do evento [alle nazioni] é, em certo sentido, o tesouro que os cristãos do Oriente Médio podem oferecer aos seus irmãos e irmãs no mundo inteiro”. A introdução destaca vários aspectos do tema da estrela da Epifania. Eu gostaria de levar dois. O primeiro é "a universalidade do chamado divino simbolizado pela luz da estrela que brilha do leste... Os Magos nos revelam a unidade de todos os povos queridos por Deus. Eles viajam de países distantes e representam culturas diferentes, mas todos são movidos pelo desejo de ver e conhecer o Rei recém-nascido”. Ao mesmo tempo, os Magos são símbolo da diversidade dos cristãos: "Embora pertençam a diversas culturas, raças e línguas" e - devo acrescentar - a diversas confissões - "os cristãos partilham uma comum busca de Cristo e um comum desejo de adorá-lo", apesar de sua diversidade. O segundo aspecto é a homenagem que os Magos prestam a Jesus, oferecendo-lhe vários dons que, "desde os primeiros tempos do cristianismo, foram entendidos como sinais dos vários aspectos da identidade de Cristo: o ouro pela sua realeza, o incenso pela sua divindade e a mirra que prenuncia a sua morte. Esta diversidade de dons dá-nos uma imagem da percepção particular que as várias tradições cristãs têm da pessoa e da obra de Jesus: quando os cristãos se reúnem e abrem os seus tesouros e os seus corações em homenagem a Cristo, enriquecem-se com a partilha dos dons de essas diferentes perspectivas. Por outras palavras, cada encontro ecuménico é semelhante à adoração dos Magos: oferecemos-nos a Deus e uns aos outros ao mesmo tempo, com os dons específicos que Deus concedeu a cada uma das nossas tradições cristãs. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.