Livre para ser – Nev

Livre para ser – Nev

foto @Tim Mossholder, unsplash

Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2021 – “Uma nova relação entre mulheres e homens a partir da realidade eclesial”: este é o título do encontro realizado na última sexta-feira, 5 de fevereiro, das 18h às 19h30, promovido pela Federação das mulheres evangélicas da Itália (FDEI) e pela revista Confronti.

O webinar contou com a presença de inúmeras pastoras e pastoras, teólogas e representantes de igrejas protestantes comprometidas com as questões de gênero: Herbert Anders, Abril Máximo, Cristina Arcidiacono, Stefano Ciccone, Daniele Bouchard, Elizabeth Green, Nicola Laricchio, Daniel Podesta, Davide Rostan, Sandro Spanu, Ângelo Reginato.

A consulta foi realizada ao vivo na página do Facebook do centro de estudos e revista Confronti.

Neste post o vídeo completo da reunião da última sexta-feira:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A Concórdia de Leuenberg nas palavras de Mario Fischer

A Concórdia de Leuenberg nas palavras de Mario Fischer

O Secretário Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE-GEKE), Mario Fischer. foto CELI Roma (NEV), 3 de maio de 2023 – O Secretário Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE-GEKE), Mário Fisherfalou em 28 de abril passado durante o Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), em Catania. Fischer dedicou um extenso discurso ao 50º aniversário do "Acordo de Leuenberg", assinado em 16 de março de 1973. Assim chamado pelo nome da cidade suíça perto de Basel onde este ato foi assinado, o Acordo representa o reconhecimento mútuo e a superação de conflitos históricos divisões entre luteranos e reformados, um passo importante em um processo que levou à formação, em 2003, do próprio CCPE. Partindo de alguns dados históricos, Fischer falou da estrutura e das atividades da Comunhão e dos desafios atuais. O CCPE reúne diferentes igrejas evangélicas: Luterana, Reformada, Igrejas Unidas. A Igreja Valdense Italiana – União das Igrejas Metodista e Valdense também faz parte dela. Do ponto de vista histórico, antes da Reforma, existiam justamente os Valdenses, em 1200. Depois vieram os Irmãos Boêmios e os Hussitas, no século XV. Depois os Reformados e por fim os Metodistas, no século XVIII. Fischer também citou anglicanos, ortodoxos e batistas. O ponto crucial é a diferente interpretação da presença de Cristo durante a Santa Ceia. Deve-se dizer que luteranos e reformados não puderam celebrar a Ceia juntos por 450 anos. Diferentes igrejas, milhões de fiéis, que de alguma forma sofreram. “No final da Segunda Guerra Mundial – disse Fischer – muitas pessoas foram expulsas e depois integradas e refugiadas em outras igrejas, mas não puderam celebrar juntas”. O Acordo de Leuenberg foi fundado, explicou Fischer, “com o objetivo de explicar o que é a comunhão eclesial, como celebrar a Santa Ceia juntos. Se dissermos que temos a mesma base, o mesmo entendimento do evangelho, a mesma doutrina da justificação, se dissermos isso também podemos dizer que pertencemos à mesma igreja que Jesus Cristo. E que os sacramentos são o batismo e a Santa Ceia. Portanto, hoje não estamos mais presos às condenações doutrinárias do século XVI”. São aqueles que querem permanecer divididos que devem explicar por que querem permanecer divididos. Quem quiser estar em comunhão eclesial, disse Fischer, não precisaria dar explicações. Este é o ambiente em que nasceu Concórdia, que certamente não nega questões em aberto ou explicações sobre como alcançar a comunhão eclesial. A ideia não é formar uma “superigreja”, mas sim reunir igrejas mantendo-se independentes: “não queremos a mesma liturgia, mas apesar disso somos uma igreja unida”. Como uma comunidade ecumênica inteira, ele disse novamente, todas as igrejas cristãs devem ser independentes, mas em comunhão. Entre os pontos-chave da Concord, segundo Fischer, estão o testemunho e o serviço ao mundo. Precisamos de "trabalho teológico contínuo, mesmo em controvérsias"; você precisa de uma organização; precisa de diálogo. “Não estou falando de um diálogo ecumênico – disse o secretário -. Nos diálogos há muitos documentos, uma espécie de mausoléu do ecumenismo. No Concordia era importante começar com um ato performativo. O documento era apenas uma espécie de 'contrato de casamento'. Uma vez inscritos, precisávamos de tempo para nos conhecermos e crescermos juntos. 50 anos é pouco tempo para as igrejas. Não importa se não concordamos em tudo, não importa se temos uma toga preta ou branca, isso são assuntos secundários. A identidade é importante, mas não afeta o fato de ser cristão”. A Concórdia de Leuenberg, portanto, diz que a consagração é mutuamente reconhecida. Assim como a comunhão no culto e a vontade de assumir posições evangélicas e atuar conjuntamente, na Europa e localmente, nas questões éticas. Concórdia representa um lugar de reflexão teológica comum, um nível avançado de conversação, inclusive doutrinária, que depois é relatada e discutida nas assembléias gerais e depois trazida de volta para as igrejas. A comunhão eclesial é o instrumento através do qual se pode discutir, orientar e consultar sobre qual é a compreensão da igreja a nível global, sobre o que as igrejas evangélicas e protestantes podem trazer para o diálogo ecuménico. O site Concordia coleta, por exemplo, materiais em vários idiomas. Entre eles, hinos em cerca de 20 idiomas europeus e manuais sobre como celebrar um batismo em outro idioma. “As traduções exigem os termos certos – explicou Fischer -. Como você responde em inglês quando se casa? 'Sim, eu vou' ou 'Sim, eu faço'? Podem parecer coisas pequenas, mas são importantes." A Concórdia de Leuenberg trata também da promoção da unidade dos cristãos, do diálogo com o Dicastério pontifício, promove diálogos com as Igrejas ortodoxas e anglicanas, com as Igrejas da migração, como a Igreja Presbiteriana da Coreia, a do Gana, com a Igreja protestante malgaxe, muito relevante na França, e com as igrejas evangélicas da Nigéria, que tem muitos membros na Holanda e Holanda. São muitos os projectos realizados, pelos órfãos, pelos direitos humanos, para levar a voz evangélica à Europa a nível institucional, para informar as igrejas nos contextos locais, sobre os mais diversos temas, desde o fim da vida, à sexualidade, à casamentos, às famílias. E, ainda, seminários teológicos, com envolvimento dos jovens, trabalhos a nível internacional, publicações… Fischer também falou de "teologia da diáspora", perguntando-se "o que podemos aprender? O que é a igreja? As minorias resistem se tiverem relações e colaborações internacionais”. O CCPE tem 95 igrejas membros, representando 40 milhões de pessoas na Europa, incluindo 20 milhões na Alemanha. O convite de Fischer é “Melhor fazer menos”, ou seja, “concentre-se em poucas coisas, dividindo as tarefas, para unir os poucos recursos e, assim, ter grande margem de ação”. Como serviço das igrejas e para as igrejas, Fischer também pediu que continuemos nos informando e divulgando o que as igrejas já estão fazendo: do pluralismo à aceitação, são muitos os temas em que nossas igrejas têm feito muito. Entre eles, “a migração, mesmo dentro da Europa, e as diferentes línguas. Nossas estruturas eclesiásticas terão que lidar com isso, com forças de trabalho e identidades que se misturam. Temos que dar uma 'pátria' para as pessoas, nas igrejas. Depois, há a questão dos jovens e como a Igreja é vivida em diferentes países. Na Roménia. Na Hungria. Na Escandinávia… Finalmente, a secularização. Grande tema de nosso tempo e das gerações futuras, que como igrejas devemos ter em mente”. ...

Ler artigo
Católicos e luteranos noruegueses visitando Roma

Católicos e luteranos noruegueses visitando Roma

Roma (NEV), 5 de setembro de 2019 - Da Noruega à Itália para uma discussão sob a bandeira do ecumenismo, diálogo, boas práticas para olhar para o futuro das igrejas. Hoje, quinta-feira, 5 de setembro, uma delegação ecumênica de dez expoentes da Igreja Luterana e da Igreja Católica foi convidada à Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. No centro do encontro não estavam apenas os temas teológicos, mas também uma troca sobre as questões sociais mais quentes da Europa. «Estes dias de encontro na Itália – explicou Einar Tjellesecretário-geral do Conselho para as Relações Internacionais e Ecumênicas da Igreja da Noruega – são uma experiência de intercâmbio muito positiva, para discutir temas teológicos e religiosos, mas também projetos concretos». A FCEI apresentou ao grupo norueguês, acompanhada para a ocasião pelo reitor da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), pároco Heiner Bludau e de Cordelia VitielloVice-Presidente do Consistório e Representante Legaldo CELI, as atividades realizadas no âmbito do seu programa para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, e em particular a experiência dos corredores humanitários. «Ficamos muito positivamente impressionados com este projeto - continuou Tjelle - e discutimos como realizar uma atividade conjunta de lobby, em nossos respectivos governos e dentro das instituições europeias, para implementar este caminho de corredores humanitários para refugiados ». O pastor Heiner Bludau esclareceu que existe uma “sensibilidade comum e vários desafios a compartilhar: jovens, migrantes são duas dessas questões sobre as quais queremos ter uma voz comum, como federações de igrejas”. Durante a visita à Itália, a delegação norueguesa – que já havia estado em Roma em 2012 – prevê diversos encontros com a Comunidade de Sant'Egidio, a Caritas e outras realidades do mundo católico e não católico. ...

Ler artigo
Lutero em Worms.  O momento chave da Reforma, 500 anos depois

Lutero em Worms. O momento chave da Reforma, 500 anos depois

Roma (NEV), 16 de abril de 2021 – ONU “Momento chave na história da Reforma“, segundo o professor Lothar Vogel da Faculdade Valdense de Teologia. Estamos falando de 16 a 18 de abril de 1521, 500 anos atrás. Martinho Lutero chega a Worms, onde está em andamento desde janeiro a Dieta, assembléia dos príncipes do Sacro Império Romano-Germânico, juntamente com Carlos V. O encontro tem como ponto central de debate o Causa Lutheri, a discussão sobre as teses do monge agostiniano, intimado a se retratar do que já havia sido tornado público mais de três anos antes, em 31 de outubro de 1517. Em Riforma.it, Cláudio Geymonat E Gian Mario Gillio assinar um estudo sobre a recusa de Lutero em abjurar. Recusa que levará à sua condenação e será um passo decisivo no processo de início da Reforma Protestante, cujas ideias já despertavam grande atenção entre as populações alemãs. Na Alemanha, o próximo fim de semana será marcado por comemorações, cultos, shows para relembrar o evento. Na sexta-feira, dia 16, está agendada uma celebração, transmitida pelo canal de televisão SWR, que envolverá o Presidente da República Federal Frank-Walter Steinmeiero presidente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), bispo Heinrich Bedford-Strohme o bispo católico de Mainz Peter Kohlgraf. Sábado, dia 17, na página do Facebook da emissora Swr, será transmitido um elaborado programa multimídia referente à visita de Lutero a Worms. Sobre a Reforma, também o comentário de Vogel, que estudou teologia em Tübingen e Marburg e desde 2006 é professor de História do Cristianismo na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Leia mais em Riforma.it Vá para a guia NEV. Martinho Lutero (1483-1546) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.