Pequenos valdenses crescem – Nev

Pequenos valdenses crescem – Nev

Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2023 – “Gostaríamos de uma igreja com escorregas e plantas no interior. Gostaríamos que todos pudessem dar a sua opinião, eliminação dos trabalhos de casa, cidades mais coloridas”.

O “Sínodo para as crianças” reunido recentemente em Torre Pellice apresentou os seus pedidos precisos à assembleia homóloga dos adultos no final da tarde de 24 de Agosto. Sobre o que é isso?

A carta com os pedidos do Sínodo das Crianças

Traversari Gesine, coordenadora do grupo de trabalho para a organização do Sínodo sobre as crianças, nomeada pelo Conselho Valdense por mandato do Sínodo do ano passado, e mãe de três crianças que participaram no projeto, explica: “O grupo de trabalho era composto por 5 pessoas. A ideia surgiu do fato de uma menina, num sínodo passado, ter perguntado aos seus pais: “Mas onde está o meu sínodo?”. Daí a vontade de responder e organizar o Sínodo das Crianças. Procurámos, portanto, pensar no que poderia ser, promover um percurso que fosse mais do que babysitting, mas sim uma atividade pensada na perspetiva das crianças. Foram-lhes propostos temas como a participação democrática, falavam de direitos e liberdades, e também da comunhão entre eles. Para nós, adultos, que participamos no Sínodo Valdense é também um momento em que nos reencontramos e estamos juntos todos os anos, portanto paralelamente a iniciativa para os mais pequenos é um investimento nas relações entre eles e, mais importante ainda, neles gostam muito”.

Dezesseis crianças de toda a Itália, com idades entre 5 e 13 anos, participam do Sínodo para as crianças, pela manhã há “cultini”, ou momentos de oração, depois visitas e itinerários: foram convidados da Rádio Beckwith, em Villa Holland, participou de diversas oficinas, visitou o museu valdense, jogou jogos e realizou inúmeras atividades práticas.

Fizemos algumas perguntas aos pequenos participantes desta versão reduzida do corpo executivo das igrejas valdenses.

O que é o Sínodo? “Um momento em que os adultos se encontram e discutem coisas importantes na igreja”, explica Matteo, 10 anos, de Veneza. Quem é Jesus? “Ele é o Filho de Deus, é como um amigo e nos protege e morreu por nós, para que sejamos livres”.

Do que você gostou mais? “Encontrar as outras crianças”, acrescenta outro pequeno sinodal.

Para Martina, 9 anos, de Verona, o Sínodo das crianças está indo “bem”, ela não sabe do que menos gostou porque “tudo é lindo”. Sobre os adultos, ele sabe que “eles trocam informações, escolhem se querem mudar algumas coisas ou não… Os bancos deveriam ser trocados, porque são assentos do século XIX”. Quem são os valdenses? “Outra religião que não tem Papa, não tem padres, a mulher pode fazer tudo… Uma pastora é como um padre, só mulher, e pode casar”.

Voltando ao mundo dos adultos, “propusemos atividades adaptadas à idade das crianças, paralelamente ao Sínodo dos adultos, procurando seguir os temas propostos pela assembleia dos “grandes”, e os mais pequenos mostraram que saiba como se sentir bem todos juntos. É uma experiência muito positiva”, afirma Miriam Bufapsicoterapeuta, um dos animadores do Sínodo dos pequenos, junto com um grupo de voluntários.

«No Sínodo anterior, em 2022, foi aprovado um ato em que era solicitada a organização deste espaço – acrescenta Daniele Parisiprofessora e membro do grupo de trabalho que idealizou a iniciativa – que já não se tratava apenas de uma babá para permitir que deputados, párocos e pastoras com crianças participassem no Sínodo, mas também uma forma de devolver às crianças e às meninas um momento central na vida da nossa igreja”.

No final da tarde de quinta-feira, 24 de agosto, os meninos e meninas do Sínodo foram recebidos na sala sinodal, onde apresentaram a sua carta repleta de propostas. Resultado? Uma ovação de pé e uma moção votada em tempo recorde: o Sínodo das Crianças estará lá novamente no próximo ano.


Para saber mais: Um Sínodo “amigo das crianças”, Reforma28/07/2023

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Um sonho transformado em pesadelo”.  O livro de Paolo Naso sobre Martin Luther King

“Um sonho transformado em pesadelo”. O livro de Paolo Naso sobre Martin Luther King

foto @Unseen Histories, de um splash Roma (NEV), 15 de janeiro de 2021 – Em 15 de janeiro de 1929, nasceu em Atlanta Martin Luther King, o pastor batista que liderou o movimento pelos direitos civis. E nestes dias, publicado pela Laterza, “Martin Luther King. Uma história americana”, escrito pela professora de ciências políticas e coordenadora do Mediterranean Hope, o programa de refugiados e migrantes da FCEI, Paulo Naso. O cartaz da nomeação de 15 de janeiro Hoje, às 18h, ao vivo na página da histórica editora no Facebook, o autor vai dialogar com Alexandre Portelliem reunião moderada por Jose Laterza. Com Paolo Naso conversamos sobre o volume e sobretudo sobre o valor da vida e do ensinamento do "MLK". O livro surge em um momento dramático na vida política americana. Existe uma conexão entre o que estamos testemunhando e a história humana e política de King? Obviamente não é uma conexão intencional, mas existe. Por trás das insígnias da soberania e do pior populismo subversivo dos partidários do Donald Trump é fácil ver as bandeiras confederadas, hoje símbolo de uma América violentamente nostálgica que não sabe como corrigir seu pecado original: o racismo. Nos dias que antecederam a manifestação de 6 de janeiro, os Proud Boys de Trump evadiram, vandalizaram algumas igrejas negras exibindo a insígnia do Black Lives Matter e invocaram uma América antiga e, em sua opinião, feliz, na qual os negros permaneciam nas plantações e não tinham permissão para entrar no instalações para "os brancos". O racismo contra o qual King passou sua vida continua sendo um demônio que afeta a América, até hoje. Em 1993 editou a publicação "O outro Martin Luther King", editada pela Claudiana. Um volume que continha, entre outras coisas, textos inéditos em italiano. Subseqüentemente ele editou outras publicações sobre o mesmo personagem. Então, por que outro livro novo sobre Martin Luther King? Por ser um personagem chave do século 20, que merece uma biografia rigorosa e não hagiográfica. Infelizmente, ao longo dos anos, testemunhamos um adoçamento interessado de King, reduzido a um ícone agora inofensivo. da América lutando contra o racismo: uma interpretação verdadeira e tranquilizadora, mas também muito parcial. Rei é um personagem complexo que, nos poucos anos que viveu, soube apreender e interpretar novos desafios enfrentavam a América naqueles anos: não apenas o legado da escravidão e da segregação, mas também o militarismo e a pobreza cada vez mais generalizada no país que se apresentava como o mais rico do mundo. Nesta perspetiva, mais do que um ícone, quis reconstruir um percurso, enfatizando a evolução da análise de King sobre os males da América e as várias estratégias de luta que foi capaz de desenvolver de tempos a tempos. Em suma, nenhum “beatificação” do Prêmio Nobel MLK. Com efeito, ela revela alguns elementos, biográficos mas não só, que contam as contradições. Quais eram as sombras desse personagem complexo? Como protestante, King não teria gostado das beatificações, especialmente quando eram artificiais e narcóticas. King foi morto no momento em que estava mais isolado politicamente; quando as relações com o presidente Johnson, que também reconhecera o direito de voto aos afro-americanos, ficaram mais tensas; numa época em que muitos súditos - por exemplo a grande imprensa liberal - que o haviam apoiado quando ele marchava pelos direitos dos negros, o criticavam e o abandonavam porque ele havia tomado partido contra a intervenção militar no Vietnã e denunciava as distorções sociais do capitalismo americano . King foi o primeiro a saber que era um homem, com as fraquezas e fragilidades de cada um. No volume reconstruo momentos difíceis em que, apesar do vínculo muito sólido com sua esposa Coretta - ele teve casos extraconjugais que o FBI documentou em uma tentativa - essencialmente fracassada - de desacreditá-lo. Assim como não é mistério que King e sua organização, apesar de grandes e muito relevantes exceções, tinham um caráter predominantemente masculino. Foi um erro porque personagens como Ella Baker, Septima Clark, Diana Nash eles tinham qualidades de liderança do mais alto nível. Mas tudo isto faz parte da dimensão humana da personagem e, a meu ver, não diminui a sua extraordinária capacidade de marcar o tempo em que viveu e de prestar um grande serviço à causa dos direitos humanos, da justiça social e da paz . No livro surge uma figura carismática também e talvez sobretudo do ponto de vista teológico. Você pode explicar a importância de King como evangélico e como teólogo? Com razão, King é considerado o "líder do movimento pelos direitos civis", mas raramente é o caso. foco na origem do seu pensamento que está indissoluvelmente ligado à palavra bíblica e ao que eu definiria como a sua raiz "puritana". Não há expressão de King e da liderança do Movimento, pelo menos até sua morte em 4 de abril de 1968, que não tenha raízes nas Escrituras: desde a identificação dos afro-americanos com Israel sob as correntes do Faraó antes e depois no caminho para a terra prometida, nas parábolas evangélicas de serviço aos que sofrem e são marginalizados. King é filho da melhor teologia protestante daqueles anos que estudou e internalizou. Ao mesmo tempo, sua visão se encaixa perfeitamente na história americana, no conceito de vocação que exige que a América seja uma "cidade sobre uma colina", um exemplo de moralidade civil e virtudes cristãs. E este é exatamente o núcleo do puritanismo, o histórico e real, não a tosca caricatura que dele fazem em círculos que nunca o compreenderam em sua dimensão central que, antes de ser ética, é principalmente teológica. Existe uma história, uma anedota ou um aspecto da vida de MLK que você "descobriu" e que particularmente o impressionou? Entre as muitas, gostaria de recordar a circunstância em que ele escreveu a carta da prisão de Birmingham. Era 1963 e ele foi preso após uma ação de protesto contra a segregação. Enquanto ele estava preso, seis dos líderes religiosos da cidade – todos brancos – escreveram uma carta aberta criticando a mobilização popular de King e minando a ordem pública. O caminho para a justiça - era a tese deles - passava pelos tribunais e, portanto, King teria feito melhor cuidando de sua paróquia e lendo seus sermões. King se sentiu traído por aqueles pastores e homens de fé que liam a mesma Bíblia e pregavam o mesmo evangelho. E ele quis responder, escrevendo rapidamente um texto escrito em folhas encontradas aqui e ali, inclusive um rolo de papel higiênico. Esse documento é um dos textos-chave do movimento não violento, da mobilização antirracista daqueles anos, mas também da radicalidade do testemunho cristão do século XX. Você argumenta que, em vez de nos perguntarmos quem matou MLK, deveríamos perguntar "o quê". Bem, o que acabou com a vida do líder afro-americano, na sua opinião? A morte de King permanece um mistério. O homem condenado pelo assassinato de uma das pessoas mais conhecidas e controladas dos Estados Unidos naqueles anos era um criminoso com um perfil muito diferente do de um terrorista político; depois do atentado, então, conseguiu fugir para a Inglaterra e só foi preso na volta. Como ele poderia deixar o país? Por que ele voltou? Perguntas sem resposta, ainda hoje. Essa linha de investigação, no entanto, nos leva a terrenos escorregadios e hipóteses refutáveis. No entanto, um fato permanece: King foi morto enquanto denunciava a guerra no Vietnã e a incapacidade do capitalismo americano de lidar com o nó da crescente pobreza, tanto de brancos quanto de negros. Em suma, ele estava atacando o "coração" do sistema, ainda por cima em situação de isolamento e fragilidade. Mais do que "quem" matou King, em conclusão, parece-me interessante pensar em "o quê", em que mecanismo fez um atentado contra sua vida. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Ecumenismo.  Fase V do diálogo entre católicos e luteranos concluída

Ecumenismo. Fase V do diálogo entre católicos e luteranos concluída

Participantes do encontro em Kligenthal (França) Roma (NEV), 31 de julho de 2018 – O último encontro da quinta fase de diálogo da Comissão Católica Luterana para o estudo da unidade foi realizado em Kligenthal (França) de 17 a 24 de julho. Promovida pela Federação Luterana Mundial (FLM) e pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC), esta fase de diálogo foi concluída após nove anos de trabalho. Com base em documentos anteriores sobre o batismo, a doutrina da justificação, a Eucaristia, o ministério e a apostolicidade da igreja, esta última reunião foi dedicada à relação entre o batismo e a comunhão eclesial. Em particular, tentou-se responder à pergunta sobre que tipo de comunhão eclesial deriva da compreensão compartilhada por católicos e luteranos sobre o batismo. Uma pergunta, sublinhou o pároco luterano Kaisamari Hintikkaque pede uma resposta também a partir dos compromissos expressos pelo então presidente da FLM, Munib Younane de Papa Francisco em Lund (Suécia) em 2016, por ocasião da abertura do 500º aniversário da Reforma, a respeito da divisão contínua na mesa da Ceia do Senhor – especialmente em referência a casais inter-religiosos. O relatório será agora recebido pela FLM e pelo PCPUC e será publicado no início de 2019. A Comissão Luterana-Católica – atualmente co-presidida pelo bispo luterano finlandês Eero Huovinen e pelo bispo católico britânico William Kenney – foi instituída em 1967 e, ao longo dos anos, produziu documentos de grande importância, como a “Declaração Conjunta sobre a doutrina da justificação pela fé”, assinada em Augusta em 1999, e “Do conflito à comunhão” de 2013 que definiu a possibilidade de uma celebração ecumênica dos 500 anos da Reforma Protestante. ...

Ler artigo
Dia do clique, eu era estrangeiro: cotas do governo são insuficientes

Dia do clique, eu era estrangeiro: cotas do governo são insuficientes

Roma (NEV), 29 de março de 2023 – Aproximadamente 245.000 pedidos foram recebidos ontem por ocasião do dia do clique para a entrada de trabalhadores estrangeiros na Itália, três vezes o número de cotas previstas pelo decreto de fluxo do ano passado, ou seja, 82.705. Relativamente às pessoas que não vão ser incluídas neste contingente, está em curso uma reflexão que levanta a hipótese de canais preferenciais para quem já se candidatou: quem não regressar poderá não ter de repetir a candidatura e tem lugar reservado. O governo, inclusive, está discutindo a abertura de mais um clickday nos próximos meses, diante de um novo decreto de fluxos. “Como amplamente previmos e repetimos há poucos dias, no dia do clique de ontem, as quotas definidas para a entrada de trabalhadores e trabalhadoras de países terceiros para 2023 esgotaram-se em poucos minutos e dois terços das candidaturas enviadas pelos empregadores Dito de forma ainda mais clara - apoio às entidades promotoras da campanha Fui estrangeiro, que inclui também a FCEI - mais de 240.000 empregadores têm apresentado regularmente pedidos de entrada e contratação de tantos estrangeiros, mas apenas um terço deles, cerca de 82.000, poderão efectivamente vir trabalhar no nosso país, apesar de existirem empresas e empregadores individuais que precisam destes números. A mesma situação havia surgido no ano passado e no passado. Então, vamos voltar a perguntar ao governo: por que repetir que quer focar nas entradas regulares e depois limitar o acesso à única via de entrada legal para o trabalho que a legislação prevê?” “Como sublinha o documento que a campanha enviou nos últimos dias à primeira Comissão do Senado no âmbito da apreciação do decreto-lei dos fluxos migratórios, não basta simplificar o procedimento de entrada e permitir a rápida contratação de trabalhadores e trabalhadoras ” continuam as organizações que promovem a campanha. "Se não forem enfrentadas as questões que o atual sistema apresenta - e que conhecemos há vinte anos - é impossível, por um lado, atender às reais necessidades do mundo produtivo e, por outro, permitir que homens e mulheres trabalhadoras venham trabalhar para o nosso país com todas as salvaguardas e garantias. Por que não dar ao empregador a possibilidade de contratar pessoas do exterior a qualquer momento, sem a necessidade de definir um dia de clique? Poderíamos começar com a introdução da figura do patrocinador com a possibilidade de apoiar a entrada de estrangeiro para permitir o ingresso no mercado de trabalho, mediante garantias, evitando assim, entre outras coisas, sobrecarregar os escritórios, prefeituras e polícias sede em particular, que já está perpetuamente com problemas e com falta de pessoal. É certo que o decreto em tramitação no Parlamento prevê no art. 2 que os pedidos que excedam as cotas podem ser examinados no âmbito dos decretos posteriores. Mas quanto tempo levará para abrir uma nova janela? Que resposta damos aos empresários do sector do turismo que precisam de começar a época balnear dentro de um mês e têm pessoal suficiente? Ou para as muitas construtoras em um momento de máximo comprometimento? Ou, ainda, às dezenas de milhares de trabalhadores que têm apenas esta loteria disponível para poder entrar na Itália e trabalhar sem riscos? Por estas razões, a campanha elaborou “algumas emendas ao decreto em discussão no Senado, apresentadas por várias forças políticas e que pedimos ao governo e à maioria que aprovem. Primeiro, no art. 1, a definição das cotas para cada ano não deve ignorar o que aconteceu no ano anterior, de modo a refletir as necessidades reais dos setores produtivos e dos trabalhadores e trabalhadoras que esperam poder entrar regularmente na Itália. É ainda necessário garantir aos empregadores cuja candidatura não se enquadre inicialmente nas quotas estabelecidas, a possibilidade de proceder ao recrutamento em prazo curto e definido, introduzindo o prazo de 30 dias para a adoção de novo decreto dedicado aos pedidos que excedam o dia do clique enviado nos primeiros dez dias contados do início da transmissão Dentre as medidas de simplificação previstas no art. 2, propõe-se inserir uma intervenção para proteger trabalhadores e trabalhadoras. Como também já foi feito no passado, é necessário prever que nos casos de não finalização do recrutamento por motivos imputáveis ​​exclusivamente ao empregador, seja emitida ao cidadão estrangeiro uma autorização de residência para aguardar emprego, que dê a possibilidade de encontrar outro trabalho e convertê-lo em uma autorização de trabalho. Devem então prever-se as disposições já estabelecidas em junho de 2022, entre as intervenções de simplificação do governo Draghi sobre o decreto de fluxos, que é a possibilidade de permitir o acesso ao processo de recrutamento de pessoas já presentes na área e imediatamente disponíveis para trabalhar. Não há como, de fato, contratar e legalizar uma pessoa que já está na Itália, mas está sem documentos e talvez trabalhe ilegalmente, a não ser por meio de uma anistia, como aconteceu muitas vezes nos últimos vinte anos. Para essas pessoas, o decreto de fluxos é a única maneira de regularizar sua situação, mesmo com o custo de sair e voltar da Itália. Esta prática deveria ser ultrapassada em primeira instância com a alteração proposta, sem prejuízo da nossa proposta de introdução de um mecanismo de regularização individual e sempre acessível face à disponibilidade de emprego, que permitiria resolver o problema da irregularidade ser enfrentado a montante".“Reiteramos – concluem as entidades promotoras da campanha – que não basta remodular os decretos de fluxo que, mais uma vez, se têm revelado ineficazes. Para obter uma gestão eficaz da entrada no trabalho no nosso país, são necessárias reformas orgânicas que tomem nota do que está a acontecer na realidade não só no que diz respeito às necessidades do nosso mercado de trabalho, mas também no que diz respeito às expectativas de uma vida melhor no nosso país dos trabalhadores e trabalhadoras e suas famílias”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.