Pequenos valdenses crescem – Nev

Pequenos valdenses crescem – Nev

Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2023 – “Gostaríamos de uma igreja com escorregas e plantas no interior. Gostaríamos que todos pudessem dar a sua opinião, eliminação dos trabalhos de casa, cidades mais coloridas”.

O “Sínodo para as crianças” reunido recentemente em Torre Pellice apresentou os seus pedidos precisos à assembleia homóloga dos adultos no final da tarde de 24 de Agosto. Sobre o que é isso?

A carta com os pedidos do Sínodo das Crianças

Traversari Gesine, coordenadora do grupo de trabalho para a organização do Sínodo sobre as crianças, nomeada pelo Conselho Valdense por mandato do Sínodo do ano passado, e mãe de três crianças que participaram no projeto, explica: “O grupo de trabalho era composto por 5 pessoas. A ideia surgiu do fato de uma menina, num sínodo passado, ter perguntado aos seus pais: “Mas onde está o meu sínodo?”. Daí a vontade de responder e organizar o Sínodo das Crianças. Procurámos, portanto, pensar no que poderia ser, promover um percurso que fosse mais do que babysitting, mas sim uma atividade pensada na perspetiva das crianças. Foram-lhes propostos temas como a participação democrática, falavam de direitos e liberdades, e também da comunhão entre eles. Para nós, adultos, que participamos no Sínodo Valdense é também um momento em que nos reencontramos e estamos juntos todos os anos, portanto paralelamente a iniciativa para os mais pequenos é um investimento nas relações entre eles e, mais importante ainda, neles gostam muito”.

Dezesseis crianças de toda a Itália, com idades entre 5 e 13 anos, participam do Sínodo para as crianças, pela manhã há “cultini”, ou momentos de oração, depois visitas e itinerários: foram convidados da Rádio Beckwith, em Villa Holland, participou de diversas oficinas, visitou o museu valdense, jogou jogos e realizou inúmeras atividades práticas.

Fizemos algumas perguntas aos pequenos participantes desta versão reduzida do corpo executivo das igrejas valdenses.

O que é o Sínodo? “Um momento em que os adultos se encontram e discutem coisas importantes na igreja”, explica Matteo, 10 anos, de Veneza. Quem é Jesus? “Ele é o Filho de Deus, é como um amigo e nos protege e morreu por nós, para que sejamos livres”.

Do que você gostou mais? “Encontrar as outras crianças”, acrescenta outro pequeno sinodal.

Para Martina, 9 anos, de Verona, o Sínodo das crianças está indo “bem”, ela não sabe do que menos gostou porque “tudo é lindo”. Sobre os adultos, ele sabe que “eles trocam informações, escolhem se querem mudar algumas coisas ou não… Os bancos deveriam ser trocados, porque são assentos do século XIX”. Quem são os valdenses? “Outra religião que não tem Papa, não tem padres, a mulher pode fazer tudo… Uma pastora é como um padre, só mulher, e pode casar”.

Voltando ao mundo dos adultos, “propusemos atividades adaptadas à idade das crianças, paralelamente ao Sínodo dos adultos, procurando seguir os temas propostos pela assembleia dos “grandes”, e os mais pequenos mostraram que saiba como se sentir bem todos juntos. É uma experiência muito positiva”, afirma Miriam Bufapsicoterapeuta, um dos animadores do Sínodo dos pequenos, junto com um grupo de voluntários.

«No Sínodo anterior, em 2022, foi aprovado um ato em que era solicitada a organização deste espaço – acrescenta Daniele Parisiprofessora e membro do grupo de trabalho que idealizou a iniciativa – que já não se tratava apenas de uma babá para permitir que deputados, párocos e pastoras com crianças participassem no Sínodo, mas também uma forma de devolver às crianças e às meninas um momento central na vida da nossa igreja”.

No final da tarde de quinta-feira, 24 de agosto, os meninos e meninas do Sínodo foram recebidos na sala sinodal, onde apresentaram a sua carta repleta de propostas. Resultado? Uma ovação de pé e uma moção votada em tempo recorde: o Sínodo das Crianças estará lá novamente no próximo ano.


Para saber mais: Um Sínodo “amigo das crianças”, Reforma28/07/2023

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Culto evangélico.  Garrone sobre o anti-semitismo e a Semana da Liberdade

Culto evangélico. Garrone sobre o anti-semitismo e a Semana da Liberdade

Foto de Luca Rüegg - Unsplash Roma (NEV), 12 de janeiro de 2020 - A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália elegeu o antissemitismo como tema principal da Semana da Liberdade 2020 - evento realizado todos os anos por volta de 17 de fevereiro, data em que, em 1848, os direitos civis aos valdenses e, alguns dias depois, aos judeus. Conversamos sobre essa escolha com Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Valdense e membro do Conselho da Federação Evangélica. O anti-semitismo será o tema da próxima Semana da Liberdade que os protestantes italianos celebram em fevereiro. Porquê este tema e porquê este ano? Daniele Garrone As palavras e atos de ódio contra os judeus estão aumentando, especialmente na Itália na web, em outros lugares da Europa e do mundo, inclusive com ataques físicos, às vezes assassinatos, profanação de cemitérios e outros ultrajes. Tudo isto num quadro que vê tons cada vez mais virulentos, muitas vezes ultrajantes, no confronto no espaço público, e em que frustrações, mal-estar e medos se vertem sobre supostos inimigos. É um terreno fértil desse tipo que viu a propagação do anti-semitismo nas últimas décadas do século XIX e início do século XX. Os sinais de anti-semitismo devem ser levados a sério antes de tudo por solidariedade com aqueles que são objeto dessa infâmia, mas também em defesa de nossas democracias constitucionais parlamentares, que quiseram reagir à época do ódio. Quais são as responsabilidades das igrejas e o que elas podem fazer para se opor ao crescente anti-semitismo em todo o mundo? A tradição cristã contribuiu durante séculos para difundir uma visão negativa do judaísmo. Após o Holocausto, iniciou-se um processo de denúncia de visões polêmicas do judaísmo e reconhecimento de suas consequências. As igrejas, também como lugares de formação, devem cultivar esta memória crítica de sua própria história e promover uma relação não conflituosa com o povo judeu. Recentemente, você supervisionou a publicação de um livro intitulado “L'ebraismo. Guia para não-judeus” Do que se trata? O título original do volume, publicado na Alemanha e distribuído em mais de 100.000 exemplares, era: “O que todos devem saber sobre o judaísmo”. Assim como durante séculos o "qualquer cristão" trazia na bagagem toda uma série de preconceitos e visões negativas em relação aos judeus, agora trata-se de enfrentar esse passado, de conhecer o judaísmo em sua realidade e de conceber a identidade cristã em termos não polêmicos. Com informações básicas, reconstrução histórica e teológica, o volume pretende contribuir, em linguagem acessível a todos, para desenvolver uma relação entre cristãos e judeus baseada no conhecimento, respeito e solidariedade O que você espera desta Semana da Liberdade 2020? Que os judeus da Itália sintam a proximidade de nossas igrejas nestes tempos sombrios, que nossas igrejas mantenham uma alta vigilância com relação à degradação do discurso de ódio e façam da "Semana" uma ocasião para refletir sobre como lidar com responsabilidade e decisão deste passagem histórica. A entrevista pode ser ouvida aqui, a partir do minuto '12 “20. ...

Ler artigo
abordar o discurso de ódio

abordar o discurso de ódio

Roma (NEV/Riforma.it), 21 de junho de 2019 – A sexta Escola de Verão sobre direitos humanos da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) decorreu de 17 a 20 de junho em Lisboa, Portugal. Em cooperação com o Conselho Cristão Português das Igrejas (COPIC), cerca de 50 participantes de diferentes origens nacionais, étnicas e religiosas tiveram a oportunidade de estudar juntos e receber formação interdisciplinar sobre liberdade de expressão, discurso de ódiocrimes de ódio e como prevenir o discurso de ódio em contextos religiosos. A discussão foi inspirada na premissa bíblica de Efésios 4:15-17 “mas, falando a verdade com amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, isto é, Cristo. Do qual todo o corpo, bem conectado e unido, pela contribuição de cada junta e de acordo com o vigor de cada parte, produz o crescimento do corpo para a edificação de si mesmo no amor. Isto, portanto, testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam os outros gentios, na vaidade dos seus pensamentos”. Os participantes examinaram a relação entre uma crescente falta de respeito entre as pessoas na comunicação, especialmente nas chamadas mídia social, e a ascensão do populismo político em escala global. As raparigas e rapazes foram também informados sobre as relações entre o Estado e a religião em Portugal, especialmente sobre a cooperação entre a Igreja e o Estado no acolhimento e integração dos migrantes na sociedade. As igrejas na Europa estão empenhadas em defender o direito fundamental à liberdade de expressão e opor-se ao ódio. Eles exortam todos os atores relevantes da sociedade a se envolverem no debate público para aumentar a dignidade humana de cada indivíduo. Sublinham também a necessidade de um diálogo informado e factual que reflicta, na procura de soluções adequadas, a complexidade das questões políticas e sociais do nosso tempo. Durante a Escola de Verão, palestrantes e participantes levantaram preocupações de que os populistas encorajam ou usam “discurso de ódio” para colocar um grupo contra o outro, a fim de ganhar uma quantidade significativa de votos, em vez de contribuir para a paz social e o compromisso político. Atitudes xenófobas, estigmatização de minorias, estereótipos com base em raça, cor, nacionalidade e origem étnica, religião, deficiência, gênero ou orientação sexual levam ao ódio e podem, eventualmente, levar à violência. O antissemitismo, a islamofobia e a cristianfobia são expressões dessas atitudes; no entanto, não é apenas um discurso religioso, mas também envolve e diz respeito a outras realidades, como os refugiados ou ciganos ou outros grupos minoritários. Da Itália, o pároco participou Luca Barattoresponsável pelas relações ecumênicas internacionais e secretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Entre os palestrantes estavam Pedro CaladoAlto Comissário para as Migrações em Portugal, Tatjana PericConselheiro para o Combate ao Racismo e à Xenofobia da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Jonatas Machado do Centro de Direitos Humanos da Universidade de Coimbra, bem como especialistas de organizações muçulmanas e judaicas. O presidente da COPIC, o bispo Jorge Pina Cabral, sublinhou: “Esta é uma grande oportunidade para estreitar os laços entre as diferentes igrejas em Portugal, refletindo sobre problemas e desafios comuns que enfrentamos na sociedade. Aprender uns com os outros e estudar juntos é a forma cristã natural de combater o ódio em todas as suas formas”. O presidente do CEC, o pároco Christian Kriegerele disse: “Em um momento de populismo crescente, combater a disseminação do discurso de ódio é uma responsabilidade que cada um de nós deve assumir. A Conferência das Igrejas Europeias está empenhada em fazê-lo, no seio dos seus membros e em parceria com outras partes interessadas”. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
Tertio Millennio Film Festival.  Primeiro encontro com as comunidades religiosas

Tertio Millennio Film Festival. Primeiro encontro com as comunidades religiosas

Foto TMFF/Corpo de entretenimento Roma (NEV), 22 de abril de 2022 – A primeira assembleia geral da XXVI edição do Tertio Millennio Film Fest (TMFF) foi realizada na quarta-feira. Estamos falando do festival de cinema nascido do impulso de João Paulo II e organizado pela Fondazione Ente dello Spettacolo que, ao longo dos anos, assumiu cada vez mais as características de um festival de diálogo inter-religioso. Há algum tempo, o Júri Inter-religioso do TMFF reúne cada vez mais expoentes de diferentes religiões. A assembléia contou com a participação das comunidades católica, protestante, judaica, islâmica, hindu e budista. O delegado esteve presente pela Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” Gianna Urzioex-presidente da entidade, ed. Elena Ribet. Para abrir os trabalhos, o cardeal Gianfranco Ravasi que, como refere o comunicado de imprensa da iniciativa, recordou a importância do festival no diálogo inter-religioso e intercultural. Falou-se também do diálogo entre as religiões como um diálogo pela paz. Vestir Juliano Savina, Diretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI) falou de uma “transversalidade que envolve todas as realidades. Isso gera plotagens e – citando Paulo Ricoeurele especificou – 'entrelaçamento' significa que a suspeita se torna confiança”. Apresentaram os temas da agenda David Milani, Presidente da Fundação Ente dello Spettacolo, Stefano RussoSecretário-Geral da CEI, Paulo Ruffini, Prefeito do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé. A seguir, as intervenções dos diretores artísticos Gianluca Arnone E Marina Sannae o debate com os representantes das comunidades religiosas envolvidas: Fabrizio Capanni, Hamdan al-Zeqri, Chapéus William Doryu, Sir Fatucci, Swamini Suddhananda, Saul Meghnagi, Yahya Pallavicini. A assembléia representa uma das etapas para a construção da XXVI edição do Tertio Millennio Film Fest, agendada para os dias 14 a 18 de novembro de 2022. Também está na mesa a nomeação do comitê inter-religioso, presidido por Giuliano Savina e formado pelos representantes escolhidos pelas comunidades religiosas. Além disso, a proposta de uma mesa de trabalho para a definição de um estatuto. O festival é organizado sob o patrocínio do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé, do Pontifício Conselho para a Cultura, do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, do Escritório Nacional para as Comunicações Sociais da CEI, da UNEDI, do Cortile dei Gentili, de Pitigliani - Centro Judaico Italiano, da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI), da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (COREIS), da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII) e da Associação Internacional de Cinema Protestante INTERFILM, com a Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi”, da União Hindu Italiana e da União Budista Italiana. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.