O Líbano sai às ruas.  A nova edição da Confronti

O Líbano sai às ruas. A nova edição da Confronti

Foto de Michele Lipori @Confronti

Roma (NEV), 9 de janeiro de 2020 – “Os impérios caem. As nações entram em colapso. Os limites podem ser apagados e movidos. Antigos laços de lealdade podem se dissolver ou mudar. A casa é a identidade que não se esvai”. Com esta citação do jornalista libanês que morreu na Síria Anthony Shadid encerra o extenso relatório sobre corredores humanitários contido na última edição da Compararescrito por Marzia Coronati E Michael Liporique acompanhou a última viagem dos beneficiários do projeto humanitário FCEI, de Beirute a Fiumicino.

Não só isso, porque além das histórias de famílias sírias que chegaram com segurança e legalidade à Itália, a investigação oferece um digressão sobre os protestos no país dos cedros, contados dia a dia. Ou seja, como “as vidas dos refugiados sírios que vivem em um limbo do qual é muito difícil se emancipar se entrelaçam, em um contexto, como o do Líbano hoje, feito de tensões manifestas e latentes”, escrevem os autores de o relatório.

A reportagem sobre os corredores humanitários “denominados” Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, inclui também uma galeria de fotos com muitas imagens do campo de refugiados de Tel Abbas, no norte do Líbano e dos vários momentos da vida cotidiana das pessoas que saem com os corredores humanitários, até seu desembarque na Itália.

Além do artigo de Michele Lipori, da redação de Confronti, e de Marzia Coronati, jornalista de RadioTre Rai, o último número da revista mensal editada por Cláudio Paravati propõe várias entrevistas, inclusive a do ex-ministro – renunciou em 30 de dezembro – na Educação Lorenzo Fioramonti e outro ao ativista afegão Malalai Joyaum artigo do correspondente da Rai na África subsaariana Enzo Nuccimuitas colunas e o cartoon de Takoua Ben Mohamed.

Aqui está o link para subscrever o Confronti, que também está à venda em várias livrarias e bancas de jornais de toda a Itália.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O que está acontecendo em Lampedusa

O que está acontecendo em Lampedusa

Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Um pequeno barco, transportando 42 migrantes, colidiu com as rochas do Vallone delle Acque, em Lampedusa. É o que lemos hoje nas agências de notícias. O grupo, composto por 14 mulheres e 5 menores, foi resgatado pelos homens da CP324 e 327 barcos patrulha da Guarda Costeira. O barco, que partiu de Sfax às 6h do último domingo, afundou. Os migrantes, originários de Gâmbia, Camarões, Mali, Costa do Marfim e Chade, foram todos levados para o hotspot do distrito de Imbriacola. Nestas horas as pessoas no interior da estrutura seriam, sempre segundo fontes da imprensa, mais de 1.200, face a uma capacidade de 350 lugares sentados. Nos últimos dias, houve numerosos desembarques em Lampedusa, um corpo chegou, vários desaparecidos, como contam os operadores do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, neste post no Facebook . E apenas alguns dias atrás, uma menina de alguns meses morreu dentro do hotspot. “O Mediterrâneo ainda é um lugar onde as pessoas morrem, uma das rotas mais perigosas do mundo – declara marta bernardini, coordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI – . Como igrejas protestantes, há anos construímos corredores humanitários, uma maneira segura de levar as pessoas à Itália, mas queremos continuar dizendo que as pessoas também devem ser salvas no Mediterrâneo com a ajuda de ONGs ou, em qualquer caso, de uma organização europeia de defesa do mar. resgate, que o acolhimento deve ser digno para todos aqueles que chegam à Itália e que, além dos corredores humanitários, também devem ser garantidos outros acessos legais e seguros. A Europa deve assumir a sua responsabilidade, cuidar de quem continua a viajar em busca de um futuro melhor, que o próprio Ocidente não permite que seja garantido nos locais de onde fogem”. ...

Ler artigo
a violência é patriarcal e estrutural

a violência é patriarcal e estrutural

Roma (NEV), 9 de junho de 2023 – A Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) emite um comunicado assinado por seu presidente, pároco Mirella Manocchio. Publicamos na íntegra. A apresentação de projeto de lei pelo governo Meloni visando fortalecer os dispositivos já existentes ocorre nos últimos dias”de combate à violência contra a mulher e contra a violência doméstica”. O comunicado do governo afirma que a intenção é "agilizar as avaliações preventivas sobre os riscos de potenciais vítimas de feminicídio ou crimes de violência contra a mulher ou no âmbito doméstico; tornar mais efetivas as ações preventivas de proteção; fortalecer as medidas contra a reincidência de crimes contra a mulher e a reincidência; melhorar a proteção geral das vítimas de violência.” Só posso estar contente com esta disposição, mas se tenho de dizer que também estou satisfeito então já é outro assunto... De facto, ainda não está claro onde se obterá o financiamento para sustentar o que consta do projeto de lei, como e quando serão formados os magistrados especializados na matéria, mas sobretudo parece-me que não há nada quanto à questão cultural nas quais se baseiam firmemente e nas quais vivem atitudes prejudiciais e nocivas, a discriminação, a violência contra a mulher. Mais uma vez em nosso país agimos na onda da emoção de notícias terríveis, como as de Júlia Tramontano E Pierpaola Romano; ainda continuamos a falar de uma emergência, enquanto a questão deve ser abordada como um fenômeno estrutural de nossa sociedade, como expressão feroz de uma cultura patriarcal que se apodera firmemente das consciências e das instituições. Nós mulheres evangélicas que nos reconhecemos na FDEI temos nos questionado muito nessa frente e continuamos a fazê-lo. Durante o nosso XIII Congresso aprovamos duas moções distintas, mas intimamente ligadas entre si a meu ver, que olham para o fenômeno com a ideia de enfrentá-lo em suas complexas ramificações porque não podemos nos contentar em destacar a cultura patriarcal e machista matriz subjacente a tal violência. Uma moção de trabalho em que, através da organização de uma conferência nacional, do lançamento de uma cartografia das associações e organismos de apoio à mulher no sector económico-laboral e de um projecto de formação de mulheres e homens, pretende-se ajudar a revelar L' "trama perversa em que se combinam dependência econômica, desigualdade salarial, chantagem sexual e negação da maternidade”; outra visa apoiar e criar nas nossas igrejas, em colaboração com quem já trabalha nesta área, cursos de formação dirigidos a raparigas e rapazes, mulheres e homens, que dão "atenção à justiça de gênero e respeito às mulheres e a cada pessoa em sua singularidade”. Devemos agir e contribuir concretamente para desfazer abordagens culturais, sociais, teológicas preconceituosas e ultrapassadas, sublinhando, e parece sempre necessário, cuja riqueza as mulheres são portadoras nos vários âmbitos, como faremos no próximo Pré- sínodo das mulheres em agosto, na Torre Pellice. Não queremos e não podemos baixar a guarda sobre esta questão que atinge todas as áreas e épocas da existência, todas as classes sociais, todas as instituições e organizações; e queremos fazê-lo a partir de nossas igrejas evangélicas que foram as primeiras a sentir a urgência de uma reflexão sobre as questões de gênero e seu entrelaçamento com a justiça social solicitada por teólogas e mulheres comprometidas com a paz e a justiça. Teólogos e mulheres como Dorothee Solle – cujos vinte anos se passaram desde sua morte – que, no livro 'Trabalhar e amar', encerra suas reflexões afirmando que nosso velho ser"não é apenas ser egocêntrico; é também o ser humano desamparado, que se sente incapaz de mudar qualquer coisa em seu próprio mundo. Como Paulo diz, ele é 'o escravo do pecado'. E ele também é um escravo dos poderes que organizam o holocausto nuclear, um escravo da injustiça e da destruição da terra. O egoísmo e o desamparo são as principais características do 'velho ser'. A nova criatura humana nasce da ressurreição de Cristo. Ela (homem ou mulher) tem poderes para combater a morte e aqueles que nos mantêm sob o domínio da morte. O novo ser humano em Cristo é um contraditório, um resistente, um revolucionário.” E queremos fazer nosso o seu apelo final do livro para assumirmos um dos antigos nomes de Deus "Tu que amas a vida" (Sabedoria de Salomão 11:26). passado. Mirella Manocchio presidente da FDEI ...

Ler artigo
Acolher refugiados dos corredores humanitários

Acolher refugiados dos corredores humanitários

Roma (NEV), 30 de março de 2023 – 58 pessoas de origem síria chegaram a Roma Fiumicino esta manhã, com um voo de Beirute, graças aos corredores humanitários, um projeto realizado desde 2016 pela Federação de Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI ), Mesa Valdense, Comunidade de Sant'Egidio, no âmbito de memorandos de entendimento firmados com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores. Para acolhê-los, os representantes das realidades que colaboram nesta iniciativa humanitária e dos dicastérios envolvidos. Até o momento, mais de 2.500 pessoas chegaram apenas do Líbano. Outros protocolos, sempre com a participação de igrejas protestantes, estão ativos para pessoas de origem afegã, do Irã e do Paquistão, e da Líbia. “As histórias dessas pessoas – declarou Manuela Vinaygerente do Otto per mille Waldensian – demonstrar que uma rota segura e legal para a migração é possível. Os corredores humanitários devem ser considerados um modelo a replicar, mas não são a solução para o problema: a migração é de facto um fenómeno complexo e como tal deve ser gerido, ou seja, com uma visão global, com ações e políticas integradas dentro de cada realidade e em colaboração com os vários países. Cada um deve fazer a sua parte e nós, do nosso jeito, tentamos fazer”. Para marta bernardini, coordenadora do programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, “hoje nosso privilégio é poder acolher essas pessoas. Eles escolherão qual futuro construir para si mesmos, terão a oportunidade de aprender italiano e decidir o que fazer, como realizar seus sonhos e desejos. Mas não esqueçamos quem morreu no mar há um mês, como na tragédia de Cutro. É por isso que continuamos a pedir políticas de acolhimento e resgates para todos”. No momento de boas-vindas seguido de encontro com a imprensa, além do presidente do Sant'Egidio, marco impagliazzotambém dois representantes dos Ministérios: Valério ValentiChefe do Departamento de Liberdades Civis e Integração do Ministério do Interior e Diretor Geral de Italianos no Exterior e Políticas de Migração do Ministério de Relações Exteriores e Cooperação Internacional, Luigi Maria Vignali. “Sabemos que os Corredores Humanitários não podem satisfazer toda a demanda por uma vida melhor, mas isso significa que devemos investir cada vez mais nessa ferramenta tão importante que tem permitido chegar com segurança. Na minha opinião, vocês são testemunhas e mensageiros. Testemunhas, porque é possível chegar à Itália e à Europa acreditando em corredores humanitários e acreditando nas instituições que trabalham para isso e, ao mesmo tempo, mensageiros para muitos de seus compatriotas, compatriotas que, em vez disso, dependem de traficantes de pessoas para serem explorados e partiu para um futuro incerto. Portanto – disse Valenti – compartilhamos juntos esta dupla responsabilidade: nós integramos vocês, vocês são mensageiros e testemunhas de um futuro melhor que é possível através deste sistema. O Ministério do Interior está empenhado em fortalecer esta ferramenta e investir mais recursos”. Para Vignali, representante do Ministério das Relações Exteriores, “a chegada de hoje confirma o forte compromisso do governo em garantir canais de chegada regulares, seguros e ordenados e, ao mesmo tempo, lutar contra os traficantes de pessoas. Continuaremos neste caminho também em conjunto com outros parceiros europeus e trabalhando em estreita colaboração com os países da Ásia, Médio Oriente e África, de forma a evitar outras tragédias e a fortalecer este modelo de corredores humanitários tão importante ". HERE Infográfico resumido sobre Corredores Humanitários – atualizado até março de 2023 "O #corredores humanitários são uma das formas, não a única, de chegar segura e legalmente: é preciso pensar em outras vias legais de acesso”. Marta Bernardini agora na coletiva de imprensa em Fiumicino para i #corredores humanitários e último voo desde #Líbano pic.twitter.com/NDhighsigb — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 30 de março de 2023 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.