Relembrando o “Matadouro Sagrado” de Valtellina, 400 anos depois

Relembrando o “Matadouro Sagrado” de Valtellina, 400 anos depois

Roma (NEV), 9 de julho de 2020 – Domingo, 19 de julho, marca o 400º aniversário do “Sagrado matadouro” de Valtellina, “na história da Itália, a única rebelião contra a autoridade política realizada por meio do extermínio de uma minoria religiosa. 700 protestantes foram massacrados em um banho de sangue.” O pastor e historiador valdense fala disso nestes termos Rio Emanuelque declarou à agência NEV: “Para nós esta memória é um dever, e para outros é a possibilidade de tomar conhecimento de um episódio terrível da nossa história”.

O pastor Fiume escreve: “Um massacre perpetrado por rebeldes católicos pró-espanhóis que massacraram cerca de 700 pessoas reformadas e abriram o corredor alpino entre o Ducado de Milão e o território austríaco, permitindo aos espanhóis a possibilidade de mover tropas para o teatro de guerra da Europa Central. As animadas igrejas de Valtellina, que representavam cerca de 10% da população do vale e pelo menos um terço dos habitantes de Sondrio e Chiavenna, foram completamente erradicadas e o subseqüente Capitólio de Milão (1639) devolveu o território de Valtellina aos Grisões com a proibição do culto reformado público e privado. Em Valtellina a Reforma veio do sul, trazida por refugiados italianos que buscavam uma terra hospitaleira. Entre estes, Francisco Negri, Ludovico Castelveltro, Agostinho Mainardo, Girolamo Zanchi, Cipião Lentoloa família Pestalozzi (que após a matança conseguiu consertar em Zurique, onde nasceu o famoso pedagogo pouco mais de um século depois).
É um episódio que de alguma forma ainda é ouvido pela cultura italiana graças ao trabalho de Cesare Cantu e, em todo caso, a única rebelião contra a autoridade estabelecida que levou a um massacre religioso na Itália moderna”.

Também conhecido como o “Matadouro Sagrado”, este massacre ocorreu entre 19 e 23 de julho de 1620 nas mãos de um comando que matou centenas de reformadores desarmados à espada ou queimados vivos, incluindo mulheres e crianças.

Em uma videoconferência promovida pelo Centro Cultural Protestante de Bergamo em junho passado, o pastor Emanuele Fiume reconstrói esta página sangrenta da história.

Emanuele Fiume, historiador e pastor valdense, conversa com Francesca Tasca sobre o “Sagrado Matadouro de Valtellina” de…

Publicado pelo Centro Cultural Protestante de Bérgamo na sexta-feira, 12 de junho de 2020

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Decreto de imigração, eu era estrangeiro: provisão inadequada

Decreto de imigração, eu era estrangeiro: provisão inadequada

Roma (NEV), 4 de maio de 2023 – O decreto do governo sobre imigração agora é lei. Para as organizações que promovem a campanha Eu era estrangeiro, que também é membro da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, “isso não é uma boa notícia”. Segundo Ero Straniero, seria uma medida: "inadequada face às entradas de trabalho no nosso país dado que, apesar das proclamações sobre o aumento regular dos fluxos, das promessas ao mundo produtivo carente de mão-de-obra e das intervenções mínimas para maior agilidade dos procedimentos, o sistema de contratação de estrangeiros continua sendo o, insuficiente e ultrapassado, de vinte anos atrás. Nem mesmo os previsíveis resultados do click day de 27 de março do ano passado, com mais de 240.000 pedidos de emprego contra 82.000 vagas disponíveis, serviram para pressionar o governo a dar um passo à frente e permitir que todos os empregadores que o solicitassem pudessem contratar o homem e trabalhadoras de que precisam nos próximos meses; desumano porque limita o acesso à protecção especial e priva milhares de pessoas que já se encontram em Itália e que aqui construíram relações e estabeleceram laços familiares e laborais, da possibilidade de sair da invisibilidade, obrigando-as novamente a viver na precariedade e provocando a criação constante de irregularidade; ilegítimo porque o respeito pela vida privada e familiar é um direito consagrado no artigo 8.º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem (CEDH) e o nosso país tem a obrigação de assegurá-lo e não de negá-lo, como de facto prevê a intervenção do Governo sobre proteção especial; inúteis porque continuamos, já há vinte anos, a iludir-nos de que basta construir CPR em todas as regiões e aumentar os tempos de detenção para resolver o problema da irregularidade, quando já se constatou que o número de repatriamentos efectuados todos os anos é muito menor do que o número de pessoas mantidas nessas estruturas onde o abuso e a violência estão na ordem do dia; errado e contraproducente em termos de inclusão e segurança social porque o sistema de acolhimento é intervencionado cortando serviços e impedindo o acesso ao circuito SAI e o acolhimento generalizado de requerentes de asilo: o governo opta por negar o precioso trabalho de autarcas e organizações da sociedade civil nos últimos anos para uma acolhida voltada para a inclusão nos territórios das pessoas que chegam à Itália e se casa com a abordagem míope e perigosa dos decretos Salvini de 2018 porque se pretende criar precariedade, invisibilidade, exploração, com o objetivo de transformar imigração um problema, um bicho-papão a abalar e não uma oportunidade para a sociedade”. Por isso, hoje a campanha renova seu compromisso de “reformar a gestão dos fluxos migratórios em nosso país e garantir aos estrangeiros que aqui vivem e trabalham dignidade, oportunidade e participação”, conclui uma nota divulgada hoje por Ero Straniero. artigo anteriorVocê não está sozinho! Evangelização e direitos das mulheresPróximo artigoA fabrica Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Lavagem de carro ecologicamente correta

Lavagem de carro ecologicamente correta

Roma (NEV), 29 de julho de 2022 – Lavar carros de maneira mais "eco". Este é o tema do novo vídeo da série criada pelos meninos e meninas da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Vídeo 1 de 6 de julho sobre economia de água em casa. Vídeo 2 de 13 de julho sobre como economizar água na cozinha. Vídeo 3 de 21 de julho sobre como regar sem desperdício. artigo anteriorVozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas. Fé é concretudePróximo artigoA Diaconia Valdense procura coordenador do projeto SAI Vulnerável em Vitória (RG) Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
sim, não, quase.  5 de junho na Eurovisão

sim, não, quase. 5 de junho na Eurovisão

Foto Protestantismo/FCEI Roma (NEV), 31 de maio de 2022 – Uma celebração ecumênica de Pentecostes será transmitida no Eurovision no domingo, 5 de junho, às 10h, no RaiDue. Editado pela coluna "Protestantismo", este ano será transmitido de Pinerolo, na província de Torino. É a primeira vez que o telespectador poderá presenciar um momento de "hospitalidade eucarística", ainda que "imperfeita". Essa prática, de fato, não é permitida pela doutrina católica. No entanto, em vários contextos, tanto católicos como protestantes, a aceitação mútua da “Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica” já é uma realidade. No dia 5 de junho, haverá troca de pão e vinho entre o Templo Valdense de Pinerolo e a Catedral de San Donato: "Um sinal que coroa um longo caminho ecumênico e que pretende sublinhar o desejo de um testemunho comum em um mundo marcado pelo 'egoísmo e violência», lê-se na apresentação da Celebração. Eles serão os pastores Gênero Gianni E Mauro Pons da igreja valdense de Pinerolo, com o bispo Derio Olivero, Presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo, para acompanhar este momento de intercâmbio eucarístico. O pastor Genre diz: “é um sinal, uma primícia de um diálogo ecumênico, sem queimar o tempo, nem dar saltos”. É, de fato, uma delicada questão teológica. Consubstanciação e transubstanciação são conceitos que também têm a ver com escatologia e soteriologia (doutrina da salvação). Também, mas não só, porque dizem respeito também à fé, tradições, hábitos, espiritualidade, rituais e crenças pessoais. Basta dizer que, segundo uma pesquisa recente, nos Estados Unidos apenas um terço dos católicos afirma acreditar que "durante a missa, o pão e o vinho se tornam o corpo e o sangue de Cristo". O pão e o vinho, no contexto protestante, não podem substituir, ou ser, o Senhor; você não come Cristo, você come com Cristo, citando Victor Subilia em "Jesus na mais antiga tradição cristã". Na própria Reforma, o tema da Santa Ceia é amplamente debatido, com diferentes posicionamentos. Ulrich Zwingliopor exemplo, traduz o “Leste” da frase “este é o meu corpo” (hoc est corpus meum) com "significado”. Sempre o mesmo Zuínglio, entende a transformação em membros do corpo de Cristo como um fato que diz respeito não ao pão, mas à comunidade reunida. Martinho Luteropor sua vez, fala da ubiquidade de Cristo. João Calvinono entanto, está em uma posição intermediária. O pastor Genre nos conta como nasceu em Pinerolo o desejo da partilha eucarística: "Há alguns anos, o pároco Sérgio Rostagno propôs dar um passo adiante no sentido da partilha ecumênica. Ou seja, ele se propôs a fazer o que a cristandade fez em Roma no século III, de acordo com o ensinamento de Eusébio de Cesaréiabiógrafo do imperador Constantino. Eusébio sugeriu que os cristãos orientais e ocidentais trocassem sinais de pão e vinho. Rostagno propôs fazê-lo também em Pinerolo, inaugurando assim um caminho de intercomunhão. Não podemos falar de hospitalidade plena, mas é certamente uma experiência viva que se faz acompanhar de colaborações não só a nível ecuménico, mas também a nível económico e social”. De fato, em Pinerolo, “já faz algum tempo que os valdenses trazem vinho para a Eucaristia na catedral, na Páscoa, para a missa de vigília. Na manhã seguinte, no culto, uma delegação católica leva pão para a Ceia do Senhor”, continua o gênero. É um símbolo de reconhecimento mútuo, diz o pároco: “um sinal, graças ao qual dizemos uns aos outros: reconheço-vos como a Igreja de Cristo, apesar das diferenças. As diferenças são sempre frutíferas, enquanto a uniformidade e a homologação correm o risco de ser estéreis. Não queremos trabalhar pela unidade da Igreja no sentido de nivelar as coisas, mas no sentido de perspectivas e responsabilidades comuns. Lembrando que a Ceia é do Senhor, não das Igrejas”. Por mais de 50 anos, a área de Pinerolo e os vales valdenses representaram um fértil "laboratório ecumênico". Das reuniões no Centro Internacional Ágape, ao pioneirismo do don Mário Polastro, “uma pessoa humilde e profunda ao mesmo tempo”, diz Genre. Desde momentos de reflexão sobre casamentos mistos e baptismos, aos muitos projectos que vêem católicos e protestantes juntos, desta área nasceram encontros, documentos, bolsas de trabalho, apoio à emergência da covid e inúmeras outras experiências que viram a sinergia concreta entre a diocese e a União das igrejas metodistas e valdenses, por meio dos fundos do Otto per mille valdensiano. Não basta o diálogo, conclui o pastor Genre: “Precisamos de reciprocidade. A este respeito, é significativo que o culto de Pentecostes seja itinerante. Passe pelo templo valdense, a catedral católica e o monumento ecumênico dedicado a todas as vítimas da intolerância e da violência perpetradas também em nome de Deus”. Estamos a falar da obra do escultor austríaco Gerald Brandstötter que representa a estaca de 1397 em Steyr, na Áustria, na qual morreram os valdenses que não quiseram renunciar à sua fé. Bem em frente a este monumento há um momento litúrgico de confissão de pecado e anúncio de perdão e graça. É o momento simbólico de superação da intolerância e da agressão mútua. Mesmo os de hoje, na Ucrânia, como em muitas outras áreas do mundo. A troca de pão e vinho entre protestantes e católicos, na Eurovisão, é um sinal perturbador até para não especialistas. Genre conclui: “É uma tentativa de dar substância a algo visível. Não basta dizer ecumenismo. Respostas comuns devem ser dadas para recuperar a credibilidade como igrejas cristãs na Europa Ocidental. Esperamos que essas sementes dêem bons frutos, tanto no diálogo ecumênico quanto na cooperação em nível social”. Para saber mais: Fulvio Ferrario, professor de teologia sistemática e decano da Faculdade Valdense de Teologia em Roma: "Hospitalidade eucarística: e se colocarmos o coração em paz?" O documento "Juntos à Mesa do Senhor", editado pelo grupo de trabalho ecumênico católico-protestante (ÖAK), que defende a participação mútua na Eucaristia como teologicamente justificada. “Hospitalidade eucarística: a caminho da unidade dos cristãos”, livro editado por Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urcioli (Católica), publicada pela Editora Claudiana. O volume trata do tema da hospitalidade eucarística a partir do documento A Ceia do Senhor, assinado por Paulo rico E João Cereti, onde se expressam as razões que sustentam esta prática. Seguido por contribuições sobre o tema de perspectivas católicas, ortodoxas, luteranas, batistas, metodistas, valdenses, adventistas, anglicanas e pentecostais. O boletim "Hospitalidade Eucarística" (OE). Com curadoria de membros do grupo ecumênico Breaking the Bread, que inclui crentes protestantes e católicos individuais. Nascido em 2011 em Turim, o grupo envolve igrejas, mosteiros e paróquias. O boletim da OE propôs um questionário sobre o assunto, que foi respondido por membros de igrejas católicas e protestantes, padres, pastores e pastoras, pregadores locais, diáconos e freiras. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.