“Igreja, peça desculpas a nós”.  A Carta das Mulheres Cristãs

“Igreja, peça desculpas a nós”. A Carta das Mulheres Cristãs

Versão em inglês, carta aberta: A Igreja nos pede desculpas. A paz mundial não pode existir sem hierarquias eclesiásticas pedindo desculpas às mulheres

Français, lettre ouverte: Église donne-nous tes desculpas. La paix dans le monde ne peut se passe des desculpas aux femmes de la parte de la hiérarchie ecclésiastique

Roma (NEV), 8 de julho de 2020 – Continua a chegar a carta aberta intitulada “A Igreja, desculpe-nos”, que denuncia a estrutura patriarcal e androcêntrica das instituições religiosas e da sociedade. “Se a Igreja Católica teme um cisma dentro de si – devido às esquálidas manobras arquitetadas pelo conservadorismo – deve também questionar a possibilidade de um cisma por parte das mulheres” lê-se no preâmbulo da carta, que tem como subtítulo: “Paz na mundo não pode prescindir de desculpas às mulheres das hierarquias eclesiásticas”.

Nascida de uma “sede de justiça”, a carta denuncia as ações e frases abusivas que foram reservadas às mulheres ao longo dos séculos, “um ‘patrimônio’ sem limites que designa um passado que pesa e não passa; cuja memória não deve ser apagada ou ignorada virando a página. Acreditamos que só a partir da assunção responsável destas afirmações é que os representantes do poder clerical masculino podem tomar consciência desta triste ‘arqueologia’ que os moldou”.

A carta vem de mulheres crentes e destaca que “as relações entre mulheres e homens dentro da Igreja estão doentes há muito tempo, porque estão impregnadas de estereótipos rígidos sobre as mulheres: visões degradantes, que distorcem sua imagem negando sua integridade. A partir dessas premissas, a desvalorização do feminino é uma consequência lógica”. As mulheres pedem consciência e conversão, em nome de um “discipulado de iguais” bíblico.

Entre as pessoas que aderiram ao documento estão freiras, religiosas, leigas, mulheres de movimentos ecumênicos, homens e até algumas protestantes, entre elas o pastor valdense Daniela DiCarloo pastor batista Gabriela Lio, Renate Zwick da Rede de Mulheres Luteranas e Claudia Angeletti, para a Associação Rosa Parks – centro cultural protestante. Entre os primeiros signatários, Paula Cavallari do Observatório Inter-religioso sobre a violência contra a mulher (OIVD), mulheres das Comunidades Cristãs de Base italianas e da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), e Anne Soupa, biblista, presidente do Comitê de la Jupe em Paris, que recentemente apresentou sua candidatura ao cargo de arcebispo de Lyon, recebendo o apoio de muitas mulheres católicas e protestantes em vários países europeus. Entre as assinaturas ilustres, também Antonieta Poderosa E Giancarla Codrignani.

As mulheres pedem distância das “declarações insultuosas dos Padres da Igreja, Apologistas Cristãos ou Santos”, relatando alguns exemplos.

“Algumas violações graves cometidas pelo clero masculino (às vezes com a cumplicidade de mulheres consagradas) contra o sexo feminino” são listadas na carta. Entre elas, a exclusão do reconhecimento à imagem de Deus, as relações de dominação e submissão, a exploração do trabalho das mulheres consagradas como trabalho escravo sem reconhecimento econômico e social, espiritual, de consciência e abuso sexual, a demonização da feminilidade corporal e a construção da imagem da “mulher sedutora”, para legitimar a visão segundo a qual as mulheres são responsáveis ​​pelas atitudes assediadoras/abusivas dos homens, pelo controle da sexualidade e do corpo feminino, pela indiferença em relação ao consumo de pornografia e de prostituição.

A carta também se refere à falha na reforma da liturgia e da linguagem pastoral e catequética, que atualmente não reconhece a subjetividade das mulheres; às traduções questionáveis, se não totalmente errôneas, dos Textos Sagrados, “imbuídas de preconceito patriarcal”; à visão desequilibrada da relação homem/mulher “através da exclusão das mulheres não só dos ministérios, mas também de todos os órgãos de decisão dentro da Igreja”.

A carta conclui com um apelo, para que o reconhecimento de tais insultos “não seja uma simples declaração de princípio, mas seja acompanhado de atos concretos” para a geração, todos juntos, de uma nova visão cultural, que ponha fim à dramática fenômeno da violência contra a mulher e dos feminicídios. Fenômeno estritamente condicionado pelos fenômenos descritos acima.

Para se inscrever e ler a carta aberta na íntegra, clique AQUI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Naufrágio de Crotone, luteranos: “Não podemos nos calar”

Naufrágio de Crotone, luteranos: “Não podemos nos calar”

Desenho de Francesco Piobbichi, operador da Mediterranean Hope - FCEI Roma (NEV), 1º de março de 2023 – “Como Igreja, sabemos como é complexo lidar com a questão da migração. No entanto, essa complexidade não pode ser traduzida em silêncio ou, pior, em negação”. A igreja luterana na Itália escreve isso em uma nota. “A Igreja Evangélica Luterana na Itália – lê-se no comunicado de imprensa divulgado hoje – expressa suas condolências pelas vítimas do naufrágio ocorrido na costa da Calábria. As mais de sessenta vítimas recuperadas até agora, entre muitos meninos e meninas, somam-se a outras pessoas que, nos últimos anos, se lançaram ao encontro da Europa. Como cristãos, sentimos faltar-nos as palavras pela crueldade com que estas buscas de encontro, estes pedidos de ajuda, muitas vezes ficam suspensos, senão mesmo rompidos. Consideramos estas mortes, e as que as precederam, o sinal do pecado que nos diz respeito. Não no abstrato, mas no concreto. Podemos nós, como os justos do Evangelho de Marcos, perguntar: Senhor, quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos? Podemos, olhando para estes nossos irmãos e irmãs, responder afirmativamente a esta pergunta? As viagens dos migrantes sinalizam a fragilidade de nossa sociedade. E da política muitas vezes até interessada em fazer dessas mortes a responsabilidade de quem morreu. É inadmissível que o pedido de dignidade humana, de encontro no caminho da solidariedade se simplifique a números, quotas, admissões. A complexidade não é uma equação a ser reduzida ao mínimo, nem as pessoas são variáveis ​​intercambiáveis. Nas nossas praias, essas mesmas praias para onde iremos daqui a alguns meses para refrescar o verão, o nosso tormento acende-se”. O CELI, prossegue o texto, “juntamente com as suas profundas condolências deseja também manifestar o seu encorajamento para que o nosso país não se deixe desumanizar, não se acostume com estas como com as outras mortes que as precederam. Como cristãos, temos o dever de fazer parte dessa complexidade. Enfrentá-lo juntos, ecumenicamente. Acreditamos que a gestão dos fluxos migratórios é necessária e que, mesmo neste caso, a complexidade não pode e não deve ser reduzida ou banalizada dentro das típicas polarizações e explorações políticas. O que aconteceu diante de Cutro é um grito muito alto: ao céu, mas sobretudo à terra. E chama-nos cristãos a dar conta de sermos armas que acolhem, mas também vozes que intervêm, falam claramente tanto à sociedade como à política. A santidade da vida humana se aplica a todos os seres humanos em todos os lugares. Tanto na costa da Calábria como nos campos de migrantes. Campos que, também graças às políticas contraditórias implementadas nos últimos anos, continuam a fazer vítimas e a gerar desespero após desespero”. A Igreja Evangélica Luterana na Itália espera, portanto, “com vigor, que pelo menos os cristãos, as pessoas de fé saibam falar juntas, em uma voz que contém uma pluralidade de tons. Harmonioso. Porque o Deus da Paz e da Vida nos deu voz para falar quando necessário”. ...

Ler artigo
Cristãos Contra a Tortura (ACAT): “Silenciem as armas”

Cristãos Contra a Tortura (ACAT): “Silenciem as armas”

Roma (NEV), 18 de março de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT Itália) também se une ao grande coro de orações pela paz. E pede "que as armas sejam silenciadas, que a diplomacia faça o seu caminho, que o direito internacional seja respeitado e os civis sejam salvaguardados, que se façam esforços para acolher os refugiados, sem qualquer distinção, e que os manifestantes detidos sejam libertados na Rússia, culpados de terem protestado contra a guerra”. A associação fala da guerra como um crime absoluto contra a humanidade e da negação total dos direitos humanos universalmente reconhecidos. “Nunca a guerra esteve tão perto do velho continente e nunca como agora corre o risco de degenerar num conflito muito maior com consequências catastróficas – lê-se no site da ACAT -. E talvez seja por isso que o vemos. Olhamos para o rosto dela como se fosse a primeira vez. Vemos as cidades destruídas, os prédios fumegantes, o medo nos olhos das crianças, os gritos de dor, a agonia dos que perderam tudo, os refugiados em fuga. Nós vemos o horror." E, no entanto, continua o texto, “já vimos este horror muitas vezes, mesmo em tempos recentes, sem nunca realmente querer olhar para ele. Vimos isso no Afeganistão, no Iraque, na Síria, na Líbia, em várias partes da África, no Iêmen (onde se arrasta uma guerra sangrenta e uma das mais graves crises humanitárias do mundo há 7 anos). Nós o vimos e o vemos pintado nos rostos e corpos exaustos de milhares de refugiados que continuam pressionando, ainda hoje, nos portões da Europa para serem rechaçados novamente. E vemos isso, agora, nos olhos e rostos dos refugiados ucranianos”. UM GATO A ACAT é uma associação cristã ecumênica que atua contra a tortura e a pena de morte, trabalhando ao lado de todos aqueles que têm os mesmos objetivos e promovem os direitos humanos. Formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Rinascita Cristiana", a filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura deve-se à inspiração do pastor valdense Túlio Vinay, entre os primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Entre as últimas batalhas da história da agremiação, destaca-se a contra a pena de morte. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio, entre outras coisas, de 8×1000 das igrejas metodista e valdense. ...

Ler artigo
Secretariado para atividades ecumênicas.  A mensagem de Basel ainda é relevante hoje?

Secretariado para atividades ecumênicas. A mensagem de Basel ainda é relevante hoje?

Roma (NEV), 11 de dezembro de 2019 - No domingo, 15 de dezembro, em Roma, realiza-se o terceiro encontro do ciclo curto proposto pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), grupo romano, com o título "30 anos depois de Basel: Justiça, a paz, salvaguardando a criação – Balanço de um compromisso ecumênico diante dos desafios do nosso tempo”. O tema desta reunião é: "A mensagem de Basel ainda é relevante?" e eles dirão ao pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e Luís Sandri, jornalista e especialista do Vaticano, entre outras coisas, especialista em questões relacionadas com as igrejas ortodoxas. O compromisso é para domingo, 15 de dezembro de 2019, às 16h30, na casa de hóspedes do mosteiro das monjas camaldulenses, Clivo dei Publicii, Aventino - Roma. Há trinta anos, em maio de 1989, foi inaugurada em Basel a primeira Assembléia Ecumênica Européia intitulada "Paz na Justiça". 600 delegados protestantes, católicos e ortodoxos de toda a Europa, representando as três grandes denominações cristãs, reuniram-se pela primeira vez desde o Grande Cisma entre o Oriente e o Ocidente (1054) e a Reforma Protestante. A SAE propôs uma série de encontros ecumênicos de formação justamente para refletir sobre este importante aniversário. A SAE é um movimento inter-religioso de leigos para o ecumenismo e o diálogo, a partir do diálogo cristão-judaico. A seção romana foi a primeira a se estabelecer entre os grupos locais. Fundado por Maria Vingiani, criou ao longo dos anos “uma densa rede de relações fraternas que teve, entre seus protagonistas, autênticas testemunhas e mestres do diálogo ecumênico”, lê-se no site da SAE. Entre eles, os pastores Mario Sbaffi, Valdo Vinay E Renzo Bertalotvestir Luís Della Torremonsenhor Clemente Riva e irmã Mariangela Della Valle. Entre suas atividades ecumênicas, promove encontros e iniciativas para o Dia do Judaísmo (17 de janeiro) e para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), em colaboração com outros grupos e associações. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.