Migrantes e religiões, um compromisso ecumênico que se fortalece

Migrantes e religiões, um compromisso ecumênico que se fortalece

Roma (NEV), 21 de novembro de 2019 – Acolher os migrantes e combater a xenofobia todos os dias: um compromisso prioritário para as igrejas, reunidas nos últimos dias em Roma para a conferência ecumênica anual promovida pelo Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), juntamente com os representantes das Igrejas cristãs na Itália. Um compromisso que as várias confissões unidas parecem querer assumir pessoalmente e cada vez mais.

Ontem, quarta-feira, 20, a sessão final da conferência foi aberta com uma meditação do rabino Benedetto Carucci Viterbi, uma meditação que partiu da figura de Abraão como modelo da tradição judaica: “perante a relação com o outro necessitado, também a relação com Deus fica em segundo plano. Abraão mostra a urgência de acolher quem é diferente de nós, ou que a hospitalidade prevalece sobre a imanência de Deus”. A experiência migratória, segundo o representante do mundo judaico, diz respeito a todos: “ninguém está a salvo da hipótese da migração, somos todos migrantes potenciais, certamente não sedentários, de Adão em diante”.

Ao final da intervenção de Carucci Viterbi, alternaram-se alguns testemunhos de ‘quem acolhe’, depois dos acolhidos, ouvidos pelos participantes da assembléia na tarde desta terça-feira, 19. Entre os ‘acolhimento’, apresentados pelo pároco Mirella Manocchiopresidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália, Irmã Eleonora das Missionárias Servas do Espírito Santo, que anunciou a iminente acolhida, depois de outras experiências deste tipo, por sua comunidade de uma família afegã do campo de refugiados de Lesbos. Stefano Specchiaoperadora do Mediterranean Hope, o programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, que trata da assistência jurídica aos beneficiários dos corredores humanitários e seu acolhimento, explicou “o que significa ser um refugiado”, convidando os presentes colocar-se no lugar de quem migra, pensando nesta condição como “o maior luto que já experimentou na vida”.

E o acolhimento dos migrantes deve incluir também o respeito pelo pleno direito à liberdade e à expressão da própria fé. Um direito que não parece estar garantido sempre e em nenhum caso.

Para o advogado Ilaria Valenzi, assessor jurídico da FCEI, “o pluralismo religioso é um direito de todos e os locais de culto não são apenas espaços físicos, mas também simbólicos. A Consulta tem repetidamente manifestado-se a favor da liberdade de culto no nosso país”, testemunhando o facto de haver, em todo o caso, um fosso entre os cultos “maioriais” e as religiões que de alguma forma representam uma minoria. “As religiões – concluiu Valenzi – pertencem ao conceito de igualdade e ao de justiça, conforme constam dos artigos 2º e 3º da Constituição”.

Monsenhor também Luca Bressanvigário episcopal da diocese de Milão, se perguntou “por que precisamos de mais lugares de culto?”, entendidos como “lugares de trânsito e não de exclusão”.

Portanto, a liberdade religiosa, garantida por lei, sancionada pelo Estado, mas nem sempre praticada igualmente por todos, é a base de uma abordagem ecumênica para o entrelaçamento do fenômeno da migração e das crenças.

“Toda cultura é mestiça por sua natureza – declarou Monsenhor Ambrogio Spreafico, presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana (CEI), nas conclusões da conferência – . Deve-se lembrar que há quase 70,8 milhões de pessoas em fuga, 10,8 milhões forçadas a fugir, mas dentro de seus próprios países, 37 mil novos deslocados todos os dias, e lembre-se que em 2018 um em cada 2 refugiados era menor”. Neste contexto de profunda evolução do fenómeno migratório a nível global, o que “dizem” as igrejas cristãs? “Estamos aqui, como cristãos – acrescentou o representante da CEI -. Porque o ódio contra aqueles que consideramos diferentes pode se tornar morte, violência, um inimigo a ser eliminado”. Para o prelado, que se referiu ao capítulo 16 do Deuteronômio e ao Livro dos Juízes, capítulo 12, da Bíblia, bem como ao livro do jornalista Carol Emcke ‘Contra o ódio’, as igrejas devem “ir além dos muitos eus para viver o nós do qual as comunidades cristãs sempre foram um sinal para o mundo e devem ser ainda mais”.

O pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, anunciou a criação do Grupo de Trabalho das Igrejas Cristãs na Itália (GLCCI).

“Foi uma conferência cheia de estímulos, testemunhos, temas – explicou Negro – que marcou como o tema do acolhimento do outro é central na Bíblia. A xenofobia leva à maldição e à morte. E os novos sodomitas são, portanto, os xenófobos, os racistas. A este ódio, à xenofobia de Sodoma, deve-se opor a filoxenia, o amor ao estrangeiro, aquela hospitalidade que é literalmente amor ao xenos, do qual fala o capítulo 13 da Carta aos Hebreus do Novo Testamento”.

“Este é o quarto ano consecutivo de nossa convenção ecumênica – continuou o pároco -: foram promovidas 2 edições com a UNEDI, em Trento e em Assis, sobre a Reforma, enquanto em Milão o tema foi a custódia criada. Em 2019 foi a vez dos migrantes: um caminho equilibrado na escolha dos temas e nos dois polos do ecumenismo, o testemunho comum, o serviço das igrejas no mundo de um lado e o diálogo teológico do outro. Uma harmonia que nos fez crescer em nossa comunhão ecumênica.

Estamos, portanto, prontos para dar um salto qualitativo em nosso caminho ecumênico: um grupo de trabalho das igrejas cristãs na Itália, um corpo informal por enquanto, o importante não é a estrutura, mas o fato de que finalmente também em nosso país o ecumenismo não é mais esporádico, confinado ao gueto de ouro da semana de oração pela unidade dos cristãos: um ecumenismo cotidiano”.

Os trabalhos da nomeação ecumênica foram encerrados pelo vigário geral das paróquias do Patriarcado de Moscou na Itália, Hieromonk Ambrose Matsegoraaludindo a duas figuras retóricas: a alegoria da jornada épica do Ulisses de Homero, por um lado, e a metáfora da última ceia, por outro.

“A pátria é a essência humana, a viagem é a própria viagem. Ulisses explica como às vezes basta mudar a perspectiva para poder ver a viagem como uma oportunidade. Ele é um exemplo para os migrantes de hoje, ele se tornou o homem sobre o qual o destino não tem mais poder, ele aprendeu a superar os limites de si mesmo”.

[BB]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Roma (NEV/Riforma.it), 23 de setembro de 2020 – A Comissão Europeia apresentará hoje, quarta-feira, 23 de setembro, o novo Pacto de Migração, uma reforma do regulamento de Dublin que visa não colocar todo o ônus das chegadas nos países de origem e deve acionar mecanismos de solidariedade estabelecendo certas obrigações, por exemplo, sobre relocações.Ontem, 22 de setembro, uma dezena de organizações religiosas globais e regionais divulgou uma declaração em defesa da situação dos migrantes e refugiados na Europa para definir seu chamado como cristãos para "acolher o estrangeiro e instar a criação de um mundo no qual nos tornemos humanos juntos ". “A solidariedade deve ser o princípio orientador que rege a migração e, especialmente, a recepção de refugiados”, afirmou o comunicado. “Esperamos que a União Europeia rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva baseada nos valores fundamentais em que a UE se baseia. Nossas organizações representam igrejas em toda a Europa e no mundo, bem como agências religiosas particularmente preocupadas com migrantes, refugiados e requerentes de asilo”, continua o comunicado. “Como organizações cristãs, estamos profundamente comprometidos com a dignidade inviolável da pessoa humana criada à imagem de Deus, bem como com os conceitos do bem comum, da solidariedade global e da promoção de uma sociedade que acolhe os estrangeiros, cuida dos que fogem do perigo e protegem os vulneráveis”. A declaração refere-se então ao recente incêndio no campo de Moria, que deixou 13.000 migrantes desabrigados. “Os acontecimentos da noite de 8 de setembro de 2020 no campo de Moria e nos dias seguintes mais uma vez evidenciaram o estado falido da política europeia de migração e asilo e o sofrimento que ela criou. O desespero das pessoas em busca de proteção, muitas vezes obrigadas a viver anos em condições desumanas, a raiva e a frustração dos moradores que sentem que a Europa os deixou sozinhos com o desafio de acolher e assistir, indicam como a resposta atual tem enfrentado os sintomas de um grande problema, mas não a causa real, e a reação da UE expressa simpatia, mas mostra uma profunda falta de responsabilidade e nenhum compromisso real de ajudar aqueles que precisam de proteção, bem como o Estado grego e a população local que os acolhe. A pandemia exacerbou as já desumanas condições de vida dos migrantes”, observou o comunicado. “A COVID-19 e as suas consequências tornaram ainda mais precária a já difícil situação das populações deslocadas em muitos locais: quer pela higiene inadequada nestas estruturas, quer pelos cortes drásticos nas rações alimentares e demais assistências disponíveis”, lê-se. “Restrições generalizadas ao movimento interno e transfronteiriço após a pandemia reduziram ainda mais o acesso das pessoas à proteção. Além disso, a sobrevivência econômica de muitas pessoas em movimento, bem como de seus convidados, foi prejudicada por bloqueios e medidas relacionadas, que atingiram particularmente os empregados no setor informal e afetaram os meios de subsistência. As organizações religiosas comprometem-se, portanto, a "apoiar uma abordagem mais digna para o acolhimento, proteção e cuidado das pessoas em movimento". O texto afirma ainda que "as igrejas e agências foram e serão proativas em oferecer uma recepção compassiva e promover a integração social e uma coexistência justa e pacífica, na Grécia e em toda a Europa e além". A declaração exorta a mídia a “respeitar a dignidade humana de migrantes e refugiados, garantir uma cobertura equilibrada de suas histórias, envolver-se com migrantes e refugiados e capacitá-los a contar suas histórias e evitar expressões negativas estereotipadas, bem como vitimização e simplificação excessiva. Também partilhamos a convicção de que os valores fundamentais da União Europeia de dignidade humana e respeito pelos direitos humanos devem ser refletidos na sua política quotidiana. A política de asilo e migração da UE deve ir além do modo de crise: os canais normais de migração, incluindo passagens seguras e corredores humanitários, serão uma parte essencial da redução dos incentivos para realizar viagens perigosas e minar o negócio do tráfico. Essas passagens seguras devem ser abertas a pessoas que buscam proteção, mas também envolver pessoas que se juntam a suas famílias ou vêm para a Europa para melhorar seu bem-estar e o bem-estar da região trabalhando na Europa. Em conclusão, apoiamos fortemente a assistência humanitária imediata para permitir que as autoridades gregas e os agentes humanitários no terreno respondam às necessidades das pessoas deslocadas, bem como soluções estruturais de longo prazo para a resposta da região às pessoas em movimento. Em particular, pedimos um pacto da UE sobre migração e asilo que assegure que cada estado membro cumpra suas obrigações para que os países nas fronteiras da Europa não enfrentem esses desafios sozinhos. Todos os Estados-Membros da UE, assistidos por intervenientes locais, incluindo igrejas, devem assumir as suas responsabilidades no acolhimento e integração dos refugiados através da reinstalação permanente e outros mecanismos de partilha de encargos. Esperamos que a Europa rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva assente nos valores fundamentais em que assenta a União”. A declaração conjunta é co-assinada pela ACT Alliance, a Comunhão Anglicana, a Comissão das Igrejas para Migrantes na Europa, a Conferência das Igrejas Europeias, a Igreja Evangélica da Grécia, o Centro de Integração para Trabalhadores Migrantes – Programa Ecumênico para Refugiados, Não- Organização Lucrativa da Igreja da Grécia, Federação Luterana Mundial, Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Associação Mundial de Comunicação Cristã, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (Região Europeia), Conselho Mundial das Igrejas e Metodista Mundial Conselho. ...

Ler artigo
Réquiem para a Geleira Zugspitze

Réquiem para a Geleira Zugspitze

Roma (NEV/Riforma.it), 24 de julho de 2023 – Com um réquiem ecumênico pela geleira Zugspitze, a montanha mais alta da Alemanha, as duas principais igrejas alemãs, a Evangélica Luterana e a Católica, querem chamar a atenção para as consequências do das Alterações Climáticas. A cerimônia de réquiem para a "geleira moribunda" acontecerá amanhã, 25 de julho, às 12h, na capela da Zugspitzplatt, que faz parte da área de esqui Garmisch-Panterkirchen. O anúncio foi feito pela Arquidiocese de Munique e Freising e pela Igreja Evangélica Luterana da Baviera. A Capela da Visitação da Bem-Aventurada Virgem Maria, consagrada pelo então cardeal Joseph Ratzinger em 11 de outubro de 1981 em uma tempestade de neve a uma altitude de cerca de 2.700 metros, é o local de culto mais alto da Alemanha. Com o lema “Elevo os meus olhos para os montes. De onde vem o meu socorro?”, retirado do Salmo 121, vamos rezar pela geleira, por toda a natureza e pelo futuro dos habitats. Além de lamentar a geleira "moribunda", especialistas da estação de pesquisa ambiental de Schneefernerhaus fornecerão informações sobre a situação. O Diretor Musical do Decanato Evangélico Luterano de Weilheim, Wilko Ossoba-Lochner, ele compôs um réquiem de montanha especialmente para a ocasião. A 'Elegia ao Fim do Gelo Eterno' será estreada durante o réquiem. A solenidade será celebrada pelo pároco Uli Wilhelm da paróquia protestante de Garmisch-Partenkirchen e o conselheiro pastoral católico Florian Hammerl da Terra Werdenfelser da Alta Baviera. O Schneeferner do sul, como é chamada a geleira no Zugspitze, perdeu seu status de geleira no ano passado. Na esteira das mudanças climáticas, as coisas também não parecem boas para as outras quatro geleiras alemãs, a Nördlicher Schneeferner, que é a segunda geleira do Zugspitze, a Höllentalferner nas montanhas Wetterstein, a Watzmanngletscher e a Blaueisgletscher nos Alpes Berchtesgaden. ...

Ler artigo
Nasce a Igreja Evangélica Reformada na Suíça

Nasce a Igreja Evangélica Reformada na Suíça

Roma (NEV), 13 de janeiro de 2019 – A Federação das Igrejas Evangélicas Suíças (FCES) torna-se uma igreja: Com a entrada em vigor de sua nova constituição em 1º de janeiro de 2020, a Federação das Igrejas Protestantes Suíças tornou-se a Igreja Evangélica Reformada em Suíça (CES). Depois de um século de vida federativa, as igrejas membros da FCCES decidiram continuar o seu caminho de comunhão eclesial. Esta comunhão é vivida em três níveis: a paróquia, o cantão e a Suíça. Seu mandato é claro: proclamar o Evangelho de Jesus Cristo em palavras e ações. “A CES é uma irmandade de igrejas, não uma superigreja. A Igreja Reformada é uma igreja de base”, disse ele Gottfried Locherpresidente da Igreja Evangélica Reformada na Suíça. “A forma comunitária em vez da centralização é o que é necessário para implementar o mandato da CES. No futuro, o intercâmbio entre nossas igrejas será ainda mais importante”, continuou. Está também online um novo site, www.evref.ch, que apresenta a organização da CES, notícias e informações sobre o tema "Fé e Vida". Também contém páginas sobre temas como teologia e ética, migração, política e ecumenismo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.