Dia Mundial do Refugiado, todas as iniciativas dos protestantes

Dia Mundial do Refugiado, todas as iniciativas dos protestantes

Uma família refugiada da Ucrânia chega à fronteira de Vama Siret, na Romênia. Localizada ao norte de Siret e mais ao sul a cidade de Suceava, a travessia conecta a Romênia com a vila ucraniana de Terebleche e mais ao norte a cidade de Chernivtsi. Após a invasão da Ucrânia pelos militares russos a partir de 24 de fevereiro de 2022, mais de meio milhão de refugiados fugiram pela fronteira ucraniana para a Romênia. Foto: Albin Hillert/WCC

Roma (NEV), 14 de junho de 2022 – O Dia Mundial do Refugiado é celebrado na segunda-feira, 20 de junho. São muitas as iniciativas promovidas por todo o terceiro setor e várias também são organizadas pelo mundo protestante.

No que diz respeito à Federação das Igrejas Evangélicas, em particular, e seu programa de migrantes e refugiados, Mediterrâneo Esperança, a Casa das Culturas de Scicli com a CGIL e em colaboração com as realidades do terceiro setor que fazem parte do Pacto de Solidariedade Scicli, com o Integrado O projeto de serviços para a autonomia socioeconômica dos titulares de Proteção Internacional, e com o patrocínio do Município de Scicli, está organizando um evento de um dia a ser realizado na Villa Comunale Penna no município da província de Ragusa.

“Existem mais de 70 milhões de refugiados, requerentes de asilo e deslocados internos em todo o mundo que fogem da guerra e da perseguição. Todos obrigados a abandonar tudo e todos em busca de novas certezas em outros países. Refletir sobre a sua situação, conhecer as suas histórias e as suas dificuldades, não ficar indiferente e procurar agir, no dia-a-dia, para acolhê-los e respeitar os seus direitos”, são, por isso, alguns dos objectivos do Dia Mundial do Refugiado. Durante o Dia em Scicli, serão promovidas atividades didáticas e recreativas para crianças, entretenimento e também momentos de reflexão sobre as “Rotas migratórias e estratégias de acolhimento e integração” para aprofundar o tema também em relação ao território siciliano. “Agora mais do que nunca – lê-se na apresentação da iniciativa – é necessário promover caminhos de plena inclusão em todos os âmbitos da sociedade, desde o trabalho ao estudo e à saúde dos forçados a fugir dos seus países de origem”.

O dia começará com um workshop criativo e interativo “Construindo a paz” com curadoria dos operadores da Coop. A Soc. Acting destina-se a todas as crianças e jovens que queiram participar. Compromisso às 11 horas em frente à Câmara Municipal de Scicli.

Um momento de reflexão, com curadoria da CGIL e da Mediterranean Hope – Casa delle Culture, envolverá entidades e associações envolvidas na área. Serão explorados os temas dos projetos dedicados aos corredores humanitários e apoio psicológico aos que fogem do seu próprio país. eles vão intervir Federica Brizi, gerente de recepção de corredores humanitários para Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Evangélicas, Clemente SabbaCoordenadora do MEDU – Médicos pelos Direitos Humanos da Sicília, Ahmed Echigerente do projeto Emergência em Ragusa, Ana Caratozzolochefe da CPIA Ragusa e Giuseppe Scifo, secretário geral da CGIL Ragusa. A noite no Villa Penna será encerrada com uma apresentação de música popular com “Carmelo Errera e os Scacciadiavoli”. A participação nas oficinas e a entrada na Villa Penna são gratuitas e gratuitas.
Em Roma, em particular, em Casale Garibaldi, a Diaconia Valdense, Casale Garibaldi – comum no trabalho, Arco Solidário OnlusMédicos Sem Fronteiras, Intersos, BINÁRIO15 organizam um momento de partilha e confronto junto com os cidadãos e os refugiados do território. A partir das 17h30 exposição fotográfica, histórias solidárias, concerto ArabJazz com os 66 KIF, aperitivo.

“Todos os anos – explica a Diaconia Valdense em nota à imprensa – é uma oportunidade de convidar as pessoas a conhecerem nossas atividades de trabalho com requerentes de asilo e refugiados por meio de momentos de encontro e contação de histórias”.

O Dia Mundial do Refugiado foi celebrado pela primeira vez em 20 de junho de 2001 e foi criado para comemorar o 50º aniversário da aprovação da Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados assinada em Genebra pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Está em andamento a 46ª Assembleia Geral da União Batista na Itália

Está em andamento a 46ª Assembleia Geral da União Batista na Itália

Roma (NEV/CS09), 20 de abril de 2022 – A 46ª Assembleia Geral da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI) começa oficialmente na próxima sexta-feira, 22 de abril, em Pomezia (Roma). Após dois anos de hiato por conta da pandemia, as igrejas batistas italianas voltam a se reunir presencialmente com uma agenda lotada. Na agenda estão, entre outros temas, os temas da internacionalidade, multiculturalismo, cooperação. Uma mesa redonda e eleições para novos órgãos de governo também estão planejadas. Cerca de 100 delegados e convidados estrangeiros são esperados no Lazio para esta ocasião, incluindo Ingeborg te Loocoordenador da Rede de Aprendizagem do International Baptist Theological Study Centre em Amsterdã, e o pastor Antonio Santana Hernández da Fraternidade das Igrejas Batistas de Cuba (FIBAC), com a qual a UCEBI mantém relações fraternas de geminação há vários anos. Esta edição da Assembleia Geral, que se encerrará no dia 25 de abril, é acompanhada pelos seguintes versículos bíblicos: “Não temais, pequeno rebanho, porque aprouve a vosso Pai dar-vos o seu Reino” (Lucas 12, 32). / "Porque andamos por fé e não por vista" (II Coríntios 5:7). O programa O habitual culto de abertura realiza-se na sexta-feira, dia 22 de abril, pelas 8h30, organizado pelo presidente cessante João Paulo Arquidiáconocom liturgia editada por Alessandro Spano e o Ministério da Música. Sábado, 23 de abril, às 21h, mesa redonda sobre "Igrejas e visões do mundo: o arco do universo moral é longo, mas pende para a justiça (Rei do ML)”. As intervenções estão previstas Alexandre Portelli, Igiaba Scego, Raffaele Volpe, Silvia Rapisarda; moderado: Alberto Annarilli. Domingo, 24 de abril, é dia de moções e eleições, com um encontro noturno de reflexão e oração sobre a paz na Ucrânia e sobre o acolhimento de refugiados organizado por Ivano De Gasperis. Os trabalhos terminarão na segunda-feira, 25 de abril, com o culto de encerramento. Os temas Entre os temas em discussão nos próximos dias, além do funcionamento do Sindicato, também o Ministério Bíblico Itinerante, gestão e administração de bens e fundos, atividades editoriais e culturais, projetos, reuniões e conferências. No que diz respeito ao Otto per mille, as igrejas batistas apoiaram financeiramente famílias em dificuldades devido à pandemia e programas de acolhimento de refugiados nos últimos três anos, em colaboração, entre outras coisas, com a European Baptist Federation (EBF) e a Federation of igrejas evangélicas na Itália (FCEI). Além disso, estão previstos momentos de oração e elaboração comum, também em vista do próximo Assembléia-Sínodo que reunirá as igrejas Batista, Metodista e Valdense. E ainda: teologia, evangelização, mulheres, jovens, pastoral musical, formação pastoral, relações ecumênicas, fé e sexualidade, migrações, clima. As igrejas batistas na Itália são multiétnicas. A presença de crentes latino-americanos, mas também da Nigéria, Gana, Costa do Marfim, Coréia, abre uma nova visão do presente e do futuro. A história remonta a um longo caminho e começa com um movimento dentro do evangelicalismo mundial, que apela para as doutrinas fundamentais do protestantismo"sola gratia, sola fide, sola scriptura”. São comunidades que nasceram da experiência das chamadas igrejas separatistas inglesas na virada dos séculos 16 e 17 e se espalharam por todo o mundo, onde hoje somam cerca de 100 milhões de membros e simpatizantes. Para saber mais acesse FORMA. ...

Ler artigo
Entrevista com Giovanni Arcidiacono, presidente da União Batista da Itália

Entrevista com Giovanni Arcidiacono, presidente da União Batista da Itália

A Assembleia, depois de ter sido adiada em 2020 devido à pandemia, chega agora no meio de uma guerra que pensávamos que nunca mais veríamos na Europa: quanta força é preciso para proclamar a esperança ao mundo de hoje? É preciso força extra. A mera força de cada um ou de todos está exposta ao risco da angústia e do medo, sobretudo para os idosos e para uma geração de jovens e adolescentes fortemente provada pelos últimos dois anos e que vê o seu futuro definitivamente roubado com a guerra. Precisamos da força que vem do Senhor Jesus que, antes de experimentar a Paixão, disse aos seus seguidores: “No mundo tereis tribulações; mas coragem, eu venci o mundo” (João 16:33). Aqui está o encorajamento e a força de que precisamos: o dom do Senhor à Igreja e ao mundo, a força da esperança viva, a luz do Evangelho que brilha nas trevas, apesar de tudo, que recria as esperanças mortas que a pandemia sobretudo a guerra. eles produzem e fortalecem. A Assembleia terá que examinar várias questões relativas à estrutura administrativa e à "máquina da igreja": podemos citar as principais? Eu menciono três. A primeira diz respeito ao efeito da pandemia na vida comum das igrejas, que as viu sofrer muito após o fechamento forçado de locais de culto e, posteriormente, na manutenção de frequência assídua aos cultos. Estamos preocupados com a parte mais fragilizada das comunidades que tem tido dificuldade com a modalidade remota e que entretanto ficaram descontentes com a igreja, principalmente nas igrejas menores. A segunda diz respeito ao andamento do plano de cooperação entre as igrejas da União, que lamentavelmente registou um decréscimo significativo no período de dois anos da pandemia que impacta diretamente as necessidades e exigências da União sobretudo em termos de sustentabilidade do a missão interna nas suas diversas declinações, a começar pelo inadiável fortalecimento dos Dicastérios (Teologia, Evangelização e Igrejas internacionais). A terceira questão diz respeito à atribuição às associações regionais de maior dignidade institucional, de forma a torná-las, no âmbito da cooperação entre as igrejas da UCEBI, um instrumento de referência territorial das igrejas locais para um vínculo institucional mais estreito e eficaz, a fim de expressar a unidade da fé no nível organizacional, implementar uma linha comum de testemunho e serviço, cultivar a esperança do cumprimento do reino de Deus. Face a esta nomeação, a Comissão Executiva propôs às igrejas um documento de estudo, “A tarefa da UCEBI”, que foi debatido localmente e em conferências para macro-áreas. Trata do tema da pluralidade, que já existe dentro da União entre as igrejas, nas igrejas, entre os irmãos e irmãs da igreja, entre os ministros e as ministras. Como e por que o desafio da pluralidade deve ser vivido hoje? A pluralidade nas igrejas deve ser vivida como comunidades plurais participativas nas quais as pessoas, com suas diferenças geográficas, étnicas, de gênero, culturais, teológicas e éticas, possam confrontar suas expectativas e perspectivas e compartilhar, no caminho comum da fé, a busca do Reino de Deus também sobre temas que distinguem o Batismo, como direitos humanos, direitos civis, direitos comunitários. Todos os direitos atravessados ​​por diferentes concepções éticas e teológicas para a formação cultural e histórica. O desafio da pluralidade deve ser vivido hoje mais do que nunca porque é urgente opor um mundo de solidariedade e igualdade a um mundo regido pelo regime de separação de nações, povos, etnias, culturas, credos, visando atingir os interesses de os poderosos orientados para a realização do bem comum da humanidade e a salvaguarda da criação. Os frutos deste regime de separação dos povos manifestam-se hoje na guerra de agressão contra a Ucrânia. No que diz respeito à pluralidade de ministérios, ao lado do ministério pastoral, hoje existem outros ministérios dentro da União. Neste caso, o desafio da pluralidade deve ser enfrentado promovendo a colaboração de pastores e pastoras, ministros e ministros, incentivando o trabalho em equipe entre pessoas que possuem habilidades diferentes e que sabem trabalhar juntas. Trata-se de uma reforma do modelo pastoral, dos ministros da UCEBI. Este ano haverá uma sessão conjunta da Assembléia convocada com o Sínodo Valdense e Metodista: quais são as expectativas? Cerca de 15 anos após o último Assembléia/Sínodo (AS), foi certo e bom ter aprofundado, através dos quatro webinars realizados em preparação para a próxima AS, os principais temas envolvendo reconhecimento mútuo entre batistas, metodistas e valdenses. Aqui ressalto antes de tudo a necessidade de melhorar a colaboração territorial fortalecendo-a, iniciando um processo de maior sensibilização dos respectivos sistemas de referência, capaz de tornar a colaboração sistêmica e baseada em projetos específicos para o testemunho evangélico comum no território, e não , como muitas vezes aconteceu, uma colaboração territorial simplesmente ocasional e não suficientemente motivada pelas necessidades de crescimento da igreja e desenvolvimento do testemunho no território. Outra expectativa importante diz respeito à formação de ministros e pastoras cuja formação acadêmica acreditamos deva fortalecer tanto o estudo da teologia prática (em particular, a relação de ajuda, o estabelecimento de novas igrejas, o desenvolvimento e transformação das comunidades, a evangelização) quanto o estudo da música e da hinologia. Há algum tempo as igrejas na Europa precisam lidar com uma sociedade e uma cultura cada vez menos envolvidas no testemunho cristão: que novas ferramentas podem adquirir? A pandemia devolveu-nos uma forma de participação em cultos e estudos bíblicos, mas também em conferências temáticas intimamente ligadas aos temas da fé, o que revoluciona o conceito de igreja local, entendida como igreja geograficamente definida e delimitada pelo local de residência dos participantes. Testemunhamos uma expansão virtual da igreja local durante a pandemia. Desta forma, alcançamos pessoas que nunca teriam cruzado o limiar de nossos locais de culto. Uma das ferramentas é, portanto, representada precisamente pela presença da igreja sui mídia social. No entanto, a esses novos métodos de comunicação devem ser adicionadas novas habilidades na formação de ministros, especialmente na área de missão e evangelização. Como se lê no relatório do Dicastério para a Evangelização: “não faltam sinais de esperança onde se está disposto a ‘ousar mudar pela fé’, equilibrando os acentos da estrutura à pessoa, da igreja local à universal , da palavra à escuta, do sermão ao encontro, do livro ao vídeo, do púlpito à mesa ou à webcam, num percurso policêntrico, onde os espaços de oração, de cuidado das almas, de testemunho pessoal e de partilha, também através dos novos media, reclamam um papel maior". Como você vivenciou seu mandato em nível pessoal? Procurei cumprir o mandato presidencial em espírito de oração, experimentando nas diversas dificuldades quotidianas a importância do apoio da Comissão Executiva e da colaboração do pessoal dos gabinetes. Na solidão não faltava a ansiedade pelas expectativas e pela vida comum das igrejas, sobretudo quando atravessadas por graves conflitos ou ameaças externas. Assim como havia preocupações com a saúde de pastores e pastoras. As maiores alegrias eram as decorrentes das visitas às igrejas, nas quais, mesmo com a cumplicidade convivial dos ágapes, os laços de fraternidade e sororidade se fortaleciam na profundidade e beleza da comunhão em Cristo. ...

Ler artigo
As laranjas solidárias da Etika estão de volta

As laranjas solidárias da Etika estão de volta

Roma (NEV), 10 de novembro de 2022 - As laranjas solidárias do projeto Etika da Mediterranean Hope (MH), o programa de refugiados e migrantes da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, estão de volta, em colaboração com o Sos Rosarno e o Mani e Cooperativa Terra.“Esperança do Mediterrâneo – explica marta bernardini, coordenadora do MS – continua suas atividades na planície de Gioia Tauro pela defesa dos direitos dos trabalhadores trabalhistas. Continuam os projetos Luci su Rosarno e Fora do escuro, por meio dos quais foram distribuídos no ano passado dispositivos de iluminação para 600 bicicletas e 700 jaquetas com faixas refletoras de alta visibilidade para a segurança dos trabalhadores que trafegam pelas estradas para chegar aos campos escuros e perigosos. "A novidade deste ano foi “a abertura de um albergue social em San Ferdinando (RC). O Dambe So Social Hostel - que na língua Bambarà significa "casa da dignidade" - foi inaugurado em fevereiro de 2022, e foi concebido como uma casa ecológica que acolhe trabalhadores na época dos citrinos e apoia, durante o verão, roteiros de turismo solidário . Na Piana di Gioia Tauro, onde o MH opera desde 2019, "83% dos trabalhadores trabalham em condições de exploração e vivem em situações de privação: interferência do crime organizado, contratações ilegais, condições extremas de trabalho edesumano, salários abaixo do salário mínimo, degradação ambiental e habitacional. Neste contexto, o Dambe So está em condições de acolher em segurança, dignidade e legalidade 20 trabalhadores que contribuem para os custos da habitação com uma quota sustentável. O Hostel é assim parcialmente autofinanciado pelos seus residentes e pela taxa de adesão que é aplicada na venda de laranjas da marca Etika”.A Etika é, assim, a marca de uma cadeia de compras solidária que “no ano passado conseguiu distribuir 100.000 kg de laranjas produzidas pela cooperativa Mani e Terra, ligada à Sos Rosarno. A rede de compras envolveu muitas igrejas protestantes italianas e estrangeiras. Para os produtores que procuram conciliar o respeito pelos direitos dos trabalhadores, pelo ambiente e pela responsabilidade social das empresas, estas compras são muito importantes porque permitem contrariar a concorrência imposta pelos mercados com contínuas reduções de preços”. Ainda este ano, portanto, a proposta da Mediterranean Hope para quem compra laranjas Etika é "um preço que inclui o acréscimo de uma "taxa social" de 10% para apoiar as práticas solidárias realizadas pelo MH no Piana di Gioia Tauro, antes de tudo o albergue social. Ao adquirir laranjas Etika – conclui Bernardini – você estará, portanto, apoiando diretamente projetos sociais, demonstrando que é possível construir um mecanismo que, conforme prevê nossa Constituição, preconiza a responsabilidade social empresarial, garantindo dignidade e respeito aos trabalhadores”.Para encomendas escreva para [email protected] referindo o ficheiro excel a solicitar e enviar. Para qualquer outro esclarecimento sobre os projetos de MH na Calábria, escreva para [email protected]. Informações e materiais: Rosarno Film Festival, "ousar inventar o futuro" ETIKA_brochure_ENG Carta de campanha Etika 22-23 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.