A lição de Martin Luther King

A lição de Martin Luther King

Roma (NEV), 21 de março de 2022 – Há o Martin Luther King que todos conhecem, líder do movimento pelos direitos civis nos EUA, pastor batista, ganhador do Prêmio Nobel da Paz, e há histórias, anedotas, muito menos reconstruções populares, exploradas no livro de Paulo Nasoprofessor de ciência política, ex-coordenador do Mediterranean Hope, “criador” dos corredores humanitários da FCEI, entre outros. Aquele livro tornou-se um espetáculo feito de leituras, vozes e música. A primeira apresentação aconteceu em Roma no sábado, 19 de março, na Faculdade Valdense de Teologia, perto da Piazza Cavour. Diante de uma sala lotada, com, na primeira fila, o ex-vice-ministro e atual representante da UE para as relações com o Sahel, Emanuela C. Del Re e a editora Jose Laterzaas palavras de Paolo Naso alternavam-se com coros e música, graças ao maestro Alberto Annarilli e às vozes de Elisa Biason e o coro Vozes da graça – Amlas.

Descobrindo as luzes, mas também as sombras da jornada política e humana de King, assim como de outros protagonistas do movimento pelos direitos civis, começando por Rosa Parques “muitas vezes contada como uma dona de casa que estava cansada demais naquele dia para não se levantar e dar seu lugar no ônibus para os brancos enquanto era militante”, figura política de destaque naquele movimento. Um movimento que ainda tem muito a dizer e a ensinar e que tem um papel atual, partindo de Black Lives Matter até, quem sabe, poder dar respostas às vozes que hoje se mobilizam na galáxia pacifista, contra as guerras, contra racismo .

“Numa história envolvente e apaixonante – lê-se na apresentação do evento -, Paolo Naso reconstrói a história de Martin Luther King a partir de seu assassinato em Memphis em 4 de abril de 1968 com letras e músicas que levam o espectador a compartilhar as emoções daqueles anos. A história centra-se no King mais “radical”, menos conhecido e celebrado e, por isso mesmo, incompatível com o ícone tranquilizador e inofensivo que o inseriu no establishment político e uma historiografia apologética que acabou por congelar King à imagem de o enésimo e solitário herói americano. Pelo contrário, a história adota a tese de Ella Baker – um dos primeiros colaboradores de King – segundo o qual “não foi Martin quem criou o movimento, mas o movimento criou King”. E por isso a sua ação deve situar-se no quadro de um movimento mais amplo e articulado. As dez canções propostas não são uma simples ajuda musical, mas constituem um fio condutor da história que leva o espectador a partilhar a música e as emoções daqueles anos. Os ritmos e letras dos negros espirituais executados, por exemplo, integram-se perfeitamente com a pregação, retórica e ação de King e do Movimento dos Direitos Civis. Por outro lado, nos anos das marchas de protesto e sit-ins, outros gêneros musicais “profanos” também se destacaram, recuperando canções de luta do início dos anos 1900, como a conhecida e famosa We Shall Supere. Mas foram também os anos das canções de protesto contra a guerra, assinadas por autores que marcaram época: Bob Dylan, Joan Baez, Peter, Paul e Mary... Finalmente, as fotos projetadas no fundo constituem uma terceira trilha da história e ilustram a coragem, a criatividade, a esperança, mas também a injustiça e a violência daqueles anos”.

O evento sobre Martin Luther King será realizado em breve em Domodossola e Milão.

Aqui estão mais fotos do show na Faculdade Valdense:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Luteranos do mundo.  Secretário-geral Junge deixará o cargo em 2021

Luteranos do mundo. Secretário-geral Junge deixará o cargo em 2021

Martin Junge durante a 12ª Assembleia da FLM em Windhoek, Namíbia, maio de 2017. Foto FLM Roma (NEV) 21 de maio de 2020 – O pastor Martin Junge é o primeiro secretário geral latino-americano da Federação Luterana Mundial (FLM). Em comunicado divulgado ontem por Genebra, Junge anunciou sua renúncia a partir de 31 de outubro de 2021, três anos antes do fim de seu mandato. “Acredito firmemente que a mudança regular na liderança é de grande valor para qualquer organização. Ele apóia a inovação, revigora a visão e infunde as organizações com um novo impulso. Isso vale também para a Federação Luterana Mundial – disse o pároco -. Agora é a hora de abrir espaço. Meu mandato deveria ter terminado um ano após a Assembleia de 2023. Uma mudança de liderança em 2021 abre caminho para uma transição e prepara o terreno para uma transferência significativa e para a elaboração de uma nova estratégia, para conduzir a Federação ao futuro em que Deus é chamando comunhão. O meu anúncio surge num momento de grandes desafios relacionados com a pandemia de covid-19. Prometo continuar meu trabalho com constância, empenho e dedicação enquanto permanecer no cargo. Assumirei as responsabilidades da função, reportando-me às igrejas-membro e à FLM. Para isso, continuo contando com a graça de Deus, que nos torna livres para viver e trabalhar juntos por um mundo justo, pacífico e reconciliado”, concluiu Junge. Eleito pelo Conselho da FLM em 2009, Junge assumiu o cargo de secretário geral em 1º de novembro de 2010. Nascido no Chile em 1961, casado, pai de dois filhos, o pároco estudou no Chile e na Alemanha. Dentre seus compromissos e atribuições, destaca-se sua participação em diálogos ecumênicos nacionais, que levaram à assinatura do reconhecimento mútuo do batismo em 1999 por igrejas católicas romanas, sírio-ortodoxas, anglicanas, evangélicas luteranas, reformadas, metodistas e várias pentecostais. Cobriu missão e desenvolvimento, globalização neoliberal e dívida externa ilegítima. Sob sua liderança, a Federação Luterana Mundial trabalhou para construir relacionamentos dentro da comunhão, expandindo suas operações e quase dobrando seu orçamento para atender pessoas pobres e marginalizadas em todo o mundo, incluindo mais de 2 milhões de refugiados. , pela defesa dos direitos, pelo clima justiça e promovendo dentro da FLM uma "Política de Justiça de Género". O secretário-geral agradeceu ao Conselho da FLM, às igrejas e a todas as pessoas que com ele colaboraram ao longo dos anos pela confiança e apoio, considerado “uma honra, um privilégio e uma experiência estimulante”, disse Junge. O presidente da Federação Luterana Mundial, Panti Filibus Musa, ele usou palavras de agradecimento a Junge por seu serviço, realizado "com integridade, sabedoria, imaginação, habilidade e intuição - e também com humor e alegria". O Conselho FLM elegerá um novo secretário geral em junho de 2021. Leia a biografia completa de Martin Junge aqui. ...

Ler artigo
“Fiquei impressionado com sua humildade”

“Fiquei impressionado com sua humildade”

Papa Francisco visita o Conselho Mundial de Igrejas, Genebra (Suíça), 21 de junho de 2018 - foto: Albin Hillert/WCC Genebra (NEV), 22 de junho de 2018 – Papa Francisco prestou homenagem ontem ao Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em Genebra por ocasião do 70º aniversário da organização mundial que inclui 350 igrejas cristãs nos cinco continentes. A "visita ecumênica" teve três momentos significativos: a "oração ecumênica" na capela do Centro Ecumênico nas alturas da "Genebra Internacional"; almoço no Instituto Ecumênico de Bossey no cantão de Vaud, com troca de presentes; as "mensagens ecumênicas" à tarde novamente na sede do CMI, com discursos de Olav Fykse Tveitsecretário-geral do CMI, Agnes Abuommoderador do CMI, e Papa Francisco. foto: Albin Hillert/WCC A visita do pontífice, que decorreu sem grandes surpresas (não se colocaram questões sobre a não adesão, nem sobre o que ainda divide as várias confissões), serviu sobretudo para consolidar uma relação de colaboração que já existia há algum tempo entre o Vaticano e o WCC em várias áreas. Da parte de Bergoglio, uma demonstração de reconhecimento e gratidão pelo que o CMI conseguiu nestes 70 anos no “caminho da visível unidade cristã”. Christian Krieger; foto CEC. Numerosos convidados foram convidados para celebrar este aniversário junto com representantes das igrejas do CMI: representantes do mundo das religiões, instituições, das Nações Unidas e da sociedade civil suíça. Em representação da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) esteve o pároco Christian Krieger, recentemente eleito presidente do órgão. Nós o entrevistamos. Pastor Krieger, você preside um corpo de igrejas em um dos continentes mais secularizados. Qual é a sua primeira reação no final deste dia? Fiquei particularmente impressionado com a humildade do Papa que veio honrar o caminho percorrido por este corpo ecumênico em 70 anos. O pontífice disse ter herdado este caminho e reconhecido a audácia das pessoas que o traçaram. E então, em seu discurso da tarde, fiquei impressionado com a conexão que ele desenvolveu entre o ecumenismo e a evangelização como uma abordagem missionária. A este propósito, o Papa lançou um apelo: é o sopro missionário que poderá fortalecer a unidade das Igrejas. Um tema também debatido na recente assembléia do CEC em Novi Sad na Sérvia? Sim, naquele encontro foi reconhecida a necessidade de as nossas igrejas-membro relançarem a dimensão missionária, também através daquele ecumenismo de ação e da consolidação das relações eclesiais. É claro que, diante do desafio humanitário que nos colocam os migrantes e os “nossos” pobres, o caminho da ação ecumênica parece ser o mais fácil de seguir, comparado ao diálogo ecumênico entre teólogos e instituições. Agnes Abuom – foto Albin Hillert/WCC A moderadora Agnes Abuom anunciou uma conferência internacional intitulada "Migração, Xenofobia e Populismo" que o Vaticano e o CMI estão promovendo conjuntamente em Roma em setembro. Uma iniciativa resultante de uma longa colaboração a favor dos migrantes, pelo acolhimento dos diferentes, contra a cultura do ódio. Nesse sentido, o que você espera para o futuro? Minha esperança é que os estados da Europa, seus líderes e as igrejas européias possam se arrepender para que a Europa volte a ser uma terra de boas-vindas e hospitalidade. Espero que o resultado desta conferência seja um forte sinal para avançar nessa direção. Uma etapa importante nesse sentido serão as eleições europeias de maio de 2019, com sério risco de achatar o debate político apenas sobre a questão migratória, ainda que lá verdadeiro desafio para toda a Europa e não apenas para a União Europeia. Por ocasião da visita do Papa Francisco ao #WorldCouncilOfChurches @Oikoumeneo irmão Alois está #Genebra hoje. Na foto: com o Rev. Christian Krieger, recém-eleito Presidente da @ceceurope.foto por @MarieRenaux / #WCC70 #PapeGenève pic.twitter.com/415AD44KGZ — Taize (@taize) 21 de junho de 2018 ...

Ler artigo
Empatia.  Escuta, dúvida, misericórdia

Empatia. Escuta, dúvida, misericórdia

Pablo Picasso. Menina com pomba (detalhe) 1901. Imagem escolhida pela Comissão para a Globalização do Meio Ambiente para a Temporada da Criação 2022 Dossiê sobre empatia Roma (NEV), 21 de junho de 2022 – Está pronto o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) para o Tempo da Criação 2022. Título: “Empatia. Escuta, dúvida, misericórdia”. O documento contém ideias homiléticas, meditações, liturgias, materiais e percepções. É dirigido a todas as igrejas federadas, mas não só. Cada pessoa e comunidade interessada no período litúrgico conhecido como "Tempo da Criação" poderá encontrar nas páginas do Dossiê alimento para reflexão e ferramentas preciosas para compartilhar. O "Tempo da Criação" é um período litúrgico ecumênico que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que teve seus primeiros passos com a Assembleia Ecumênica Européia em Graz (Áustria) em 1997. a Comissão GLAM da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália vem propondo um dossiê temático, este ano justamente sobre o tema da empatia. “Este Dossiê – lê-se na introdução –, tal como o anterior, está marcado temática e conteúdo pelos vestígios dos tempos que investiram a população mundial desde 2020 ao nível da saúde e da estabilidade do tecido social, este último especialmente no Norte Global. A sustentabilidade da globalização, na fase de recuperação dos fluxos de mercadorias perturbados pelas políticas de contenção do vírus, recebe mais um golpe com a guerra na Ucrânia: para a Europa a conversão das energias fósseis é ainda mais urgente. Num clima tão carregado de tensões e ameaças, GLAM apresenta a proposta de reflexão sobre a categoria da empatia, um possível auxílio para estabelecer relações menos esquemáticas". GLAM também fala de humanidade, dignidade, emoções e sentimentos. E observa que a 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), intitulada “O amor de Cristo move o mundo rumo à reconciliação e à unidade”, acontecerá precisamente na fase inicial do Tempo da Criação. É nesta linha de amor que a GLAM pretende dar o seu contributo. Para baixar o Dossiê completo, clique abaixo: Dossiê TDC 2022 – EMPATIA Introdução – Comissão de Globalização e Meio Ambiente Sugestões homiléticas, meditações Empatia ecológica? A necessidade de uma nova linguagemHanz Gutiérrez Quem é sábio e inteligente entre vocês?Tiago 3, 13-18Antonella Visintin Rotigni Elementos empáticos na BíbliaAndreas Köhn Liturgias Maria Elena Lacquaniti Materiais A empatia como ferramenta para olhar e ver a criaçãoTheresa Isenburg Andar com os pés nos sapatosMaria Elena Lacquaniti Entrevista com Antonella Scuderi e Ivano De Gasperis, um casal empático na vida, na fé, na sociedadeEditado por Maria Elena Lacquaniti Empatia na era da tecnologia de massaBriga Gerard Empatia, natureza, o humano e a féÉmile Florio Precisamos compartilhar o pão da democracia, da liberdade e dos direitos humanosMaurício Bolognetti Para saber mais Jean-Philippe Faure – Céline Girardet, Empatia, No coração da comunicação não violentaPaul Krieg ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.