O Concílio Ecumênico pediu: “Unidade, reconciliação, justiça e paz”

O Concílio Ecumênico pediu: “Unidade, reconciliação, justiça e paz”

Foto: Albin Hillert/WCC

Roma (NEV), 18 de maio de 2022 – Uma pré-assembleia interortodoxa realizada na semana passada afirmou “a máxima importância do amor” e lançou “um apelo à unidade, reconciliação, justiça e paz”. Isso é o que pode ser lido em uma declaração conjunta dos 50 participantes, que incluíam delegados de 20 igrejas ortodoxas orientais.

O objetivo da consulta, organizada pelo Metropolita Vasilios de Constantia e Ammochostos da Igreja Ortodoxa de Chipre, foi articular a perspectiva Ortodoxa sobre o tema e subtemas da 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), agendada para final de agosto a primeiro de setembro na Alemanha, em Karlsruhe, preparar os delegados para sua plena participação e expressar suas expectativas em vista dos próximos compromissos internacionais.

“Na teologia ortodoxa, o amor tem a maior importância”, diz o comunicado. “Como ortodoxos, estamos comprometidos com o objetivo da unidade eucarística, que tem sido a visão do CMI desde o seu início”, continua o texto. “O apelo à unidade, à reconciliação, à justiça e à paz continua a ser a nossa missão hoje, pois o nosso Senhor encarnado convida-nos a permanecer no seu amor, guardando os seus mandamentos…”

A mensagem conjunta recorda ainda que o encontro decorreu “numa terra apostólica”, oferecendo aos participantes “a oportunidade de rezar juntos e de mergulhar na herança cristã bimilenar da ilha de Chipre”, e também “de se informarem dos problemas de vida e da dor contínua que a ocupação turca tem causado à população local, uma ocupação que ainda mantém a ilha mediterrânea dividida.

“A delegação da Igreja Ortodoxa Russa informou o corpo do confronto armado na Ucrânia”, diz finalmente o comunicado. “Os membros da reunião tiveram a oportunidade de discutir a atitude da Igreja local diante desta dolorosa situação e compartilharam suas profundas preocupações sobre os desenvolvimentos na região, rezaram pela paz e expressaram a esperança de que o tema “O amor de Cristo impulsiona o mundo à reconciliação e à unidade”, escolhida para a próxima Assembleia, é outra inspiração que pode guiar esta região sangrenta e outras feridas por guerras no mundo, rumo à paz e à superação de todas as divisões”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

COP27.  Clima, a situação é difícil.  O que podemos “dar em troca”?

COP27. Clima, a situação é difícil. O que podemos “dar em troca”?

Foto FLM/Albin Hillert Roma (NEV), 17 de novembro de 2022 – No site da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), Peter Pavlovic* assinar um estudo sobre justiça econômica e ecológica. Reproduzimos a tradução abaixo. O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) confirma que as emissões totais de gases de efeito estufa aumentaram, apesar de todos os esforços, no período 2010-2019, mais do que em qualquer década anterior. A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27), em andamento no Egito, visa colmatar a lacuna de credibilidade no processo decorrente do Acordo de Paris e a falta de confiança entre países desenvolvidos e em desenvolvimento para empreender esse processo. Ambos os lados estão olhando para a mudança climática de diferentes perspectivas. Os países desenvolvidos o veem como uma oportunidade de mudança, os países em desenvolvimento o veem como o momento em que os países ricos devem reconhecer que seu bem-estar foi amplamente alcançado nas costas do mundo pobre e menos desenvolvido. Eles esperam que os países ricos paguem um preço justo pelo bem-estar de que desfrutam e que contribuam significativamente, compensando financeiramente o sofrimento que os impactos das mudanças climáticas trouxeram para as partes do mundo que não os causaram e, finalmente, para permitir um caminho em direção a uma futuro justo, equitativo e sustentável para todos. O aquecimento global em curso e os impactos cada vez mais devastadores das mudanças climáticas fornecem ampla razão para admitir que o tempo está se esgotando. Como expressou um dos líderes mundiais: “O objetivo de manter o aquecimento global abaixo de 1,5 grau, conforme acordado em Paris, ainda está vivo, mas está em terapia intensiva”. Em resposta aos impactos devastadores das mudanças climáticas que afetam pessoas vulneráveis ​​em todo o mundo, a presidência da COP27 lançou uma “Agenda de Adaptação” de Sharm El Sheikh, com o objetivo de melhorar a resiliência dos 4 bilhões de pessoas que vivem nas comunidades mais vulneráveis. Este é o primeiro plano global para um conjunto de ações compartilhadas necessárias até o final desta década para reduzir o impacto das mudanças climáticas. Ao mesmo tempo, é cada vez mais reconhecido que uma parte significativa do esforço para reduzir a mudança climática deve depender da diminuição da demanda do consumidor nos países desenvolvidos. Os relatórios do IPCC sugerem que a mudança comportamental precisa ser mais estudada. A ciência estima que as estratégias nessa área (a da demanda do consumidor) têm o potencial de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 40-70%. Igrejas e religiões têm um papel a desempenhar. Para a maioria das pessoas no mundo, a religião é um dos principais fatores que determinam seus padrões de vida. O papel das igrejas em enfatizar o conceito do mundo como uma criação, que não é nossa propriedade, é mais importante do que nunca. À luz das alterações climáticas, as palavras do Salmo 24: "Ao Senhor pertence a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele habitam", a propósito da pergunta suscitada no Salmo 116: "O que retribuo ao Senhor toda a sua generosidade para comigo?” eles exigem uma nova compreensão de justiça e equidade. As igrejas devem elaborar esse entendimento com novo vigor e determinação. *Peter Pavlovic é pastor, faz parte do CEC e da European Christian Network for the Environment (ECEN). Além disso, ele é membro da equipe ecumênica liderada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC) na COP27 no Egito. Foto Valter Hugo Muniz/CEC Ainda hoje, durante a COP27, foi realizada uma oração ecumênica entre outras coisas. Hospedado pelo Patriarcado Copta Ortodoxo, Diocese de South Sinai, foi realizado na Catedral do Céu em Sharm el-Sheikh. Tema: “Ó Senhor, contempla a obra das tuas mãos”. Na foto, o Metropolitano Seraphim Kykkotis Zimbábue. Além disso, o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC) lançou recentemente uma Declaração sobre a COP27, chamando-a de "uma oportunidade crítica" para revisar o roteiro para um amanhã sustentável. Na Declaração, o CMI observa que existem comunidades e nações que já lidam com os impactos catastróficos da mudança climática, mas cujos apelos urgentes não foram atendidos por outros membros da comunidade internacional. ...

Ler artigo
Mensagem por ocasião dos 20 anos da Charta Œcumenica

Mensagem por ocasião dos 20 anos da Charta Œcumenica

Roma (NEV), 20 de abril de 2021 - Abaixo está a mensagem ecumênica por ocasião do 20º aniversário da Carta Ecumênica (22 de abril de 2001 - 22 de abril de 2021), um dos pilares do ecumenismo a nível europeu, que reúne o protestantes, católicos e ortodoxos. O texto é assinado por Policarpo MetropolitanoArcebispo da Itália e Exarca do Sul da Europa (Sagrada Arquidiocese Ortodoxa da Itália); Gualtiero Cardeal Bassetti, Presidente da Conferência Episcopal Italiana; pastor Luca Maria Negro, Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. "Há vinte anos as Igrejas cristãs na Europa assinaram a Charta Œcumenica, documento que contém as "Diretrizes para o crescimento da colaboração" entre elas, fruto de um trabalho paciente e sábio iniciado com a primeira Assembleia Ecumênica Européia, realizada em Basel em 1989 Entre a queda dos muros e cortinas que atravessaram a Europa e a dramática ruína das Torres Gémeas, as Igrejas cristãs souberam elaborar juntas um caminho de conhecimento cada vez mais profundo e de convergência para um testemunho comum a dar ao Senhor da história. Eles souberam empenhar-se concretamente em fazer desta colaboração fraterna um sinal credível de uma unidade possível e um anúncio do Evangelho da paz. Um caminho de esperança para todos, oferecido pelos cristãos aos seus irmãos e irmãs na humanidade. Hoje, vinte anos depois, a Europa e as Igrejas presentes no continente encontram-se no meio de outro desafio de época: a crise económica, as alterações climáticas, os fluxos migratórios e, mais recentemente, a pandemia que assola o mundo inteiro e afeta a Europa no coração de seus valores e princípios de convivência civil e solidariedade humana. A busca da paz, da justiça e da salvaguarda da criação, que as Igrejas na Europa explicitamente assumiram desde a última década do século passado, exprime-se hoje como cuidado das pessoas e das relações, como fraternidade humana e tutela da terra como um bem comum. Também na Itália, a terra trabalhada com paciência por muitos homens e mulheres, discípulos do único Senhor Jesus Cristo, e a semente lançada há vinte anos pelas Igrejas presentes na Europa com a Charta Œcumenica, transformaram-se num compromisso quotidiano, numa cansativa mas convicta busca de novos e antigos caminhos para tornar possível a "corrida do Evangelho" na história de hoje. Muitos dos compromissos assumidos conjuntamente pelas Igrejas cristãs em 2001 ainda não foram concretizados, mas um caminho preciso de seguimento do Senhor Jesus foi traçado. Nestes vinte anos surgiram Concílios de Igrejas Cristãs em muitas regiões e cidades que colocaram a Charta Œcumenica entre seus fundamentos constitutivos. São sinais alentadores que não devemos e não queremos abandonar, mas acalentar e nutrir, para que sejam fermento de unidade e reconciliação. Em conformidade com a declaração conjunta da Conferência das Igrejas da Europa e do Conselho das Conferências Episcopais da Europa por ocasião deste aniversário, damos graças ao Senhor pelo que fez entre nós, por nós e apesar de nós, em estes vinte anos, e novamente COMPROMETEMO-NOS com a colaboração fraterna segundo aquelas Orientações, que se torna cada vez mais um testemunho comum para que os discípulos do Senhor “sejam um e o mundo creia” (Jo 17,21). Aqui a carta em pdf: Message_CartaEcumenica Uma declaração europeia conjunta do pastor também foi publicada em 12 de abril. Christian Kriegerpresidente da Conferência das Igrejas da Europa e do cardeal Ângelo Bagnascopresidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa. Lá Charta Oecumenica. Um desafio para as igrejas Por ocasião do 10º aniversário da Carta, o jurista valdense Gianni Long, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) no momento da assinatura, assim comentou o documento. “A Carta Ecumênica é um documento que encoraja e desafia as igrejas. Em alguns casos, fruto de compromissos entre diferentes posições, a Carta Ecumênica fez com que as três famílias confessionais cristãs do continente reconhecessem coisas muito importantes. O direito à liberdade religiosa dos indivíduos e de outras confissões. O repúdio ao nacionalismo e ao racismo. O reconhecimento de uma relação especial que liga os cristãos aos judeus. A importância do diálogo com o Islã e outras religiões. Embora a sua aplicação tenha sido desigual nas várias nações europeias, é de grande valor o facto de todos os cristãos do continente terem subscrito estas afirmações”. Aqui o texto da Carta Ecumênica em italianoem Inglêsem Francês e em Alemão. Era 22 de abril de 2001 quando, em Estrasburgo, os então presidentes da Conferência das Igrejas da Europa (KEK), o Metropolita Ortodoxo Jeremie, e do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), o Cardeal Arcebispo de Praga Miloslav Vlk, assinaram o documento indicando as diretrizes do ecumenismo e da cooperação entre as igrejas do velho continente. Nascida de uma solicitação da II Assembleia Ecuménica Europeia (Graz, 1997), elaborada por uma comissão conjunta KEK-CCEE através de ampla consulta às igrejas europeias, a Carta está dividida em 3 capítulos e 12 pontos que delineiam as áreas de interesse comum base para o diálogo e colaboração em todos os níveis da vida da igreja, delineando as principais responsabilidades ecumênicas. O primeiro capítulo, que confessa a Igreja "una, santa, católica e apostólica", enuncia o compromisso de buscar uma compreensão comum da mensagem de Cristo e a unidade visível de sua Igreja. O segundo capítulo é dedicado à "comunhão visível" das Igrejas na Europa, com os compromissos de proclamar juntos o Evangelho da salvação, trabalhar juntos na diaconia, proteger as minorias, rezar juntos, continuar o diálogo também em questões éticas controverso. O terceiro capítulo trata da responsabilidade das Igrejas na construção da Europa, na reconciliação dos povos e das culturas. Por fim, o texto retoma o tema da salvaguarda da Criação, já destacado pelas assembléias de Basel e Graz, e então fecha com três breves parágrafos sobre o aprofundamento da relação com os judeus, com os muçulmanos e com outras religiões e visões de mundo. ...

Ler artigo
FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Roberto Mellone

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Roberto Mellone

O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo Roma (NEV), 25 de outubro de 2021 – Em vista da Assembleia no final do mês, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) terminará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente serão ser eleito, reunimos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho ao Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo O primeiro protagonista desta série de artigos é Roberto Mellonetesoureiro cessante da FCEI. Qual é a sua avaliação desta experiência? “Definitivamente um balanço positivo. A nível estritamente pessoal e espiritual foi uma experiência verdadeiramente enriquecedora: pelas muitas pessoas que conheci nas várias missões, por ter podido trabalhar com irmãs e irmãos de outras confissões evangélicas, por ter dado um modesto mas espero útil contributo às atividades da FCEI. A nível mais institucional, nestes seis anos (dois triénios), tenho visto e contribuído para o desenvolvimento de inúmeras iniciativas ao tocar nos muitos e diversificados sectores de actividade desenvolvidos pela FCEI. Da formação à liberdade religiosa, da área migratória à resposta de emergência em emergências humanitárias, da informação jornalística à produção de rádio e televisão. O que me ajudou muito desde o início foi o ambiente em que se desenvolviam os trabalhos do nosso conselho: colaboração e fraternidade que nos permitia unir forças e desenvolver o diálogo interno nas melhores condições possíveis. A responsabilidade de tesoureiro deu-me também a oportunidade de conhecer os mecanismos de funcionamento da máquina organizativa da FCEI. O primeiro ano, talvez o mais cansativo, foi dedicado a conhecer os pontos fracos da administração e a iniciar algumas reformas internas que foram sendo aperfeiçoadas e implementadas nos anos seguintes. Excelente relacionamento com os colaboradores, amplamente renovado durante o mandato, e com a cooperativa Martin Luther King nosso precioso parceiro nas missões da Mediterranean Hope, o serviço aos migrantes da FCEI". Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? “Gostaria de desejar ao próximo ecônomo os meus melhores votos por um serviço exigente e responsável. O suporte da equipe e o relacionamento próximo com o profissional externo são duas ferramentas fundamentais para que tudo funcione bem. A estrutura financeira e patrimonial é a de um órgão eficiente e deve ser consolidada com um trabalho de planejamento e controle que deve envolver todos os serviços da federação. O novo conselho também terá que estudar os reflexos da reforma das entidades do terceiro setor na vida da FCEI. Já foi iniciado um estudo sobre os custos e benefícios de nossa possível adesão e estamos deixando um laudo técnico do profissional que nos atendeu até o momento. A um nível mais geral, desejo aos novos diretores e ao novo presidente a capacidade de criar o clima de trabalho positivo que, como já disse na minha experiência, é essencial para a concretização dos nossos projetos. Com a ajuda do Senhor”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.