Otto por mil valdenses, 1.266 projetos financiados na Itália e no mundo

Otto por mil valdenses, 1.266 projetos financiados na Itália e no mundo

Manuela Vinay fala no Sínodo 2023 – foto Marco Parella

Torre Pellice (nev/sv07), 24 de agosto de 2023 – O Sínodo da Igreja Valdense (União das Igrejas Metodistas e Valdenses), reunido nos últimos dias em Torre Pellice (Turim), discutiu e apresentou aos 180 deputados o destino dos fundos Otto para mil. A parte das receitas do Irpef destinada à União das Igrejas Metodistas e Valdenses é de 40 milhões de euros (aproximadamente), fundos recebidos das assinaturas (480.000 contribuintes italianos) afixadas na declaração fiscal do ano fiscal de 2020.

Um total de 1.266, das quais 397 no exterior e 869 na Itália, são intervenções humanitárias, educacionais, culturais e de ajuda ao desenvolvimento que serão financiadas este ano pelas igrejas valdenses e metodistas com estes fundos. Em comparação com o ano passado, todas as confissões religiosas registaram uma diminuição de assinaturas, valor interpretado em chave pandémica.

O destino dos fundos foi aprovado hoje pelo Sínodo, a Assembleia que constitui a autoridade máxima (na terra) das igrejas Valdenses e Metodistas.

O valor da redução ligada às assinaturas das receitas: “É claramente devido ao efeito da pandemia de covid 19 – notou Manuela Vinay, gerente do Otto per mille valdense –. Com efeito, os fundos recebidos em 2023 referem-se à declaração fiscal de 2020. Esta redução de assinaturas levou a uma diminuição da receita de cerca de 5 milhões de euros, face ao ano passado, de 47 para 42 milhões. Certamente não podemos ficar satisfeitos com esta contracção sofrida por quase todas as confissões religiosas, enquanto o Estado regista um crescimento significativo. No entanto – continuou Vinay -, compreendemos o espírito que empurrou os contribuintes para o Estado, porque durante a pandemia cada um de nós sentiu-se chamado a um sentido de maior responsabilidade. Naturalmente, o nosso testemunho para com os mais frágeis, a defesa dos direitos, a hospitalidade, a cultura e o ambiente não diminui, aliás podemos dizer que o nosso sentido de responsabilidade na escolha dos projectos a apoiar aumentou”.

O Sínodo foi também uma oportunidade para apresentar um novo concurso temático para o desenvolvimento territorial dos espaços internos (STAI) que será inaugurado no dia 1 de setembro, dirigido a entidades associativas italianas com uma dotação de 2,5 milhões de euros para projetos a partir de 200 mil euros. Para informações:


A distribuição dos projetos em Itália é repartida da seguinte forma:

melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência (23%); atividades culturais (17%); promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens (15%); intervenções de saúde e proteção da saúde (9%); luta contra a pobreza, as dificuldades sociais e a insegurança no emprego (9%); prevenção e combate à violência baseada no género (7%); acolhimento de refugiados e migrantes (6%); educação para a cidadania (5%); idosos (3%); recuperação de reclusos e ex-reclusos (3%); proteção ambiental (3%).


No exterior, distribuiu-se da seguinte forma: intervenções de cuidados de saúde e de proteção da saúde (22%); educação 16%; proteção infantil (12%); formação profissional e atividades geradoras de rendimento (12%); participação, diálogo, governação e direitos humanos (11%); promoção do papel das mulheres e da igualdade de género (9%); desenvolvimento rural e segurança alimentar (6%); ajuda humanitária de emergência (4%); luta contra a desnutrição (4%); acesso à água e saneamento (2%); proteção ambiental (2%).


A lista completa dos projetos aprovados para 2023 será publicada até meados de setembro no site www.ottopermillevaldese.org

Otto per mille foi discutido na conferência de imprensa de 24 de agosto – gravação disponível em www.rbe.it

O Sínodo Valdense termina amanhã, 25 de agosto, com a votação dos atos programáticos e as eleições para os diversos cargos.


ESPECIAL NEV SÍNODO 2023

FORMA. Igrejas Metodistas e Valdenses na Itália – Novembro

FORMA. Os Valdenses – Novembro

Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it – www.chiesavaldese.org

NEV/CS24

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Faculdade Valdense.  “Estude teologia.  Por que?  Para quem?”

Faculdade Valdense. “Estude teologia. Por que? Para quem?”

Roma (NEV), 6 de abril de 2021 – O encontro ao vivo intitulado “Estudar teologia. Por que? Para quem?". É assim que a Faculdade Valdense de Teologia se apresenta neste "zoom-talk", dando voz ao aluno Marco Agrícolaao aluno Shangli Xupara Floriana Bleynatmembro do Conselho da Faculdade, e ao estudante Magdalena Bredendiek do Centro Melanton. No zoom ao vivo e na página do Facebook da revista "Confronti", a iniciativa integra a coluna "Teologia e sociedade", coluna de aprofundamento e debate editada por Fulvio FerrarioReitor da Faculdade Valdense de Teologia, e Christine SimonelliPresidente da Coordenação dos Teólogos Italianos (CTI). A Faculdade Valdense A Faculdade Valdense de Teologia é o instituto mais antigo da Itália para o estudo universitário de teologia evangélica. Representa um extraordinário ponto de encontro e diálogo, em um contexto de intercâmbio acadêmico de prestígio com outras universidades públicas e pontifícias. Fundada em 1855 em Torre Pellice (TO), mudou-se primeiro para Florença, depois para sua atual sede em Roma. A oferta de formação teológica da Faculdade Valdense é dividida em 4 cursos de graduação (graduação em teologia, especialização em teologia, doutorado em pesquisa em teologia – área histórica, sistemática/ecumênica; graduação em ciências bíblicas e teológicas). A oferta completa-se com mais duas oportunidades de formação: cursos certificados com a duração de dois anos e a possibilidade de ingresso como “auditor”. Os graus conferidos pela Faculdade são reconhecidos pelo Ministério das Universidades e da Investigação Científica (MIUR) e inseridos no projeto europeu Erasmus. ...

Ler artigo
O amor pela Criação dá notícia?

O amor pela Criação dá notícia?

Foto NEV Roma (NEV), 2 de agosto de 2023 – "Acreditamos que é urgente combater a campanha de difamação em curso contra as demandas do ambientalismo". Isso é apoiado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Nas últimas semanas, de fato, nos meios de comunicação italianos, mas não só, temos assistido a mais uma polarização sobre o tema "clima", com lados, negações e afirmações, sobre o quanto os fenômenos atmosféricos e climáticos são ou não causados ​​por comportamento humano. Uma pressão mediática sempre orientada para as emergências que rebaixa, segundo a GLAM, as três vertentes ecológicas do clima, poluição e biodiversidade. Para a GLAM seria necessário “chamar a atenção para a natureza dos processos”, com “ações para a sustentabilidade, enquadradas nos 17 Objetivos de Desenvolvimento da Agenda 2030 das Nações Unidas, passadas às escondidas. Ações concebidas precisamente como processos, talvez urgentes, mas fora da retórica de emergência que geralmente envolve situações de amortecimento em vez de dar-lhes um endereço diferente. Um processo coerente com o compromisso cristão de salvaguardar a criação, cujo sofrimento cresce tanto nos equilíbrios vitais como nos ecossistemas”. GLAM continua: “Desde que a UE começou a pedir uma crescente cogência das medidas econômicas, com as diretivas sobre a economia circular, uma campanha começou na imprensa italiana para minar seus fundamentos. Alguns exemplos: a mudança climática não aceleraria e de qualquer forma teria um componente antrópico desprezível (para o que os dados do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas - IPCC - estariam incorretos). A poluição requer medidas de adaptação (portanto, a mitigação pode ficar em segundo plano). Dadas essas teorias, as medidas de prevenção e precaução podem ser ainda mais relegadas. O impacto humano na biodiversidade é negado. As consciências estão cada vez mais adormecidas, também por causa dos meios de comunicação de massa". Contra isso, a GLAM sublinha a importância da "capacidade crescente de organização dos jovens", que no entanto "recebe vários níveis de estigma de acordo com as suas gradações de 'alarmismo': pense nas sextas-feiras para o futuro - cujos slogans segundo alguns se traduzem em conselhos à economia (na esteira do ambientalismo histórico)”. Sem contar aqueles movimentos que “se opõem às crescentes intervenções nos territórios que insistem em modelos de desenvolvimento com balanço negativo para os ecossistemas, às vezes com ações que parecem contraproducentes para a causa”. O ambientalismo é, portanto, fragmentado e pouco autoritário, mas, afirma GLAM, "a política e a economia, mesmo na Itália, não podem ignorar completamente a sustentabilidade como parâmetro de escolhas, começando pelos setores mais controversos do momento, ou seja, energia, agricultura, pecuária e água". “A pesada campanha de mídia em andamento pelos lobbies químicos, fósseis e nucleares dá a medida de resistência e oposição a um possível caminho 'transitório' que é considerado irrealista (quando não tingido também com paganismo ou milenarismo) ” continua GLAM. As questões de sanções econômicas introduzidas pela UE, o ímpeto para a energia fóssil e nuclear, o intervencionismo de guerra fecham o quadro. Como pessoas de fé, de acordo com GLAM, devemos continuar a amar a criação em palavras e ações. Como? Só para dar uma ideia, já há alguns anos, a European Christian Network for the Environment (ECEN) e GLAM têm chamado a atenção não apenas para “boas práticas ecocomunitárias, mas também para pesquisas em andamento em empresas e universidades. Da mobilidade privada, pública ou partilhada (com modelos pequenos e leves equipados com duplo motor elétrico para as rodas e a gasolina para recarregar a bateria), às renováveis ​​(que procuram substituir o lítio e trazer a energia eólica de menor impacto), às aquecimento, à produção industrial que visa a curto prazo reduzir os combustíveis fósseis com eficiência, à redução drástica do consumo de plástico”. ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, o concurso de 2023 abre a partir de 5 de janeiro

Otto per mille Waldensian, o concurso de 2023 abre a partir de 5 de janeiro

Roma (NEV), 29 de dezembro de 2022 – Contagem regressiva para a abertura da licitação de 2023 para o Otto per mille Waldensian. A partir da próxima quinta-feira 5 de janeiro e até 27 de janeiro será de fato possível enviar pedidos de financiamento. ONGs, organizações sem fins lucrativos, associações e entidades do terceiro setor poderão então apresentar seus projetos, com o objetivo de receber os recursos necessários para realizá-los ou implementá-los. As diretrizes do concurso e todas as outras informações são publicadas em ottopermillevaldese.org. O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que podem ser atribuídos a partidos políticos. O 8×1000 na verdade funciona como uma votação, em que quem se abstém contribui com o valor do voto majoritário. 8×1000 de todos os rendimentos declarados são repartidos entre o Estado e as entidades religiosas responsáveis ​​pelo seu recebimento, na proporção das escolhas expressas. Ponto deste ano: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=g9BcNNdgANw[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.