19 de maio em Roma um momento de espiritualidade compartilhada contra a guerra

19 de maio em Roma um momento de espiritualidade compartilhada contra a guerra

Roma (NEV), 15 de maio de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) e o Interfaith Centre for Peace (CIPAX) continuam sua jornada inter-religiosa no âmbito das iniciativas da Europa pela Paz .

“Para lembrar que a guerra, todas as guerras devem acabar, que queremos paz, justiça e desarmamento, mesmo nuclear, propomos um novo momento de espiritualidade compartilhada” escrevem as duas siglas. Encontro em Roma, sexta-feira, 19 de maio de 2023, das 18h às 19h30, na Igreja Evangélica Batista Cristã na via del Teatro Valle, 27.


Outras iniciativas:

Domingo, 21 de maio, 23, é realizada a Marcha da Paz Perugia Assis, à qual a CIPAX adere, com a Europa pela Paz. “Em preparação para a Marcha, mesmo para aqueles que por diversos motivos não poderão participar, queremos continuar nosso caminho de espiritualidade compartilhada que nos viu juntos em vários momentos desde que a Rússia invadiu a Ucrânia – escreve CIPAX -. Somos contra a guerra na Ucrânia, pelo cessar-fogo, negociações, uma conferência internacional pela paz e a favor de uma cultura de não violência e de ações concretas de preparação para a paz. Acreditamos firmemente que as crenças não devem ser usadas para justificar guerras, violência e violações dos direitos fundamentais”.

Europa pela Paz: “continua a mobilização pelo cessar-fogo, pela negociação, pela solução política e não violenta da guerra na Ucrânia, juntamente com o pedido de desarmamento nuclear global”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Meio Ambiente, jovens cristãos pedem justiça climática

Meio Ambiente, jovens cristãos pedem justiça climática

Li-An Lim, não salpique Roma (NEV), 5 de julho de 2022 – Em novembro de 2021, um grupo de jovens ativistas se reuniu durante a COP26, a Cúpula do Clima das Nações Unidas, em Glasgow, para explorar possibilidades de trabalho conjunto rumo à COP27 a ser realizada no Egito. Durante estes encontros, explicam os promotores, “percebeu-se um forte sentido de energia e entusiasmo em juntar esforços para ter um maior impacto nas questões relacionadas com a justiça climática”. Este grupo de ativistas de várias denominações, organizações e países reunia-se regularmente para dar forma à campanha “Clima SIM”. “Como jovens ativistas climáticos cristãos, com idades entre 18 e 30 anos, sentimos a necessidade de responsabilizar os líderes políticos pelas decisões e promessas feitas na COP26. Ao nos unirmos, queremos compartilhar nossas preocupações ambientais e aprofundar o vínculo comum de nossa fé. Queremos criar uma comunidade climática jovem ecumênica global, que incluirá representantes do Norte e do Sul globais. Refletiremos sobre COPs anteriores (Cúpulas do Clima da ONU) e COY (Conferência do Clima para Jovens) e falaremos conjuntamente com uma voz global para representantes políticos sobre o que acreditamos que precisa ser feito no futuro. Queremos criar uma plataforma ecumênica global da juventude sobre o clima, incluindo representantes de todos os continentes, do Norte global e do Sul global”, explica ele. Irene Abbragerente de projetos internacionais na Itália, ex-pessoa de contato do projeto Young Methodist para a COP26. Em preparação para a COP27 que este ano será realizada no Egito, em Sharm El-Sheikh, de 7 a 18 de novembro de 2022, na qual se espera a participação do Climate YES, a coordenação da campanha está organizando eventos em todos os continentes: Europa, África, Ásia, Ilhas do Pacífico, América do Norte e América do Sul. Nos dias 16 e 17 de setembro de 2022 (o programa seguirá em breve), o evento nacional italiano será realizado em Milão, na Chiesa del Carmine, que será conectado simultaneamente com os outros eventos que ocorrerão na Europa e na África. O evento ecumênico envolve o envolvimento de organizações juvenis evangélicas e católicas e estará aberto à participação intergeracional e leiga. ...

Ler artigo
#PapalVisit.  O CMI se veste de preto toda quinta-feira para dizer não à violência contra a mulher

#PapalVisit. O CMI se veste de preto toda quinta-feira para dizer não à violência contra a mulher

Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 - Amanhã, quinta-feira, 21 de junho, para comemorar o 70º aniversário do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Genebra é esperada Papa Francisco. Mas amanhã, para o movimento ecumênico mundial, haverá também a marcação semanal das “quintas-feiras negras”. quintas-feiras em preto é a Campanha de Conscientização, nascida dentro do WCC há vários anos, que se opõe ao estupro e à violência. Todas as quintas-feiras, aqueles que reconhecem a violência contra as mulheres como um flagelo de nossas sociedades – igrejas incluídas – são instados a usar preto. “A violência contra a mulher está generalizada, podemos falar em pandemia – disse a anglicana à NEV News Agency Agnes Abuom, moderador do Comitê Central do CMI, originário do Quênia -. É por isso que, com a nossa campanha, convidamos todos os homens e mulheres de boa vontade, independentemente da sua fé, a juntarem-se a ela vestindo algo preto”. “É uma questão que diz respeito a todos nós. Acontece em todo o lado, nas nossas sociedades, nas nossas famílias, nas igrejas, nas comunidades e nos espaços públicos”, acrescentou Abuom, confirmando que amanhã não seria exceção. Pelo contrário. Os 150 delegados de igrejas de todo o mundo que estão reunidos em Genebra nestes dias para os trabalhos do Comitê Central, o órgão de decisão entre as duas Assembléias Gerais do CMI, foram convidados não apenas a vestir preto, mas também a vestir o selo da campanha. As decisões do Comitê Central do CMI Durante uma coletiva de imprensa realizada hoje no Centro Ecumênico de Genebra, foram apresentadas algumas decisões do Comitê Central, em primeiro lugar a localização da próxima Assembleia Geral do CMI: a escolha recaiu sobre Karlsruhe (Alemanha), na fronteira com a França . O convite partiu da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD). Satisfação foi expressa pelo bispo Petra Bosse-Huber, EKD responsável pelo ecumenismo e relações internacionais: “Faz cinquenta anos que uma Assembleia do CMI foi realizada no continente europeu. A escolha da Europa em um momento em que a falta de políticas de refugiados minam o valor da solidariedade e do acolhimento é um sinal significativo”. O pastor Olav Fykse Tveit, secretário-geral do CMI, listou as prioridades de trabalho resultantes do Comitê Central. Isso inclui o processo de paz entre as duas Coreias, um tema caro ao CMI há muitos anos. Nos últimos dias em Genebra, as delegações das igrejas da Coreia do Norte e da Coreia do Sul tiveram intensos intercâmbios. De acordo com alguns observadores amanhã Papa Francisco ele pode querer cumprimentá-los expressamente. Entre outras prioridades, o combate ao racismo com homenagem ao Martin Luther King; fluxos migratórios; a questão do estatuto de Jerusalém com uma clara condenação da mudança da embaixada dos Estados Unidos para a cidade que é expressão das três religiões monoteístas, decisão que tem causado mortes e violência. Finalmente, o Comité Central quis recordar que este ano não só se comemora o 70º aniversário do CMI, mas também da Declaração Universal dos Direitos do Homem, considerada mais necessária do que nunca, com um forte apelo lançado às igrejas: "Dar prioridade mais uma vez ao apoio dos direitos humanos”. #QuintasDePreto: Leia mais sobre isso aqui. Para mais informações sobre a visita do Papa amanhã, clique aqui. Para informações sobre o CMI e sua relação com o Vaticano, clique aqui. ...

Ler artigo
Cristãos contra a tortura.  Relatório internacional publicado

Cristãos contra a tortura. Relatório internacional publicado

Imagem retirada do relatório 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT) Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT) compartilhou o relatório de atividades de 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT). A FIACAT é uma ONG, observadora nas Nações Unidas, no Conselho da Europa e na Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos. O relatório fala, entre outras coisas, dos programas de abolição da pena de morte e de luta contra a prisão preventiva abusiva em África. Passados ​​cerca de nove anos de implementação, escreve a Federação, “é tempo de fazer um balanço”. O relatório “Seis países africanos aboliram a pena de morte por lei (República do Congo, Madagascar, Guiné, Burkina Faso, Chade, Serra Leoa). Isso eleva seu número total no continente para 23”, diz o site da ACAT. Ao nível da prisão preventiva abusiva, “foram tramitados 7.216 autos. E 4.762 foram objeto de decisões judiciais desde o início do programa. Os resultados são satisfatórios, embora se esperasse um maior progresso para acabar com a superlotação prisional, em particular por meio do uso de medidas alternativas”. Além disso, a FIACAT está agora investigando questões de migração na Europa e suas fronteiras. Fá-lo através do projeto transmedia jogos de sombra, realizado com o ACAT italiano e belga. São muitas as colaborações a nível institucional e não governamental, com um compromisso crescente para o futuro “pela construção de um mundo sem tortura nem pena de morte”. 2021 foi também o ano da atribuição do prémio Cássia Sóentregue em 9 de dezembro em Barcelona à FIACAT por sua luta pelos direitos humanos e seu caráter ecumênico. Por fim, escreva os ACATs: “Como não se alegrar com a libertação de Germain Rukuki após quatro anos de detenção arbitrária? Este é o lugar certo para agradecer especialmente a forte mobilização dos membros da rede FIACAT". Leia o artigo completo e baixe o relatório em inglês ou francês clicando AQUI. UM GATO A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. A ACAT Italia foi formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Renascimento Cristão". Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio do Otto per mille das igrejas metodista e valdense. A ACAT Italia faz parte da FIACAT. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.