Paz.  O CMI convida você a dedicar o domingo, 22 de maio, à oração pela paz

Paz. O CMI convida você a dedicar o domingo, 22 de maio, à oração pela paz

Kingston, Jamaica

Roma (NEV), 13 de abril de 2011 – Encontros de oração ao amanhecer, plantando árvores, compartilhando orações, pensamentos e imagens nas redes sociais como twitter e facebook. Estas são algumas das propostas lançadas pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC) para fazer do dia 22 de maio um domingo dedicado pelos cristãos de todo o mundo à paz. De fato, o domingo em questão se enquadra no apelo ecumênico internacional pela paz que, por iniciativa do CMI, será realizado em Kingston (Jamaica) de 17 a 25 de maio próximo. Mais de mil participantes se reunirão na cidade caribenha para o que já está sendo anunciado como o maior encontro ecumênico pela paz já organizado. “As igrejas do Caribe prepararam uma oração traduzida em vários idiomas para ser lida durante as iniciativas do dia 22 em qualquer lugar do mundo. Será um sinal tangível de comunhão entre os cristãos do planeta”, explicou o pároco Olav Fykse Tveit, secretário geral do CMI.

Um apelo que foi também retomado por “Ousar a paz pela fé”, o movimento ecuménico juvenil italiano que, no seminário realizado em Roma nos dias 2 e 3 de Abril do ano passado, divulgou um comunicado no qual se pede, entre outras coisas, que ” que todas as comunidades cristãs do nosso país – paróquias, grupos de base, cenáculos de estudo, igrejas evangélicas – acompanhem com a sua intercessão a preparação e a realização do encontro de Kingston, dedicando o domingo 22 de maio a uma oração coral e comunitária para que a comunidade ecumênica montagem em Kingston pode alcançar os resultados desejados”.

Comentando as demais propostas para o Domingo da Paz, o secretário-geral do CMI sublinhou que “quem decidir plantar uma árvore o fará com o espírito de simbolizar o esforço de levar a paz de Cristo a um mundo sofredor”. Tveit também destacou a importância das redes sociais: “Pode ser um verdadeiro desafio escrever uma oração em apenas 140 caracteres no Twitter”.

A esse respeito, um exemplo de culto pela paz projetado especificamente para o twitter está disponível no site do CMI. Outros textos litúrgicos e reflexões para a ocasião estão disponíveis no site www.overcomingviolence.org. “Cada um deve usar a linguagem que mais lhe convém para construir pontes para uma paz justa”, concluiu Tveit.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Construindo pontes.  Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Construindo pontes. Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Roma (NEV), 12 de junho de 2019 - O 18º seminário "Building Bridges" foi aberto ontem no Instituto Ecumênico Bossey em Genebra, Suíça, reunindo cerca de 30 estudiosos cristãos e muçulmanos internacionais até 15 de junho. O objetivo do seminário, intitulado "Liberdade: perspectivas muçulmanas e cristãs", é fortalecer o diálogo sobre o tema da liberdade - na relação entre a humanidade e Deus, entre as diferentes religiões e políticas, nas crenças pessoais e na esfera pública e entre indivíduos – explorando o papel histórico das comunidades de fé na abordagem desta questão. Building Bridges nasceu de um longo processo de diálogo teológico de alto nível entre ilustres estudiosos muçulmanos e cristãos. Lançado em 2002 pelo Arcebispo de Canterbury, é atualmente organizado pela Georgetown University em Washington DC, que convida estudiosos continuamente, mas também abrindo a cada ano alguns novos convidados, para ampliar gradualmente a comunidade. O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) sediou a sessão de abertura do seminário. Entre os palestrantes, Tuba Işıkda Universidade de Paderborn, Rosalee Velloso Ewelldo Redcliffe College e Azza KaramNações Unidas, Vrije Universiteit Amsterdam. Para mais informações, contate: [email protected] O evento será transmitido ao vivo em: ...

Ler artigo
“A fé e o amor são universais”

“A fé e o amor são universais”

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Prof Azza Karam, Secretária Geral de Religiões para a Paz, compartilha saudações à 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Karlsruhe (NEV), 5 de setembro de 2022 - "O amor de Cristo não é apenas para os cristãos, mas também para mim, e eu sou muçulmano". Com estas palavras Azza Karamsecretário-geral das Religiões pela Paz, coalizão internacional de representantes das religiões do mundo dedicadas à promoção da paz, "ganhou" os aplausos e o consenso da audiência plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, reunida na Alemanha desde agosto 31º. Egípcio, mora em Nova York, professor de estudos religiosos em Amsterdã, ex-funcionário da ONU, está à frente do movimento fundado em 1970 ao qual aderem mais de 900 líderes religiosos de 90 países. Nós a conhecemos nos bastidores do evento do WCC em Karlsruhe. Em seu discurso disse que "O amor de Cristo é para todos": o que isso significa? “A mensagem de Cristo é uma mensagem de fé, crença e paz que se aplica a todos os homens e mulheres. Não creio que haja qualquer referência nos Textos que diga que isso se aplica apenas aos cristãos. Mesmo que os diversos grupos e comunidades religiosas sempre tenham se "apropriado" da mensagem do Senhor, isso é normal. Mas isso contradiz o fundamento da mensagem - a revelação divina - que é e é válida para todos os seres humanos. E para todas as criaturas vivas. Quais são os principais desafios do movimento que representa? Religiões pela paz parece um pouco com as Nações Unidas, na verdade representamos todas as grandes instituições de religiões e credos do mundo – mais de uma centena – e por isso, assim como as Nações Unidas, temos uma assembléia geral… É um espaço e trabalho complexo porque cada entidade procura perseguir seus próprios interesses. Resguardar os espaços políticos de qualquer grupo que busque legitimar sua agenda também dificulta nossa missão. Acho que esta é uma das questões cruciais: todos nós vemos o que é o bem comum, mas temos que descobrir como chegar a um acordo sobre o que fazer juntos, como trabalhar juntos para salvar esse mesmo bem comum. Um desafio muito importante é justamente pedir aos nossos líderes que não pensem territorialmente, que não pensem apenas em sua própria igreja ou comunidade. E também temos que lidar com a interferência política, que sempre existiu, mas está crescendo. Acredito que com o colapso das ideologias – neoliberalismo, capitalismo, socialismo, comunismo – as religiões se tornaram cada vez mais uma oportunidade comum de contar histórias para conveniência política. Estamos vivendo a era – um fenômeno ciclicamente repetido – de uma forte aliança, vários tipos de alianças, entre partidos e atores políticos de um lado, instituições e atores religiosos de outro. Esse uso (ou abuso) de símbolos religiosos e religiões pela política é perigoso? Sim, muito, porque a fé não reconhece os limites das nações, a fé é universal. Enquanto a política é feita de limites, fronteiras e limites. Portanto, essas duas línguas são inúteis uma para a outra. Usar as religiões para legitimar uma narrativa política é, por um lado, limitar a ética e o propósito religioso e, por outro lado, armar a fé. O que vimos e estamos vendo na Ucrânia e na Rússia é um exemplo de como é totalmente inconcebível legitimar uma guerra em termos religiosos. Que papel para o Conselho Mundial de Igrejas neste quadro? O CMI tentou sistematicamente estabelecer um diálogo entre os diferentes atores cristãos e ortodoxos. E o desafio para o CMI, assim como para o Vaticano, é entender que o que está acontecendo não é uma questão cristã ou europeia. Duas guerras mundiais começaram na Europa. O que está acontecendo tem consequências dramáticas em termos de vidas humanas, mas também de matérias-primas, alimentos, energia. As tentativas feitas até agora parecem se concentrar em encontrar uma "solução cristã". Mas uma solução cristã para um problema global não pode ser encontrada. Quais são os próximos compromissos das religiões pela paz? Como no mito de Sísifo, procuramos trabalhar juntos para servir juntos, para apoiar os diferentes atores religiosos diante das emergências que continuarão a acontecer, envolvendo as instituições de cada religião e comunidade. Temos que trabalhar juntos, colaborar. O movimento ecumênico é certamente necessário, mas não creio que seja possível sem um movimento multirreligioso e sem diálogo, o ecumenismo sozinho ou o caminho de cada credo individual não será suficiente. Não é tão complicado quanto parece. Quando as religiões trabalham para servir juntas: essa é a cura de que precisamos, essa é a cooperação que nos permitirá salvar o bem comum. Quando cada religião faz por si é como se ferissemos a mão e cada dedo nos machucasse, e tentamos curar um dedo mas não será suficiente, porque teremos que curar a dor que vem do coração, da alma, da mente do nosso corpo. Estamos enfrentando os mesmos desafios de sempre, só que o planeta está ficando sem tempo. Sempre falamos de pobreza, guerras, ignorância, sempre temos os mesmos problemas desde que a humanidade vive neste planeta, mas agora é a Terra que está fora do tempo, porque a estamos destruindo”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  Wolfgang Prader segue Georg Schedereit

Sínodo Luterano. Wolfgang Prader segue Georg Schedereit

Wolfgang Prader, foto de arquivo - CELI Roma (NEV CS/42), 10 de outubro de 2020 – Wolfgang Prader, membro da comunidade de Bolzano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), é o novo presidente do Sínodo Luterano. Prader foi eleito durante a 1ª sessão do XXIII Sínodo, aberta ontem em Roma e que se encerrará no domingo, 11 de outubro. Um sínodo presencial, que reúne cerca de 50 sinodais das 15 comunidades do CELI no cumprimento dos regulamentos anti-covid, com programa reduzido e sem convidados externos. foto CELI Após o relatório de despedida do presidente cessante Georg Schedereitque renunciou a uma segunda candidatura por motivos de saúde, o Sínodo elegeu a nova presidência na pessoa de Wolfgang Prader, ex-vice-presidente do CELI. Ingrid Pfrommerpresidente da Comunidade de Turim e tesoureiro cessante do CELI, assumiu a vice-presidência. Wolfgang Prader, como especialista em TI, pretende desenvolver o tema da igreja digital, um dos temas em discussão durante o curto Sínodo 2020. Os membros do Sínodo também falarão sobre a pandemia, a queda de assinaturas para o Otto por mil luteranos efetivos membros do CELI, da possibilidade de viver, ou reviver, a igreja como “comunidade e partilha, também graças às novas tecnologias. Uma tarefa emocionante e exigente aguarda a nova presidência”, declaram os luteranos. No dia 10 de outubro, os membros sinodais elegem também os três membros leigos do Consistório. O representante legal do CELI, Cordelia Vitielloconcorre a uma renomeação, enquanto os outros dois membros leigos do consistório, Ingrid Pfrommer e Ângelo Ruggierieles não reaplicaram. “Vejo o Sínodo como uma espécie de confederação – afirma o presidente cessante, Georg Schedereit -; Não vejo o CELI como uma igreja compacta com uma única doutrina e uma única visão. Muitas pessoas que decidiram ingressar neste nosso mundo luterano ao longo dos anos não são 100% luteranas. O CELI vive dessa multiplicidade evangélica que transcende fronteiras e doutrinas. Temos entre nossos membros sul-americanos, holandeses, suíços, reformados, luteranos, calvinistas, seguidores de Zuínglio, ex-católicos... 'Ser cristão não significa falar de Jesus Cristo, mas viver como ele viveu', disse Zwingli. A cada um do seu jeito. E por falar em 'Escolher = Wählen' (título desta sessão do Sínodo, ed.), direi também no meu relatório – conclui Schedereit -: penso que somos chamados a escolher entre a esperança e o desespero, a confiança e a desconfiança, filantropia e misantropia, veracidade e hipocrisia, auto-ironia e auto-elevação, humor e narcisismo, fechamento e abertura ao mundo, fé e medo". Leia a entrevista completa com o presidente cessante no site do CELI: "Uma faculdade de vida protestante aplicada". Para mais informações clique aqui. www.chiesaluterana.it – [email protected] – Chefe de Comunicação CELI/ Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner – Mob. +39 335 7053215 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.