Dia da Terra 2022 – Nevada

Dia da Terra 2022 – Nevada

Roma, 21 de abril de 2022 – Uma maratona multimídia de 14 horas para celebrar o 52º Dia Mundial da Terra. Amanhã, 22 de abril, da Nuvola di Fuksas em Roma em transmissão ao vivo em raiplay.it e diferida em vaticannews.va, o Dia da Terra Itália e o Movimento dos Focolares apresentam a terceira edição de #OnePeopleOnePlanet. O evento “enviará uma forte mensagem de esperança ao mundo e um importante apelo à ação para proteger o planeta. Mais uma vez os jovens estão no centro, os verdadeiros protagonistas da grande questão ambiental”, refere o comunicado de apresentação da iniciativa.

Às 14h00 será a vez do debate intitulado “Pontes sobre o Mediterrâneo”, conduzido por Cláudio Paravaticondutor de protestantismoo diretor de Comparar.

Um momento “em que o ambiente, a solidariedade, o trabalho são contados pelos testemunhos e palavras de quem vive no Mediterrâneo, o mar não é grande o suficiente para dividir, mas também não é pequeno o suficiente para unir. É por isso que se constroem pontes, é por isso que se encontram no Mediterrâneo os perigos do nosso tempo, mas também os recursos para os poder ultrapassar. No estúdio e remotamente, falaremos sobre culturas, economias, diálogo e confronto, refugiados e hospitalidade, corredores humanitários, guerras esquecidas, integração e trabalho”.

Entre os convidados Emanuela Claudia Del Re ex-vice-ministro da Cooperação Internacional, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Marco Impagliazzo, presidente de Sant’Egidio, Alberto Negrijornalista e Maria Di Pierri da Associação Sul.


Desde 1970, a ONG Earth Day – reconhecida pela Secretaria Geral da ONU – organiza o mais impactante momento de conscientização ambiental do mundo com bilhões de pessoas mobilizadas todos os anos por meio do trabalho de 75 mil parceiros distribuídos nos 193 países membros das Nações Unidas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Corredores humanitários do Afeganistão, 217 refugiados chegaram a Roma hoje

Corredores humanitários do Afeganistão, 217 refugiados chegaram a Roma hoje

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 27 de julho de 2022 – 217 refugiados afegãos que estavam refugiados no Paquistão desde agosto passado chegaram hoje, quarta-feira, 27 de julho, em um voo de Islamabad. Sua entrada na Itália foi possível graças ao memorando de entendimento com o Estado italiano, assinado em 4 de novembro de 2021 pela Comunidade de Sant'Egidio, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, a Tavola Valdese, Arci, Caritas Italiana, OIM, INMP e ACNUR. Juntamente com outras chegadas do Irão - no passado dia 25 de Julho e amanhã, quinta-feira 28 de Julho - serão mais de 300 refugiados afegãos que serão acolhidos no nosso país graças aos corredores humanitários, um projecto totalmente apoiado pelas associações proponentes e possível graças ao generosidade e ao compromisso livre e voluntário de muitos cidadãos italianos, que ofereceram suas casas para acolher, mas também congregações religiosas, ONGs e diversos sujeitos da sociedade civil. Entre eles, a Solidaire, que em colaboração com a Open Arms, contribuiu para a organização do voo desde o Paquistão. Esta tarde, em Fiumicino, por ocasião da recepção dos refugiados, foi realizada uma coletiva de imprensa com a participação de: Marina Serena, Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Internacional; marco impagliazzopresidente da Comunidade de Sant'Egidio; Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália; Alessandra Trottamoderador da Mesa Valdense; Filipe MiragliaGerente Nacional de Imigração da Arci; Valentina Brinis, Braços abertos; Sylvan Adams, CEO Israel - Premier Tech. AQUI os vídeos e fotos do evento. AQUI o vídeo da conferência de imprensa: "Como governo italiano, assumimos o compromisso de não abandonar o povo afegão", disse ele Marina Serena, Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Internacional. “A situação humanitária é muito grave, especialmente para mulheres e meninas, que não puderam voltar à escola. Não podemos permitir que as crianças afegãs percam seu futuro. O governo italiano continuará, com seus parceiros e agências internacionais, levando ajuda humanitária ao Afeganistão e aos países vizinhos. Temos o dever de acolher aqueles que virão à Itália graças aos corredores humanitários, que são fruto do trabalho da sociedade civil italiana, que pôs em movimento e que, graças à colaboração dos Ministérios do Interior e das Relações Exteriores Assuntos, conseguiram esta primeira chegada". Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e Alessandra Trottamoderador da Mesa Valdense, declara: “Até os evangélicos acolhem com alegria os beneficiários deste corredor humanitário para os refugiados afegãos. Não tínhamos esquecido deles. A chegada de hoje resulta do empenho conjunto de associações e instituições que têm trabalhado em conjunto para desenvolver e alargar a boa prática dos corredores humanitários inaugurados em 2016, e desde então também propostos às instituições europeias como política estruturante de gestão de refugiados. A dimensão ecumênica, que vê juntos evangélicos e católicos, é particularmente significativa para nós. Hoje damos as boas-vindas aos refugiados afegãos, assim como no passado recebemos os da Síria e da Líbia. Nestes dias estamos também empenhados em ações de apoio aos que fugiram da Ucrânia, convictos de que não se pode fazer distinção entre europeus e não europeus e que todos os refugiados que fogem da guerra e da perseguição merecem um destino seguro, sem distinguir a sua origem ou o seu identidade religiosa. Pelo contrário, esperamos que o acolhimento dispensado à população que foge da Ucrânia marque uma mudança de rumo, político e cultural, em relação aos refugiados de todas as outras nacionalidades e de todas as origens. Também esperamos poder abrir um corredor da Bósnia para refugiados literalmente presos ao longo da rota dos Bálcãs. Operando também em Lampedusa e vendo em primeira mão os efeitos até trágicos da migração irregular, reafirmamos a urgência de um plano europeu para a abertura de vias legais e seguras tanto para os migrantes como para os requerentes de asilo, para que aqueles que fogem ou migram nunca corram mais riscos sua vida. Agradecemos às igrejas da Federação, às igrejas irmãs no exterior, às entidades e associações que contribuem para este resultado, bem como aos contribuintes que optam por destinar o Otto per mille à Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense: seu gesto é também um contributo essencial para a concretização deste projeto de hospitalidade. Do nosso jeitinho, estamos sempre prontos e dispostos a fazer a nossa parte”. Quanto à cota de pessoas acolhidas pelas igrejas protestantes, o Serviço de Inclusão da Diaconia Valdense acolherá, para esta primeira chegada, 15 pessoas, incluindo 3 famílias, na Sicília, Campânia, Lombardia e Piemonte. As pessoas serão acomodadas em apartamentos e inseridas em projetos de acolhimento generalizado para iniciar um processo de integração e resgate de sua autonomia. “Não esquecemos o sofrimento dos afegãos! Hoje se cumpre uma promessa para 300 refugiados afegãos: a de não abandoná-los após a volta ao poder dos talibãs em agosto passado", declarou em coletiva de imprensa marco impagliazzo, presidente da Comunidade de Sant'Egidio. “Estamos felizes em recebê-los e iniciar para todos eles o já testado processo de integração dos corredores humanitários. Estas pessoas serão acolhidas, em várias cidades, pelas nossas comunidades, mas também por cidadãos e congregações religiosas que quiseram abrir as portas das suas casas. Enquanto milhões de pessoas que fogem de guerras, fome e mudanças climáticas em busca de um futuro correm o risco de desaparecer dos holofotes ou se tornar objeto de exploração política, a Itália mostra sua face humana e acolhedora, graças a corredores humanitários e uma sinergia virtuosa entre sociedade civil e instituições ". Filipe Miragliagerente de imigração da Arci Nazionale, disse:"A Arci está muito feliz por participar pela primeira vez nos corredores humanitários: se essas pessoas que chegaram hoje de avião, acolhidas por nós e pela Itália com generosidade, tivessem partido sozinhas em busca de proteção e tivessem chegado às fronteiras da UE , recorrendo aos traficantes como 99% das pessoas que fogem são obrigadas a fazer, nós os chamaríamos desdenhosamente de "ilegais" e eles correriam o risco de acabar nos campos de concentração líbios que apoiamos, ou rejeitados em nossas fronteiras terrestres, como acontece todos os dias violando todos os leis e convenções internacionais. É por isso que queremos apoiar e investir, também para demonstrar que existem alternativas, em todas as formas de acesso legal e seguro como os corredores humanitários. Agradecemos à rede nacional dos Arci Refuge Circles, que oferecerá hospitalidade material e apoio aos beneficiários deste corredor humanitário, e ao Instituto Budista Italiano Soka Gakkai que decidiu dar prioridade com os fundos 8×1000 para intervenções de acolhimento e inclusão para as pessoas que fogem do regime afegão". Para Enrique Pineyro, da ONG Solidaire: “A viagem tem um valor muito alto para nós porque estamos acompanhando pessoas que querem fugir do local onde moram porque ali correm perigo. Entre casamentos forçados, a impossibilidade de estudar, a impossibilidade de sair de casa sozinha, as mulheres no Afeganistão vivem numa condição desumana. Ser capaz de ajudá-los a viver uma vida normal é muito gratificante.” Acampamentos do Oscar, fundador da Open Arms, disse: “Eu nunca poderia imaginar, muito menos em 2015, quando começamos a resgatar pessoas que fugiam da guerra na Síria pelo Mar Egeu, que hoje eu estaria no aeroporto de Islamabad, ajudando na criação de uma organização humanitária corredor que trará mulheres e meninas afegãs para a segurança, neste caso na Itália. Isso foi possível graças à colaboração de muitas organizações e graças ao avião disponibilizado pela ONG Solidaire. Para nós que estamos habituados ao salvamento marítimo em condições difíceis, é um orgulho poder evacuar estas pessoas por vias seguras e legais. Continuaremos no mar, mas também é importante tentar evitar sofrimentos desnecessários facilitando de todas as formas esses corredores humanitários. A Open Arms and Solidaire continuará a fazê-lo sempre que possível.” ...

Ler artigo
Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018

Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018

Novi Sad (NEV/Riforma.it), 4 de junho de 2018 – Olav Fykse Tveitpastor luterano da Igreja da Noruega, 57 anos, desde 2010 é secretário geral da Conselho Mundial de Igrejas (CEC), a maior e mais inclusiva das muitas organizações do ecumenismo moderno. Na verdade, reúne mais de 350 igrejas e associações associadas que representam mais de 500 milhões de cristãos em 110 países. Inclui a maioria das igrejas ortodoxas, anglicanas, batistas, luteranas, metodistas e reformadas, bem como muitas igrejas unidas e independentes. Originalmente, a maioria das igrejas fundadoras eram européias e norte-americanas, enquanto agora o maior destaque vem da África, Ásia, América Latina e Caribe. Este ano o CEC celebra 70 anos, tendo sido fundado em 1948 em Amesterdão, e as comemorações culminarão no dia 21 de junho, com uma visita aos escritórios de Genebra por Papa Francisco. Em uma pausa nos trabalhos doAssembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), em andamento nestes dias em Novi Sad, pedimos a Tveit que nos fale sobre o estado de saúde do CEC hoje: “O CEC tem 70 anos, portanto idade de idoso e reformado. Mas o CMI é tudo menos isto: diria que nunca antes esteve vivo e vital, e o seu papel é reconhecido internacionalmente como interlocutor sério e credível face aos desafios das sociedades e das igrejas de hoje. Em torno do CMI, de suas comissões, de seu pessoal, existem expectativas enormes em muitas partes do mundo, talvez até mais altas do que nossas reais capacidades. Mas é o sinal de que os esforços que nos caracterizam na concretização do diálogo ecumênico e da reconciliação entre realidades conflitantes são reconhecidos como importantes nos caminhos de crescimento das sociedades”. Como mudou o movimento ecumênico nesses 70 anos? "Tudo mudou. O CEC nasceu no rescaldo da terrível Segunda Guerra Mundial, e sobre essas cinzas retomou discursos já empreendidos nas décadas anteriores. Depois houve a Guerra Fria, o isolamento das nações do Leste Europeu e a consequente repressão das igrejas nacionais. Naquela época, o CMI estava entre os poucos interlocutores reconhecidos como defensores da cooperação real. Hoje os desafios são outros, alguns ainda filhos daquela época: penso na terrível situação do Oriente Médio, mas também nos demais conflitos que ainda caracterizam a África pós-colonial. No que diz respeito ao diálogo ecuménico entre as várias almas do cristianismo, foram dados passos enormes, foram encontrados muitos pontos de unidade, embora ainda falte a comunhão plena, pela qual devemos continuar a lutar. Também acredito que esses grandes esforços de diálogo têm sido uma ferramenta de crescimento para as igrejas que deles participaram, que muitas vezes superaram fechamentos ou sectarismos em nome de um caminho comum”. A Igreja Católica não faz parte do CMI, mas parece estar prestando cada vez mais atenção ao fermento em curso. A próxima visita do Papa Francisco à sua sede em Genebra se encaixa de alguma forma nessa linha? “A visita do pontífice é um forte sinal de reconhecimento por parte do mundo católico: o reconhecimento de que existe um movimento ecumênico global, do qual também a Igreja Católica participa. O próprio Francisco afirmou repetidamente que devemos trabalhar juntos, que há um enorme espaço para isso. Por pelo menos trinta anos, o Vaticano trabalhou em estreita colaboração com o Concílio Ecumênico e participou como observador em todas as principais conferências do CMI. O Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos também nomeia 12 membros dentro da comissão Fé e Constituição, criado pela CEC no mesmo ano de 1948, além de participar de alguns outros organismos ecumênicos a nível regional e nacional. A visita a Genebra colocará os holofotes do mundo sobre nós e nossa agenda. Parece-me uma importante oportunidade a ser aproveitada, como foi o 500º aniversário da Reforma Protestante em 2017, que destacou o desejo de unidade apesar da reconhecida diversidade”. O CMI está muito ocupado por meio de comissões e apelos contínuos na tentativa de encontrar uma solução para a dramática situação no Oriente Médio, da Palestina à Síria, passando pelo Iraque e outros cenários de guerra. O que você gostaria de dizer sobre isso? “O reconhecimento de nosso papel nessas zonas de guerra é resultado do contínuo convite ao diálogo que o CMI tem proposto incessantemente nas últimas décadas. Somos de alguma forma identificados como facilitadores, capazes de criar um terreno neutro no qual as partes envolvidas possam dialogar. Nunca devemos nos cansar de ser construtores de paz, portadores de esperança mesmo onde parece não haver mais. E certamente não apenas para os muitos, muitos cristãos que sofrem no Oriente Médio, mas para toda a população, porque somente diante de uma paz real e plena é possível construir uma sociedade nova, inclusiva e não excludente. As pessoas na Síria, no Iraque, na Palestina sofreram demais. É hora de dizer basta a tudo isso, é hora de criar as condições para fazer daquelas terras, que são o berço do cristianismo, um lugar de paz e um exemplo para toda a humanidade. O uso da força sozinho não serve a ninguém, há demasiados desequilíbrios entre quem tem exércitos e tecnologias avançadas e quem não tem, as forças no terreno são muito divergentes. Por isso, só silenciando as armas se pode tentar iniciar um verdadeiro diálogo que deve passar necessariamente pelo reconhecimento do outro”. ...

Ler artigo
FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Ilaria Castaldo

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Ilaria Castaldo

Roma (NEV), 26 de outubro de 2021 – Em vista da Assembleia que se realizará dentro de alguns dias, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) encerrará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente será eleito , reunimos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho no Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo É hora de Ilaria Castaldotenente auxiliar do Exército de Salvação, atualmente responsável pela Casa Vacanze Concordia e pela comunidade local de Forio d'Ischia. Qual é a sua avaliação desta experiência? “O balanço desta experiência é absolutamente positivo. Lembro-me dos Assizes em que fui eleito: cheguei a Pomezia quando realmente não sabia nada sobre a FCEI. A única coisa que me deu coragem na época foi ver rostos conhecidos aqui e ali, já que a família de minha mãe é valdense. De resto, era tudo para perceber… Mas naqueles dias, ouvindo o relatório trienal e assistindo às várias sessões pensei que gostaria de mais Exército de Salvação na FCEI e mais FCEI no Exército de Salvação. Desde o primeiro Concílio em Roma, tentei entender o que realmente era a FCEI e qual o papel que o Exército poderia desempenhar em tudo isso. Nos últimos anos trabalhamos muito, em programas, mas também em unidade e possíveis interações. Foram anos de viragem para algumas questões e foi emocionante ter a sensação de contribuir para os progressos, conquistas e mudanças que aconteceram. Como representante de uma igreja que sempre luta com a falta de meios financeiros, foi bom ajudar e contribuir para a criação, design e implementação de uma série de projetos que agora estão em pleno andamento. Esses anos foram uma grande oportunidade para ampliar meu horizonte no cenário evangélico da FCEI. Tive oportunidade de visitar algumas das nossas realidades, de constatar a inventividade, espírito e vontade dos nossos coordenadores e operadores. Tentei ajudar a aumentar a conscientização sobre o FCEI em minha comunidade e talvez também o Exército de Salvação no FCEI. Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? A quem me substituir no Conselho como representante do Exército, gostaria de recomendar que "estejam lá". Muitas vezes ser minoria pode te levar a dar um passo atrás, mas acho que a beleza da FCEI é que somos um condomínio de igrejas que procuram ser uma família para fazer o bem ao próximo e a nós mesmos. Isso é algo que vale a pena gastar dinheiro. É maravilhoso que, com nossas particularidades, possamos trabalhar juntos, nos conhecer, nos enriquecer e atender às necessidades dos outros. Todos nós temos algo para dar. Em geral, no próximo Concílio gostaria de dizer duas coisas. Estrategicamente, estar junto é mais inteligente: juntos temos mais chances de sermos relevantes e mais eficazes nas ações que realizamos. Em um mundo onde há exclusões de todo tipo em benefício de uma uniformidade que cheira a achatamento, a ideia de igrejas com ideias e posicionamentos diferentes em alguns campos, mas que saibam planejar, dialogar e trabalhar juntas é uma realidade que vale a pena defender. E quero concluir repetindo o que venho dizendo há algum tempo: não esqueçamos de dizer, sempre que tivermos oportunidade, o que nos move. O que chamamos de "testemunho" deve ser explícito, transmitido, explicado como 1 Pedro 3:15 diz "Estai sempre prontos para dar conta da esperança que há em vós". Fazemos muitas coisas importantes e bonitas com profissionalismo e cuidado: seria muito triste se não disséssemos que somos motivados e movidos pelo amor por excelência: aquele demonstrado por Deus através de Jesus Cristo. Bom trabalho para todos vocês!". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.