Olav Fykse Tveit, Uma luva de esperança contra o inverno ecumênico

Olav Fykse Tveit, Uma luva de esperança contra o inverno ecumênico


O que você pode nos dizer sobre seu encontro no Vaticano com o Papa Bento XVI?

Minha impressão foi de um encontro muito cordial. Em particular, Bento XVI sublinhou e reconheceu a importância do trabalho do CMI em vista da unidade da Igreja, encorajando-nos a buscar novas áreas de colaboração para expressar o testemunho comum dos cristãos no mundo. Levei três presentes ao Papa: um caixão de madeira da Síria para recordar a preocupação comum pelos cristãos do Oriente Médio e pelos muitos desafios que enfrentam. Dentro da vitrine coloquei dois presentes da minha terra natal, a Noruega: um livro de poemas e um par de luvas de lã. Estas luvas querem ser um sinal para dizer que o inverno, por mais rigoroso que seja, pode ser uma bela estação, desde que você esteja adequadamente equipado para se defender do frio. Digo isto a quem diz que hoje vivemos uma espécie de inverno ecuménico: mesmo nesta fria estação ecuménica podemos avançar e continuar a trabalhar pela unidade da Igreja.

Você também está em Roma para conhecer as igrejas protestantes italianas. Qual é a mensagem que ele veio trazer aos evangélicos do nosso país?

Em primeiro lugar, gostaria de encorajar os protestantes italianos a continuarem a sentir-se parte e a contribuir para aquela comunhão mundial que é o Concílio Ecumênico com as 349 Igrejas e os 550 milhões de cristãos que representa. Não somos apenas um escritório em Genebra, mas uma verdadeira comunhão de igrejas chamadas a estar juntas para responder ao chamado do Senhor para elas. No sermão que proferi na Igreja Metodista de Roma, o texto do Advento de Lucas 12 nos pede para vigiar, para estarmos atentos ao que está acontecendo ao nosso redor, para estarmos prontos para o chamado do Senhor. Parece-me que as igrejas evangélicas italianas ouviram e responderam ao apelo do Senhor para acolher o estrangeiro, o migrante, quem vem à Itália para ganhar e reconstruir a sua vida. E isso posso fazer junto com muitos movimentos católicos que têm a mesma preocupação.

Já faz um ano desde que você assumiu o cargo de secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas. Quais foram os pontos mais importantes do seu compromisso?

O maior desafio é que existem muitas expectativas em torno do trabalho do CMI. Este é, sem dúvida, um sinal positivo que percebi dos muitos convites recebidos de igrejas e parceiros ecumênicos para discutir juntos os temas que caracterizam a missão do CMI e que estão no centro da vida das igrejas. Sempre respondi a esses convites com muito prazer. Neste ano de trabalho também se tem feito um esforço ao nível das questões administrativas para definir um plano financeiro sustentável para as nossas estruturas. No entanto, isso foi combinado com uma reflexão sobre o que é verdadeiramente único na missão de nossa organização e um compromisso de envolver cada vez mais as igrejas-membro no que está acontecendo. Gostaria também de apontar algumas passagens encorajadoras nas relações com o mundo pentecostal e evangélico. Fui convidado para a Conferência Mundial das Igrejas Pentecostais e também para a Conferência Missionária de Lausanne do Movimento. Em ambos os casos, parecia encontrar um interesse comum em um chamado à unidade de missão no mundo.

Ao considerar as iniciativas empreendidas em 2010, parece que o diálogo inter-religioso está se tornando cada vez mais central no pensamento do CMI. É isso?

O diálogo com comunidades e pessoas de outras religiões sempre foi uma das prioridades do CMI. Em novembro passado tivemos uma importante Consulta Cristã-Islâmica em Genebra, um evento que não hesitaria em definir como histórico porque foi promovido junto com duas organizações islâmicas. Durante a consulta, abordamos algumas questões em conjunto que destacaram preocupações comuns. Por exemplo, juntos pudemos expressar uma firme condenação ao ataque à igreja em Bagdá, ocorrido na véspera de nosso encontro. Falámos também do próximo referendo no Sudão que deverá decidir a separação das regiões do sul, de maioria cristã e animista, das do norte, de maioria muçulmana. Nossa preocupação comum é evitar que esse evento se transforme em um conflito religioso. Assim também surgiu a proposta de constituir uma espécie de “unidade de crise” cristão-islâmica capaz de intervir nos conflitos em que parecem se chocar membros e representantes das duas religiões. No mundo de hoje é virtualmente impossível exagerar a importância do diálogo inter-religioso. O CMI tem o dever de trazer uma palavra cristã de autoridade para este diálogo que é tão central para o destino político e espiritual do mundo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Bem-estar.  Habilitando projeto de lei de não autossuficiência, trabalho em andamento

Bem-estar. Habilitando projeto de lei de não autossuficiência, trabalho em andamento

Imagem de arquivo Roma (NEV), 3 de outubro de 2022 – O Subsecretário da Presidência do Conselho de Ministros, Roberto Garofoli, disse que o texto da proposta de lei da não auto-suficiência será aprovado pelo actual governo antes da tomada de posse do novo executivo, para que possa ser discutido na nova legislatura sem desperdício do trabalho feito até agora. Confartigianato.it relata isso em um relatório sobre o XVI Itinerário da Segurança Social, realizado há alguns dias em Bari e no qual Garofoli esteve presente. Dias antes, 52 entidades do "Pacto pela Nova Previdência pela Não Autossuficiência", que também inclui a Diaconia Valdese CDS, haviam solicitado ao governo cessante a primeira aprovação de seu texto, justamente para não frustrar o trabalho de reforma feito sobre o tema. “Queremos abrir mão de melhorar a assistência aos idosos não autossuficientes?” pergunte às organizações. “A assistência a idosos não autossuficientes é um setor particularmente fraco de nosso bem-estar. Para o saber não é necessário conhecer os infinitos estudos e dados que o demonstram, basta viver concretamente a realidade quotidiana da não autossuficiência. Em nosso país, cerca de 10 milhões de pessoas o fazem, entre idosos, familiares e pessoas que os auxiliam profissionalmente. Para que as coisas mudem, essa extensa e esquecida faixa da sociedade italiana precisa de boa política”, diz o site da Diaconia Valdense. A lei é aguardada há trinta anos. A legislação ad hoc já está em vigor em todos os países europeus, o que fortaleceu o bem-estar e criou empregos. O texto é "o resultado de meses de trabalho preparatório para o qual o Pacto deu uma contribuição substancial", escrevem os promotores. Sublinhando, entre outras coisas, que se trata de uma reforma prevista pelo PNRR. E concluem: “A sua aprovação em Conselho de Ministros já foi várias vezes anunciada, sempre sem resultado. Portanto, todas as realidades do Pacto vivem dias de grande preocupação. O novo Governo e o novo Parlamento terão de continuar o caminho de elaboração da reforma e levá-la à sua conclusão, tal como previsto no PNRR. Eles serão, portanto, chamados a redigir a versão definitiva: a meta deve ser um texto ambicioso, à altura das expectativas dos idosos e das famílias. Para o Pacto, isso significa uma reforma coerente com sua proposta de 'Sistema Nacional de Assistência ao Idoso' (recentemente sintetizada no 'Manifesto para a nova legislatura' do Pacto). O esforço a desenvolver será considerável, quer na definição dos conteúdos das intervenções, quer na procura dos novos financiamentos necessários, aspecto até agora não abordado. A condição para o sucesso é clara: a não autossuficiência deve se tornar uma prioridade política. Esse, para o Pacto, é o tema básico da nova Legislatura”. Para saber mais: Arquivo de Texto Iter DDL S. 1967 "Estabelecimento do Fundo para não auto-suficiência e delegação ao Governo em licença parental" Políticas de não autossuficiência e deficiência A plataforma do Pacto por um Novo Bem-Estar na Não Autossuficiência ...

Ler artigo
Deus-Robô.  Quando os criativos criam o criador

Deus-Robô. Quando os criativos criam o criador

Roma (NEV), 19 de setembro de 2022 – É o tempo em que o teólogo Paulo rico escreve um livro chamado “Deus”. Um Deus que também é artista e poeta. Simultaneamente, alguns criativos citam a Criação de Adão por Michelangelosubstituindo um robô por Deus. Não é a primeira vez que a obra-prima de Buonarroti é utilizada para fins artísticos ou publicitários. Quem sabe o que o artista diria sobre isso, ou o que ele diria sobre isso Vitória Colonna, seu amigo íntimo, nobre poeta próximo dos movimentos de reforma da Igreja Católica. Tão próximo de Michelangelo a ponto de ser tema de uma de suas “Crocefissioni”, assim como protagonista do famoso madrigal “Um homem em uma mulher, de fato um deus / pela boca ele fala, / então eu, para ouvir ela, eu sou feito assim, mas quanto mais eu serei meu." A Criação de Adão inspirou artistas como Harmonia Rosales, afro-cubana nascida em Chicago em 1984, que retrata o "criador" como uma deusa negra e um "Adão" feminino. A obra de Michelangelo foi retocada, montada e mutilada de mil maneiras. Desde o deus que dá a Adão uma fatia de pizza, um sanduíche, uma bebida, até anúncios de aparelhos eletrônicos, roupas, esportes. Depois, há o veio do cinema, da sátira política e dos quadrinhos, desde citações inofensivas como a do Mickey Mouse, até o mais extremo Deadpool, personagem superpoderoso no papel de Adam, com um Cable superarmado apontando uma arma em vez de deus. Citação não é apropriação, nem plágio, na opinião do autor. Na verdade, é a confirmação da carga universal de sentido de uma obra. E de sua beleza. Foi a mão de Deus, não a do filme de Sorrentino, mas a do Robô em dois comerciais, que me interrogou. Um hospital particular romano escolhe um detalhe da famosa obra, as duas mãos com os dedos indicadores se aproximando, para iniciar suas atividades com o slogan “o futuro está aqui”. À direita, na posição de Deus, está a mão de um robô. A escolha é aleatória ou deliberada? Quase em paralelo, um "consórcio" de editoras internacionais conhecidas está fazendo a mesma coisa, para "criar um caminho de eventos digitais" na cadeia de suprimentos industrial e artesanal italiana. Mesma imagem, revisitada, com a bandeira da Itália ao fundo. À esquerda, uma mão verde, como se fosse a mão da natureza, estendendo-se para a mão de um robô. Natureza e inovação de mãos dadas. Aqui também o robô está à direita, na posição de Deus, é intencional ou coincidência? Se o robô é feito pela inteligência humana, porque não colocar a mão humana, que o criou, certo? Isso seria muito presunçoso? Poderia ferir os sentimentos cristãos? No entanto, o ser humano já ascende à divindade, em tantas ocasiões. O robô poderia criar Adão ou Eva? É uma questão de poder? Ou um sinal dos tempos em que vivemos? É o símbolo de uma era? Diante das perguntas, pedimos a opinião do teólogo Paolo Ricca. Sobre o "deus-robô", Paolo Ricca diz: "Não é difícil interpretar esse tipo de imagem. Porque Deus não existe e, por outro lado, o homem não pode criar a si mesmo. Nenhum de nós desistiu de suas vidas. Podemos, sim, transmitir vida aos outros. Não sozinho, no entanto. Se você é um homem, você precisa de uma mulher. E se você é mulher, precisa de um homem. Não podemos, portanto, gerar a nós mesmos. Somos todos criados. Mas desde que Deus se tornou nulidade, ausência, não-ser, não-existência, o homem inventa um robô. Ele também é uma criatura, mas no sonho dessa representação, ele é uma criatura dotada de faculdades extraordinárias". “Isso é coerente com a situação espiritual e religiosa de nosso tempo que apagou Deus – continua Ricca -, que não é mais objeto, nem sujeito. É claro e eloquente. O homem confunde o Criador com a criatura. É uma inversão de papéis, um caos”. Parece um curto-circuito. Ricca conclui: “Sua criatura é seu criador, porque você não sabe mais o que é ser uma criatura, portanto um é tão bom quanto o outro”. Tudo se torna indiferenciado e indiferente. Talvez você precise recomeçar desde o início. E fazer apresentações. E para fazer isso, alguém estende a mão e diz que tem prazer em conhecê-lo. O que falta, segundo Paolo Ricca, é justamente isso: o conhecimento de Deus. ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, as diretrizes da chamada de 2022 foram publicadas

Otto per mille Waldensian, as diretrizes da chamada de 2022 foram publicadas

Roma (NEV), 15 de novembro - Foram publicadas as diretrizes do concurso de 2022 para o Otto per mille Valdese, que abrirá de 7 a 27 de janeiro de 2022. A notícia é fornecida pelo site chiesavaldese.org, enquanto no portal www.ottopermillevaldese.org você pode encontrar a documentação e instruções para participar do concurso. Também é possível enviar perguntas para esclarecimentos, cujas respostas serão publicadas na forma de FAQs.A Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense) contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos oito por mil fundos do IRPEF e optou por destinar todas as contribuições que lhe são devidas exclusivamente para apoio social, assistencial, humanitário e cultural intervenções , tanto na Itália como no exterior. Para o efeito, todos os anos, é oferecida aos órgãos associativos a oportunidade de apresentarem propostas de projetos com vista à obtenção de um contributo económico.“Sabemos da importância de nossa licitação para a realização de projetos tanto na Itália quanto no exterior – declara Manuela Vinay, chefe do escritório de oito por mil da Tavola Valdese –; os contextos italiano e estrangeiro nos desafiam diariamente com novos desafios relacionados com suas múltiplas necessidades; por isso decidimos, também para este ano, confirmar uma abordagem aberta e inclusiva, mantendo as grandes categorias de apresentação de projetos sem dar indicações de preferências”. Aqui o relatório dos projetos financiados em 2020. artigo anteriorCop26, ainda há muito a fazer pela justiça climáticaPróximo artigoReunião do comitê executivo do Conselho Mundial de Igrejas Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.