Olav Fykse Tveit, Uma luva de esperança contra o inverno ecumênico

Olav Fykse Tveit, Uma luva de esperança contra o inverno ecumênico


O que você pode nos dizer sobre seu encontro no Vaticano com o Papa Bento XVI?

Minha impressão foi de um encontro muito cordial. Em particular, Bento XVI sublinhou e reconheceu a importância do trabalho do CMI em vista da unidade da Igreja, encorajando-nos a buscar novas áreas de colaboração para expressar o testemunho comum dos cristãos no mundo. Levei três presentes ao Papa: um caixão de madeira da Síria para recordar a preocupação comum pelos cristãos do Oriente Médio e pelos muitos desafios que enfrentam. Dentro da vitrine coloquei dois presentes da minha terra natal, a Noruega: um livro de poemas e um par de luvas de lã. Estas luvas querem ser um sinal para dizer que o inverno, por mais rigoroso que seja, pode ser uma bela estação, desde que você esteja adequadamente equipado para se defender do frio. Digo isto a quem diz que hoje vivemos uma espécie de inverno ecuménico: mesmo nesta fria estação ecuménica podemos avançar e continuar a trabalhar pela unidade da Igreja.

Você também está em Roma para conhecer as igrejas protestantes italianas. Qual é a mensagem que ele veio trazer aos evangélicos do nosso país?

Em primeiro lugar, gostaria de encorajar os protestantes italianos a continuarem a sentir-se parte e a contribuir para aquela comunhão mundial que é o Concílio Ecumênico com as 349 Igrejas e os 550 milhões de cristãos que representa. Não somos apenas um escritório em Genebra, mas uma verdadeira comunhão de igrejas chamadas a estar juntas para responder ao chamado do Senhor para elas. No sermão que proferi na Igreja Metodista de Roma, o texto do Advento de Lucas 12 nos pede para vigiar, para estarmos atentos ao que está acontecendo ao nosso redor, para estarmos prontos para o chamado do Senhor. Parece-me que as igrejas evangélicas italianas ouviram e responderam ao apelo do Senhor para acolher o estrangeiro, o migrante, quem vem à Itália para ganhar e reconstruir a sua vida. E isso posso fazer junto com muitos movimentos católicos que têm a mesma preocupação.

Já faz um ano desde que você assumiu o cargo de secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas. Quais foram os pontos mais importantes do seu compromisso?

O maior desafio é que existem muitas expectativas em torno do trabalho do CMI. Este é, sem dúvida, um sinal positivo que percebi dos muitos convites recebidos de igrejas e parceiros ecumênicos para discutir juntos os temas que caracterizam a missão do CMI e que estão no centro da vida das igrejas. Sempre respondi a esses convites com muito prazer. Neste ano de trabalho também se tem feito um esforço ao nível das questões administrativas para definir um plano financeiro sustentável para as nossas estruturas. No entanto, isso foi combinado com uma reflexão sobre o que é verdadeiramente único na missão de nossa organização e um compromisso de envolver cada vez mais as igrejas-membro no que está acontecendo. Gostaria também de apontar algumas passagens encorajadoras nas relações com o mundo pentecostal e evangélico. Fui convidado para a Conferência Mundial das Igrejas Pentecostais e também para a Conferência Missionária de Lausanne do Movimento. Em ambos os casos, parecia encontrar um interesse comum em um chamado à unidade de missão no mundo.

Ao considerar as iniciativas empreendidas em 2010, parece que o diálogo inter-religioso está se tornando cada vez mais central no pensamento do CMI. É isso?

O diálogo com comunidades e pessoas de outras religiões sempre foi uma das prioridades do CMI. Em novembro passado tivemos uma importante Consulta Cristã-Islâmica em Genebra, um evento que não hesitaria em definir como histórico porque foi promovido junto com duas organizações islâmicas. Durante a consulta, abordamos algumas questões em conjunto que destacaram preocupações comuns. Por exemplo, juntos pudemos expressar uma firme condenação ao ataque à igreja em Bagdá, ocorrido na véspera de nosso encontro. Falámos também do próximo referendo no Sudão que deverá decidir a separação das regiões do sul, de maioria cristã e animista, das do norte, de maioria muçulmana. Nossa preocupação comum é evitar que esse evento se transforme em um conflito religioso. Assim também surgiu a proposta de constituir uma espécie de “unidade de crise” cristão-islâmica capaz de intervir nos conflitos em que parecem se chocar membros e representantes das duas religiões. No mundo de hoje é virtualmente impossível exagerar a importância do diálogo inter-religioso. O CMI tem o dever de trazer uma palavra cristã de autoridade para este diálogo que é tão central para o destino político e espiritual do mundo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Alemanha.  Um selo para as Mulheres da Reforma

Alemanha. Um selo para as Mulheres da Reforma

Roma (NEV), 28 de outubro de 2020 – O Ministério das Finanças alemão emitiu um selo especial “Mulheres da Reforma”. “Muitos associam Martinho Lutero à Reforma. No entanto, foi moldado por muitos, incluindo mulheres”, disse ela. Nikolaus Schneiderex-presidente do conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). Em um artigo de Eske Wollrad do Centro Evangélico para Mulheres e Homens em Hanover, em bundesfinanzministerium.de, lemos sobre as mulheres que desempenharam um papel decisivo na formação da Reforma, desde Elisabeth von Calenberg-Göttingen para Elisabeth von Rochlitz. “A palavra de Deus não está ligada a um mediador, encarnado por um sacerdote, mas torna-se acessível através do estudo da Bíblia. Assim, a Reforma também foi um movimento para as mulheres, motivando-as a se tornarem teologicamente ativas”, escreve Wollrad. Entre as mulheres da Reforma também Argula von Grumbach, Baronesa da Francônia, uma das mais famosas autoras de panfletos do movimento e conhecida muito além das fronteiras da Francônia. E então Katharina Zell, que defendeu publicamente, com base bíblica, seu casamento com um padre da catedral de Estrasburgo. “A mensagem da Reforma era, para as mulheres, mas não só, a liberdade – conclui Wollrad -. Não há necessidade de qualquer autoridade para interpretar a Escritura como ensino infalível da igreja. Todo cristão, e a igreja como um todo, pode ler as Sagradas Escrituras. Desta intuição teológica chegamos, ainda que nem sempre de forma linear, aos valores modernos de uma sociedade democrática, assim como à liberdade de expressão e pensamento”. O selo especial e o primeiro dia de cancelamento foram desenhados por Susann Stefanizen. O selo tem um valor de 370 cêntimos e está disponível desde 1 de outubro de 2020 nas estações de correios da Deutsche Post. ...

Ler artigo
Os desafios das igrejas em meio à covid, emergências sociais e comunicação

Os desafios das igrejas em meio à covid, emergências sociais e comunicação

Roma (SSSMV04), 23 de agosto de 2021 – O trabalho do Sínodo das igrejas metodistas e valdenses ganhou vida. O corpo decisório máximo de valdenses e metodistas está ocorrendo de forma mista (presencial e online), após um ano de paralisação por conta da pandemia. Ao todo, foram convocados 180 deputados e deputadas, 50 dos quais reunidos na Torre Pellice, no coração dos vales valdenses na província de Torino. Na mesa de debate, os temas que mais debatem são a vida da Igreja e o seu futuro, a pandemia como oportunidade de renascimento e reprogramação, os direitos humanos, a proteção das minorias, o compromisso social de luta contra a pobreza. Além disso, foram discutidas as relações com o Estado, corredores humanitários e migrações, a situação no Afeganistão. E ainda: de Next Generation (esta noite às 20:45 da noite pública) e do protagonismo europeu, sem descurar os temas da pastoral, das vocações, da teologia e do ecumenismo. As igrejas metodista e valdense mantêm vivo o seu papel no espaço público: desde o financiamento de projetos sociais, culturais e assistenciais, na Itália e no exterior, até os serviços diaconais e o cuidado das almas. O Sínodo expressa assim a vida das Igrejas, em resumo: oração, ação, partilha. Terça-feira, 24 de agosto e quarta-feira, 25 de agosto, às 18h30, resumo imprensa web ao vivo do Sínodo. Conectar www.rbe.it Explore o Sínodo 2021 (NEVCS/21) ...

Ler artigo
Trieste é linda à noite

Trieste é linda à noite

Roma (NEV), 23 de janeiro de 2023 – por Pedro Ciaccio – A sala do Teatro Miela no domingo, 22 de janeiro, estava lotada para a estreia de Trieste é linda à noiteDe Matteo Calore, Stefano Collizzolli e Andrea Segre, no âmbito do 34º Festival de Cinema de Trieste. Em 75 minutos, a obra documenta os acontecimentos, sensações e reflexões dos migrantes da chamada rota dos Balcãs, no último trecho que de Bihać (Bósnia) leva a Friuli-Venezia Giulia. O fluxo vem da Ásia, através da Grécia ou Turquia até a península dos Balcãs para limões, ou a fronteira entre a Bósnia e a Croácia, fronteira da União Europeia. Algumas centenas de quilômetros a pé em cerca de vinte dias, ou melhor, noites: este é o jogoou a tentativa de passar pela Croácia e Eslovênia para chegar à Itália. “A certa altura, vi as luzes de uma cidade brilhando no mar. É a coisa mais linda que já vi na minha vida. Eu nunca a esquecerei". Ele é um dos migrantes que, sem saber, dá o título ao filme. Alguns deles já estão na casa dos trinta e deixaram sua terra natal quando eram pouco mais que crianças. Ainda que o filme seja uma denúncia clara e explícita da prática ilegal de rejeições informais, que envolvem a entrega à polícia eslovena sem permitir um pedido de proteção internacional, há sempre “eles” no centro: os migrantes. Esta é talvez a principal força do filme. Claro, há a reação das instituições italianas, tanto dos que querem se livrar dos refugiados de forma "informal" quanto do magistrado que ordenou ao Ministério que pare com essa prática, porque é ilegal, e permita para pedir asilo. Em seguida, acabamos de mencionar a reação dos acolhidos na Itália e a prática na Croácia (onde as instituições se valem de gangues de bandidos armados com cães e paus, que torturam os migrantes para que "não queiram tentar novamente") , mas os protagonistas, que fazem a história, são as pessoas que olham para frente, para o futuro, com esperança. E, se você pensar bem, não poderia ser diferente. A edição de vídeo é valiosa (aqui realmente vale a pena mencionar o editor Clare Russo), que alterna as imagens captadas pelos realizadores com os vídeos captados pelos migrantes com os seus telemóveis, onde o sonho transparece: as poses de boy banda celebração de uma passagem de ano passada na Bósnia, e as longas caravanas que tentam a jogo. Particularmente impressionante foi um vídeo que mostrava uma fila de pessoas em uma procissão pela neve, uma cena que ele lembrou Corrida do ouro de Chaplin, um filme que, talvez, quem fez aquele vídeo nunca nem ouviu falar. Nisso o filme mostra o seu aspecto mais interessante: a ideia de fazer um filme sobre a rota dos Balcãs que vai de encontro com a realidade de que os migrantes já fizeram esse filme, aliás ainda o estão a fazer. É um encontro que dá ordem à fragmentação, à tiktokização das experiências, permitindo apreender o seu significado mais profundo. Produzido pela ZaLab e Vulcano, o filme não poderia ter sido feito sem o trabalho do assistente de direção Ismail Swatimediador cultural da Diaconia CSD-Valdense em Trieste, que ao final da exibição tocou um rubab (espécie de alaúde afegão), apresentando assim os protagonistas do filme a entrar no palco, para a última emoção da estreia de este importante trabalho. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.