abre em Catânia a IV sessão do XXIII Sínodo Luterano

abre em Catânia a IV sessão do XXIII Sínodo Luterano

Catânia (NEV), 28 de abril de 2023 – Foram abertos em Catânia os trabalhos da IV sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI).

foto CELI

Entre os momentos significativos deste primeiro dia, o relato do Reitor, Pr. Carsten Gerdes. Retomando o versículo que acompanha o Sínodo, “Vós sois o sal da terra”, Gerdes sublinhou que párocos e pastores, leigos, voluntários, todos eles “são iguais. Nós somos aqueles que ouviram as boas novas. Um grão de sal por si só é imperceptível, mas se estivermos juntos tu estás, somos perceptíveis”. O Reitor exortou cada um a trazer a sua contribuição, hoje, para ser percebida pelo nosso meio. “O sal faz sentido em interação com outros ingredientes e em quantidades específicas”, disse ele. E ainda: “Você é o sal da terra” significa que nosso lugar não é o pote de sal. “A sua designação é para juntar, para dar forma a algo bom, eficaz, saboroso. Temos um lugar específico, uma tarefa. Assim entendida, a frase de Cristo nos conduz para fora, como comunidade e como CELI: no presente, no ambiente, para os desafios do mundo. Você precisa de sal em todas as panelas e em algumas panelas você precisa ser rápido para colocar”.

Em seguida, o Reitor explorou o mérito de seu relatório, agradecendo e falando de muitas pessoas que colaboram de todo o coração para o presente e o futuro do CELI, com “afinidade, imaginação e convicção, de Siracusa a Merano, de Trieste a San Remo”. Falou-se também dos ofícios pastorais, das tarefas que aumentam, diante dos problemas que hoje muitas igrejas têm em comum. Como reagir? “São muitas as novas perguntas que temos que responder”, continuou Gerdes, encerrando seu discurso falando das comunidades, “Um lindo buquê de flores coloridas, que no entanto está unido em todos os lugares pela presença de cristãos comprometidos que querem viver sua fé e querem ajudar os outros a dar forma ao seu compromisso”.

Durante o culto inicial, escreve o CELI, o Arcebispo de Catania, mons. Luigi Rennaele trouxe sua saudação.

“O caminho sinodal é importante – começou Dom Renna – também os católicos, de fato, em breve celebrarão seu próprio sínodo: um sínodo sobre o caminho sinodal”.

A Assembleia também ouviu o relatório do Presidente do Sínodo, Wolfgang Prader, que comemorou o 50º aniversário do Acordo de Leuenberg. E os 30 anos desde a assinatura do acordo com o Estado italiano, focalizando as realizações às quais o Sínodo será chamado: organização e reflexão sobre a Igreja.

Você pode ser uma comunidade em qualquer lugar, se tiver cristãos comprometidos e convictos que desejam viver sua fé com convicção.

Carsten Gerdes, Reitor do CELI

Ao final deste primeiro dia, os delegados puderam conferir o primeiro curta-metragem da campanha oito por mil 2023 #saledellaterra. Campanha que em breve estará online nas redes sociais do CELI (Facebook e Instagram), YouTube e aqui.

Para acompanhar as atualizações do Sínodo CELI 2023, clique aqui.

Info: Os delegados presentes em Catania, das 15 comunidades luteranas da Itália, são 49 este ano. Turim, Milão, Verona, Veneza, Florença, Roma, Nápoles, Torre Annunziata, Sicília, Bolzano, Trieste e Merano. Você pode alcançá-los clicando aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sentinela, onde está a noite…?

Sentinela, onde está a noite…?

Roma (NEV), 24 de outubro de 2022 – “Sentinela, onde está a noite…?” (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz". Este é o título da iniciativa pública, uma mesa redonda marcada para sábado, 29 de outubro, às 16h, como parte da Segunda Assembleia Geral da Federação das Igrejas Protestantes da Itália. O encontro, que será realizado na igreja metodista na via XX Settembre, em Roma, será apresentado e moderado por Pedro Ciaccio, membro do Conselho da FCEI; eles vão intervir Débora Spini (Estudos liberais da Universidade de Nova York em Florença), Tonino Perna (professor emérito de sociologia econômica da Universidade de Messina), Alessandra Morelli, ex-delegado para a Europa do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR); conclui Ilaria Valenzijurista, Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da FCEI. Às 14h30, antes da iniciativa pública, haverá o culto de abertura do Assis, novamente na igreja metodista da via XX Settembre, com sermão do professor Daniele Garronepresidente da FCEI. A nomeação será transmitida ao vivo na página do NEV no Facebook. “O versículo-lema para a Assembleia da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália é apresentado na forma de uma pergunta, à qual somos chamados e chamados a responder. Para entender o que dizer, é preciso aprender a ver, ou seja, a ler a realidade. Para estimular e orientar a discussão, identificamos seis palavras sobre as quais refletir e discutir, associando-as: liberdade e democracia, trabalho e meio ambiente, globalização e paz. Essa reflexão será levada adiante tanto no evento público de abertura do Assise quanto na discussão em grupos. Estas seis palavras parecem-nos circunscrever bem o contexto cultural e existencial no qual somos chamados a pregar o Evangelho. A liberdade e a democracia evocam uma condição que assumimos como certa, pelo menos neste canto da Europa, e ao mesmo tempo nos chamam a atenção para situações em que ainda são objetivos a alcançar. Trabalho e meio ambiente são duas preocupações, muitas vezes colocadas em oposição, como se não fosse possível aspirar à superação da pobreza sem maiores danos à Criação. Globalização e paz são palavras muitas vezes reivindicadas por quem as pronuncia, sem, no entanto, uma reflexão compartilhada sobre o seu significado. A ascensão do populismo, a emergência climática, a guerra na Ucrânia e a crise econômica nos questionam sobre o significado das seis palavras. Parece-nos que devem ser redefinidos para uma compreensão precisa de "o que vemos"então você sabe"o que temos a dizer”, declara o presidente da FCEI Daniele Garrone. Na noite de sábado, os cerca de 150 participantes irão para o Istituto Il Carmelo di Sassone, em Ciampino, onde os trabalhos continuarão até terça-feira, 1º de novembro. Baixe o PDF: Assise1_2022 ...

Ler artigo
Tempo de religião católica e alternativa.  Um manual protestante

Tempo de religião católica e alternativa. Um manual protestante

Roma (NEV/CS02), 18 de janeiro de 2023 – O "Sportello Scuola Laicita Pluralismo" da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) preparou um documento com as respostas às perguntas mais frequentes sobre a inscrição e a opção de não usar o ensino da religião católica (IRC). De facto, as famílias e os alunos são chamados, até ao final de janeiro, a fazer a escolha dos institutos e cursos de estudo para o ano letivo 2023/2024. “Não menos relevante é a escolha de fazer uso ou não do ensino da religião católica (IRC) – escreve o Sportello FCEI na introdução do documento -. O crescente número de alunos (mais de um milhão segundo dados ministeriais, ed) que optam por não recorrer ao ensino religioso confessional e as significativas dificuldades em encontrar informações claras sobre como exercer esse direito, tornam necessário esclarecer que a FCEI pretende proporcionar às famílias e pessoas, evangélicas e não". Para tanto, algumas orientações estão disponíveis no site da FCEI com as chamadas FAQs (Perguntas Frequentes). No documento é possível encontrar instruções e informações para a escolha, mas também soluções para quem pretende mudar de opção durante o ano ou de um ano para o outro. São também ilustradas as obrigações das escolas e da direção escolar que, por lei, devem sempre e em qualquer caso garantir o direito de não se valerem do ensino da religião católica. Por fim, o operacional responde tanto em casos de discrepâncias e/ou ilegitimidade das fichas, quanto sobre o que acontece se pais e alunos optarem pelo estudo individual ou pela chamada “disciplina alternativa”. A jurisprudência, por exemplo, já estabeleceu que o direito constitucional à liberdade religiosa e de consciência prevalece sobre as necessidades organizacionais das escolas. A escolha de uma das 4 alternativas possíveis (actividades lectivas, investigação e estudo com ou sem acompanhamento de docentes, não frequência da escola durante o horário do IRC) como escreve a secretária: "é necessária, mas a sua activação pela escola é obrigatório". Além disso, o manual explica: “não há um número mínimo de alunos necessário para a ativação da hora disciplinar alternativa. E o aluno não tem obrigação de ficar na aula para fazer a matéria alternativa enquanto o restante da turma faz a hora de religião”. No extenso debate sobre as notas do IRC no boletim, o Sportello reitera que “nenhuma vantagem adicional se adquire com a frequência da aula de religião em termos de créditos escolares”. No entanto, a questão ainda é motivo de debate. Atualmente, a frequência da disciplina alternativa, como o IRC, entra em jogo na avaliação mais ampla que inclui atividades extracurriculares, faltas, qualidade de comprometimento do aluno. O vademecum foi elaborado pelo consultor jurídico da FCEI, avv. Ilaria Valenzi. O Balcão Escolar de Laicismo e Pluralismo da FCEI está sempre disponível para apoiar as famílias no processo de escolha e em relação a problemas específicos. A recepção pode ser contatada a qualquer momento no endereço de e-mail [email protected]. Outras perguntas frequentes e outros conteúdos úteis serão gradualmente divulgados no site da FCEI. Para saber mais Leia os artigos do NEV sobre o ensino da religião católica nas escolas públicas. ...

Ler artigo
Protestantismo.  “Nós estamos todos juntos nisso?”

Protestantismo. “Nós estamos todos juntos nisso?”

Roma (NEV), 26 de junho de 2020 - "Estamos todos no mesmo barco?" pergunta o próximo episódio da coluna Protestantismo que será transmitido no domingo, 28 de junho, pouco depois das oito da manhã na Rai2. “Temos certeza de que a Covid funciona apenas como um grande nivelador entre os humanos? Ou talvez seja também uma luz de emergência, um espião, que está sinalizando com mais força as desigualdades de nosso tempo?”. Uma série de serviços desde o mundo do trabalho, cultura e entretenimento, até a condição feminina e a deficiência estão no centro da transmissão e vão estimular o debate no estúdio conduzido por Catia Barão, em que irão participar Patrícia Luongo do Fórum Desigualdades Diversidade e Valentina Castaldo do Exército de Salvação. Assista à prévia aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.