Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Foto de @Pietro Romeo/Reforma. A pastora e teóloga Daniela Di Carlo com a jornalista Annalisa Camilli, na noite pública do Sínodo Valdense e Metodista

Torre Pellice (NEV), 22 de agosto de 2023 – O discurso do jornalista da Internazionale Annalisa Camilli pronunciado em 21 de agosto de 2023 durante a noite pública do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, no templo de Torre Pellice.

“A macabra sequência de feminicídios e violência contra as mulheres que ocorreu em Itália em pleno verão obriga-nos a colocar uma questão: porque é que, num momento em que as mulheres alcançaram níveis consolidados e sem precedentes de igualdade e participação no espaço público, multiplicam, em vez disso, os assassinatos, assédios e estupros?

São setenta e cinco mulheres que em 2023 foram mortas pelos seus maridos, parceiros e ex-namorados.

Três só nos últimos dias.

Vera Schiopude 25 anos, uma moldava foi assassinada pelo companheiro em Ramacca, na província de Catânia: foi encontrada enforcada por uma corda numa casa semi-arruinada ao lado daquela onde morava.

O acompanhante, junto com um amigo, tentou simular o suicídio da mulher e até chamou a ambulância quando não havia mais nada que pudessem fazer.

Em 17 de agosto, ela foi morta pelo ex Anna Scala56 anos, esfaqueada pelo ex-marido ao sair de seu apartamento em Piano di Sorrento.

Ele esperou por ela por uma hora, esfaqueou-a pelas costas e depois trancou-a no porta-malas do carro.

Então ele confessou o assassinato.

Ele já havia quebrado os dentes dela no passado e também bateu nela na frente de outras pessoas, acusando-a de traí-lo, e depois destruiu as rodas do carro dela.

Anna Scala não se calou, mas tentou se defender e denunciou o ex, duas vezes no último mês, mas apesar disso nada foi feito para protegê-la.

Então, há Celine Frei Matzohl, morta em Silandro, às vésperas de seu vigésimo primeiro aniversário, há uma semana. Seu ex-companheiro a esfaqueou até a morte quando ela voltou para casa para pegar suas coisas depois de deixá-lo. Celine Frei Matzohl também processou o ex por agressões e ameaças agravadas em junho passado. Mas mesmo assim não ajudou, nada foi feito para ajudá-la.

Vera Schiopu, Anna Scala, Celine Frei Matzohl.

São de idades diferentes, vivem em locais diferentes, pertencem a classes sociais diferentes, mas têm duas coisas em comum: não foram apoiados, mesmo que tenham pedido ajuda. Segundo: foram mortos por homens que chamaram e por quem foram chamados: “Amor”.

Isso significa que a ideia de amor em nosso mundo ainda pode estar ligada à violência.

Ex-escritora e feminista Leah Melandri No dele Amor e violência, o fator irritante da civilização (Bollati Boringhieri 2011) sublinhou: “Existem parentescos insuspeitos que muitos não reconhecem ou preferem ignorar. A mais antiga e duradoura é aquela que liga o amor ao ódio, a ternura à raiva, a vida à morte”.

É destruído para preservar, é morto pelo que fomos educados a chamar de “amor”, mas que amor não é, porque proporciona formas de controle e opressão para as mulheres, que não podem dispor de si mesmas ou optar por mudar. “Em vez de nos limitarmos a depreciar a violência, a invocar penas mais duras para os agressores, mais protecção para as vítimas, talvez fosse mais sensato olhar onde não gostaríamos que ela aparecesse, naquelas áreas da vida pessoal que têm a ver com o mais íntimo, com tudo o que nos é mais familiar, mas não mais conhecido por isso. Matar, estuprar, subjugar são principalmente maridos, filhos, pais, amantes incapazes de tolerar muito ou pouco muros domésticos protetores, abraços incômodos ou abandonos que deixam expostas fragilidades masculinas insuspeitadas”, escreve sempre Melandri.

A violência brutal é apenas a ponta do iceberg, sabemos disso.

Tem as suas raízes numa cultura profundamente sexista, que ainda é dominante. Basta pensar no declarações do presidente do Senado Ignazio La Russaque há alguns meses defendendo o filho Leonardo acusado de estupro, acusou a vítima de 20 anos de ter consumido cocaína, acertando as acusações.

Sempre tem aquele olhar que coloca a mulher sob escrutínio em busca de um pretexto para dizer: “Você pediu”. Os centros antiviolência em todo o mundo recolhem todos os dias histórias de mulheres que relataram terem sido violadas e não foram acreditadas, porque estavam maquiadas ou bem vestidas, porque não choraram ou por algum outro motivo não foram consideradas credíveis.

A pandemia até agravou esse processo.

“Vamos sair melhores?”, perguntávamos-nos nos primeiros dias da pandemia de covid-19 em Março de 2020, havia uma esperança generalizada e mal respondida de que a catástrofe fosse uma espécie de revolução, como se a natureza pudesse travar batalhas para nós e isso poderia destruir o equilíbrio de poder entre opressores e oprimidos, deixando espaço para modelos de vida mais justos. Mas é claro que não aconteceu assim. Com efeito, como muitas vezes aconteceu na história, a catástrofe foi uma porta pela qual o passado olhou e se reconciliou com o presente, fazendo cair as conquistas mais recentes e trazendo à luz modelos antigos ainda mais desiguais.

De facto, naquele espaço suspenso de confinamento as fronteiras entre o público e o privado voltaram a saltar e muitas conquistas que pareciam estabelecidas na relação entre os sexos foram postas em causa.

As mulheres foram forçadas a regressar às suas casas como numa espécie de máquina do tempo e chamadas a prestar cuidados, desaparecendo gradualmente como sujeitos do debate público. Voltar apenas como vítimas de abuso e violência.

Ainda que durante algumas décadas as mulheres – individualmente e em conjunto – tenham questionado este sistema de dominação com palavras e mais eficazmente com gestos, afastando-se de relações, modelos familiares e de trabalho que já não correspondem aos seus desejos. Esta revolução ainda não está completa. Enquanto a lei do pai está em crise, a violência torna-se mais feroz. É provavelmente uma tentativa de restabelecer essa ordem, que está em declínio.

Então o que fazer? Dois dos níveis em que deveríamos tentar actuar para intervir nesta onda de violência contra as mulheres e esta retaliação implicam ouvir e abandonar uma atitude meramente passiva.

Há algum tempo, as feministas da Casa da Mulher de Ravenna me disseram que cada vez mais homens e meninos estão batendo à sua porta, porque gostariam de aprender a autoconsciência como uma técnica usada pelas mulheres há décadas. Para utilizá-lo na desconstrução dos modelos masculinos para os quais são educados e com os quais já não se sentem sintonizados, porque enquanto o velho mundo se põe, lutam para encontrar novos paradigmas que os inspirem. Esses meninos e homens deveriam receber mais atenção e mais espaço.
Depois, há uma prática coletiva de coragem que deveríamos começar a praticar novamente: se todos nós, juntos, estivéssemos mais dispostos a reagir aos abusos que afetam os outros, os acontecimentos mais extremos não ocorreriam. Muitas vezes penso no assassinato de Alika Ogorchukwuo vendedor ambulante nigeriano morto em Civitanova Marche no verão de 2022, ao longo da estrada principal da cidade litorânea, diante do olhar atônito dos transeuntes, que não intervieram, mas no máximo filmaram para denunciar o agressor.

Parece que a pandemia também teve um efeito sobre isto: é mais natural denunciarmos, do que intervir, observarmos do que tentarmos impedir. Provavelmente também pelo medo de se enredar e perder alguma coisa.

Deveríamos tentar ser mais corajosos, mais receptivos, mais confiantes.

O escritor Michelle Murgia ele disse uma vez:

“Nomes e sobrenomes devem ser mencionados e, quando ocorrem casos de sexismo, é preciso ter a coragem de se levantar e dizer que o que estou presenciando não só não me representa como me ofende. Aconteceu comigo quando ganhei o prêmio Campiello (era 2010 e o livro estava Accabadora) e por acaso presenciei uma cena vergonhosamente machista em que Bruno Vespa pedia à direção da noite que rolou no Rai Uno para emoldurar o decote de Silvia Avallone que estava recebendo o prêmio por Campiello Giovani, com a estreia de Aço. Foi quando divulguei a entrevista logo após dizer que tinha achado aquilo escandaloso e achei que era um gesto de poder e abuso. Ninguém se levantou para me defender. Na verdade, muitos disseram que Michela Murgia está com ciúmes porque o seu decote não foi emoldurado. E essa é uma das coisas que pode acontecer quando você se expõe. Ao mesmo tempo posso dizer que aquele gesto de liberdade, mesmo que naquele momento não tenha recebido a solidariedade que talvez eu esperasse, revelou-se absolutamente fundamental na minha história porque a partir desse momento nunca mais me calei sobre essas perguntas e cada vez que abria a boca encontrava a voz de outra mulher juntando-se à minha, talvez porque ela tivesse encontrado coragem. Porque é assim, a coragem é contagiante”.


AQUI o vídeo completo do evento, editado pela RBE Radio Beckwith:

AQUI o relatório da reunião de Gian Mário Gilliode Riforma.it:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Chuva

Chuva

foto de Geetanjal Khanna, unsplash Roma (NEV), 22 de março de 2023 – No Dia Mundial da Água, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) nos convida a refletir sobre este elemento vital. “A Comissão sempre se manifestou muito sobre a água e continuará a fazê-lo, mas hoje propõe a partilha de um poema como contribuição própria – declara a coordenadora Maria Elena Lacquaniti -. A água refere-se a muitos temas, o mar, a água que sai da torneira, um poço, ribeiras de rios, mas o tema que neste momento parece concretizá-los a todos e que nos faz muita falta é a chuva”. “CHUVA de Federico García Lorcana tradução de Cláudio Rendina, contém sabores, emoções, memórias e vida. Esperamos receber seu apoio de boas-vindas”, escreve a GLAM em uma nota emitida por ocasião do Dia. CHUVA A chuva tem um vago segredo de ternura,uma vaga sonolência resignada e amável,a música humilde desperta com elaque torna vibrante o espírito adormecido da paisagem. É um beijo azul que a Terra acolhe,o mito primitivo que se concretiza novamente.O agora frio contato do velho céu e terracom um clima ameno de noites intermináveis. É o alvorecer da fruta. Aquele que nos dá florese nos unge com o espírito santo dos mares.Aquele que espalha a vida em sementese na alma tristeza de algo vago. A terrível saudade de uma vida perdida,a fatal sensação de ter nascido tarde,ou a ilusão inquieta de um amanhã impossívelcom a preocupação iminente da cor da carne. O amor desperta em seu ritmo cinza,nosso céu interior tem um triunfo de sangue,mas nosso otimismo se transforma em tristezavendo as gotas mortas no vidro. São as gotas: olhos de infinito que olhamo branco infinito que era sua mãe. Cada gota de chuva treme no vidro sujodeixar feridas de diamante divinas.São poetas da água que viram e meditamo que a massa dos rios não sabe. Ó chuva silenciosa, sem tempestades nem ventos,chuva calma e serena de retumbante e doce luz,chuva boa e pacífica, você é o verdadeiroque desce amorosa e tristemente sobre as coisas! Oh chuva franciscana que trazes com as gotasalmas de fontes claras e mananciais humildes!Quando você desce os campos lentamenteabra as rosas do meu peito com seus sons. A canção primitiva que sussurra ao silêncioe a história sonora que você conta às frondesmeu coração deserto comenta chorandoem uma pauta preta profunda sem uma chave. Minha alma está triste com a chuva serena,resignado com tristeza de coisas irrealizáveis,e meu coração me impede de admiraruma estrela que se ilumina no horizonte. Oh chuva silenciosa que as árvores amame você é pela pura doçura das emoções;conceder à alma as mesmas brumas e ressonânciasque você coloca no espírito da paisagem adormecida! Federico García Lorca Granada, janeiro de 1919 (Tradução de Cláudio Rendina) de "Poems (Libro de poemas)", Newton Compton, Roma, 1970 ∗∗∗ Chuva A chuva guarda um vago segredo de ternura,algo de sonolência resignada y lovable,uma música humilde dorme com elaque faz vibrar a alma dormida da paisagem. É um besar azul que a Terra recebe,o mito primitivo que vuelve a realizarse.El contato ya frio de cielo y tierra viejoscon una mansedumbre de atardecer constante. É o alvorecer da fruta. La que nos trae las florese somos ungidos com o espírito santo dos mares.La que derrama vida subre las somenterase na alma tristeza do que não se sabe.A terrível saudade de uma vida perdida,a fatal sensação de ter nascido tarde,ou a ilusão inquieta de uma manhã impossívelcom a inquietação em busca da cor da carne. O amor se perde no gris de seu ritmo,nosso céu interior tem um triunfo de sangue,mas nosso otimismo se convence na tristezacontemplar as gotas mortas nos cristais. E são as bochechas: olhos de infinito que olhamal infinity blanco que les sirvió de madre. Cada face da chuva tiembla no cristal turbioy le dejan divinas heridas de diamante.São poetas da água que viram e que meditamlo que la muchedumbre de los ríos não sabe. Oh chuva silenciosa, sem tormentos nos ventos,a chuva mansa e serena de esquila e a doce luz,Chove bem e tranquilo que tu és o verde,la que amorosa y triste sobre las coisas caes! ¡Oh a chuva franciscana que te levanta os olhosalmas de fontes claras y humildes manantiales!Cuando sobre los campos desce lentamentelas rosas de mi pecho con tus sonidos abres. El canto primitivo que dices al silencioy la historia sonora que conta al ramajelos comentários llorando meu coração desertoem um pentágrama negro e profundo sem clave. Minha alma tem tristeza da chuva serena,tristeza cheia de uma coisa irrealizável,tengo en el horizonte un lucero encendidoe meu coração me impede de correr para contemplá-los. Oh a chuva silenciosa que as árvores amamy eres sobre el piano dulzura emocionante;das almas las mismas nieblas y ressonânciasque pones en el alma dormida del paisaje! Federico García Lorca Granada, janeiro de 1919 de “Libro de poemas”, Maroto, Madrid, 1921 ...

Ler artigo
2 de abril é o Dia da Conscientização do Autismo.  O compromisso valdense e metodista

2 de abril é o Dia da Conscientização do Autismo. O compromisso valdense e metodista

O Dia Mundial de Conscientização do Autismo (WAAD) é celebrado todos os anos em 2 de abril, um evento que vê o compromisso concreto do Otto per Mille da Igreja Valdense em primeiro plano: na verdade, existem mais de 100 projetos que são apoiados financeiramente todos os anos graças às assinaturas dos contribuintes italianos. “Como uma Igreja Valdense, União das Igrejas Metodista e Valdense, e como crentes, ele comenta Manuela Vinay, chefe do Escritório Otto per Mille da Mesa Valdense, estamos empenhados em estar a serviço dos mais vulneráveis: os fundos Otto per Mille nos permitem, portanto, apoiar muitas associações (muitas vezes compostas por pais) que agem para oferecer crianças e para as meninas, uma chance de uma vida melhor. Os projetos dedicados a crianças e adolescentes autistas preocupam-se principalmente com a possibilidade de oferecer oportunidades de socialização para aumentar a autoestima e fortalecer o caminho para a autossuficiência, começando pelas pequenas coisas do dia a dia”. Entre as iniciativas mais significativas relacionadas com o mundo do autismo, o Centro BUM em Pinerolo, na província de Turim, também com sede em Grugliasco, é gerido diretamente pela Diaconia Valdense: "Em acordo e em rede com a ASL e os Serviços Sociais , explica Loretta Costantino, Responsável do Centro, oferecemos projetos de intervenção multidisciplinares para crianças e jovens dos seis aos 12 anos. Graças ao Otto per Mille, podemos ajudar financeiramente as famílias que utilizam serviços não contratados, garantindo o acompanhamento específico dos vários projetos e promovendo a formação contínua e fundamental do pessoal. O apoio de Otto per Mille também nos permite implementar redes territoriais para a criação de novos projetos voltados para a conscientização de uma comunidade inclusiva e aberta à convivência das diferenças”. A Igreja Valdense, a União das Igrejas Metodistas e Valdenses, contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille e optou por alocar todas as contribuições para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e em o mundo. O Otto per Mille pode ser doado por todos os contribuintes a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O Otto per Mille na verdade funciona como um voto, pois é dividido proporcionalmente ao número de escolhas feitas. ...

Ler artigo
O pré-sínodo das mulheres

O pré-sínodo das mulheres

Roma (NEV), 11 de agosto de 2023 – Na véspera do Sínodo Valdense, vários encontros estão agendados na Torre Pellice, na província de Turim. Entre eles, no sábado, 19 de agosto, o pré-sínodo organizado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) em colaboração com a Federação das Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas (FFEVM). Este ano, o pré-sínodo tem como título “Mulheres – protagonistas de uma sociedade em mudança”. “Será uma oportunidade de focar nossa atenção no papel da mulher na sociedade atual entre saltos, abordagens originais e contradições, com o olhar voltado para aspectos temáticos relacionados como a violência contra a mulher em suas diversas formas (física, psicológica, econômica) e a dependência econômica que não permite que muitos se emancipem de situações violentas e restritivas”, escreve o pastor Mirella Manocchiopresidente da FDEI, no comunicado de convite à iniciativa.“Partilharemos estímulos e reflexões que nos advirão do trabalho e das experiências pessoais dos nossos três bem-vindos – continua a nota -: Bárbara Oliveri Tornozelopresidente do Hospital Evangélico Internacional de Gênova (OEIGE); Sara Rossi Guidicelliescritor e jornalista; Antonella Visintinmembro da Comissão GLAM (Globalização e Meio Ambiente) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI)”.Moderar a reunião Alberto Corsani, diretor da Riforma-Eco delle Valli. Segue-se uma discussão com o público. Descarregue o cartaz: PRESINODE 19 23 de agosto A nomeação é para sábado 19 às 15 no salão Filippo Scroppo da Civica Galleriad'Arte Contemporanea, na via R. D'Azeglio 10, na Torre Pellice, ou online ao vivo no YouTube e no Facebook nestes links ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.