Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Foto de @Pietro Romeo/Reforma. A pastora e teóloga Daniela Di Carlo com a jornalista Annalisa Camilli, na noite pública do Sínodo Valdense e Metodista

Torre Pellice (NEV), 22 de agosto de 2023 – O discurso do jornalista da Internazionale Annalisa Camilli pronunciado em 21 de agosto de 2023 durante a noite pública do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, no templo de Torre Pellice.

“A macabra sequência de feminicídios e violência contra as mulheres que ocorreu em Itália em pleno verão obriga-nos a colocar uma questão: porque é que, num momento em que as mulheres alcançaram níveis consolidados e sem precedentes de igualdade e participação no espaço público, multiplicam, em vez disso, os assassinatos, assédios e estupros?

São setenta e cinco mulheres que em 2023 foram mortas pelos seus maridos, parceiros e ex-namorados.

Três só nos últimos dias.

Vera Schiopude 25 anos, uma moldava foi assassinada pelo companheiro em Ramacca, na província de Catânia: foi encontrada enforcada por uma corda numa casa semi-arruinada ao lado daquela onde morava.

O acompanhante, junto com um amigo, tentou simular o suicídio da mulher e até chamou a ambulância quando não havia mais nada que pudessem fazer.

Em 17 de agosto, ela foi morta pelo ex Anna Scala56 anos, esfaqueada pelo ex-marido ao sair de seu apartamento em Piano di Sorrento.

Ele esperou por ela por uma hora, esfaqueou-a pelas costas e depois trancou-a no porta-malas do carro.

Então ele confessou o assassinato.

Ele já havia quebrado os dentes dela no passado e também bateu nela na frente de outras pessoas, acusando-a de traí-lo, e depois destruiu as rodas do carro dela.

Anna Scala não se calou, mas tentou se defender e denunciou o ex, duas vezes no último mês, mas apesar disso nada foi feito para protegê-la.

Então, há Celine Frei Matzohl, morta em Silandro, às vésperas de seu vigésimo primeiro aniversário, há uma semana. Seu ex-companheiro a esfaqueou até a morte quando ela voltou para casa para pegar suas coisas depois de deixá-lo. Celine Frei Matzohl também processou o ex por agressões e ameaças agravadas em junho passado. Mas mesmo assim não ajudou, nada foi feito para ajudá-la.

Vera Schiopu, Anna Scala, Celine Frei Matzohl.

São de idades diferentes, vivem em locais diferentes, pertencem a classes sociais diferentes, mas têm duas coisas em comum: não foram apoiados, mesmo que tenham pedido ajuda. Segundo: foram mortos por homens que chamaram e por quem foram chamados: “Amor”.

Isso significa que a ideia de amor em nosso mundo ainda pode estar ligada à violência.

Ex-escritora e feminista Leah Melandri No dele Amor e violência, o fator irritante da civilização (Bollati Boringhieri 2011) sublinhou: “Existem parentescos insuspeitos que muitos não reconhecem ou preferem ignorar. A mais antiga e duradoura é aquela que liga o amor ao ódio, a ternura à raiva, a vida à morte”.

É destruído para preservar, é morto pelo que fomos educados a chamar de “amor”, mas que amor não é, porque proporciona formas de controle e opressão para as mulheres, que não podem dispor de si mesmas ou optar por mudar. “Em vez de nos limitarmos a depreciar a violência, a invocar penas mais duras para os agressores, mais protecção para as vítimas, talvez fosse mais sensato olhar onde não gostaríamos que ela aparecesse, naquelas áreas da vida pessoal que têm a ver com o mais íntimo, com tudo o que nos é mais familiar, mas não mais conhecido por isso. Matar, estuprar, subjugar são principalmente maridos, filhos, pais, amantes incapazes de tolerar muito ou pouco muros domésticos protetores, abraços incômodos ou abandonos que deixam expostas fragilidades masculinas insuspeitadas”, escreve sempre Melandri.

A violência brutal é apenas a ponta do iceberg, sabemos disso.

Tem as suas raízes numa cultura profundamente sexista, que ainda é dominante. Basta pensar no declarações do presidente do Senado Ignazio La Russaque há alguns meses defendendo o filho Leonardo acusado de estupro, acusou a vítima de 20 anos de ter consumido cocaína, acertando as acusações.

Sempre tem aquele olhar que coloca a mulher sob escrutínio em busca de um pretexto para dizer: “Você pediu”. Os centros antiviolência em todo o mundo recolhem todos os dias histórias de mulheres que relataram terem sido violadas e não foram acreditadas, porque estavam maquiadas ou bem vestidas, porque não choraram ou por algum outro motivo não foram consideradas credíveis.

A pandemia até agravou esse processo.

“Vamos sair melhores?”, perguntávamos-nos nos primeiros dias da pandemia de covid-19 em Março de 2020, havia uma esperança generalizada e mal respondida de que a catástrofe fosse uma espécie de revolução, como se a natureza pudesse travar batalhas para nós e isso poderia destruir o equilíbrio de poder entre opressores e oprimidos, deixando espaço para modelos de vida mais justos. Mas é claro que não aconteceu assim. Com efeito, como muitas vezes aconteceu na história, a catástrofe foi uma porta pela qual o passado olhou e se reconciliou com o presente, fazendo cair as conquistas mais recentes e trazendo à luz modelos antigos ainda mais desiguais.

De facto, naquele espaço suspenso de confinamento as fronteiras entre o público e o privado voltaram a saltar e muitas conquistas que pareciam estabelecidas na relação entre os sexos foram postas em causa.

As mulheres foram forçadas a regressar às suas casas como numa espécie de máquina do tempo e chamadas a prestar cuidados, desaparecendo gradualmente como sujeitos do debate público. Voltar apenas como vítimas de abuso e violência.

Ainda que durante algumas décadas as mulheres – individualmente e em conjunto – tenham questionado este sistema de dominação com palavras e mais eficazmente com gestos, afastando-se de relações, modelos familiares e de trabalho que já não correspondem aos seus desejos. Esta revolução ainda não está completa. Enquanto a lei do pai está em crise, a violência torna-se mais feroz. É provavelmente uma tentativa de restabelecer essa ordem, que está em declínio.

Então o que fazer? Dois dos níveis em que deveríamos tentar actuar para intervir nesta onda de violência contra as mulheres e esta retaliação implicam ouvir e abandonar uma atitude meramente passiva.

Há algum tempo, as feministas da Casa da Mulher de Ravenna me disseram que cada vez mais homens e meninos estão batendo à sua porta, porque gostariam de aprender a autoconsciência como uma técnica usada pelas mulheres há décadas. Para utilizá-lo na desconstrução dos modelos masculinos para os quais são educados e com os quais já não se sentem sintonizados, porque enquanto o velho mundo se põe, lutam para encontrar novos paradigmas que os inspirem. Esses meninos e homens deveriam receber mais atenção e mais espaço.
Depois, há uma prática coletiva de coragem que deveríamos começar a praticar novamente: se todos nós, juntos, estivéssemos mais dispostos a reagir aos abusos que afetam os outros, os acontecimentos mais extremos não ocorreriam. Muitas vezes penso no assassinato de Alika Ogorchukwuo vendedor ambulante nigeriano morto em Civitanova Marche no verão de 2022, ao longo da estrada principal da cidade litorânea, diante do olhar atônito dos transeuntes, que não intervieram, mas no máximo filmaram para denunciar o agressor.

Parece que a pandemia também teve um efeito sobre isto: é mais natural denunciarmos, do que intervir, observarmos do que tentarmos impedir. Provavelmente também pelo medo de se enredar e perder alguma coisa.

Deveríamos tentar ser mais corajosos, mais receptivos, mais confiantes.

O escritor Michelle Murgia ele disse uma vez:

“Nomes e sobrenomes devem ser mencionados e, quando ocorrem casos de sexismo, é preciso ter a coragem de se levantar e dizer que o que estou presenciando não só não me representa como me ofende. Aconteceu comigo quando ganhei o prêmio Campiello (era 2010 e o livro estava Accabadora) e por acaso presenciei uma cena vergonhosamente machista em que Bruno Vespa pedia à direção da noite que rolou no Rai Uno para emoldurar o decote de Silvia Avallone que estava recebendo o prêmio por Campiello Giovani, com a estreia de Aço. Foi quando divulguei a entrevista logo após dizer que tinha achado aquilo escandaloso e achei que era um gesto de poder e abuso. Ninguém se levantou para me defender. Na verdade, muitos disseram que Michela Murgia está com ciúmes porque o seu decote não foi emoldurado. E essa é uma das coisas que pode acontecer quando você se expõe. Ao mesmo tempo posso dizer que aquele gesto de liberdade, mesmo que naquele momento não tenha recebido a solidariedade que talvez eu esperasse, revelou-se absolutamente fundamental na minha história porque a partir desse momento nunca mais me calei sobre essas perguntas e cada vez que abria a boca encontrava a voz de outra mulher juntando-se à minha, talvez porque ela tivesse encontrado coragem. Porque é assim, a coragem é contagiante”.


AQUI o vídeo completo do evento, editado pela RBE Radio Beckwith:

AQUI o relatório da reunião de Gian Mário Gilliode Riforma.it:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ucrânia, jovens protestantes: “Perseguir um caminho para a paz”

Ucrânia, jovens protestantes: “Perseguir um caminho para a paz”

Foto de Candice Seplow, unsplash Roma (NEV), 17 de março de 2022 – “À luz do recente conflito resultante da invasão militar da Ucrânia pelo exército russo, que parece não querer parar mesmo diante dos apelos da comunidade internacional, como jovens Protestantes, membros deFGEI - Federação da Juventude Evangélica da Itália, queremos nos unir à condenação deste enésimo ato de violência, que se manifesta em solo ucraniano e russo, atingindo civis inocentes e aqueles que manifestam sua dissidência a esta política imperialista".O Conselho FGEI escreve em um comunicado: Gabriel Bertin, Annapaola Carbonato, Emanuele DeBettini, Briga Gerard, Rebeca Malla, Roberta Pacílio.“Expressamos preocupação com a extensão e destrutividade que este conflito pode assumir, considerando a ameaça decorrente do uso de armas nucleares – continua a nota -. Além de nos unirmos à oração por todo o povo ucraniano, unimo-nos ao apelo dirigido às instituições europeias e locais para garantir o acolhimento e apoio às pessoas forçadas a fugir ou permanecer em zonas de conflito. Esperamos que as práticas de ajuda humanitária implementadas neste momento de emergência possam abrir caminho para projetos de acolhimento transversal para garantir a cada pessoa o direito de determinar seu próprio futuro, e não criar discriminação contra aqueles que são forçados a abandonar o próprio país, seja qual for a razão.As nossas palavras surgem também à luz do valor que o cidadão da União Europeia tem para a nossa geração, que cresceu também através de oportunidades de intercâmbio a nível internacional que se baseiam nos princípios comuns da democracia, liberdade, igualdade e respeito pela dignidade e pelos direitos humanos, bem como uma cultura voltada para a construção e manutenção da paz para todos.A FGEI, enquanto parte ativa numa rede de federações juvenis a nível europeu e mundial, manifesta proximidade e apoio às federações irmãs e igrejas dos territórios afetados pelo conflito, partilhando os convites para momentos de oração ecuménica propostos por diversas realidades e reconhecendo neles o instrumento para redescobrir irmãos e irmãs amparados e guardados pelas mãos do Senhor em todo lugar e em toda situação. Neste momento queremos fazer nosso o apelo que nos é dirigido a ser luz nos momentos de escuridão e a reconhecer que não são os planos de violência dos poderosos de hoje que fecham o horizonte, mas que este se abre na esperança e na certeza que vem do Senhor e da sua promessa de paz e justiça. Sabemos que isso já se manifestou para nós no rosto e na história de Jesus de Nazaré, que nos ensinou que só a fé e a partilha podem verdadeiramente transformar o mundo, como nos recordam as palavras de Zacarias no Evangelho de Lucas: “Bendito seja o Senhor , o Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo, e nos deu um Salvador para iluminar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, a fim de guiar os nossos passos no caminho da paz”. Cabe a nós hoje – concluem os jovens protestantes – saber prosseguir juntos aquele caminho já traçado rumo à paz”. ...

Ler artigo
Naufrágio de Crotone, luteranos: “Não podemos nos calar”

Naufrágio de Crotone, luteranos: “Não podemos nos calar”

Desenho de Francesco Piobbichi, operador da Mediterranean Hope - FCEI Roma (NEV), 1º de março de 2023 – “Como Igreja, sabemos como é complexo lidar com a questão da migração. No entanto, essa complexidade não pode ser traduzida em silêncio ou, pior, em negação”. A igreja luterana na Itália escreve isso em uma nota. “A Igreja Evangélica Luterana na Itália – lê-se no comunicado de imprensa divulgado hoje – expressa suas condolências pelas vítimas do naufrágio ocorrido na costa da Calábria. As mais de sessenta vítimas recuperadas até agora, entre muitos meninos e meninas, somam-se a outras pessoas que, nos últimos anos, se lançaram ao encontro da Europa. Como cristãos, sentimos faltar-nos as palavras pela crueldade com que estas buscas de encontro, estes pedidos de ajuda, muitas vezes ficam suspensos, senão mesmo rompidos. Consideramos estas mortes, e as que as precederam, o sinal do pecado que nos diz respeito. Não no abstrato, mas no concreto. Podemos nós, como os justos do Evangelho de Marcos, perguntar: Senhor, quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos? Podemos, olhando para estes nossos irmãos e irmãs, responder afirmativamente a esta pergunta? As viagens dos migrantes sinalizam a fragilidade de nossa sociedade. E da política muitas vezes até interessada em fazer dessas mortes a responsabilidade de quem morreu. É inadmissível que o pedido de dignidade humana, de encontro no caminho da solidariedade se simplifique a números, quotas, admissões. A complexidade não é uma equação a ser reduzida ao mínimo, nem as pessoas são variáveis ​​intercambiáveis. Nas nossas praias, essas mesmas praias para onde iremos daqui a alguns meses para refrescar o verão, o nosso tormento acende-se”. O CELI, prossegue o texto, “juntamente com as suas profundas condolências deseja também manifestar o seu encorajamento para que o nosso país não se deixe desumanizar, não se acostume com estas como com as outras mortes que as precederam. Como cristãos, temos o dever de fazer parte dessa complexidade. Enfrentá-lo juntos, ecumenicamente. Acreditamos que a gestão dos fluxos migratórios é necessária e que, mesmo neste caso, a complexidade não pode e não deve ser reduzida ou banalizada dentro das típicas polarizações e explorações políticas. O que aconteceu diante de Cutro é um grito muito alto: ao céu, mas sobretudo à terra. E chama-nos cristãos a dar conta de sermos armas que acolhem, mas também vozes que intervêm, falam claramente tanto à sociedade como à política. A santidade da vida humana se aplica a todos os seres humanos em todos os lugares. Tanto na costa da Calábria como nos campos de migrantes. Campos que, também graças às políticas contraditórias implementadas nos últimos anos, continuam a fazer vítimas e a gerar desespero após desespero”. A Igreja Evangélica Luterana na Itália espera, portanto, “com vigor, que pelo menos os cristãos, as pessoas de fé saibam falar juntas, em uma voz que contém uma pluralidade de tons. Harmonioso. Porque o Deus da Paz e da Vida nos deu voz para falar quando necessário”. ...

Ler artigo
Líbano, a Mesa Valdense atribui 50 mil euros

Líbano, a Mesa Valdense atribui 50 mil euros

Roma (NEV), 17 de setembro de 2020 - O compromisso das igrejas protestantes para ajudar a população de Beirute continua e é fortalecido. Após a assinatura lançada, logo após as explosões de agosto, pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) - que desde 2016 organiza corredores humanitários do Líbano - a Tavola Valdese, por meio do Otto per mille, destinou mais 50 mil euros. “O projeto – explica Paulo Naso, coordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI – foi criada para responder às solicitações imediatas feitas por cidadãos e organizações da sociedade civil em Beirute, onde atuamos através dos corredores humanitários. A quase total inacessibilidade dos cuidados de saúde é a primeira emergência, seguida da crise económica e social que se agravou após a calamidade de agosto. É por isso que sentimos a responsabilidade de poder fazer a nossa parte, graças a esta importante e generosa contribuição da Mesa Valdense, na área que melhor conhecemos. No contexto dos corredores humanitários, de facto, há 4 anos que nos preocupamos, com a Medical Hope, em assistir o maior número de pessoas possível do ponto de vista médico e de saúde, em particular refugiados de origem síria mas não só . Agora, com este novo projeto, esperamos poder oferecer ajuda à população libanesa e de Beirute em particular, que corajosamente tenta reconstruir suas vidas e seu país. Aproveitamos esta oportunidade para agradecer a todas as pessoas e membros da igreja que decidiram doar uma contribuição para a assinatura que lançámos, que arrecadou mais de 18.000 euros em apenas alguns dias”. Em particular, os fundos alocados pelo Conselho Valdense com o Otto per mille da União das Igrejas Metodista e Valdense serão usados ​​para um balcão de saúde social em Beirute, no distrito de Geitawi. Operadores da FCEI, com o médico Luciano Grisorepresentante da Medical Hope, encarregar-se-á da compra e fornecimento de medicamentos aos cidadãos menos favorecidos, contribuirá para apoiar projectos na área médico-sanitária já iniciados por outras realidades da sociedade civil, como ONG e associações locais, pagará despesas médicas intervenções e terapias para pacientes em condições particularmente vulneráveis. “É uma contribuição em favor da parcela mais frágil da população libanesa – declara o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta – cuja urgência sentimos no cenário de trágica devastação que tanto atingiu um país já exausto por décadas de guerras e pelo esforço de acolher milhões de refugiados do barril de pólvora do Oriente Médio. A credibilidade adquirida ao longo de anos de presença competente e humilde dos operadores da Medical Hope ao lado das pessoas comuns oferece as melhores garantias de que os recursos disponibilizados chegarão da forma mais eficaz onde são mais necessários”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.