Carsten Gerdes.  Fé e esperança para o futuro da Igreja Luterana

Carsten Gerdes. Fé e esperança para o futuro da Igreja Luterana

O Reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), pastor Carsten Gerdes

Catânia (NEV/CEL), 2 de maio de 2023 – No encerramento do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), fizemos algumas perguntas ao Reitor, Pr. Carsten Gerdes.

Qual é o seu balanço deste Sínodo?

O balanço que posso tirar do Sínodo que acaba de terminar é, por um lado, simples de resumir: os trabalhos terminaram uma hora antes do previsto. Portanto, podemos dizer que não tivemos nenhuma questão crítica específica na discussão. Por outro lado, devo admitir que em pelo menos algumas questões poderíamos ter, e talvez devêssemos ter decidido com mais clareza. Afinal, porém, a discussão geral não nos guiou nessa direção.

Em seu relatório introdutório, mas também em sua entrevista pré-sinodal ao semanário Riforma, há uma profunda mensagem pastoral. Afirmaste, por exemplo, que “muitas vezes se pede aos crentes que prestem contas da sua fé e, com igual frequência, aqueles que o fazem não conseguem ver que também a vida daqueles que consideram a fé incompreensível, ou mesmo inútil, é construída sobre fundamentos que ainda não demonstraram sua sustentabilidade. Na sua opinião, o que é a “sustentabilidade da fé”?

Claro, a resposta a esta pergunta pode variar de pessoa para pessoa. Por qual é a perspectiva da minha vida, percebo que é bom que nem tudo dependa de mim, das minhas possibilidades: mentais, de pensamento, condições de saúde.
Quero dizer que a base que sei que tenho vai além de mim: desde a manhã, pela leitura de um versículo da Bíblia e pela comparação que consigo fazer com esse texto. Mesmo quando faço uma oração, mesmo sabendo que naquele momento não vai acontecer o que eu quero, sei que posso confiar em alguém que não seja eu para me ouvir e não ter que responder como eu quero. Fé sustentável é confiar e confiar em Deus.

Muitas vezes nos sentimos frustrados por estarmos sozinhos na diáspora: na realidade, muitos convidados vieram para o Sínodo de muitas partes da Europa e de toda a Itália. Uma demonstração de que não estamos sozinhos. Então, como é esse sentimento como uma minoria?

Eu venho do norte da Alemanha. Nessas partes, novamente, a maioria dos cristãos são evangélicos, são protestantes. Então a experiência do CELI, de uma igreja na diáspora, é uma experiência nova para mim. Novo e intenso. No entanto, percebo, em minhas reuniões com outras igrejas minoritárias, que nós, os “pequeninos”, podemos aprender uns com os outros. Encorajando uns aos outros. Dando-nos uma mão. Somos muitos pequenos grãos que juntos finalmente formam uma obra. Esta é a minha visão e esperança. Uma visão que me eleva quando me sinto pequena e sozinha.

Afinal, “nós somos sal”…?

É verdade. Muitos pequenos grãos de sal que juntos formam uma pilha de sal. Mas atenção: nem sempre precisamos de um monte. Às vezes, pequenos grãos dispersos são suficientes: eles já são eficazes em sua força de ser grãos.

Entrevista por Gianluca Fiusco e Elena Ribet. Obrigado Geórgia E. betz pela tradução do alemão.


Para saber mais:

Homepage – Inglês – Igreja Luterana

Especial NEV Sínodo Luterano 2023

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Roma (NEV), 23 de julho de 2019 - A 56ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) foi aberta ontem em Assis. Cerca de 200 participantes de toda a Itália estão reunidos até 27 de julho sobre o tema "As igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra". “O abismo que separa pobres e ricos é cada vez mais profundo. Quem vai preenchê-lo? Este compromisso comum dos cristãos aliviará nossas divisões”, escreveu o monsenhor Ambrogio Spreaficobispo de Frosinone-Veroli-Ferentino, em mensagem lida pelo presidente da SAE, Pedro Stefanina abertura da reunião. O bispo recordou a experiência dos corredores humanitários, “nascidos e criados em fraterna colaboração ecumênica”. A SAE dedicou duas sessões ao tema da relação das igrejas com a riqueza e a pobreza: “É um tema que divide as igrejas pelas escolhas que fazem para lidar com isso. Muitas vezes ações antitéticas comparadas ao mesmo Evangelho ouvido. E as igrejas muitas vezes falaram dos pobres, mas não ouviram sua voz, não abriram espaços inclusivos”, diz o comunicado da SAE. Citando o economista Luigino Bruni, Stefani recordou que "não só os pobres precisam de ajuda, como escreve o proponente da 'economia de comunhão', mas precisam ser levados a sério como sujeitos e como pessoas pensantes" e falou sobre como fazer uma "escolha preferencial a favor dos pobres". Apenas em Assis no próximo ano haverá uma grande conferência desejada pelo Papa Francisco, por sugestão do próprio Luigino Bruni, "Economia de Francesco". Ontem vi os relatórios de Hans Gutiérrez Salazarda Faculdade de Teologia Adventista, que falou da divisão intransponível entre o norte e o sul do mundo que "não é apenas um fosso económico cada vez mais radicalizado", mas também um fosso de visão, entre "uma forma 'europeia', nascida na modernidade e com o mito do progresso a todo custo, que exclui outras civilizações consideradas primitivas e da natureza, e uma sociedade de equilíbrio, que valoriza as pessoas, que prefere cuidar dos relacionamentos à aceleração e hipertrofia do ego" . Vicente I. Ifeme, delegado do ecumenismo da diocese de San Benedetto del Tronto-Ripatransone-Montalto, trouxe o testemunho de "um homem entre dois mundos, Itália e Nigéria, partindo da discriminação econômica, da falta de justiça, de um neocolonialismo generalizado disfarçado, pela corrupção dos governantes. A África como o paradoxo de um continente rico afundando na pobreza e no qual os conflitos tribais e políticos são muitas vezes confundidos com conflitos religiosos”. Mesmo as igrejas, observa Ifeme, têm a responsabilidade de não estarem do lado dos pobres. Mas a África “também é bonita, forte, resiliente, espiritual. A resposta para seus muitos problemas deve vir de suas qualidades mais positivas. À tarde, o monge falou Guido Dotti e o pastor luterano Eva Guldanova. Os trabalhos prosseguem até 27 de julho e incluem, além de inúmeras reportagens, reflexões, debates e momentos de oração, também oficinas sobre ricos e pobres no cinema, sobre justiça, paz e proteção da criação, sobre velhas e novas pobrezas , novas formas econômicas, justiça e vida das mulheres. Muitas propriedades protestantes, incluindo a de Gianna Urziojornalista valdense; Luciano Zappellaestudioso bíblico valdense; William Jourdanpastor valdense; Cláudio Garroneauditor ambiental valdense; Dorothee Mackpastora valdense; Ulrike Jourdanpastor metodista; Gabriela Liopastor batista e presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI); Erica Sfreddapregador valdense; Giuseppina Bagnatopastora valdense; David Romanopastor adventista; Elizabeth Ribetteólogo valdense. Quinta-feira 25 de julho um dia sobre "O Deus dos pobres" com a mesa redonda "Somos mendigos isso é verdade", com Anna Foada Universidade "La Sapienza" de Roma, Yassine Laframpresidente da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII), Stephanie Monti do mosteiro capuchinho Clarisse de Fiera di Primiero e o teólogo valdense Paulo rico. Baixe a programação completa clicando AQUI. ...

Ler artigo
Nariz.  A liberdade religiosa não é uma questão partidária.  É o coração da democracia

Nariz. A liberdade religiosa não é uma questão partidária. É o coração da democracia

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2023 - A agência NEV está inaugurando um ciclo de entrevistas para abordar os temas da conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias", realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Vamos começar com Paulo Nasocoordenadora da Comissão de Estudos do Diálogo da Integração da FCEI, consultora para as relações institucionais do programa de refugiados e migrantes FCEI/Mediterrâneo Esperança, além de professora da Universidade Sapienza e membro da comissão científica do Centro Studi Confronti. Por que uma conferência sobre pluralismo e liberdade religiosa? É fácil dizer: relançar uma questão que há anos se esquiva do debate parlamentar, esmagada por outras prioridades e interesses. Nesse sentido, foi uma operação corajosa, que deve ser creditada aos promotores, principalmente à Fondazione Basso e à revista Confronti, que tiveram a força de relançar o debate sobre um tema certamente complexo, mas cada vez mais urgente. Por que urgente? A liberdade religiosa é garantida. A urgência reside no fato de que em poucas décadas o perfil religioso da Itália mudou como nunca se poderia imaginar e o "fator R" da religião adquiriu uma importância crescente na dinâmica social e cultural de um país multicultural como a Itália. tornou-se objetivamente. E um fenômeno novo não pode ser governado com ferramentas velhas e enferrujadas como a legislação da era fascista sobre os "cultos admitidos": aquela legislação ainda em vigor, desde o título, expressa sua intenção discriminatória e seletiva, e ainda hoje distingue juridicamente confissões reconhecidas e outras (a maioria) que não o são. É uma lei que determina quais ministros de religião e quais confissões têm livre acesso a espaços protegidos (prisões, hospitais, centros para imigrantes, residências para idosos) e quais não. É a lei que, ao não proteger o edifício do culto, cria dificuldades inultrapassáveis ​​a diversas comunidades que padecem de limitação do direito constitucional ao exercício do culto privado e público (art. 19º). Na ausência de normas rígidas sobre o assunto, algumas comunidades de fé são privadas do direito fundamental de se reunir em locais dignos e legalmente reconhecidos. "Não, a mesquita não" é apenas a expressão mais virulenta de uma intolerância à diversidade religiosa que, há poucos dias em Tortona, se traduziu no incêndio de um centro islâmico. Mas se isto é racismo islamofóbico, a outro nível da convivência multirreligiosa ordinária, é normal que em Milão, a cidade europeia e intercultural por excelência, não exista uma mesquita digna desse nome? E por que as igrejas pentecostais têm que se contentar com locais improváveis ​​e periféricos? Ou que dezenas de denominações religiosas que possuem instalações adequadas não conseguem obter a sua conversão para fins de culto? E os acordos previstos no art. 8 da Constituição? Sim, existem, mas eles "abrangem" apenas 10% do número total de não católicos que teriam direito a fazê-lo: todos juntos não ultrapassam quinhentas mil pessoas (comparações de dados IDOS de 2022): valdenses e metodistas, batistas, luteranos e anglicanos pelo protestantismo histórico; adventistas, pentecostais (das Assembleias de Deus e da igreja apostólica) para a área evangélica em sentido amplo; Judeus; budistas (da União Budista Italiana e da Soka Gakkai); ortodoxos gregos, hindus e mórmons. Por outro lado, os muçulmanos (mais de dois milhões de pessoas, incluindo um número crescente de italianos), os ortodoxos romenos (quase dois milhões), as testemunhas de Jeová (mais de 400.000, principalmente italianos), os sikhs (cerca de 100.000), um número crescente de evangélicos independentes (300.000), outras comunidades de fé para pelo menos 100.000 atendimentos. Este é o limite do art. 8: não a sua substância jurídica, mas a sua escassa e débil implementação, sorvida de critérios nem sempre compreensíveis, a ponto de parecer discricionária: isto sim, aquilo não. Falando francamente, acredita que existem as condições políticas para que este Parlamento possa pôr a mão numa disposição tão complicada e controversa como uma lei sobre a liberdade religiosa e de consciência? Desde o pós-guerra, o debate sobre a liberdade religiosa tem sido o campo de batalha de exércitos ideológicos opostos: católicos contra secularistas, crentes contra não crentes, direita contra esquerda, ocidentais contra multiculturalistas. Chegou a hora de uma trégua, na verdade de uma reconciliação sobre uma questão que, além de estar no centro da democracia liberal, está no centro de muitos eventos na Itália e no mundo. Sobre uma questão legal e constitucional de grande repercussão como esta, como já aconteceu em outros momentos da vida política italiana, é fundamental que o Parlamento decida por ampla maioria. O desafio é superar a lógica partidária para assumir a proteção da liberdade religiosa e da consciência - mesmo aqueles que não acreditam ou acreditam de forma não convencional têm seus direitos e devem ser reconhecidos e protegidos - como questão central de importância democrática universal. Renunciando à linguagem dos "tempos que não estão maduros" ou das "outras prioridades", representantes de diversas forças políticas - governo e oposição - se manifestaram dispostos a abrir o canteiro de obras sobre o tema. Correndo o risco de parecer ingênuo, é correto dar crédito às aberturas que registramos e que, creio, devem ser levadas muito a sério. Não só pela atenção às minorias, mas pela qualidade da República. ...

Ler artigo
Além do inverno ecumênico.  Entrevista com o Pastor Martin Robra

Além do inverno ecumênico. Entrevista com o Pastor Martin Robra

foto Roma (NEV), 1º de junho de 2018 – “Até alguns anos atrás, costumávamos falar de um 'inverno ecumênico'. No entanto, nosso secretário geral, pastor Olav Fykse Tveit, que vem da Noruega, gosta de dizer que não há nada de errado com o inverno: você só precisa de luvas e roupas que o mantenham aquecido. Mas me parece que com Papa Francisco e suas iniciativas deixem uma nova primavera chegar” assim responde o pároco Martin Robrachefe de relações com a Igreja Católica do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), ad Anthony Spadarodiretor de “La Civiltà Cattolica”, em intensa entrevista publicada ontem. Em 21 de junho, o Papa Francisco visitará pela primeira vez a sede do CMI em Genebra, na Suíça. Pastor Martin Robra e Antonio Spadaro (foto retirada do site CEC/Céline Fossati) “Igrejas ao redor do mundo celebraram juntas a cura das memórias feridas da Reforma. Não esqueçamos quantas guerras alimentou", disse também Robra, quando questionado sobre as metas alcançadas e os desafios futuros do ecumenismo, bem como sobre as questões da cooperação entre as igrejas, o compromisso comum com a justiça, a paz e o salvaguarda da criação, discipulado e o conceito de unidade na diversidade. “No entanto, a realidade ainda é muito fragmentada e marcada pela competição por poder e riqueza. Até agora, as identidades opostas foram sustentadas pelas culturas e, em parte, também pela religião – continua Robra -. Ainda há um longo caminho a percorrer até que possamos vislumbrar um terreno comum global em que culturas e religiões interajam pacificamente: uma realidade, ou seja, profundamente diferente dessa camada muito fina e superficial que nos é proposta pela atual cultura do consumo e pela mídia global que a apoia”. A entrevista, publicada em colaboração entre CEC e Civiltà Cattolica, está disponível em inglês, alemão, espanhol e italiano. O CMI representa 348 igrejas de tradições anglicanas, protestantes e ortodoxas e também inclui várias igrejas pentecostais e africanas independentes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.