Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Cecilie Johnsen, unsplash

Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Jim Hodgson é jornalista e ativista dos peregrinos Rainbow of Faith, um coletivo global de cristãos LGBT+ e redes cristãs, igrejas, alianças e ativistas, e é membro da equipe das Igrejas Unidas do Canadá há anos, onde atuou como coordenador do programa, com uma longa experiência na América Latina e no Caribe. Nós o encontramos em Karlsruhe, por ocasião da XI Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas.

Jim Hodgson

“Globalmente – explica – nascemos como uma coalizão europeia trabalhando em direitos e inclusão de pessoas trans e queer, antes de Busan, na Coréia, por ocasião da anterior Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas em 2013, e desde então temos começou a desenvolver um trabalho constante de advocacia. Construímos bases sólidas para aprimorar e desenvolver esse diálogo, para ajudar as igrejas também a conversarem entre si sobre os temas e demandas que estamos atendendo. Há um relatório que foi recebido pelo Comitê Central (ver nota ao final do artigo, ed.). Também publicamos um texto, “Reconciliação das margens – histórias pessoais de pessoas queer de fé”, que reúne as histórias pessoais de 28 pessoas queer, crentes de todo o mundo”.

O que se entende por inclusão?

“É um avanço, falar primeiro com a gente. O termo “inclusão” é fraco, nós o usamos, mas gostaríamos de muito mais. Se pensarmos bem, Jesus foi muito além da inclusão, ele convidou todos para sua mesa, para compartilhar sua comida, para conversar com ele, sem perguntar quem eram, independente de sua condição, de sua religião, de quem eram, a começar por os servos, desde o mínimo. Estamos longe do “caminho de Jesus” quando falamos de ‘inclusão’ mas ainda é uma primeira etapa“.

Quanto ao futuro e à complexa relação das pessoas lgbtqia+ com as crenças, declinadas e diversificadas de formas diversas nos muitos países aqui presentes, “as nossas são perspectivas à margem, de uma viagem, de uma peregrinação e esperamos receber a devida atenção . Não ficaremos calados quando nossa resposta determinada for necessária. Mas pedimos às igrejas que não causem mais danos. Infelizmente vemos em muitos lugares do mundo que a igreja é parte do problema. Meu trabalho está na América Latina há anos e lá tenho observado o crescente fenômeno de grupos religiosos conservadores se aliando a movimentos políticos igualmente conservadores, um exemplo é o presidente do Brasil Jair Bolsonaro. Isso é muito decepcionante e perigoso para quem luta pelos direitos humanos e exige respeito para todos e não apenas para quem está no poder”.

Esses movimentos e igrejas conservadoras, segundo a ativista canadense, “afirmam que promovemos o que chamam de “ideologia de gênero” e que tentaríamos impô-la, impor “nossos valores”, mas não é verdade. Na sociedade civil deve haver espaço para todos e a liberdade religiosa não pode significar a liberdade de impor seus valores, sua visão”.

Como está sendo esse diálogo no Concílio Ecumênico?

“O feedback até agora é incrivelmente positivo. Em Busan houve uma manifestação contra nós, enquanto aqui o clima é claramente diferente. Os participantes da Assembleia estão muito atentos, demonstraram muito interesse pelas nossas disputas e pelas nossas histórias pessoais. Eles parecem muito felizes em nos receber aqui.”

O que você espera das igrejas?

“O que buscamos hoje e amanhã é um sinal da vontade de continuar o confronto. Continuam os encontros e as conversas ecumênicas (na cúpula de Karlsruhe há um grupo ad hoc, Conversa Ecumênica n.11*) e o trabalho conjunto, a discussão cada vez mais aprofundada sobre a sexualidade e pode haver uma nova recomendação nos textos finais. Estou otimista com o futuro: o caminho é o do diálogo”.


*As Conversas Ecumênicas são elaboradas para serem aprofundadas e vinculadas ao trabalho potencial das comissões do CMI e outros programas. Eles são extraídos de insights de redes do CMI, igrejas membros e parceiros e/ou relacionados a preocupações ecumênicas emergentes. Os resultados das Conversas serão compartilhados com os comitês da assembléia e relatórios detalhados serão compartilhados com os futuros órgãos governamentais. Cada Conversa Ecumênica acontece no mesmo grupo durante 4 dias e é aberta aos participantes da assembléia com direito a palavra. Os participantes nas conversas ecumênicas são todos os participantes oficiais da assembléia mais alunos e professores (delegados, delegados representantes, delegados observadores, conselheiros da assembléia, conselheiros da delegação, observadores, convidados, alunos e professores).

Segue abaixo a apresentação da Conversa Ecumênica n.11, “Conversas de Caminho: um convite a caminhar juntos sobre os temas da sexualidade humana”

Durante a Assembleia anterior do Conselho Mundial de Igrejas, dia 10, em Busan, em resposta às questões levantadas durante as conversas ecumênicas, sessões de trabalho e outras apresentações sobre os desafios que as questões da sexualidade humana têm colocado para as igrejas membros do CMI e seus constituintes, a assembleia através do Comitê de Diretrizes do Programa fez a seguinte recomendação: ‘Ao estar ciente das questões que dividem as igrejas, o CMI pode servir como um espaço seguro para entrar em diálogo e discernimento moral sobre questões que as igrejas consideram desafiadoras. Exemplos que foram ouvidos com força nesta assembléia incluem questões de gênero e sexualidade humana. Questões controversas têm seu lugar dentro desse espaço seguro na agenda comum, lembrando que a tolerância não é suficiente, mas o resultado final é o amor e o respeito mútuo.’ Em resposta à recomendação acima, o Secretário-Geral do WCC formou um grupo de funcionários e um Grupo de Referência em Sexualidade Humana para trabalhar em um documento que foi apresentado ao Conselho Executivo do WCC em novembro de 2019. O Conselho Executivo recebeu o documento e recomendou “ encaminhando o relatório ao comitê central para informação com a sugestão de que a 11ª Assembléia do CMI poderia ter uma conversa ecumênica sobre este assunto’. O objetivo desta conversa ecumênica é criar um espaço de diálogo e discussão sobre a sexualidade humana como ela é realizada em diferentes contextos da irmandade do CMI e como a conversa pode ser realizada no futuro, enfatizando o amor e a reconciliação”.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Exército da Salvação.  Mudança no topo com tenentes-coronéis Morgan

Exército da Salvação. Mudança no topo com tenentes-coronéis Morgan

Roma (NEV), 4 de outubro de 2022 – Na segunda-feira, 24 de outubro, haverá a apresentação oficial dos novos líderes no Comando Italiano do Exército de Salvação (EdS). É sobre o tenente-coronel André Morgan e sua esposa, o tenente-coronel Darlene Morganpresidente do Ministério da Mulher. No momento institucional, que acontecerá em Roma na sede histórica da EDS em San Lorenzo, o Daniele Garrone. Garrone é presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), da qual a EdS é membro. Os novos líderes recebem o bastão das esposas Jacques e Claude-Evelyne Donzechegou à Itália vindo da Suíça em janeiro de 2020. Os Donzés continuaram as atividades do Exército de Salvação no delicado momento da pandemia. O Sr. e a Sra. Morgan são originalmente do Canadá e sempre prestaram serviços para a EdS. Ambos filhos de Oficiais do Exército de Salvação, colaboraram como leigos no relançamento da obra na Hungria. Eles agora assumem o comando da Itália e da Grécia, que fazem parte do Departamento Europeu. Para saber mais, leia o perfil do Sr. e Sra. Morgan editado por Ilaria Castaldo (tenente auxiliar do Exército de Salvação. Atualmente responsável pela Casa de Férias Concórdia e pela comunidade local de Forio d'Ischia, ex-conselheiro da FCEI) em Riforma.it. Exército de Salvação (EDS) O Exército de Salvação nasceu na Inglaterra em 1865 por William Booth, um ex-pastor metodista, para atender às necessidades espirituais e materiais das massas do nascente proletariado industrial que lotava as grandes cidades da Inglaterra. A sua organização, essencialmente episcopal, estrutura-se em torno da metáfora militar. Daí deriva seu nome, "Exército de Salvação", em inglês The Salvation Army. Os membros são referidos como "soldados" e os pastores como "oficiais" com várias patentes (principalmente tenente, capitão e major). Na Itália, a EdS iniciou seus trabalhos em 1887, quando o capitão James B. Vint abriu o primeiro corpo em Roma. Em 1892, o próprio William Booth veio para a Itália e a obra rapidamente se espalhou para o norte, e depois para o sul, na Campânia, Puglia, Lucania, chegando finalmente à Sicília no primeiro pós-guerra. O reconhecimento como instituição moral pelo Presidente da República ocorreu em 1965. Em 2009 obtiveram o reconhecimento como associação de culto com o nome "Exército de Salvezza na Itália". Hoje está presente em cerca de 40 localidades e conta com cerca de 2.000 fiéis. ...

Ler artigo
Sem fins lucrativos, o Otto per mill Valdensian tender

Sem fins lucrativos, o Otto per mill Valdensian tender

Roma (NEV), 16 de janeiro de 2023 – Ainda faltam dez dias para participar da licitação de 2023 da Otto per mill Valdensian and Methodist. De 5 a 27 de janeiro de 2023, todas as associações que desejam apresentar um pedido de financiamento para suas iniciativas de solidariedade na Itália e no exterior têm, portanto, a oportunidade de preparar um projeto e documentação em conformidade com as diretrizes elaboradas pelo Tavola Valdese. Um documento de perguntas e respostas às perguntas mais frequentes também está disponível no site www.ottopermillevaldese.org, para esclarecer as dúvidas mais comuns. “Nunca como neste momento – comentou Manuela Vinay, chefe do Gabinete Otto per Mille de Tavola Valdese – sabemos da importância do apoio que podemos oferecer ao nosso e aos outros países. Por esta razão decidimos não alterar a abordagem aberta que sempre caracterizou a nossa Chamada, tentando simplificar alguns aspectos para facilitar a participação”. A União das Igrejas Metodistas e Valdenses contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille IRPEF e optou por destinar todas as contribuições que lhe são devidas exclusivamente para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e fora do país. Em 2022, foram selecionados mais de 1500 projetos, para os quais se destinaram um total de cerca de 45 milhões de euros, num total de quase 5000 candidaturas recebidas. “Para nós crentes – disse Vinay – é impossível não pensar que direitos, paz, fraternidade, alívio, acolhida podem se tornar palavras incômodas. Eles são a base da nossa razão de existir e como igrejas estaremos sempre próximos dos necessitados e daqueles que dedicam suas vidas ao bem do próximo. Neste contexto complexo, em que as soluções aparecem distantes e as boas intenções infelizmente não tão próximas, queremos, como todos os anos, acender uma luz e oferecer o nosso apoio a muitas realidades que experimentam todos os dias o mais alto sentido da vida no seu local área . Ou seja, aquela que só tem sentido se vivida na relação com o outro, dedicando-se a compartilhar os valores nos quais nos reconhecemos”. Os 8×1000 podem ser atribuídos por todos os contribuintes a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O 8×1000 funciona mesmo como um voto, porque é dividido entre o Estado e as entidades religiosas, na proporção das escolhas feitas. ...

Ler artigo
Procura-se jovens para conferência de paz em Paris

Procura-se jovens para conferência de paz em Paris

Roma (NEV), 7 de junho de 2019 – Você tem até 21 de junho para enviar sua candidatura para participar da Conferência de Paz 2019, que será realizada em Paris, França, de 10 a 12 de setembro. A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) convida os jovens das suas igrejas-membro a enviarem as suas perguntas e documentos através do formulário disponível para download nesta página. O CEC facilitará a formação ecumênica e a experiência internacional de cinco pessoas selecionadas entre 18 e 30 anos. Entre os requisitos, preferencialmente conhecimento de inglês e francês, forte motivação e entusiasmo. Os organizadores selecionados terão um papel especial na condução da conferência, auxiliando o coordenador e a equipe em diferentes áreas de trabalho, como gestão do programa e da plenária, comunicação e mídia, orientação e informação sobre as sessões. A CEC cobrirá os custos de alimentação e acomodação, enquanto os custos de viagem, passaporte, visto e outras despesas pessoais serão pagos pelo candidato e/ou pela igreja proponente, corpo ecumênico ou conselho nacional a que pertença. O comparecimento é obrigatório de segunda-feira, 9 de setembro de 2019, na hora do almoço, até quinta-feira, 12 de setembro de 2019, à tarde. Os voluntários trabalharão em contato direto com o pessoal do KEK coordenado por Charlotte (Charlie) Belot e são encorajados a ouvir e participar nas diferentes sessões plenárias, seminários e fóruns. A Conferência de Paz realiza-se no contexto do 60º aniversário da CEC e explorará a Conferência de Paz de Paris de 1919 no seu centenário, identificando os seus legados no passado europeu e global, para chegar à procura de novas e criativas formas de construir paz no século 21. A conferência terá lugar noInstituto Protestante de Teologia em Paris. As inscrições devem ser enviadas para [email protected] até 21 de junho de 2019. Os resultados das seleções serão anunciados até segunda-feira, 28 de junho. Para mais informações, clique aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.