Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Cecilie Johnsen, unsplash

Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Jim Hodgson é jornalista e ativista dos peregrinos Rainbow of Faith, um coletivo global de cristãos LGBT+ e redes cristãs, igrejas, alianças e ativistas, e é membro da equipe das Igrejas Unidas do Canadá há anos, onde atuou como coordenador do programa, com uma longa experiência na América Latina e no Caribe. Nós o encontramos em Karlsruhe, por ocasião da XI Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas.

Jim Hodgson

“Globalmente – explica – nascemos como uma coalizão europeia trabalhando em direitos e inclusão de pessoas trans e queer, antes de Busan, na Coréia, por ocasião da anterior Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas em 2013, e desde então temos começou a desenvolver um trabalho constante de advocacia. Construímos bases sólidas para aprimorar e desenvolver esse diálogo, para ajudar as igrejas também a conversarem entre si sobre os temas e demandas que estamos atendendo. Há um relatório que foi recebido pelo Comitê Central (ver nota ao final do artigo, ed.). Também publicamos um texto, “Reconciliação das margens – histórias pessoais de pessoas queer de fé”, que reúne as histórias pessoais de 28 pessoas queer, crentes de todo o mundo”.

O que se entende por inclusão?

“É um avanço, falar primeiro com a gente. O termo “inclusão” é fraco, nós o usamos, mas gostaríamos de muito mais. Se pensarmos bem, Jesus foi muito além da inclusão, ele convidou todos para sua mesa, para compartilhar sua comida, para conversar com ele, sem perguntar quem eram, independente de sua condição, de sua religião, de quem eram, a começar por os servos, desde o mínimo. Estamos longe do “caminho de Jesus” quando falamos de ‘inclusão’ mas ainda é uma primeira etapa“.

Quanto ao futuro e à complexa relação das pessoas lgbtqia+ com as crenças, declinadas e diversificadas de formas diversas nos muitos países aqui presentes, “as nossas são perspectivas à margem, de uma viagem, de uma peregrinação e esperamos receber a devida atenção . Não ficaremos calados quando nossa resposta determinada for necessária. Mas pedimos às igrejas que não causem mais danos. Infelizmente vemos em muitos lugares do mundo que a igreja é parte do problema. Meu trabalho está na América Latina há anos e lá tenho observado o crescente fenômeno de grupos religiosos conservadores se aliando a movimentos políticos igualmente conservadores, um exemplo é o presidente do Brasil Jair Bolsonaro. Isso é muito decepcionante e perigoso para quem luta pelos direitos humanos e exige respeito para todos e não apenas para quem está no poder”.

Esses movimentos e igrejas conservadoras, segundo a ativista canadense, “afirmam que promovemos o que chamam de “ideologia de gênero” e que tentaríamos impô-la, impor “nossos valores”, mas não é verdade. Na sociedade civil deve haver espaço para todos e a liberdade religiosa não pode significar a liberdade de impor seus valores, sua visão”.

Como está sendo esse diálogo no Concílio Ecumênico?

“O feedback até agora é incrivelmente positivo. Em Busan houve uma manifestação contra nós, enquanto aqui o clima é claramente diferente. Os participantes da Assembleia estão muito atentos, demonstraram muito interesse pelas nossas disputas e pelas nossas histórias pessoais. Eles parecem muito felizes em nos receber aqui.”

O que você espera das igrejas?

“O que buscamos hoje e amanhã é um sinal da vontade de continuar o confronto. Continuam os encontros e as conversas ecumênicas (na cúpula de Karlsruhe há um grupo ad hoc, Conversa Ecumênica n.11*) e o trabalho conjunto, a discussão cada vez mais aprofundada sobre a sexualidade e pode haver uma nova recomendação nos textos finais. Estou otimista com o futuro: o caminho é o do diálogo”.


*As Conversas Ecumênicas são elaboradas para serem aprofundadas e vinculadas ao trabalho potencial das comissões do CMI e outros programas. Eles são extraídos de insights de redes do CMI, igrejas membros e parceiros e/ou relacionados a preocupações ecumênicas emergentes. Os resultados das Conversas serão compartilhados com os comitês da assembléia e relatórios detalhados serão compartilhados com os futuros órgãos governamentais. Cada Conversa Ecumênica acontece no mesmo grupo durante 4 dias e é aberta aos participantes da assembléia com direito a palavra. Os participantes nas conversas ecumênicas são todos os participantes oficiais da assembléia mais alunos e professores (delegados, delegados representantes, delegados observadores, conselheiros da assembléia, conselheiros da delegação, observadores, convidados, alunos e professores).

Segue abaixo a apresentação da Conversa Ecumênica n.11, “Conversas de Caminho: um convite a caminhar juntos sobre os temas da sexualidade humana”

Durante a Assembleia anterior do Conselho Mundial de Igrejas, dia 10, em Busan, em resposta às questões levantadas durante as conversas ecumênicas, sessões de trabalho e outras apresentações sobre os desafios que as questões da sexualidade humana têm colocado para as igrejas membros do CMI e seus constituintes, a assembleia através do Comitê de Diretrizes do Programa fez a seguinte recomendação: ‘Ao estar ciente das questões que dividem as igrejas, o CMI pode servir como um espaço seguro para entrar em diálogo e discernimento moral sobre questões que as igrejas consideram desafiadoras. Exemplos que foram ouvidos com força nesta assembléia incluem questões de gênero e sexualidade humana. Questões controversas têm seu lugar dentro desse espaço seguro na agenda comum, lembrando que a tolerância não é suficiente, mas o resultado final é o amor e o respeito mútuo.’ Em resposta à recomendação acima, o Secretário-Geral do WCC formou um grupo de funcionários e um Grupo de Referência em Sexualidade Humana para trabalhar em um documento que foi apresentado ao Conselho Executivo do WCC em novembro de 2019. O Conselho Executivo recebeu o documento e recomendou “ encaminhando o relatório ao comitê central para informação com a sugestão de que a 11ª Assembléia do CMI poderia ter uma conversa ecumênica sobre este assunto’. O objetivo desta conversa ecumênica é criar um espaço de diálogo e discussão sobre a sexualidade humana como ela é realizada em diferentes contextos da irmandade do CMI e como a conversa pode ser realizada no futuro, enfatizando o amor e a reconciliação”.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille Waldensian, a campanha de comunicação de 2 de maio

Otto per mille Waldensian, a campanha de comunicação de 2 de maio

Roma (NEV), 22 de abril de 2022 – Pessoas, as "pessoas comuns", no centro da campanha de comunicação de 2022 do Otto per mille Waldensian, que começará na segunda-feira, 2 de maio, na TV, no rádio, nos cartazes de muitas cidades italianas e na web. “No último ano – declara Manuela Vinay, chefe do escritório Otto per mille - prestamos mais atenção aos comentários recebidos 22nas mídias sociais e percebemos que as pessoas, os contribuintes italianos, tinham muito a dizer sobre nós. Então resolvemos dar a palavra a eles e foi lindo principalmente porque são pessoas comuns, não atores. Nunca deixa de me surpreender que as pessoas pensem tanto de nós. É lindo também porque somos todos iguais mas diferentes e diferentes e é no campo dos direitos, da inclusão, da defesa dos mais fracos, na luta contra a discriminação, nos valores universais que nos encontramos lado a lado”. Aqui estão algumas fotos dos bastidores durante as filmagens: ...

Ler artigo
Igrejas europeias: “testemunhando uma esperança radical”

Igrejas europeias: “testemunhando uma esperança radical”

Entre suas preocupações está a redução do espaço para a religião no discurso público, uma preocupação que torna a posição do CEC ainda mais valiosa. Os participantes reconheceram que é preferível construí-la em conjunto para fortalecer a voz cristã nas sociedades europeias contemporâneas. A promoção dos direitos humanos e da liberdade religiosa, bem como o fim do sofrimento humano causado pelo conflito na Ucrânia, estiveram entre as principais preocupações apontadas pelas igrejas membros da CEC. "A teologia e a igreja não podem deixar de ser públicas", disse o pastor Serge Fornerod, diretor de relações ecumênicas da Igreja Protestante na Suíça, falando sobre o papel da igreja na teologia pública. Ele enfatizou os aspectos de treinamento, mediação e participação desse papel no discurso público. Doutor Vincent Depaigne, coordenadora da Comissão Europeia para o diálogo instituído pelo artigo 17.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE, discorreu sobre a história, o enquadramento e os desafios contemporâneos do Tratado, que introduziu a obrigação legal de a UE conduzir um diálogo aberto, transparente e regular com igrejas, associações religiosas e organizações filosóficas e não confessionais. Depaigne enfatizou a necessidade cada vez mais urgente de abordar a guerra na Ucrânia. Planos para a iniciativa Kek também foram discutidos Caminhos para a Paz. “Como Igrejas, testemunhamos uma esperança radical que transcende os limites do aqui e agora”, refletiu o Dr. Christine Schliesser, diretor de estudos do Centro Ecumênico de Fé e Sociedade da Universidade de Friburgo. “Reconhecemos a gravidade da guerra e da morte, mas nos recusamos a permitir que a morte tenha o veredicto final sobre nós. Mesmo em meio à guerra, testemunhamos a vitória da ressurreição sobre a morte”. Schliesser refletiu sobre por que as igrejas cristãs deveriam se envolver em assuntos públicos. “Precisamos de uma base teológica sólida para entender que nosso engajamento na esfera pública, na política, na economia e na sociedade civil – incluindo as questões de guerra e paz – não é algo externo ou mesmo alheio à fé cristã, mas algo fundamentado nas preocupações fundamentais de nossa fé”, disse ele. O secretário-geral do CEC, Jørgen Skov Sørensendisse ter ficado animado com o grande número de participantes e o intenso compartilhamento de ideias ocorrido durante o encontro. “Os participantes afirmaram o apoio contínuo de nossas igrejas-membro. Um forte compromisso com as iniciativas estratégicas definidas pelo Conselho de Governadores e uma apreciação de como as novas orientações políticas da CEC se refletem no planejamento da Assembléia de Tallinn”. “Sob a Bênção de Deus - Moldando o Futuro (“Sob a bênção de Deus – moldando o futuro”) é um tema que ressoa nas igrejas. Somos abençoados como comunidade e com um forte desejo de compartilhar essa bênção com outras pessoas em nossas sociedades europeias, moldando nosso futuro comum”, acrescentou Sørensen. Em seus diálogos, os líderes ecumênicos exploraram respostas para perguntas em aberto: “Como a visão radical do reino de Deus pode inspirar a teologia pública? Como a teologia ecumênica pode desempenhar um papel em trazer mudanças positivas?”. A maioria das respostas foi baseada em um ecumenismo receptivo, ou seja, lidar com as diferenças em vez de superar as divisões. Os participantes também se envolveram com sugestões e mensagens dirigidas à Assembleia da CEC a realizar de 14 a 20 de junho em Tallinn, na Estônia, explorando justamente o tema “Sob a bênção de Deus – moldando o futuro”. Leia sobre a reforma ...

Ler artigo
Lyndon Buckingham é o novo General do Exército de Salvação

Lyndon Buckingham é o novo General do Exército de Salvação

Lyndon Buckingham Roma (NEV/EdS), 29 de maio de 2023 – O Comissário Lyndon Buckingham foi eleito 22º General do Exército Internacional de Salvação. O comissário Bronwyn Buckingham em vez disso, ela assume o cargo de Presidente Mundial dos Ministérios da Mulher. O anúncio surge após um longo processo iniciado no início deste mês com a convocação do Conselho Superior que tem por missão eleger o novo General do Exército de Salvação. Reproduzimos o comunicado de imprensa completo abaixo. Dos 16.000 oficiais ativos do Exército em todo o mundo, os 112 convocados para o Conselho Superior são Comissários ativos que são Comandantes Territoriais ou que ocupam cargo de comando internacional ou nacional ou liderança territorial e Chefes Territoriais com patente de coronel. A chegada dos membros ocorreu na quinta-feira, 18 de maio, mas o evento começou no sábado, 20, com uma reunião de boas-vindas aberta aos entusiastas da saúde e amigos, na qual o ministério dos atuais líderes internacionais, General Brian Peddle e o comissário Rosalie Peddle (Cadeira Mundial do Ministério da Mulher), que estão se preparando para se aposentar em agosto. Cada general pode servir por até cinco anos, a menos que atinja a idade de aposentadoria obrigatória de 68 anos antes do final de seu mandato.O evento, realizado no Central Hall em Westminster, foi transmitido ao vivo online, com contribuições de muitos músicos do Exército de Salvação de todo o mundo. Um encontro de adoração e oração a portas fechadas aconteceu no domingo, 21, e os vários procedimentos começaram na segunda-feira. Primeiramente, foram eleitos um Presidente, um Vice-Presidente e um Capelão, após o que os presentes aprovaram o Regimento. Depois, um Comitê Seleto discutiu quaisquer questões relevantes para a eleição, e os membros do Conselho apresentaram indicações. Obviamente, os candidatos podem aceitar ou recusar a candidatura. Aqueles que aceitaram responderam a um questionário de 15 perguntas e seu parceiro respondeu a 5 perguntas. Normalmente, as perguntas são sobre a visão do candidato do Exército de Salvação, sua abordagem à liderança e seus pensamentos sobre fé e prática. Os candidatos também preparam um discurso. A votação então prosseguiu. Para ser eleito, o candidato precisa de mais de dois terços dos votos dos membros em uma das três primeiras votações e mais de 50% dos votos a partir da quarta votação. O Salão do Conselho Superior foi um local sagrado de oração na manhã de sábado, 27 de maio, quando os membros se reuniram para eleger o 22º General do Exército de Salvação. Durante esta semana, a oração foi a base de tudo o que aconteceu. As orações do Exército Mundial e dos membros do Alto Conselho de 2023 se uniram e a presença de Deus foi sentida. O processo eleitoral, realizado silenciosamente como um dever solene e sagrado, resultou na eleição do Comissário Lyndon Buckingham como o 22º General do Exército de Salvação. Belos momentos de oração foram compartilhados com o General eleito e o Comissário Bronwyn Buckingham (que assumirá o cargo de Presidente Mundial dos Ministérios da Mulher). De particular importância foi a primeira bênção e oração em língua Māori compartilhada pelos neozelandeses no salão para homenagear o povo de sua terra natal. Que Deus abençoe os Eleitos Gerais! Que Deus abençoe o Exército da Salvação! A entrevista com o recém-eleito General do Exército de Salvação, Lyndon Buckingham O Exército de Salvação Internacional – Uma entrevista com o general eleito, comissário Lyndon Buckingham ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.