16 dias para superar a violência, 8º dia.  Entre desejos e desilusões

16 dias para superar a violência, 8º dia. Entre desejos e desilusões

Foto Sammie Vasquez – Unsplash

Roma (NEV), 2 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho “16 dias contra a violência” editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da a Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui.


DIA 8: 2 DE DEZEMBRO

Jovens mulheres entre desejos e desilusões


SOLICITAR
discutir

como defender
igual dignidade
trabalhando entre
mulheres jovens e
homens?

Em 2022 na Itália o problema não está só
ser mulher é ser mulher
jovem. Felizmente, certamente estamos
numa situação de privilégio dado que
estamos localizados no Norte do Mundo e na Europa
pa e ser mulher branca e capaz é um
benefício adicional.
Mas ser uma mulher jovem significa que
além das dificuldades dadas pelo nosso gênero
os dados pessoais são somados, portanto i
as entrevistas de emprego que apoiamos são para empregos precários e mal pagos e, além disso, nos perguntam se queremos ser mães ou se já somos. Esta situação não é surpreendente dado que o salário mínimo em Itália é uma utopia e a licença de paternidade é de apenas dez dias, é lei desde 2012 e deixou de ser “experimental” apenas desde o ano passado.

Neste momento o problema não é simplesmente a disparidade salarial entre homens e mulheres – lembremo-nos, ela existe!-, mas conseguir um contrato que preveja um salário correspondente à carga horária, que inclui doença e férias. Também porque sem tudo isso como você pode ir morar sozinho e se sustentar? Todas as jovens que conheço para sobreviver costumam juntar dois ou mais empregos e também
os poucos que conseguiram o tão almejado contrato permanente ainda não ganham o suficiente para poder viver por conta própria. Dada a sociedade capitalista em que vivemos, a liberdade da mulher passa pela independência econômica, e lutar por um mercado de trabalho justo e equitativo também ajudaria os jovens, o que não faz mal.


VERSÍCULO BÍBLICO

“Ai daquele que edifica a sua casa sem justiça e os seus aposentos sem equidade; que faz o seu próximo trabalhar de graça, não lhe paga o salário” (Jeremias 22:13).

COMENTE

O profeta Jeremias anuncia que quem conhece a Deus conhece a justiça e vive colocando-a em prática. Assim, ele acusa veementemente aqueles que não respeitam o trabalho do próximo, aqueles que não trabalham de acordo com a justiça. Diante da situação em que muitas vezes as mulheres são obrigadas a fazer múltiplos trabalhos para sobreviver, sem contratos que protejam a licença-maternidade e doença, denunciar injustiças e invocar a justiça de Deus pode parecer pusilânime, uma forma de lamentar-se descontente. No entanto, sem sentir pena de nós mesmos, podemos ter a certeza de que Deus está do lado de quem se comporta de acordo com a justiça, de quem reivindica a sua dignidade.


ORAÇÃO

Nosso Deus, nos dê a chance
para viver segundo a tua justiça,
deixemo-nos inspirar por ele
resistir e lutar diante de
cada abuso, cada cancelamento
de direitos que protegem o trabalho
de tudo. Você nos deu em Jesus
Cristo a derrubada de todos
ordem constituída, você nos colocou como
testemunhas da tua ressurreição
filho mesmo antes de seus discípulos-
lá, ainda nos dê sabedoria e tenacidade
enfrentar cada injustiça, cada
humilhação e qualquer desvalorização
do seu trabalho. deixe o preço
do trabalho de tantas mulheres não é
frustração, ressentimento, fadiga e
aflição; mas pode ser motivo
de orgulho, alegria e satisfação
pessoal.

Amém.


A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol).

Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade.

A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma.


“16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

Roma (NEV), 18 de fevereiro de 2020 - Toshiki Toma, 62, é um migrante que ajuda migrantes. Pastor luterano de origem japonesa, tornou-se “famoso” na Islândia, onde é passado por pessoas que, ao longo dos anos, escolheram a pequena ilha perto do Ártico como destino. Eu meu mim meu O site da Federação Luterana Mundial (FLM) conta essa história singular em uma entrevista com o pastor, que reproduzimos abaixo, traduzida. Toshiki Toma na Islândia "A Islândia aprecia as pessoas", diz Toshiki Toma, sacerdote de serviço especial para a comunidade imigrante na Islândia. Veja nosso vídeo principal sobre o Dia da Soberania da Islândia aqui: Íslands Publicado por RÚV English na segunda-feira, 10 de dezembro de 2018 “Primeiro, conte-nos sobre suas origens no Japão e por que você queria se tornar um pastor. Eu sou o único cristão na minha família, pois a maioria dos meus parentes são budistas ou xintoístas. Fui pela primeira vez a uma pequena igreja luterana no meu bairro de Tóquio quando tinha 18 ou 19 anos e estava procurando um propósito para minha vida. Na universidade, formei-me em ciências políticas e atuei no partido social-democrata e na minha igreja local. Depois de formado, trabalhei na secretaria de educação de um sindicato, onde pude constatar como as pessoas sempre se preocupavam com o futuro, com a velhice ou com os problemas familiares. Percebi que os direitos humanos e o trabalho político podem criar um terreno fértil para o bem-estar das pessoas, mas na verdade não podem criar felicidade, então decidi que queria trabalhar na igreja para ajudar as pessoas a encontrar a verdadeira felicidade. Como sua família reagiu à sua decisão de ser ordenado? Meu pai foi muito aberto sobre essa ideia. Quando lhe disse que queria largar meu emprego e ir para o seminário, ele respondeu: "É melhor trabalhar para Deus do que por dinheiro." Minha mãe não foi tão positiva no início, mas não se opôs à minha decisão e assim fui consagrada há 30 anos, em março de 1990, na Igreja Evangélica Luterana do Japão (JELC). Por que você se mudou para a Islândia? Durante meu último ano de seminário em 1989, fiz um curso de dois meses em Jerusalém, ministrado pela Igreja da Suécia. Lá conheci e me apaixonei por uma pastora islandesa e nos casamos após a minha consagração. Ela veio morar no Japão por dois anos, mas nossa igreja é muito pequena, então não havia possibilidade dela trabalhar como pastora e decidimos nos mudar para a Islândia em 1992. Nos divorciamos em 1999. Eu queria servir como pastor na igreja islandesa, mas não sabia falar o idioma, não conhecia ninguém, exceto a família de minha esposa, e tive que fazer alguns cursos na escola de teologia para me tornar pastor da Igreja Evangélica Luterana. da Islândia. Demorou cinco anos, então trabalhei meio período e aprendi o idioma enquanto procurava outras oportunidades. Agora você trabalha como pastor para imigrantes: que apoio você oferece? Não havia ninguém fazendo esse trabalho antes de mim, mas logo depois que cheguei, em meados dos anos 1990, a imigração começou a crescer, incluindo mulheres da Ásia – Filipinas, Tailândia, Vietnã – que se casaram com homens islandeses. Como mulheres asiáticas, muitas vezes eram tímidas demais para falar sobre seus problemas, mas achavam mais fácil falar comigo, vendo-me como alguém que entendia sua cultura. Muitos não eram cristãos, então, em vez de trabalhar como pastor, comecei como conselheiro para eles, pois não havia outro serviço de apoio em nível estadual ou municipal. Ajudei-os a encontrar trabalho e moradia e tentei ajudá-los a lidar com a discriminação que sofriam com pessoas que não estavam acostumadas a ter contato com estrangeiros. Se alguém não falasse seu idioma, geralmente para os islandeses isso era um sinal de grosseria ou desrespeito para com eles, então um limite nas habilidades linguísticas poderia torná-lo um cidadão de segunda categoria. A Islândia é um país tão pequeno e seu povo tem um forte apego ao idioma. É visto como um símbolo de unidade nacional e eles temem que, se perderem sua língua, perderão sua identidade. Quem são as pessoas que vêm até você para pedir ajuda e isso mudou ao longo dos anos? As coisas mudaram por volta de 2004, quando a Polônia e outros países do Leste Europeu aderiram à UE. A Islândia faz parte do Espaço Econômico Europeu e do Acordo de Schengen e tem feito um grande esforço para oferecer um melhor acolhimento aos imigrantes, por isso, ao longo dos anos, tive a oportunidade de retornar ao meu trabalho normal como pastor, como havia planejado inicialmente . Em 2008 tivemos a grande crise econômica, mas aos poucos as coisas voltaram ao normal por volta de 2012. Alguns anos depois, houve um novo fluxo de requerentes de asilo, vindos da África, América do Sul, Leste Europeu e Oriente Médio. Há entre 800 e 1.000 inscrições por ano e agora trabalho principalmente com elas. Na minha igreja (Breidholts Church International Congregation), 70 por cento das pessoas são do Irã, Iraque e Afeganistão, então eles seriam de origem muçulmana, mas ainda querem assistir aos nossos cultos de domingo e nós os batizamos, se assim o desejarem. Mesmo que não peçam asilo ou que seus pedidos sejam rejeitados, tentamos apoiá-los o máximo possível. Quão receptivos são os islandeses hoje, com os "novos" migrantes? Os islandeses querem ajudar, especialmente famílias com crianças, mas muitas vezes são menos empáticos com os rapazes, então eu os acolho especialmente. Sendo um país tão pequeno, os islandeses também valorizam as pessoas como indivíduos, de uma forma muito diferente do meu Japão, por isso espero que continuem a abraçar o valor único de cada indivíduo. Quando comecei este trabalho, a igreja não entendia totalmente meu ministério e me perguntavam: "Por que devemos ajudar os budistas ou outros?" Agora o bispo da Islândia me apóia muito e até diz que a igreja poderia fazer muito mais. Depois que uma de nossas delegações esteve em Genebra em setembro passado, também estabelecemos um grupo de trabalho para propor mais apoio aos requerentes de asilo no próximo sínodo da igreja. É uma grande mudança em relação a 10 anos atrás e estou muito feliz com isso." ...

Ler artigo
Contra os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo

Contra os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo

A partir da esquerda, Daniele Garrone, Noemi Di Segni, Paolo Ricca, Luca Maria Negro Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2020 - Em 17 de fevereiro de 1898, por ocasião do quinquagésimo aniversário da patente da Carta com a qual Carlo Alberto concedeu direitos civis aos seus súditos valdenses - e um mês depois também aos judeus -, o pároco Ernesto Giampiccolilembrou os "corações generosos" daqueles que apoiaram os valdenses em sua batalha pela liberdade: Massimo e Roberto D'Azeglio assim como muitos bispos e padres católicos liberais do Piemonte. Uma solidariedade que levou o pároco a dizer: “Estejamos também nós prontos para apoiar aqueles que são injustamente oprimidos e vilipendiados”. Com estas últimas palavras, o pensamento de Giampiccoli dirigiu-se às comunidades judaicas. Um mês antes, em 13 de janeiro de 1898, o julgamento havia reaberto na França Dreyfus graças ao famoso “J'accuse" De Émile Zola. Se os "gritos loucos e selvagens" do anti-semitismo também tivessem surgido na Itália, os valdenses teriam ficado ao lado dos judeus. Este episódio foi contado pelo Prof. Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia, entre os palestrantes e organizadores de "Contra o anti-semitismo e a deriva do ódio". O encontro, promovido no âmbito da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), foi realizado no domingo, 23 de fevereiro, em Roma, no grande salão da faculdade valdense lotado com cerca de 150 pessoas. “Evangélicos não têm santos. No entanto, em algumas aldeias e cidades nos vales valdenses do Piemonte, o festival de 17 de fevereiro é equiparado ao patronal. Portanto, se os protestantes italianos têm padroeira, esta é a Santa Liberdade”, começou o pároco Luca Maria Negropresidente da FCEI. Negro quis sublinhar uma coincidência de datas. Em 1848, os judeus receberam direitos civis em 29 de março. Alguns séculos antes, em 1558, mas sempre em 29 de março, o pastor valdense foi queimado na Piazza Castello em Turim Godfrey Varaglia. Hoje Varaglia é lembrado por uma placa de latão, colocada no lugar de seu martírio. À sua maneira, é como uma das pedras de tropeço que nas ruas de numerosas cidades italianas recordam os nomes e as histórias de muitos judeus deportados para campos de concentração. O teólogo valdense Paulo rico em vez disso, ele definiu o anti-semitismo como "uma doença endêmica, típica e crônica do cristianismo". Se é verdade que o anti-semitismo foi teorizado por Wilhelm Marr somente em 1879, porém estes encontraram no bimilênio o terreno para crescer e as categorias com as quais se expressar. “Para se recuperar desta doença, é necessário um remédio radical: a conversão. Não a conversão dos judeus, mas a conversão dos cristãos”. Ricca também acrescentou que a rejeição dos judeus é também a rejeição do Deus de Israel, "o Deus de Abraão, Isaac e Jacob, aquele Deus que te conhece tão bem que te chama pelo nome", um Deus que ama e pede para amar, mas só encontra a indisponibilidade de quem quer ser amado sem amar em troca. No centro, Noemi di Segni Ele respondeu aos três expoentes evangélicos Noemi Di Segni, presidente da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI). “O anti-semitismo – disse Di Segni – é uma espinha dorsal ao longo da qual se estratificaram séculos e séculos de história”. A tarefa de hoje é entender por que "depois do fim da Segunda Guerra Mundial, depois de Auschwitz, ela ressurge de forma tão virulenta".Di Segni indicou três linhas de ação que poderiam ser seguidas. A primeira é a da aliança das experiências de valor das religiões, da valorização e partilha do diálogo e do sentido de comunidade. A segunda é a linha de coerência que exige, por exemplo, desafiar o negacionismo em todas as suas formas, denunciar palavras de ódio não como exercício de liberdade de expressão, mas como agressão e escárnio: "São palavras que geram esquecimento". Da mesma forma, acrescentou Di Segni, a linha de coerência impõe não aceitar a ideia de que os próprios judeus são a causa de seu próprio mal, nem permitir que a linguagem de shoah é usado contra os judeus e contra o Estado de Israel, definindo-o como nazista. A terceira linha é a ação. Também amplamente identificado pelos outros falantes, o cultural e educacional. No âmbito cristão, isso pode significar que as numerosas declarações contra o anti-semitismo assinadas por representantes de igrejas e instituições religiosas se tornem patrimônio comum de simples crentes. ...

Ler artigo
Começa a campanha de oito por mil da igreja valdense

Começa a campanha de oito por mil da igreja valdense

Roma (NEV), 2 de maio de 2022 – Um professor, dois arqueiros paraolímpicos, um agricultor, um cavaleiro, um cozinheiro, uma enfermeira, um logístico, um músico, um disc jockey: estes são os testemunhos da campanha para o 8 por mil para as Igrejas Valdense e Metodista programadas para começar em 8 de maio. O site chiesavaldese.org dá a notícia. A campanha, idealizada pelos criativos da Web&Com, é composta por comerciais de televisão e rádio, intervenções em redes sociais, outdoors e anúncios na imprensa. "Muitos se inscrevem na Igreja Valdense e você também encontrará um motivo para isso", diz a afirmação, seguida das declarações de quem explica sua escolha: "Quero ser coerente com minhas escolhas", "Não são preconceituoso", "Porque eu fido" são alguns dos motivos. “Porque é uma Igreja sem preconceitos e a serviço dos outros”, conclui o radialista e performer Diego Passoni. Junto com a atriz Lella Costa, Diego Passoni ele também é o protagonista de um dos comerciais de rádio em favor de Otto per Mille por uma igreja que apóia quem está comprometido com os outros, sem perguntar onde nasceu, se acredita ou quem ama. É "L'altro 8 per mille", destinado exclusivamente a intervenções humanitárias, educacionais, culturais e de ajuda ao desenvolvimento, na Itália e no exterior. “A campanha – explica Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese – confirma a nossa escolha de gerir os fundos 8 por mil com a máxima transparência, financiando mais de mil projetos avaliados com critérios de sustentabilidade, eficácia e profundidade ética. Há anos que reunimos a assinatura e a confiança de muitos contribuintes que reconhecem a qualidade das nossas intervenções e valorizam o nosso compromisso para com os direitos de todos os homens e mulheres, contra a discriminação e exclusão social. É graças a estas assinaturas, prossegue, que conseguimos lançar inúmeras ações de apoio aos idosos e deficientes, às mulheres vítimas de violência e à redenção daquelas que a sociedade considera perdidas; projetos-piloto como corredores humanitários para refugiados em condições vulneráveis ​​e atividades culturais e educacionais, muitas vezes em áreas de risco de marginalização social ou conflito armado". "Para a nossa Igreja - conclui o moderador da Mesa Valdense - é uma das formas de afirmar e praticar o compromisso de contribuir para a paz, a justiça e a proteção da Criação, com a força da esperança contra a esperança que está enraizada na nossa fé e ao lado de muitos companheiros de viagem de uma humanidade bela, aberta e solidária: uma humanidade que muitas vezes não faz barulho, de que as notícias não falam, mas que existe e resiste”. As quantias totais recebidas em 2021 graças a 8 por mil foram de 42,6 milhões de euros, determinadas por 538.146 assinaturas a favor das Igrejas valdenses e metodistas. Com esses recursos, as Igrejas valdenses e metodistas financiaram projetos na Itália destinados a: melhorar as condições de vida de pessoas com deficiência física e mental (19,1% do total), promover o bem-estar e o crescimento de menores (18,7%); atividades culturais (14,5%), acolhimento e inclusão de refugiados e migrantes (9,3%); intervenções de saúde e protecção da saúde (8,7%). No exterior, a maioria dos projetos apoiados concentra-se em África, Médio Oriente e América Latina, num total superior a 12,5 milhões de euros. Dados e detalhes sobre as atividades financiadas estão disponíveis no site www.ottopermillevaldese.org. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.