Continuar Uma torre de livros

Continuar Uma torre de livros

DCIM101MEDIADJI_0121.JPG

Roma (NEV), 10 de julho de 2023 – O festival literário “Uma torre de livros” continua, agora em sua décima sexta edição. Após a abertura da resenha, no último fim de semana, continua hoje, a partir das 18h, com Brunetto Salvarani para falar sobre seu “Sem homens e sem Deus” (Editori Laterza) e, às 21h, com Alessandro Rocca Photographer & Filmmaker e Luciano Scalettari, que contará a história da ResQ – Pessoas salvando pessoas.

Amanhã, às 18h00, o foco será a situação turca juntamente com Murat Cinar, enquanto às 21h00 haverá o concerto “Une bombe atomique appelée Boris. O mundo de Boris Vian”. organizado pela Associação Musicainsieme.

O festival acontece na Torre Pellice (To), jardim do Liceo Valdese, via Beckwith 1

O evento é idealizado e organizado pela Biblioteca Claudiana de Torre Pellice e pela Associação Diversi Sguardi e realizado em conjunto com Riforma – L’Eco delle Valli Valdesi.

Todos os encontros são gratuitos e serão realizados mesmo em caso de chuva.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sínodo Valdense, “somos pequenos, mas destemidos”

Sínodo Valdense, “somos pequenos, mas destemidos”

Torre Pellice, 25 de agosto de 2023 – O Sínodo Valdense encerrou hoje, sexta-feira, 25 de agosto. Desde domingo, 20 de agosto, cerca de 180 deputados de toda a Itália discutem a vida das igrejas, a organização, os temas e os pedidos mais significativos para os protestantes. Os cargos dos órgãos executivos da igreja valdense foram eleitos. Na mesa valdense, o corpo diretivo, além do moderador Alessandra Trottaforam eleitos Erika Tomassone (vice-moderador), Inácio de Lecce, William Jourdan, Ulf Hermann Koller, Dorothea Müller, Andrea Sbaffi. Presidente da Associação das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): pastor reconfirmado Lucas Anciãos. No conselho da Faculdade Valdense de Teologia eles foram reconfirmados Lothar Vogel (reitor) ed Eric Noffke (vice-reitor). O pastor batista Francisca Nuzzolese ela foi eleita para a cátedra de teologia prática, a primeira mulher nesta função. O pastor Francisco Sciotto foi reconfirmado como presidente da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD/Diaconia Valdense). No final do Sínodo, realizou-se a habitual conferência de imprensa de encerramento. “O adjetivo “pequeno” ressoou várias vezes nestes dias de Sínodo, com um espírito diferente, às vezes em oposição. Sabemos que o elemento de crescimento numérico não é necessariamente uma medida de qualidade evangélica, que a adesão em massa não dá necessariamente origem a comunidades saudáveis ​​– declarou a diácona Alessandra Trotta, moderadora da Mesa Valdense, em seu discurso final -. Mas devemos ser capazes de dizer honestamente a nós mesmos, olhando também para a realidade das nossas comunidades, que nem mesmo qualquer pequena coisa é sinal de coerência e qualidade evangélica. Uma comunidade que sabe exprimir plena e autenticamente o sentido de viver em Jesus Cristo, que sabe exprimir uma fé que, mesmo em potes de barro, na fragilidade e na imperfeição de tudo o que é humano, mantém a alegre consciência do poder do Palavra, sabe tornar o frescor que toca a vida real das pessoas, atingindo-as de forma significativa e relevante nas necessidades mais íntimas e concretas, uma comunidade que sabe se oferecer como lugar de acolhimento, de cura, de relações renovadas , de emancipação, de solidariedade, de amor, de esperança, cresce”. Entre os temas discutidos, o acolhimento dos migrantes, com a aposta nos corredores humanitários e outras experiências de solidariedade em todo o território, a paz, os direitos das pessoas, a saúde pública, o não à criminalização da gestação para outros e a protecção de meninos e meninas, bem como todos os tipos de famílias. A noite pública do Sínodo, que decorreu na noite de segunda-feira, teve as questões de género no centro do debate, com uma discussão sobre “Mulheres no espaço público”. O Sínodo acolheu também diversas presenças de representantes de Igrejas de outros países, de toda a Europa e não só, bem como de personalidades do mundo ecuménico que trouxeram as suas saudações à assembleia. Também novidade este ano é a primeira edição do “Sínodo para as crianças”, que contou com a participação de 16 meninos e meninas, filhas e filhos dos delegados e dos párocos presentes em Torre Pellice. Todos os materiais, cobertura ao vivo das obras e coletivas de imprensa sobre: www.rbe.it; www.chiesavaldese.org; www.riforma.it; www.nev.it. - ...

Ler artigo
OPM valdense, hotelaria, cultura e saúde no topo da lista de projetos

OPM valdense, hotelaria, cultura e saúde no topo da lista de projetos

foto de Alexei Scutari, unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 – Inclusão e acolhimento de migrantes, cultura e proteção da saúde são as três vertentes mais populares nos projetos financiados pelo Otto per mill Valdensian and Methodist (OPM). A cifra surge da leitura dos números relativos ao ano passado. De fato, o Tavola Valdese publicou ontem o relatório sobre os usos de 2019 do 8×1000 valdenses e metodistas. Um total de 27.524.948 euros foram alocados na Itália – 62% do valor total -, 14.463.063 no exterior. Os custos de gestão, comunicação e pessoal são reduzidos: pouco mais de 5%, 2.249.618 euros. Tudo isso - vale lembrar - em total transparência. Até o último euro que os valdenses decidem dar é um fato público, em suma. “O número de projetos financiados – declara Manuela Vinay, responsável pelo OPM – reflete o número de solicitações recebidas. Em média, apenas 1 em cada 4 solicitações é aceita e se torna um projeto 8xmille. A comissão geralmente recompensa os projetos mais convincentes. Em 2019, o maior número de fundos destinou-se ao acolhimento e inclusão de migrantes (mais de 18%), sobretudo a projetos de inclusão”. Um tema, o dos migrantes, que a olho nu terá um peso específico menor no próximo ano, quando os pedidos sofrerão forçosamente o impacto da pandemia. “Em 2020 – acrescenta Vinay a este respeito – recebemos uma queda significativa nos pedidos de financiamento nesta matéria e de facto o número de projetos financiados diminuiu na mesma proporção”. Mas a OPM valdense e metodista tem um critério que vai além dos pedidos, pode-se dizer mais meritocrático. “Recompensamos os projetos mais convincentes sem perseguir nenhum tema específico”, esclarece o gerente. Após a inclusão e aceitação, “entre as categorias predominantes em termos de recursos alocados está a deficiência física e mental. Nesta questão específica existem muitas realidades que funcionam muito bem e refletem uma necessidade real muito forte. Neste contexto, o tema “depois de nós” é o mais sentido.Outra categoria financiada com quase 16% é a cultura. Alimentar a mente significa oferecer ferramentas e estímulos para pessoas melhores que possam contribuir com a sociedade.Na frente externa, em 2019 alocamos menos recursos do que havíamos suposto inicialmente porque não recebemos pedidos suficientes que atendessem aos requisitos da comissão responsável”. A próxima chamada: todos os prazos Entretanto, deu-se início ao processo do concurso de 2021, ou seja, das contribuições que serão feitas em 2021. Na próxima quinta-feira, dia 10 de dezembro, serão publicadas as FAQs no site do OPM, perguntas frequentesou seja, as perguntas mais recorrentes, para associações, organizações, ONGs. “Espero um aumento no número de solicitações – conclui Vinay – porque o terceiro setor dá principalmente respostas concretas sobre o território. E a pandemia aumentou muito as demandas e necessidades das pessoas, principalmente das mais vulneráveis. Por isso, ainda mais, sentimos a responsabilidade de ser um ponto de referência para as organizações sem fins lucrativos e, através destas realidades, para os grupos mais fracos”. Última informação importante para as realidades que desejam participar e, portanto, solicitar a ajuda dos fundos valdenses Otto per mille: a chamada de 2021 estará aberta de 4 a 25 de janeiro de 2021. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
“Decálogo Social” de Peter Ciaccio, para uma netiqueta pastoral

“Decálogo Social” de Peter Ciaccio, para uma netiqueta pastoral

Roma (NEV), 11 de dezembro de 2019 Sempre lute contra o mal com o bem e nunca saia do campo de batalha. Verifique se o que você compartilha é verdadeiro. Sempre. Postar imagens violentas não necessariamente gera indignação, mas está se acostumando cada vez mais com a violência. Preste especial atenção ao que diz respeito aos menores. Lembre-se do dia de descanso. Não exploda as pessoas. Não alimente o troll. Qualquer coisa que você disser pode e será usada contra você. Releia antes de postar. Reflita sobre o que você faz. Você não poderá provar que é diferente de como as postagens que você mesmo compartilhou o descrevem. Lembre-se que a Web não esquece. Esses são os "dez mandamentos" para o uso correto das redes sociais propostos pelo pastor Pedro Ciaccio. Uma espécie de netiqueta pastoral, que nos lembra de usar o bom senso, mas também de adotar estratégias prospectivas e responsáveis ​​em uma época em que o discurso de ódio e o uso indevido de palavras correm o risco de causar danos reais. Não é de forma alguma uma dimensão "virtual", segundo Ciaccio, aquela que nos faz passar horas e horas do nosso tempo online, talvez conversando ou comentando, colocando em jogo nossas identidades, nossas emoções e nossos relacionamentos. Em vez disso, é uma dimensão real, que transformou a conversa de bar em um "agorà" onde todos têm o direito de falar, sempre. Ainda bem que o direito à palavra é uma conquista, mas enquanto na dimensão do bar um discurso de ódio pode ficar limitado a algumas vozes e a alguns ouvidos, acabando por vezes no ridículo ou escaramuça, amplificando o seu impacto nos riscos das plataformas web envenenar o diálogo civil e transformar opiniões. A censura, argumenta Ciaccio, é outra coisa, e tem a ver com as ações repressivas de uma autoridade ou de um Estado. Não deve ser confundido com a decisão de moderar e administrar os exércitos descontrolados de trolls que frequentemente invadem sites e nossas páginas pessoais na rede. Os trolls, que roubaram o nome daquelas fofas criaturas dos bosques da mitologia escandinava, têm como único objetivo alimentar um discurso violento, um conflito por si só. Pode ser bom silenciá-los. Concluindo, com citações cinematográficas e digressões entre a antiguidade e a modernidade, Ciaccio sublinhou que "as palavras são importantes". O “novo decálogo” faz parte de uma apresentação compartilhada durante o encontro sobre a comunicação social e seus aspectos éticos intitulado “Social, como muda o sistema de informação” realizado na quinta-feira passada em Roma e promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). A reunião, coordenada pelo secretário do serviço de comunicação da FCEI Gianfranco Carpente e o Secretário Executivo, Pr. Luca Barattotambém contou com a participação do jornalista da Ansa Vancini vitoriano. Entre os presentes e convidados estavam representantes da Mesa Valdense e da Obra pelas Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), que acolheram a iniciativa, do Exército da Salvação (EdS), da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), da da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) e dos escritórios metodistas e valdenses Otto per mille, além de colegas da comunicação protestante, da agência NEV e da revista Confronti; em conexão skype, as redações de Turim e Nápoles da Riforma e da Rádio Beckwith da Torre Pellice. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.