Informação, caminho para a paz entre os povos.  Escrevendo a história com o coração

Informação, caminho para a paz entre os povos. Escrevendo a história com o coração

Roma (NEV), 30 de junho de 2023 – O seminário gratuito promovido pela Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI) e pela Ordem dos Jornalistas do Lácio intitulado “Informação, um caminho para a paz entre os povos. Escrever a história com o coração”.

O curso “analisará a contribuição fundamental que as confissões religiosas podem dar às relações humanas significativas e à linguagem da paz que não é a linguagem da guerra”, escrevem os organizadores. Aberto a todos os interessados, o seminário também concederá três créditos para jornalistas. Entre os palestrantes, também o jornalista Elena Ribeteditor da agência de notícias NEV.

Atendimento das 10 às 13 na sala Walter Tobagi da FNSI, no Corso Vittorio Emanuele II 349.

“Até a informação é uma forma de contribuir para a construção da paz e da harmonia entre os povos. Quem trabalha com informação e comunicação profissional, de fato, tem a responsabilidade de usar a palavra depois de tê-la pensado, ponderado e escolhido. Ele é o responsável pelos efeitos de cada palavra que sai da caneta, do rádio, da TV, dos jornais online e até do uso privado das redes sociais. A fala pode se tornar a arma mais perigosa se for distorcida, hostil e fonte de instigação à violência.
O objetivo do curso é ajudar as pessoas a saberem ler e reler nosso tempo ‘juntos’, vivenciar mudanças ‘juntos’ com sabedoria e apoiar o uso responsável das palavras” continua no site da FNSI.

Plano

Apresentação e saudações

Alexandra Constant (secretário-geral da FNSI), Guido D’Ubaldo (Presidente Odg Lazio) e Vicente Varagonapresidente da União da Imprensa Católica Italiana (UCSI).

Os palestrantes, moderados por Maurizio Di Schino (membro do conselho da Fnsi), são: França Eckert Coen (vice-presidente de “Religiões pela paz Itália”); Asmae Dachan (jornalista, fotógrafo e escritor ítalo-sírio, professor contratado na Universidade de Macerata de Árabe Multimídia e Árabe para Cooperação Internacional); Michael Lipori (jornalista, editor-chefe Confronti); Elena Ribet (jornalista, agência de notícias Nev-Evangelical News/Federação de Igrejas Evangélicas na Itália); David Meghnagi (Professor de Psicologia Clínica e Dinâmica na Universidade Roma Tre); Paulo Ruffini (jornalista, prefeito do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé), Ivano Maiorella (membro do Conselho de Disciplina da Ordem dos Jornalistas do Lácio).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

valenzi.  A necessidade de uma lei-quadro sobre a liberdade religiosa

valenzi. A necessidade de uma lei-quadro sobre a liberdade religiosa

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2023 – Segundo “episódio” do especial da Agência para retomar os temas da conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”, realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Após a primeira entrevista com Paulo Nasohoje é a vez de Ilaria Valenzi. A grande participação na conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias" realizada recentemente em Roma e que contou com a participação de representantes de diversas religiões, especialistas, juízes, juristas, jovens universitários, "confirma o crescente interesse pela liberdade religiosa e pelos direitos fundamentais na esfera intercultural – aponta Ilaria Valenzi, assessor jurídico da FCEI –. A reunião - recorda - nasceu por iniciativa da Fundação Basso e de algumas vozes do Poder Judiciário, algumas vindas do Supremo Tribunal de Cassação. As sessões de trabalho dedicadas ao tema “direito e religiões” abordaram um tema essencial de forma interdisciplinar: interagir com o mosaico cultural e de fé presente no nosso país. As orientações religiosas entram diariamente nas sentenças do Tribunal de Cassação. Os juízes têm de lidar com situações inusitadas, como a poligamia ou o repúdio conjugal, distantes do nosso ordenamento jurídico e da nossa sensibilidade jurídica e cultural. A Fundação Basso e a revista Comparar eles vêm promovendo programas de estudo sobre o pluralismo religioso há algum tempo. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália foi o interlocutor natural para a experiência adquirida no campo da liberdade religiosa. As comemorações da Semana da Liberdade e do 17 de fevereiro, mais uma ocasião para enriquecer o debate geral”. A liberdade religiosa (e a vontade de chegar a uma lei-quadro) sempre foi uma questão decisiva para a FCEI, porquê? Porque está presente na ideia fundadora da Federação. Há muito que a FCEI reclama a superação da obsoleta lei dos "cultos admitidos" de 1929 e promove iniciativas a favor de uma lei geral da liberdade religiosa, precisamente para adequar o quadro constitucional vigente em matéria de protecção dos direitos e liberdade religiosa para as comunidades de fé e alargada às associações e aos seus membros individuais. De facto, existe uma Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS) constituída para o efeito e que reúne também as Igrejas Evangélicas não federadas em torno do tema da liberdade religiosa. Por estatuto, é presidido pelo presidente da FCEI. A situação legislativa em matéria de liberdade religiosa na Itália é "piramidal", diferentes níveis dão acesso a diferentes direitos. Nossa Constituição, apesar da garantia abrangente, não consegue desvendar as pequenas disparidades ainda presentes. Existem, de fato, níveis hierárquicos de tratamento em relação às diversas confissões religiosas. Começa da Concordata com a Igreja Católica aos Acordos com 13 confissões religiosas, à lei de 1929 dos "cultos permitidos" que acomoda todas as outras religiões, mas no nível mais baixo. Os "admitidos", por exemplo, podem nomear seus ministros ou construir locais de culto, mas a aprovação do governo costuma ser muito complexa. Disparidades que aumentaram após a promulgação de algumas leis regionais, também erroneamente definidas como "leis anti-mesquitas", porque afetam indistintamente todas as denominações religiosas minoritárias. Falou-se do princípio da laicidade do Estado? Foi o pano de fundo de nossas discussões. O espaço dos direitos deve ser inserido em uma moldura e essa moldura é o princípio supremo da laicidade; o lugar onde todos somos chamados a nos mover com respeito. O pluralismo religioso é garantido pela neutralidade não confessional do Estado. Entre os modelos de secularismo, além do italiano, foram citados o francês e o britânico. O modelo italiano, já foi dito, está em contínua evolução, devido à natureza da concordata. Você mencionou o degrau mais baixo da pirâmide em termos de liberdade religiosa, de quem estamos falando e de quais números? Quem se encontrar sob a proteção da legislação de 1929, antes de poder recorrer a uma Entente, deve obter o reconhecimento legal. Este é um primeiro passo, mas também um primeiro obstáculo. Portanto, as confissões religiosas que estão na base da pirâmide muitas vezes são obrigadas a empreender uma longa jornada para obter o reconhecimento institucional. Estamos falando de milhões de pessoas, por exemplo, as duas confissões de origem imigrante que são parte integrante e viva de nosso tecido social: o Islã e a comunidade ortodoxa romena. O último tem cerca de 1.700.000 membros, o primeiro cerca de 1.400.000. Durante a pandemia, por exemplo, surgiu a necessidade de se chegar a uma lei-quadro o quanto antes. Entre as dificuldades que surgiram estava a de conseguir encontrar lugares para sepulturas rituais para acolher os corpos dos crentes muçulmanos; e, novamente, para garantir assistência espiritual em prisões e hospitais. Algumas leis regionais no passado intervieram para resolver disputas, mas às vezes de forma arbitrária. Uma lei-quadro nacional certamente poderia enquadrar e fixar princípios fundamentais no campo da liberdade religiosa, eliminando pela raiz as atuais anomalias. ...

Ler artigo
Cristãos Contra a Tortura (ACAT): “Silenciem as armas”

Cristãos Contra a Tortura (ACAT): “Silenciem as armas”

Roma (NEV), 18 de março de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT Itália) também se une ao grande coro de orações pela paz. E pede "que as armas sejam silenciadas, que a diplomacia faça o seu caminho, que o direito internacional seja respeitado e os civis sejam salvaguardados, que se façam esforços para acolher os refugiados, sem qualquer distinção, e que os manifestantes detidos sejam libertados na Rússia, culpados de terem protestado contra a guerra”. A associação fala da guerra como um crime absoluto contra a humanidade e da negação total dos direitos humanos universalmente reconhecidos. “Nunca a guerra esteve tão perto do velho continente e nunca como agora corre o risco de degenerar num conflito muito maior com consequências catastróficas – lê-se no site da ACAT -. E talvez seja por isso que o vemos. Olhamos para o rosto dela como se fosse a primeira vez. Vemos as cidades destruídas, os prédios fumegantes, o medo nos olhos das crianças, os gritos de dor, a agonia dos que perderam tudo, os refugiados em fuga. Nós vemos o horror." E, no entanto, continua o texto, “já vimos este horror muitas vezes, mesmo em tempos recentes, sem nunca realmente querer olhar para ele. Vimos isso no Afeganistão, no Iraque, na Síria, na Líbia, em várias partes da África, no Iêmen (onde se arrasta uma guerra sangrenta e uma das mais graves crises humanitárias do mundo há 7 anos). Nós o vimos e o vemos pintado nos rostos e corpos exaustos de milhares de refugiados que continuam pressionando, ainda hoje, nos portões da Europa para serem rechaçados novamente. E vemos isso, agora, nos olhos e rostos dos refugiados ucranianos”. UM GATO A ACAT é uma associação cristã ecumênica que atua contra a tortura e a pena de morte, trabalhando ao lado de todos aqueles que têm os mesmos objetivos e promovem os direitos humanos. Formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Rinascita Cristiana", a filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura deve-se à inspiração do pastor valdense Túlio Vinay, entre os primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Entre as últimas batalhas da história da agremiação, destaca-se a contra a pena de morte. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio, entre outras coisas, de 8×1000 das igrejas metodista e valdense. ...

Ler artigo
a violência é patriarcal e estrutural

a violência é patriarcal e estrutural

Roma (NEV), 9 de junho de 2023 – A Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) emite um comunicado assinado por seu presidente, pároco Mirella Manocchio. Publicamos na íntegra. A apresentação de projeto de lei pelo governo Meloni visando fortalecer os dispositivos já existentes ocorre nos últimos dias”de combate à violência contra a mulher e contra a violência doméstica”. O comunicado do governo afirma que a intenção é "agilizar as avaliações preventivas sobre os riscos de potenciais vítimas de feminicídio ou crimes de violência contra a mulher ou no âmbito doméstico; tornar mais efetivas as ações preventivas de proteção; fortalecer as medidas contra a reincidência de crimes contra a mulher e a reincidência; melhorar a proteção geral das vítimas de violência.” Só posso estar contente com esta disposição, mas se tenho de dizer que também estou satisfeito então já é outro assunto... De facto, ainda não está claro onde se obterá o financiamento para sustentar o que consta do projeto de lei, como e quando serão formados os magistrados especializados na matéria, mas sobretudo parece-me que não há nada quanto à questão cultural nas quais se baseiam firmemente e nas quais vivem atitudes prejudiciais e nocivas, a discriminação, a violência contra a mulher. Mais uma vez em nosso país agimos na onda da emoção de notícias terríveis, como as de Júlia Tramontano E Pierpaola Romano; ainda continuamos a falar de uma emergência, enquanto a questão deve ser abordada como um fenômeno estrutural de nossa sociedade, como expressão feroz de uma cultura patriarcal que se apodera firmemente das consciências e das instituições. Nós mulheres evangélicas que nos reconhecemos na FDEI temos nos questionado muito nessa frente e continuamos a fazê-lo. Durante o nosso XIII Congresso aprovamos duas moções distintas, mas intimamente ligadas entre si a meu ver, que olham para o fenômeno com a ideia de enfrentá-lo em suas complexas ramificações porque não podemos nos contentar em destacar a cultura patriarcal e machista matriz subjacente a tal violência. Uma moção de trabalho em que, através da organização de uma conferência nacional, do lançamento de uma cartografia das associações e organismos de apoio à mulher no sector económico-laboral e de um projecto de formação de mulheres e homens, pretende-se ajudar a revelar L' "trama perversa em que se combinam dependência econômica, desigualdade salarial, chantagem sexual e negação da maternidade”; outra visa apoiar e criar nas nossas igrejas, em colaboração com quem já trabalha nesta área, cursos de formação dirigidos a raparigas e rapazes, mulheres e homens, que dão "atenção à justiça de gênero e respeito às mulheres e a cada pessoa em sua singularidade”. Devemos agir e contribuir concretamente para desfazer abordagens culturais, sociais, teológicas preconceituosas e ultrapassadas, sublinhando, e parece sempre necessário, cuja riqueza as mulheres são portadoras nos vários âmbitos, como faremos no próximo Pré- sínodo das mulheres em agosto, na Torre Pellice. Não queremos e não podemos baixar a guarda sobre esta questão que atinge todas as áreas e épocas da existência, todas as classes sociais, todas as instituições e organizações; e queremos fazê-lo a partir de nossas igrejas evangélicas que foram as primeiras a sentir a urgência de uma reflexão sobre as questões de gênero e seu entrelaçamento com a justiça social solicitada por teólogas e mulheres comprometidas com a paz e a justiça. Teólogos e mulheres como Dorothee Solle – cujos vinte anos se passaram desde sua morte – que, no livro 'Trabalhar e amar', encerra suas reflexões afirmando que nosso velho ser"não é apenas ser egocêntrico; é também o ser humano desamparado, que se sente incapaz de mudar qualquer coisa em seu próprio mundo. Como Paulo diz, ele é 'o escravo do pecado'. E ele também é um escravo dos poderes que organizam o holocausto nuclear, um escravo da injustiça e da destruição da terra. O egoísmo e o desamparo são as principais características do 'velho ser'. A nova criatura humana nasce da ressurreição de Cristo. Ela (homem ou mulher) tem poderes para combater a morte e aqueles que nos mantêm sob o domínio da morte. O novo ser humano em Cristo é um contraditório, um resistente, um revolucionário.” E queremos fazer nosso o seu apelo final do livro para assumirmos um dos antigos nomes de Deus "Tu que amas a vida" (Sabedoria de Salomão 11:26). passado. Mirella Manocchio presidente da FDEI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.