Os Corredores Humanitários do Papa Francisco

Os Corredores Humanitários do Papa Francisco

Roma (NEV), 18 de março de 2023 – O naufrágio de Cutro “não deveria ter acontecido e todo o possível deve ser feito para evitar que isso aconteça novamente. Os corredores humanitários constroem pontes que muitas crianças, mulheres, homens, idosos, vindos de situações muito precárias e de graves perigos, têm percorrido em segurança, legalidade e dignidade até aos países de acolhimento. Atravessam fronteiras e, mais ainda, os muros da indiferença sobre os quais muitas vezes se estilhaça a esperança de muitas pessoas, que esperam anos em situações dolorosas e insustentáveis”. Ele disse isso algumas horas atrás Papa Francisco, durante a audiência desta manhã em que conheceu os refugiados que chegaram à Itália e à Europa graças aos corredores humanitários, criados desde 2016 pela FCEI, Tavola Valdese, com a contribuição do Otto per mille Valdese e da Valdensian Diaconia que cuida de de acolhimento nos vários territórios, Sant’Egidio, com outras realidades da sociedade civil como a Caritas e a Arci. Aula Nervi no Vaticano lotada com vários milhares de pessoas, cerca de 7.000, a partir das 11 de hoje, sábado 18 de março, para a audiência do pontífice.

O pastor valdense Daniele Garrone, presidente da FCEI, sublinhou, a propósito do sistema de corredores humanitários: “Não se trata do ingênuo impulso caritativo de almas piedosas ou virtuosas, movidas por um sentimentalismo irrealista. Achamos que é uma das respostas razoáveis, que também os Estados devem adotar, a um problema que também põe em causa a qualidade dessas democracias constitucionais baseadas na proteção dos direitos humanos a que o nosso continente aterrissou tendo atrás de si tragédias bastante semelhantes às que hoje forçam homens e mulheres a fugir, que partem porque não têm outra perspectiva senão sucumbir”. “Mesmo a Europa tem sido ensanguentada por guerras”, recordou o presidente da FCEI, “incluindo guerras de religião, intolerância e ditaduras, também a Europa teve milhões e milhões de migrantes em busca de um futuro melhor. Se olhássemos para o nosso passado, mesmo o recente, talvez nos parecesse clara outra palavra da Bíblia: ‘tu conheces a alma do imigrante’”. Hoje, concluiu, “regozijamo-nos convosco; de resto, continuemos a fazer a nossa parte por aqueles que ainda choram”.

Ela também compareceu à nomeação no Vaticano Daniela Pompeia, responsável da Comunidade de Sant’Egidio para serviços aos imigrantes, que promoveu a iniciativa de hoje, recordando como os corredores humanitários “nasceram da dolorosa memória das mortes no mar, nasceram do choro e da oração. A oração e a dor nos ajudaram a não desistir, a refletir, a lutar para construir uma rota alternativa para os barcos. A oração e a dor nos empurraram, quase nos forçaram, àquela criatividade no amor de que tantas vezes o senhor, o Santo Padre, falou. De 2016 até hoje, 6.080 vidas humanas foram salvas, chegando legalmente à Europa, chegando principalmente à Itália, mas depois à França, Bélgica e um número limitado no principado de Andorra e San Marino. Uma pequena luz diante do muro da impossibilidade e da ideia de que nada pode ser feito”.


Aqui está o discurso completo do presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Daniele Garrone:

“Santidade, querido irmão em Cristo, queridos amigos,

nossa Escritura diz: “Alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram” (Romanos 12,15 CEI 2008).

Hoje a nota dominante, ao ver tantos de vocês aqui, é a alegria e a gratidão. Sabemos o que você passou e o que teve que deixar para chegar até aqui e esperamos e desejamos que aqui você encontre uma vida protegida, aliás abençoada.

Há outro motivo de alegria e gratidão: se fizemos alguma coisa para trazê-los até aqui, o fizemos como cristãos de diferentes confissões. É a dimensão ecumênica dos corredores humanitários que sempre redescobrimos: todos somos alcançados pela mesma Palavra de Deus, que nos dá esperança e nos chama a servir o próximo. Uma esperança comum, uma vocação comum, que hoje gostaria de exprimir nas palavras do profeta Miquéias: “Homem, você foi ensinado o que é bom e o que o Senhor exige de você: praticar a justiça, amar o bem, andar humildemente com o seu Deus. “ (Miquéias 6.8 CEI 2008)

Foto Sant’Egidio

A alegria e a gratidão de hoje não são ofuscadas pela segunda parte do convite: “chorar com os que choram”, mas também ela ressoa. Todos nós temos no coração o último trágico naufrágio daqueles que não têm outro recurso senão uma travessia arriscada, de certo modo louca. Aqueles de nós que estão em Lampedusa, no nosso observatório sobre as migrações, para acolher quem as fez, testemunhamos as histórias dramáticas que cada um carrega dentro de si e muitas vezes no corpo. A participação no choro deve mover “praticar a justiça”; este é o chamado que ouvimos dirigido a nós. Os corredores humanitários são uma forma de tentar responder a este chamado.

Pensamos que é uma das respostas razoáveis ​​para um problema que envolve também a qualidade dessas democracias constitucionais baseadas na proteção dos direitos humanos que nosso continente chegou a ter atrás de si tragédias bastante semelhantes às que hoje obrigam homens e mulheres fugir, que partem porque não têm outra perspectiva senão sucumbir: também a Europa foi ensanguentada por guerras, mesmo “de religião”, por intolerância e ditaduras, também a Europa teve milhões e milhões de migrantes em busca de um futuro melhor. Se olhássemos para o nosso passado, mesmo o recente, talvez nos parecesse clara outra palavra da Bíblia: “tu conheces a alma do imigrante” (Êxodo 23,9).

Hoje nos regozijamos com você; de resto, continuemos a fazer a nossa parte por aqueles que ainda choram”.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Carsten Gerdes.  Fé e esperança para o futuro da Igreja Luterana

Carsten Gerdes. Fé e esperança para o futuro da Igreja Luterana

O Reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), pastor Carsten Gerdes Catânia (NEV/CEL), 2 de maio de 2023 – No encerramento do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), fizemos algumas perguntas ao Reitor, Pr. Carsten Gerdes. Qual é o seu balanço deste Sínodo? O balanço que posso tirar do Sínodo que acaba de terminar é, por um lado, simples de resumir: os trabalhos terminaram uma hora antes do previsto. Portanto, podemos dizer que não tivemos nenhuma questão crítica específica na discussão. Por outro lado, devo admitir que em pelo menos algumas questões poderíamos ter, e talvez devêssemos ter decidido com mais clareza. Afinal, porém, a discussão geral não nos guiou nessa direção. Em seu relatório introdutório, mas também em sua entrevista pré-sinodal ao semanário Riforma, há uma profunda mensagem pastoral. Afirmaste, por exemplo, que "muitas vezes se pede aos crentes que prestem contas da sua fé e, com igual frequência, aqueles que o fazem não conseguem ver que também a vida daqueles que consideram a fé incompreensível, ou mesmo inútil, é construída sobre fundamentos que ainda não demonstraram sua sustentabilidade. Na sua opinião, o que é a "sustentabilidade da fé"? Claro, a resposta a esta pergunta pode variar de pessoa para pessoa. Por qual é a perspectiva da minha vida, percebo que é bom que nem tudo dependa de mim, das minhas possibilidades: mentais, de pensamento, condições de saúde.Quero dizer que a base que sei que tenho vai além de mim: desde a manhã, pela leitura de um versículo da Bíblia e pela comparação que consigo fazer com esse texto. Mesmo quando faço uma oração, mesmo sabendo que naquele momento não vai acontecer o que eu quero, sei que posso confiar em alguém que não seja eu para me ouvir e não ter que responder como eu quero. Fé sustentável é confiar e confiar em Deus. Muitas vezes nos sentimos frustrados por estarmos sozinhos na diáspora: na realidade, muitos convidados vieram para o Sínodo de muitas partes da Europa e de toda a Itália. Uma demonstração de que não estamos sozinhos. Então, como é esse sentimento como uma minoria? Eu venho do norte da Alemanha. Nessas partes, novamente, a maioria dos cristãos são evangélicos, são protestantes. Então a experiência do CELI, de uma igreja na diáspora, é uma experiência nova para mim. Novo e intenso. No entanto, percebo, em minhas reuniões com outras igrejas minoritárias, que nós, os "pequeninos", podemos aprender uns com os outros. Encorajando uns aos outros. Dando-nos uma mão. Somos muitos pequenos grãos que juntos finalmente formam uma obra. Esta é a minha visão e esperança. Uma visão que me eleva quando me sinto pequena e sozinha. Afinal, “nós somos sal”…? É verdade. Muitos pequenos grãos de sal que juntos formam uma pilha de sal. Mas atenção: nem sempre precisamos de um monte. Às vezes, pequenos grãos dispersos são suficientes: eles já são eficazes em sua força de ser grãos. Entrevista por Gianluca Fiusco e Elena Ribet. Obrigado Geórgia E. betz pela tradução do alemão. Para saber mais: Homepage – Inglês – Igreja Luterana Especial NEV Sínodo Luterano 2023 ...

Ler artigo
#Kairos vence o prémio Tertio Millennio 2018

#Kairos vence o prémio Tertio Millennio 2018

Roma (NEV), 17 de dezembro de 2018 – “Kairós”, De Paulo Barakat, é o vencedor da XXII edição do Tertio Millennio Film Fest, um festival de diálogo inter-religioso que este ano teve como tema “Os dias da revolta. Guerra, revolução e redenção". Para o documentário "Fortaleza Mãe”De Maria Luísa ForenzaMenção especial. A cerimônia de premiação foi realizada no sábado, 15 de dezembro, em Roma, no cinema Trevi. Os prêmios foram atribuídos pelo júri inter-religioso presidido por Claudia DiGiovanni. “O filme é sobre Danny, um menino com síndrome de Down, ex-campeão de ginástica artística, que limpa uma academia de boxe, mas sonha em entrar no ringue – diz Elena Ribet, no júri da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” -. Um segredo mudará seu destino. Filme xamânico, inovador, desafiador, onde o protagonista é interpretado por Chris Buntonator que sofre de trissomia 21, e onde a dimensão do tempo é suspensa em kairosna fronteira entre o momento supremo e o infinito, onde há amor e vida”. O XXII Tertio Millennio Film Fest, organizado pela Fondazione Ente dello Spettacolo (FEdS), representa uma oportunidade de diálogo inter-religioso e intercultural entre as comunidades católica, protestante, ortodoxa, judaica e islâmica. “Foram 9 filmes em competição, vindos de lugares muito distantes. Abordaram temas candentes sobre os quais muitas vezes estamos divididos: guerra, fundamentalismo religioso, família, hospitalidade, diálogo. São temas sobre os quais o festival quis antes promover um diálogo para passar uma mensagem importante: o cinema aproxima-nos”, lê-se no comunicado final da iniciativa. Leis aqui todas as tramas dos 9 filmes em competição. Estas são as razões do júri: Kairóspor Paulo Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87' Kairós destrói o estereótipo da síndrome de Down como uma limitação física, mental, psicológica, relacional e social. Mas Kairos também nos mostra os diferentes níveis de amor e amizade, com todas as distorções que a fraqueza humana traz consigo. Por fim, ele nos revela como só se pode amar o próximo amando a si mesmo primeiro: a verdadeira força existencial está na coragem de ser fiel aos próprios valores e visões, em aceitar as derrotas e aprender com elas, no amor próprio que leva a evoluir, a se redimir, a se aprimorar e a ser um bom exemplo de vida para os outros. Mãe Fortaleza, por Maria Luísa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78' Neste documentário, emerge a habilidade do diretor em criar passagens de luz no drama da guerra na Síria. Apesar do tempo das bombas, da violência, da agonia dos sobreviventes diante dos mortos e da morte, apesar de tudo, os reflexos do espírito estão vivos, do desespero que se torna esperança, do horror que se torna perdão, da resignação inerte que se torna obstinação por um projeto maior de partilha, redenção de amor, paz, fraternidade e irmandade. Parabéns a Paul Barakat por seu prêmio de Melhor Filme na exibição de estreia mundial de 'Kairos' no Tertio Millenio Film Festival em Roma. @Lisa_Wilkinson @MRowlandMP #australianfilm #inclusividade pic.twitter.com/tXt1AgyTfl — Stephen Hope (@shoppe52) 16 de dezembro de 2018 ...

Ler artigo
Sarah Everard, a voz das igrejas pela segurança das mulheres

Sarah Everard, a voz das igrejas pela segurança das mulheres

Big Ben, Londres (foto de Kate Krivanec, unsplash) Roma (NEV), 15 de março de 2021 - Uma menina morta, um agente da Scotland Yard preso pelo assassinato, uma vigília de protesto - não autorizada devido às restrições contra a covid - violentamente reprimida pela polícia: a história de Sarah Everard abala o Reino Unido. Boris Johnson ele disse que estava "profundamente perturbado" com as imagens das tensões de sábado em Londres, conforme relatado pela BBC. O Primeiro-Ministro e o Ministro do Interior, Priti Patelporém, não pretendiam tirar a confiança do comandante da Scotland Yard, Cressida Dick. Patel, conforme noticiado pela agência de notícias Agi, pediu à Polícia Metropolitana de Londres um "relatório completo" sobre o ocorrido na noite de sábado no quiosque Clapham Common, nos arredores de Londres - último local em que a vítima esteve vista viva -, onde os policiais prenderam e arrastaram quatro mulheres entre os manifestantes que exigiam justiça para a vítima. Até as igrejas fizeram ouvir suas vozes. Bekah Leggadministrador da Restaurada, instituição de caridade cristã cele apóia sobreviventes de violência contra as mulheres e promove um papel ativo da Igreja nessa questão, escreveu um editorial sobre cristão hojeintitulado "Após o trágico assassinato de Sarah Everard, a Igreja deve falar e agir". “Temos que conversar e fazer alguma coisa – escreveu Legg -, o povo de Deus está empenhado em tornar o mundo um lugar mais seguro para as mulheres. […] Lentamente, aqueles de nós que nunca conheceram Sarah vão esquecer e voltar a viver como a conhecíamos, mas acredito que Deus está nos chamando para algo mais. Gostaríamos de ver a Igreja assumir o seu lugar na luta contra a violência contra as mulheres. […] Devemos desafiar as crenças subjacentes a esses comportamentos, as crenças de que a vida das mulheres tem menos valor. Precisamos ensinar nossos filhos a apreciar, respeitar e honrar as mulheres, e precisamos que os homens comecem a fazer isso e a dar o exemplo. Para acabar com a violência contra as mulheres, precisamos que os homens ajudem a desafiar as atitudes e os comportamentos que a perpetuam, neles mesmos e nos outros homens. Precisamos de mais homens para se levantar e fazer a diferença onde quer que estejam." O Bispo de Gloucester, uma cidade no Sudoeste da Inglaterra, e Bispo da Igreja da Inglaterra para as Prisões, Rachel Treweekexpressou suas condolências e condolências com a campanha de segurança das mulheres. “Esta noite para #SarahEverard e sua família e amigos. Todas as noites para #AllWomenGirls caminharem com segurança. Ansiando que venha o reino de Deus “assim na terra como no céu”…”, lê-se no tweet do pastor. esta noite para #SarahEverard , sua família e amigos. todas as noites para #AllWomenGirls para andar com segurança. Desejando que o reino de Deus venha 'assim na terra como no céu'... pic.twitter.com/zVAVIibmF8 — Rachel Treweek (@BishGloucester) 13 de março de 2021 Uma reunião ad hoc sobre o caso Everard da força-tarefa técnico-governamental sobre crime e justiça, presidida pelo primeiro-ministro, será realizada hoje na capital britânica. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.