Amsterdã.  Conferência sobre religião, cinema e… Multiverso

Amsterdã. Conferência sobre religião, cinema e… Multiverso

Um detalhe da capa do programa da Conferência sobre Cinema e Religião, Amsterdam 2022

Roma (NEV), 10 de junho de 2022 – A Conferência sobre religião e cinema intitulada “Visões para um mundo melhor: cinema e política da religião vivida” termina hoje em Amsterdã. Também entre os palestrantes Pedro Ciaccio, pastor metodista, teólogo “pop”, escritor e presidente da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi”. Este último, juntamente com INTERFILM (organização que reúne delegados de associações protestantes e ecumênicas de cinema na Europa), apoia sua participação. Peter Ciaccio traz uma contribuição sobre a espiritualidade corporificada de Liliana Cavanidiretor e roteirista italiano.

A conferência, organizada pela Faculdade de Religião e Teologia da Vrije Universiteit de Amsterdã, abriu com a prolusão de John Lyden em “Vida no Multiverso: Trazendo o Caos Fora de Ordem? (“Vida no Multiverso: Trazendo o Caos Fora de Ordem?”).

“Trata-se de uma conferência académica que normalmente se realiza do outro lado do oceano – afirma Peter Ciaccio -. Este ano, porém, acontece aqui na Europa. São cerca de 70 participantes de todo o mundo”.

Cinemas, multiversos, portais…

Sobre o discurso de abertura de John Lyden, professor da Universidade de Nebraska Omaha e diretor de uma revista sobre cinema e religião, Ciaccio diz: “Lyden propôs uma reflexão sobre o conceito de multiverso. Não é simplesmente uma questão cinematográfica. O cinema reflete uma tendência contrária à dimensão ‘universal’. E vemos isso nas radicalizações que existem em mundos paralelos e na própria realidade. Lyden deu o exemplo da tentativa de golpe de 6 de janeiro de 2021 nos Estados Unidos. Nesse contexto, havia pessoas que realmente acreditavam que as eleições eram fraudadas. E convencido de que seu comportamento estava correto. Havia, de fato, essa coexistência que então na realidade se transformou em um choque de multiversos. No cinema, muitas vezes pensa-se que a única forma de salvaguardar a diversidade é garantir que o portal entre os multiversos permaneça fechado. O mais interessante desta introdução diz respeito ao fato de que, apesar da ilusão de isolamento e solidão (como se estivéssemos sozinhos na frente do computador, como se vivêssemos sempre isolados uns dos outros), o verdadeiro desafio é levar a consciência do fato de que todos nós moramos juntos. O cinema lida com essa questão, muitas vezes ignorada tanto pela política quanto pelos formadores de opinião”.

A contribuição de Peter Ciaccio é extraída de seu ensaio publicado no ano passado no livro “Liliana Cavani. Cinema e filmes”, editado por Pedro Armocida E Christian Paternò para Marsílio.

Liliana Cavani

“Uma das primeiras realizadoras a chamar a atenção no cinema europeu foi Liliana Cavani (nascida em 1933) – lê-se no resumo da reportagem de Ciaccio -. Cavani vem de uma área rural do norte da Itália e começou sua carreira na RAI”. Cavani dirigiu produções televisivas inovadoras, incluindo History of the Third Reich, The Stalin Years, Women of the Resistance e Philippe Pétain. É conhecido seu Francesco d’Assisi (1966), que conta com nada menos que dois remakes, um em 1989 e outro em 2014, seu último filme.

“A espiritualidade nos filmes de Cavani está ligada a uma dimensão terrena – escreve Ciaccio -: O céu mora na terra, o divino mora no humano. É um elo oculto, como na teologia de São Paulo, de Santo Agostinho e de Martinho Lutero. […] O olhar de Cavani busca um sentido espiritual que só pode ser alcançado caindo no chão, ou mesmo no subsolo. Como Jesus, Francisco, Galileu, Antígona e outros, em suas obras ele escolhe o ponto de vista da margem impotente”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Sínodo não está lá, mas

O Sínodo não está lá, mas

Casa Valdense, sede do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense Roma (NEVCS/23), 7 de agosto de 2020 – “Gerações e regenerações. Cuidar de pessoas, memórias e territórios”. Esta é a iniciativa que acontecerá em Torre Pellice (TO) de 24 a 30 de agosto, nos dias que costumam ser dedicados ao Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas que este ano não será realizado devido aos conhecidos eventos relacionados com a emergência Covid -19. “Não há Sínodo, mas as igrejas valdenses e metodistas estão lá com sua história e seu variado compromisso de Norte a Sul” sublinha o moderador Alessandra Trotta No vídeo que convida a acompanhar (presencialmente ou online) os eventos organizados nos lugares do Sínodo, nas datas do Sínodo, mas sem o Sínodo. Encontros, exposições, shows, filmes e até histórias em quadrinhos vão animar a semana de 24 a 30 de agosto na Torre Pellice, coração do Valli Valdesi. Um rico programa de eventos que será precedido, de 21 a 23 de agosto, por uma edição especial da Torre di Libri. Destacamos a noite de segunda-feira, 24 de agosto, com um debate na Casa Valdese intitulado “Para que ele trabalhasse e o guardasse. Justiça social e ambiental para a construção do pós Covid" com videointervenções de David Sassoli, presidente do Parlamento Europeu e da Elly Schlein, vice-presidente da Emilia Romagna, Vittorio Cogliati Dezza (Legambiente) e Valdo Spini (Círculo Rosselli). Tudo moderado por Cláudio Paravati E Ilaria Valenzi (Comparações), enquanto as conclusões são confiadas ao moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta. O encontro “Invisível, mas necessário. Imigrantes e trabalho agrícola. As iniciativas das igrejas evangélicas”, organizado pelo Mediterranean Hope, um programa de refugiados emigrantes da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI), com a colaboração da Diaconia Valdense. Eles comparecerão ao encontro Maurizio Ambrosinisociólogo, Sara Maniserajornalista, Jaqueta Celestialsindicalista em Piana di Gioia Tauro, Nicolau Salussodiaconia valdense, Alberto RevelSecretário da Câmara do Trabalho, CGIL Turim, Ibrahim Diabatemediadora cultural, Rosarno, Francesco Piobbichiassistente social, MS e ativista social e sindical Aboubakar Soumahoro; coordenadas Paulo NasoFCEI. Na quarta-feira, 26 de agosto, o "Dia Teológico de Miegge" refletirá sobre os temas "Pregação e vida". No mesmo dia, pelas 17h00, a banda desenhada também aterra na Torre Pellice com a apresentação do livro de Peter Madsen sobre “Jesus de Nazaré”, publicado por Claudiana. Sexta-feira haverá vários encontros dedicados às crianças e sobre as crianças, antes de abordar o tema "Informação em tempos de emergência" organizado pelo semanário Riforma e pelo Valdensian Cultural Center à noite, às 21h00. A série de eventos terminará no fim de semana com um encontro no Museu Valdense e a exibição do filme “Valdesi. Uma história de fé e liberdade”. No domingo, 30, à tarde, serão apresentados os projetos Otto per mille para a emergência do Covid-19, seguidos de saudações da moderadora Alessandra Trotta. Aqui está o programa completo e atualizado dos Encontros da Semana Sinodal Para informações: www.chiesavaldese.org ...

Ler artigo
sob a bandeira da paz e dos direitos

sob a bandeira da paz e dos direitos

Roma (NEV), 2 de novembro de 2022 – Encerrou ontem em Sassone (Roma) o II Julgamento da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Intitulado “Sentinela, onde está a noite…?” (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz”, o Assise reuniu mais de 100 delegados do protestantismo na Itália. O encontro trienal representa uma novidade na trajetória da FCEI. Instituído na Assembleia de 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo, com o objetivo de promover o encontro e o debate, de forma a sugerir orientações e recomendações à Assembleia e ao Conselho da FCEI. Este último terá então o mandato operacional para realizar os objetivos e projetos democraticamente delineados. O II Assizes aprovou por unanimidade uma mensagem final que traça as linhas programáticas e espirituais para o trabalho dos próximos anos. O documento, que abre indicando as várias razões pelas quais “Caminhamos na noite”, uma noite pelos direitos, pela confiança, pelos princípios democráticos e humanos, declara então a urgência de olhar para frente. Apontando o caminho no “sentido profundo da fé em Cristo que proclamamos: quando a escuridão é mais escura, imagina a luz; onde reina o desânimo, testemunhai a esperança; quando o fechamento e o egoísmo vencerem, afirme o acolhimento e a comunhão; em tempos de opressão e guerra, construa a justiça e a paz. 'A noite está avançada, o dia está próximo; despojemo-nos, pois, das obras das trevas e vistamo-nos da armadura da luz' (Romanos 13:12)”. Leia a mensagem completa: Mensagem final da Assembleia FCEI 2022. Foram também aprovadas várias moções, entre as quais uma de adesão à manifestação nacional pela paz de 5 de novembro. Adesão que vem acompanhada de uma especificidade da Assizes, que tem declarado não querer se posicionar de forma polarizada a respeito da delicada e complexa questão das guerras em curso. Aprovaram também: moção sobre integração e migração; uma moção sobre trabalhadores e trabalhadoras, que convida, entre outras coisas, a continuar a reflexão teológica sobre o tema; uma moção sobre treinamento e educação; a moção denunciando a perseguição de igrejas e comunidades de fé; uma moção que apela a encher de conteúdo o diálogo cristão-islâmico, através de iniciativas de aprofundamento em consonância com o espírito que levou à inauguração do Dia do Diálogo Cristão-Islâmico há 21 anos; uma moção sobre comunicação. Por fim, o documento intitulado: “Enfrentar velhos e novos desafios. Evangélicos na Itália hoje”. O documento será levado às igrejas para aprofundar a reflexão e o debate em torno dos grandes temas de época que dizem respeito ao presente da sociedade e da política, não só nacionalmente. Fala de empenho ecuménico, pluralismo religioso e secularismo, mas também de educação contra atitudes e propaganda xenófobas e racistas, também à luz da persistência de preconceitos anti-semitas e islamofóbicos. Ele também estende as mãos diante dos temidos "bloqueios navais" convidando, ao contrário, a abrir a porta a quem bate, como ensina Cristo. E para ajudar o estrangeiro, seja ele quem for, como fez o samaritano. A Assise caracterizou-se como um grande laboratório de ideias e práticas para um futuro sustentável, baseado na solidariedade, na justiça, na cooperação, na liberdade. Com o olhar fixo no valor da Constituição, na dignidade do trabalho, junto com as novas gerações, as mulheres, todas as pessoas. Entre as propostas que surgiram, sobre as quais a próxima Assembleia da FCEI é chamada a trabalhar concretamente, também o Fórum de comunicação protestante, projeto que já vem sendo discutido há algum tempo também em outros fóruns deliberativos, como o Sínodo das igrejas metodistas e valdenses . Em seguida, um Código de Ética para o uso correto da terminologia religiosa na mídia. O Assise, que trabalhou tanto por grupos temáticos como em sessões plenárias, aprofundou muitos temas, em consonância com os binómios expressos no mesmo título. Ele também passou em revista as atividades e projetos da Federação, expressando seu apoio e apreço por eles, em continuidade com o que tem sido feito até agora. Entre eles, o programa de refugiados e migrantes da FCEI Mediterranean Hope (MH). Os serviços e comissões da FCEI, como a Comissão de Estudos do Diálogo da Integração (COSDI), Estar Juntos da Igreja (ECI), a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM), Serviço de Educação e Educação (SIE), o recente Carteira Escolar Pluralismo Secular. Para saber mais Leia o especial do NEV sobre Assise 2022. FICHA TÉCNICA sobre o Assise. galeria de fotos Fotos de Pietro Romeo, Elena Ribet, Barbara Battaglia. Um pouco de história A reunião trienal representa uma novidade relativamente recente no percurso da FCEI. Criado pela Assembleia em 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo histórico. A fundação da FCEI, no entanto, remonta à década de 1960. Enquanto o primeiro congresso evangélico data de 1920. O I Assise foi realizado em 2018. Igrejas membros da FCEI A FCEI reúne a União Cristã Evangélica Batista (UCEBI), a Igreja Valdense, a Igreja Metodista, a Igreja Luterana, o Exército da Salvação, a Comunhão das Igrejas Livres e a Igreja Apostólica Italiana. De acordo com o Estatuto, a União das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA) e a Federação das Igrejas Pentecostais (FCP) participam da Federação como “observadoras”. ...

Ler artigo
Diário da Assembléia-Sínodo Batista, Metodista e Valdense

Diário da Assembléia-Sínodo Batista, Metodista e Valdense

Roma (NEV), 22 de agosto de 2022 – No coração dos vales valdenses no Piemonte, mais precisamente na Torre Pellice, as vozes protestantes das igrejas batista, metodista e valdense se entrelaçam. Reunidas aqui desde domingo, 21 de agosto, as delegações trabalham para fazer um balanço de mais de 30 anos de colaboração. E lançar as bases para o futuro, sob a bandeira de oportunidades cada vez maiores de intercâmbio, encontro, reconhecimento mútuo e unidade de propósito. Os temas: problemas éticos colocados pela ciência. Fé, gênero e sexualidade. Adoração e liturgia. Relações Ecumênicas. Formação Pastoral. Estas igrejas reformadas estão a fazer um caminho simultaneamente voltado para fora, através de trabalhos diaconais, serviços pessoais, relações de ajuda, apoio e cuidado, luta contra a pobreza e a injustiça, construindo uma cultura sobre temas ecológicos e teológicos… E um caminho para dentro, de renovação das respectivas identidades, para alimentar as respectivas raízes. Como ele observa Sara Tourn em seu editorial sobre Riforma, é também "o momento de olhar 'para dentro' e, falando de colaborações territoriais, formação, multiculturalismo, e depois batismo, evangelização, tentar responder à pergunta básica: como e por que continuar esta comunhão viagem”. O trabalho em andamento na Torre Pellice em uma sessão conjunta batista, metodista e valdense está repleto de debates e reflexões. A votação de uma moção programática final está marcada para amanhã. Existem muitas iniciativas paralelas. Abaixo estão os links para mais informações. “Deus é um artista. Deus é um poeta" – A apresentação do livro de Paulo rico "Deus. Apologia”, narrado por Pedro Ciaccio. É o décimo segundo volume da editora Claudiana “I libri di Paolo Ricca”. O autor foi apresentado pelo pastor batista Lydia Maggi, que apresentou o texto, escreve Ciaccio, “como uma mão estendida, que conta sinteticamente o mundo que tentou emancipar-se de Deus e da visão de Deus das outras religiões. No meio há uma reflexão que olha para o horizonte bíblico, para recuperar uma 'gramática' para falar de Deus”. Autismo: um "espectro" que não assusta - De Samuel Rev. Na consulta pré-sinodal “Frontiere Diaconali” foi explorado o tema dos transtornos do espectro do autismo. Organizado pela Diaconia Valdense. Jovem de idade e de espírito – De Gian Mario Gillio. O pré-sínodo da Federação da Juventude Evangélica na Itália (FGEI). Música, jogos, ideias… e a “beleza de mil vozes”. Descolonizando o olhar sobre as migrações – De Cláudio Geymonat. Pré-Sínodo da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.