Apelo histórico católico-ortodoxo-anglicano pelo futuro do planeta

Apelo histórico católico-ortodoxo-anglicano pelo futuro do planeta

Foto Albin Hillert/CEC

Roma (NEV), 9 de setembro de 2021 – Pela primeira vez na história, o papa Franciscoo Patriarca Ecumênico Bartolomeu e o Arcebispo Anglicano de Canterbury Justin Welby assinar uma declaração conjunta pedindo às pessoas que cuidem do futuro do planeta.

Os líderes da Igreja Católica Romana, da Igreja Ortodoxa Oriental e da Comunhão Anglicana lembram a urgência da sustentabilidade ambiental, seu impacto na pobreza e a importância da cooperação global.

No apelo, o Papa Francisco, o Patriarca Ecumênico Bartolomeu e o Arcebispo Justin Welby exortam todos a fazerem sua parte na escolha da vida para o futuro do planeta. Os líderes cristãos estão convidando as pessoas a orar durante esta temporada litúrgica conhecida como a “Tempo da Criação” para os líderes mundiais antes da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP26) em novembro.

A declaração diz: “Pedimos a todos, seja qual for sua fé ou visão de mundo, que se esforcem para ouvir o clamor da terra e de seus pobres, examinando seu comportamento e fazendo sacrifícios significativos pelo bem da terra que Deus nos deu. .”

O comunicado conjunto faz um claro alerta: “Hoje estamos pagando o preço… amanhã pode ser pior – e conclui -: Este é um momento crítico. O futuro dos nossos filhos e o futuro da nossa casa comum dependem disso”.

Os três líderes cristãos se manifestam contra a injustiça e a desigualdade, dizendo: “Estamos diante de um julgamento severo: a perda da biodiversidade, a degradação ambiental e a mudança climática são as consequências inevitáveis ​​de nossas ações, já que consumimos avidamente mais recursos do que o planeta pode aguentar. Mas também enfrentamos outra injustiça profunda: as pessoas que sofrem as consequências mais catastróficas desses abusos são as mais pobres do planeta e foram as menos responsáveis ​​por provocá-los”.

A declaração apela não só à oração, mas também ao trabalho conjunto para um uso responsável dos recursos, colocando as pessoas antes dos lucros e orientando a transição para um sistema justo e economicamente sustentável.

Leia o declaração conjunta

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sem guerra, da Sardenha à Assembleia da CEC em Karlsruhe

Sem guerra, da Sardenha à Assembleia da CEC em Karlsruhe

Foto arquivo retepacedisarmo.org Roma (NEV), 3 de setembro de 2022 – 'De uma economia extrativa e armada a uma reconversão pacífica', este é o título de um seminário realizado na tarde deste sábado, 3 de setembro, em Karlsruhe, um dos Brunnen, as várias iniciativas da sociedade civil, e outras, promovidas por ocasião da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas. No centro do workshop esteve a experiência de "Liberu dae sa gherra" - Warfree, um plano para a promoção, valorização e valorização das actividades produtivas que em Sulcis-Iglesiente e em toda a Sardenha "recusam a economia predatória e violenta gerada pela produção de armamentos”, como se afirma na apresentação da iniciativa. Em 2021, portanto, foi formada a associação WarFree, da qual também participa a Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, entre outras disciplinas. Em Karlsruhe, o projeto foi apresentado por Antonella Visintin da Comissão GLAM da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com os representantes da associação, o presidente Cynthia Guaita e o co-presidente Arnaldo Scarpa. “A produção de armas e munições – explicaram os promotores do workshop – é um negócio mortal, a exportação de ambos é um negócio gigantesco. As grandes fábricas de armas estão posicionadas internacionalmente com subsidiárias e filiais em muitos países diferentes. É o caso da alemã Rheinmetall, que tem uma filial na Sardenha e outra na Cidade do Cabo. Na Sardenha, a resistência aumentou entre a população local quando ficou claro que as bombas produzidas na ilha haviam sido usadas pela Arábia Saudita na guerra do Iêmen. Organizações religiosas e da sociedade civil se levantaram e protestaram contra a exportação de bombas da Sardenha. Eles fundaram uma cooperativa "livre de guerra", que busca reunir pequenas e médias empresas na área ao redor da fábrica de bombas, comprometidas com uma economia pacífica sustentável, fora de qualquer atividade de guerra. Ao fornecer a esses negócios uma plataforma online comum, a iniciativa busca fortalecer esses negócios para que as pessoas que moram na área tenham uma alternativa para trabalhar na fábrica de bombas. No seminário, as vozes dos que vivem na Sardenha e seus protestos e vamos procurar uma economia alternativa e sem guerra e discutir como podemos ajudá-los em sua luta e como podemos agir contra uma indústria semelhante em nosso bairro”. “Acompanhamos o projeto desde o início – explicou Antonella Visintin da Comissão GLAM da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – porque a Igreja Batista da Sardenha pediu apoio. Assim colaborámos de imediato com a comissão e ajudámos a organizar a conferência em março de 2019 - somos de facto um dos três parceiros do projeto Paz Conversão Sardenha. Como podemos contribuir como igrejas? Fazemos parte – tanto o comitê quanto a Glam – da Rede Italiana de Paz e Desarmamento, que inclui associações seculares e religiosas: também há colaboração nesta área. Para nós é um tema e um compromisso muito importante, no marco do compromisso do Concílio Ecumênico pela "paz justa". De fato, lembramos que em 1948, na primeira assembléia do CMI, em Amsterdã, foi dito que “a guerra é contra a vontade de Deus”. Entre outras coisas, o CMI aprovou uma Declaração 'No Caminho para a Paz Justa' em sua décima assembleia em 2013 em Busan, que será seguida neste ano. Por estas razões, “Consideramos este projeto parte deste percurso e é importante que haja um território em que existam razões concretas de reconversão da sua estrutura produtiva do ponto de vista da sustentabilidade para com o ambiente e na ética termos, contra qualquer guerra”. Além disso, nos últimos dias, Visintin e outros ativistas estiveram “na região de Bodensee (na fronteira sudoeste da Alemanha com a Suíça e a Áustria) que, como a região de Hesse, tem uma forte concentração de fábricas de armas. O que continuamos a entender cada vez mais é o quão importante é a legitimidade cultural da produção de armas em um determinado território”. O objetivo é uma declaração de posição do órgão reunida em Karlsruhe até 8 de setembro. “Gostaríamos de ajudar o CMI a produzir declarações sobre o tema da paz justa, a fim de fortalecer o compromisso local das igrejas nacionais individuais”, concluiu o representante da Comissão GLAM. Armas produzidas na Itália e conversão à paz. A pesquisa realizada pela Igreja Evangélica de Baden, pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e pelo Comitê de Reconversão RWM. Paz, Visintin: "Só se faz com justiça social" Algumas das etapas do projeto nas palavras da coordenadora do GLAM, Antonella Visintin. "WarFree-Livre da guerra". Uma marca ética para empresas que se recusam a produzir armas. A Comissão de Globalização e Ambiente da FCEI continua o seu trabalho em prol da reconversão e da consciência da paz. Da Sardenha à Alemanha e além… Baixe o Folheto WarFree. Consulte a página de empresas WarFree. ...

Ler artigo
fortalecer e ampliar os corredores humanitários

fortalecer e ampliar os corredores humanitários

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Karlsruhe (NEV), 7 de setembro de 2022 // h18:30 // – “Pedimos às Igrejas e aos Estados que fortaleçam e ampliem projetos para passagens seguras como os “corredores humanitários” e iniciativas de busca e salvamento no Mediterrâneo”*. Esta é uma das passagens do texto que está sendo discutido nestas horas em Karlsruhe pela Assembléia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, um documento público - um declaraçãoou seja, declaração – ​​sobre “Guerra na Ucrânia, paz e justiça na região europeia” ainda aberta a alterações, mas que deve ser aprovada e divulgada nas próximas horas. Os corredores humanitários são um projeto realizado pela Federação das Igrejas na Itália, com a Junta Valdense e a Diaconia Valdense, com a contribuição do Otto per mille Valdensian, desde 2016, que depois foi exportado para outros países europeus como França e Andorra. Graças a esta iniciativa, vários milhares de pessoas chegaram à Europa com segurança e dignidade, da Síria via Líbano, da Líbia e – num primeiro voo no final de julho – também do Afeganistão. Se a afirmação for confirmada, o pastor valdense declara Luca Barattoobservador em Karlsruhe, seria "um sinal importante e também um reconhecimento do trabalho realizado por nossas igrejas, pela Federação das igrejas protestantes na Itália, promotoras deste modelo virtuoso de acolhida aos migrantes". No texto, aliás, um forte compromisso contra a marginalização, a estigmatização, a discriminação e uma afirmação da "dignidade de todos os refugiados e migrantes". Nas próximas horas, aqui no NEV e no site do WCC/CEC, todos os textos aprovados e definitivos e o resultado da discussão sobre este declaração. * em inglês, o texto original: “Pedimos às igrejas e aos Estados que fortaleçam e ampliem os projetos de passagem segura, como as iniciativas do “corredor humanitário” e os serviços de busca e salvamento no Mediterrâneo”. ATUALIZAÇÃO 8 DE SETEMBRO ÀS 10h15 O documento foi aprovado. Para saber mais: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
O primeiro dia do FCEI 2022 Assise

O primeiro dia do FCEI 2022 Assise

Roma (NEV), 30 de outubro de 2022 – “Não nos peça a fórmula que os mundos podem abrir para você / sim alguma sílaba torta e seca como um galho. / Isso só hoje podemos te dizer, /o que não somos, o que não queremos”. Eugene Montale e seu poema "Não nos peça para falar" foram citados hoje pelo pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas de 2015 a 2021, no relatório sobre o triênio 2018-2021, no primeiro dia dos Assizes da FCEI, os “estados gerais” do protestantismo. A reunião dos delegados das igrejas protestantes está acontecendo em Ciampino nestes dias. Após a intervenção de Negro, atual presidente da FCEI, Daniele Garronea saudação de Gabriela Liopresidente da Fdei, a Federação das Mulheres Evangélicas da Itália, a contribuição dos auditores e o debate entre os presentes. O programa do dia inclui esta tarde após os grupos de trabalho temáticos, a partir das 17h30 a sessão plenária, com relato dos grupos e discussão sobre o tema geral. Às 21 horas a apresentação dos principais projetos de trabalho da Federação. Amanhã, segunda-feira, 31 de outubro, pela manhã, os grupos de trabalho com os serviços, comissões e projetos: Serviço de Comunicação, SIE, Esperança Mediterrânea, COSDI, GLAM; às 15h00 a sessão plenária e às 21h00 a noite social. Por fim, na terça-feira, 1º de novembro, o culto de encerramento com o Cen do Senhor. Para saber mais: aqui o relatório trienal da FCEI 2019-2021 A reunião trienal representa uma novidade relativamente recente no percurso da FCEI. Criado pela Assembleia em 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo histórico. A fundação da FCEI, no entanto, remonta à década de 1960. Enquanto o primeiro congresso evangélico data de 1920. O I Assise foi realizado em 2018. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.