Em direção a Karlsruhe.  Em nome da justiça climática

Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática

Logotipo da 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) – 31 de agosto/ 8 de setembro de 2022, Karlsruhe

Roma (NEV), 19 de agosto de 2022 – Estão em andamento os preparativos para a 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que acontecerá de 31 de agosto a 8 de setembro em Karlsruhe, Alemanha. 4.500 pessoas de todo o mundo se reunirão sobre o tema “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”.

Um programa denso, acompanhado nas últimas semanas, mas também nos últimos meses, por inúmeras iniciativas preparatórias.

Grande atenção é dada à questão das mudanças climáticas. O secretário-geral interino, padre Ioan Sauca, falou sobre isso em uma entrevista recente. Sauca destacou a importância do compromisso climático: “Se não mudarmos nosso comportamento, em 50 anos nosso planeta estará inabitável. Temos que agir agora.” De fato, em vista da assembléia na Alemanha, o líder do Conselho Ecumênico pretende mobilizar ações pela justiça climática. É preciso cuidar da criação, disse. Na assembléia, ele acrescentou: “Os líderes serão solicitados a agir agora para cuidar de nosso planeta comum, a Terra”.

A primeira plenária temática do encontro será realizada no dia 1º de setembro, dia em que as Igrejas de todo o mundo celebram o Tempo da Criação, período litúrgico celebrado em todo o mundo e que se inicia em conjunto com este importante evento global . “A ênfase na criação será muito destacada nesta primeira plenária – disse Sauca -. É uma questão teológica. O plano de Deus em Cristo era também a reconciliação e a cura de toda a criação”.

Sauca também anunciou que haverá mensagens de líderes cristãos mundiais em Karlsruhe, incluindo o Patriarca Ecumênico Bartolomeu I e o Papa Francisco.

A entrevista também fala sobre os esforços do CMI para colocar a questão da justiça climática na agenda global, desde a conferência do clima COP21 em Paris em 2015 até a COP26 em Glasgow em 2021, e em outros contextos institucionais e religiosos. O CMI, prosseguiu o secretário, “trata a criação não como uma questão de moda para o nosso tempo, mas como um elemento fundamental da sua própria identidade”. O WCC também é a única organização religiosa que teve presença permanente no processo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), observou Sauca, e esteve presente em todas as conferências climáticas das Nações Unidas desde a Cúpula da Terra do Rio de Janeiro em 1992 No entanto, o CEC desempenhou um papel importante ao destacar os perigos ao meio ambiente antes mesmo da cúpula do Rio, disse Sauca. E citou a Conferência Mundial de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Humano que lançou, em 1974, um apelo a uma “sociedade sustentável e justa”. Em 1979, então, a conferência no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, já trazia alertas sobre as mudanças climáticas devido ao acúmulo de dióxido de carbono.

Em torno da Assembleia de Karlsruhe há muitas questões em aberto: da Ucrânia aos outros conflitos em curso. Desde a decisão de não suspender a Igreja Ortodoxa Russa como membro do CMI, à denúncia da situação vista como “uma guerra ilegal e injustificável infligida ao povo e Estado soberano da Ucrânia”. Sobre Israel e Palestina, Sauca abordou muitas das questões existentes, e concluiu: “Esperamos que um dia estes dois povos possam coexistir no caminho da paz, da reconciliação, de uma paz justa”.


A entrevista é editada por Stephen G. Browneditor da revista do CEC A Revisão Ecumênica.


Para saber mais

Em torno de Karlsruhe… O livro de recursos, (Livro de Recursos)

O Livro de Recursos é uma ferramenta útil para os participantes da Assembleia no local ou remotamente online de suas casas ou igrejas. Contém dados práticos essenciais, uma reflexão sobre o tema da assembleia, documentos e relatórios e um calendário de fácil consulta. Disponível em quatro idiomas. Disponível para download neste link:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O sopro verde da vida.  Na escola da árvore

O sopro verde da vida. Na escola da árvore

Uma árvore de mostarda, foto pxhere.com Roma (NEV), 4 de maio de 2022 – A terceira e última reunião da revisão promovida pelo Centro Cultural Protestante e o Galo Verde da Igreja Valdense de Milão será realizada na segunda-feira, 9 de maio, a partir das 18h. O título geral dos três encontros é: "O Grito da Criação: Ciência, Teologia e Responsabilidade". Esta terceira nomeação vê duas sessões diferentes. A primeira, intitulada "Florestas e humanidade: pelo cuidado mútuo", conta com a participação de Jorge Vacchiano, pesquisador em manejo e planejamento florestal da Universidade de Milão. “Ao colaborar com as árvores podemos remediar os erros humanos que levaram ao aquecimento global”, diz o cartaz. A segunda sessão, "Como uma árvore plantada junto à água" (do Salmo 1, versículo 3), é realizada pelo teólogo e pároco batista Lydia Maggi. O subtítulo é “Tornar-se humano na escola das árvores, uma antropologia bíblica”. Giorgio Vacchiano, classificado pela Nature em 2018 entre os 11 pesquisadores emergentes do mundo, explora florestas e desenvolve modelos de simulação para o manejo florestal sustentável. Ele escreveu "A resiliência da floresta". No YouTube para Ted, a conferência “Climate change. A lição silenciosa das árvores”. Lidia Maggi está designada desde 2018 para o Ministério Itinerante da Igreja Batista. Este trabalho tem como objetivo levar conteúdos bíblicos para festas, bibliotecas, paróquias e fora dos contextos habituais. Entre os muitos livros, "O Evangelho das Mulheres". No YouTube, "A árvore, um lugar de encontro com Deus". informação Aqui está o flyer com toda a informação. Aqui o evento do Facebook. O encontro também será transmitido pelo YouTube e pela página do Facebook do Centro Cultural Protestante. Para o encontro presencial em Milão, informações e reservas escrevendo para [email protected] (anexar número de celular). Os encontros anteriores continuam disponíveis no YouTube. O primeiro encontro, intitulado "Animais como nós", contou com intervenções de Francesca Dalri, Isabela de Isola E Daniela di Carlo. A segunda, "A terra desconhecida", foi conduzida por Paolo Pilari E Gabriel Arósio. ...

Ler artigo
#sinodovaldese.  A saudação de Mons.  Maurício Malvestiti

#sinodovaldese. A saudação de Mons. Maurício Malvestiti

Torre Pellice (Turim), 27 de agosto de 2018 (SSSMV/05)- "Irmãos e irmãs valdenses e metodistas, considero um autêntico dom do Único Senhor compartilhar este encontro em Torre Pellice". Assim começou Mons. Maurício Malvestitibispo de Lodi, em seu discurso esta manhã ao Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, reunido em Torre Pellice (Turim). Malvestiti, acompanhado pelo diretor do Escritório Nacional da CEI para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI), dom Christian Bettegatrouxe saudações do cartão. Walter Bassettipresidente da CEI, e do bispo Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão de Ecumenismo e Diálogo da CEI. Entre os vários temas em discussão no Sínodo, Malvestiti abordou "a delicada situação migratória" na Itália e na Europa. “Trata-se de uma preocupação pastoral compartilhada pelos bispos italianos”, disse Malvestiti, “que exige prudência e realismo, sem nunca sufocar a fantasia segura e a tradição de solidariedade, que animam profundamente nosso país”. “Reavivar as responsabilidades dos organismos públicos, a todos os níveis, é também nosso dever – prosseguiu o bispo -, e estamos igualmente empenhados em despertar as consciências dos crentes para que imprimam estes valores, e as correspondentes boas práticas, na sociedade de hoje, tanto a “sensação ordinária dos crentes, que incansavelmente e sem distinção abrem o coração e as mãos ao próximo, segundo o mais autêntico espírito evangélico”. Malvestiti também recordou e se associou ao “abraço da esperança” que o Sínodo ofereceu à cidade de Gênova através da arrecadação do culto inaugural doada aos desabrigados da ponte Morandi e a disponibilização de dois alojamentos para os que perderam suas casas. A agência de notícias evangélica NEV-news estará presente como Sala de Imprensa do Sínodo a partir de sábado, 25 de agosto, na “Casa Valdese” de Torre Pellice, na via Beckwith 2, tel. 0121.950035 cel. 342 113 4700, – (www.nev.it – Twitter: @nev_it – FB: @AgenziaNEV). #Sínodo ValdenseFACTSHEET Igrejas metodistas e valdenses na Itália (NEV/CS05) www.chiesavaldese.org – www.rbe.it – www.riforma.it ...

Ler artigo
abordar o discurso de ódio

abordar o discurso de ódio

Roma (NEV/Riforma.it), 21 de junho de 2019 – A sexta Escola de Verão sobre direitos humanos da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) decorreu de 17 a 20 de junho em Lisboa, Portugal. Em cooperação com o Conselho Cristão Português das Igrejas (COPIC), cerca de 50 participantes de diferentes origens nacionais, étnicas e religiosas tiveram a oportunidade de estudar juntos e receber formação interdisciplinar sobre liberdade de expressão, discurso de ódiocrimes de ódio e como prevenir o discurso de ódio em contextos religiosos. A discussão foi inspirada na premissa bíblica de Efésios 4:15-17 “mas, falando a verdade com amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, isto é, Cristo. Do qual todo o corpo, bem conectado e unido, pela contribuição de cada junta e de acordo com o vigor de cada parte, produz o crescimento do corpo para a edificação de si mesmo no amor. Isto, portanto, testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam os outros gentios, na vaidade dos seus pensamentos”. Os participantes examinaram a relação entre uma crescente falta de respeito entre as pessoas na comunicação, especialmente nas chamadas mídia social, e a ascensão do populismo político em escala global. As raparigas e rapazes foram também informados sobre as relações entre o Estado e a religião em Portugal, especialmente sobre a cooperação entre a Igreja e o Estado no acolhimento e integração dos migrantes na sociedade. As igrejas na Europa estão empenhadas em defender o direito fundamental à liberdade de expressão e opor-se ao ódio. Eles exortam todos os atores relevantes da sociedade a se envolverem no debate público para aumentar a dignidade humana de cada indivíduo. Sublinham também a necessidade de um diálogo informado e factual que reflicta, na procura de soluções adequadas, a complexidade das questões políticas e sociais do nosso tempo. Durante a Escola de Verão, palestrantes e participantes levantaram preocupações de que os populistas encorajam ou usam “discurso de ódio” para colocar um grupo contra o outro, a fim de ganhar uma quantidade significativa de votos, em vez de contribuir para a paz social e o compromisso político. Atitudes xenófobas, estigmatização de minorias, estereótipos com base em raça, cor, nacionalidade e origem étnica, religião, deficiência, gênero ou orientação sexual levam ao ódio e podem, eventualmente, levar à violência. O antissemitismo, a islamofobia e a cristianfobia são expressões dessas atitudes; no entanto, não é apenas um discurso religioso, mas também envolve e diz respeito a outras realidades, como os refugiados ou ciganos ou outros grupos minoritários. Da Itália, o pároco participou Luca Barattoresponsável pelas relações ecumênicas internacionais e secretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Entre os palestrantes estavam Pedro CaladoAlto Comissário para as Migrações em Portugal, Tatjana PericConselheiro para o Combate ao Racismo e à Xenofobia da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Jonatas Machado do Centro de Direitos Humanos da Universidade de Coimbra, bem como especialistas de organizações muçulmanas e judaicas. O presidente da COPIC, o bispo Jorge Pina Cabral, sublinhou: “Esta é uma grande oportunidade para estreitar os laços entre as diferentes igrejas em Portugal, refletindo sobre problemas e desafios comuns que enfrentamos na sociedade. Aprender uns com os outros e estudar juntos é a forma cristã natural de combater o ódio em todas as suas formas”. O presidente do CEC, o pároco Christian Kriegerele disse: “Em um momento de populismo crescente, combater a disseminação do discurso de ódio é uma responsabilidade que cada um de nós deve assumir. A Conferência das Igrejas Europeias está empenhada em fazê-lo, no seio dos seus membros e em parceria com outras partes interessadas”. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.