Novo site da Conferência das Igrejas Europeias

Novo site da Conferência das Igrejas Europeias

Roma (NEV), 24 de março de 2023 – Está online o novo site da Conferência das Igrejas da Europa (KEK), “uma casa de comunicação da comunidade eclesial europeia, que conta as histórias e o trabalho da CEC e convida todos a participe”, lê-se no comunicado de lançamento.

O novo logotipo da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Um novo design, um novo logotipo e maior segurança contra ameaças de hackers são as principais novidades.

Tornar a vida e o trabalho do CEC mais visíveis e acessíveis”

“Este é um passo significativo em termos de visibilidade e acesso para as igrejas membros, conselhos nacionais de igrejas, organizações parceiras e todos os interessados ​​em seguir o CEC”, disse o secretário-geral do CEC Jørgen Skov Sørensen.

“O novo site oferecerá espaço para as últimas informações sobre nossas atividades e iniciativas, especialmente em vista de nossa Assembleia Geral em junho – acrescentou -. Enquanto isso, o KEK continua o diálogo com as instituições políticas europeias e explora questões teológicas na esfera pública”.

No site, com uma estrutura simplificada, é possível encontrar matérias envolventes, as últimas notícias, fotos, vídeos, documentos e arquivos. Naveen Qayyumgerente de comunicações da CEC, disse: “O novo site é um trabalho em andamento e suas sugestões são bem-vindas.”

“O CEC continua seu trabalho de construção da paz e reconciliação. Nesta jornada, o site da CEC servirá como uma ferramenta de comunicação chave para fornecer recursos inspiradores”, acrescentou Qayyum.

Uma seção especial é dedicada à próxima Assembléia Geral do CEC em Tallinn. Outra seção também coleta as iniciativas das igrejas para a Ucrânia continuarão: solidariedade ecumênica entre as igrejas européias, orações pela paz e notícias relacionadas.


Para mais informações contacte Naveen Qayyum – Tel. +32 486 75 82 36
E-mail: [email protected]
Site: www.ceceurope.org
Facebook: www.facebook.com/ceceurope
Twitter: @ceceurope
YouTube: Conferência de Igrejas

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Armas e bilhões.  O “negócio principal”

Armas e bilhões. O “negócio principal”

Detalhe da capa do livro Futura D'Aprile "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27) Roma (NEV), 30 de março de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) relança a declaração do Observatório sobre os gastos militares italianos (MIL€X). Os Estados-Maiores das Forças Armadas pediram investimentos extraordinários para novos armamentos. "O custo dos investimentos extraordinários em novos armamentos será de pelo menos 25 mil milhões de euros - escreve MIL€X - se o ministro da Defesa Guido Crosetto implementará as propostas que os Chefes do Estado-Maior do Exército, da Marinha e da Aeronáutica apresentaram em suas audiências programáticas às Comissões de Defesa da Câmara e do Senado". Um programa de rearmamento, prossegue o Observatório, “impressionante, que teria um impacto considerável nos orçamentos dos Estados, justificado pelos militares com o risco real de guerra provocado pelo conflito na Ucrânia, mas que suscita mais do que uma perplexidade. Também em atenção ao recorde de aprovações de programas de compras militares ocorridas na última Legislatura”. Sobre o tema das armas e sistemas de guerra made in Italy, esta noite em Turim (18h00 no Circolo dei Lettori), Riforma – Eco delle valli valdesi juntamente com a Ordem dos Jornalistas do Piemonte e a editora SEB27 promovem um debate. “A política e as indústrias italianas no mercado de armas de guerra: como contribuem para a persistência dos conflitos bélicos, para a repressão de regimes autoritários, para as migrações; por que o setor de Defesa, cujos lucros nunca diminuem, é considerado estratégico e quanto contribui para o PIB e o emprego". É o que lemos na página do Círculo de Leitores dedicada ao evento, que conta com a participação de abril futuroespecialista em assuntos internacionais e armamentos e colaborador do jornal Domani; Albert Perducaex-procurador-chefe de Asti, assessor jurídico do Tribunal Penal Internacional por crimes cometidos na ex-Iugoslávia e depois da agência antifraude de Bruxelas Olaf, e chefe da missão Eulez, moderada por David De Michelisjornalista profissional, autor e realizador de documentários televisivos. Futura D'Aprile é, entre outras coisas, autora do livro "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27), com prefácio de Alex Zanotelli, volume no qual apresenta um panorama da indústria de defesa italiana, as leis utilizadas para regular o comércio de material bélico e a prática de contorná-las. “O negócio de armas nunca está em declínio na Itália como no resto do mundo – escreve Riforma citando o volume – «Seus lucros crescem tanto durante conflitos geopolíticos quanto em caso de crises econômicas, como a causada pela pandemia do COVID-19. O Estado, considerando estratégico o setor de defesa, apóia-o e protege-o da exposição à volatilidade do mercado. A escalada do conflito bélico à margem da União Europeia levou os parlamentos a votarem renúncias às exportações para zonas de guerra e ao aumento das despesas militares, de modo que enquanto na Ucrânia, como no Iémen ou na Líbia, os civis sofrem as terríveis consequências da a guerra, os lucros das holdings ao redor do mundo continuam subindo sem serem perturbados". > reserve aqui o seu lugar no Clube de Leitores de Turim. ...

Ler artigo
é preciso manter a antevisão do olhar

é preciso manter a antevisão do olhar

Foto Elvis Bekmanis - Unsplash Roma (NEV), 16 de maio de 2022 – Existem remédios para o mal, o terror, as emergências, a dor? Nós perguntamos Frederico Vercellone, Professor de Estética na Universidade de Torino e Presidente do Centro Cultural Protestante. Vercellone moderou a reunião final da conferência "Ainda sabemos reconhecer o mal? Reflexões sobre o mal entre ciência, filosofia e teologia”, realizada recentemente na capital piemontesa. “Como reconhecer e vencer o mal? Existe a capacidade intelectual e ética de olhar além da emergência contínua. É preciso manter a antevisão do olhar”, diz Federico Vercellone. É um processo que afeta tanto a política quanto a cultura, segundo o professor. “Não devemos nos deixar cegar todas as vezes pela crise atual, por mais grave que seja, mas sim ver a concatenação de causas e efeitos. As consequências. O contexto”, continua Vercellone. Talvez precisemos de “uma política capaz de observar quanto e como mudam os hábitos das pessoas. Como as necessidades mudam. Precisamos de verde, de tempo, ainda que estejamos numa época em que o tempo livre aumenta num espaço cada vez menos rico. Devemos nos insinuar nesses espaços e direcionar as perguntas das pessoas que caminham, ou deveriam caminhar, rumo à felicidade e ao desejo. Com o objetivo de realmente entender o que eles querem, por que e como. Mantendo a complexidade diante dos olhos”. O discurso não se aplica apenas à política. Também deveria se aplicar às religiões: “Estamos surpresos que as igrejas estejam vazias. No entanto, como disse o teólogo Paulo rico, os cristãos estão muito abaixo de seus deveres. Se você se torna o corpo de Cristo, deve compartilhar a violência. Nisso, da nossa parte, há uma certa fragilidade a ter em conta”. citações de Vercellone Charlotte Klonk e o livro deleTerror. Wenn Bilder zu Waffen werden” (Ed. Fischer, 2017), sobre imagens de terror que assumem o poder das armas. A representação do terror nos impressiona. No entanto, diz Vercellone, "o mais chocante não são as imagens fotográficas ou de vídeo, mas os esboços feitos em 1800 por testemunhas oculares emocionalmente condicionadas". O risco, diante da exasperação do mal, é o do vício. Vercellone, portanto, retoma não apenas o conceito de uma "política do desejo", mas também o de uma "ecologia da imagem". Novamente, pensando na obra de Klonk, precisamos de uma “revisão dos aspectos edificantes ou tóxicos” de nossa convivência com as imagens”. Temos que decidir com o que queremos viver e o que rejeitar. O professor ainda fala sobre a conferência e menciona outro livro, o de Lucas Savarino E Paolo Vineis "A saúde do mundo: meio ambiente, sociedade, pandemias" (Feltrinelli, 2021). Vinais e Savarino abordaram o tema da epidemia “como um elemento um tanto crônico de nosso tempo, também fortemente ligado à crise ambiental. Intervir na questão ambiental - diz Vercellone - é uma prioridade. Diante das crises gravíssimas da covid e das guerras, estamos tão sobrecarregados com as contingências que não conseguimos enxergar além da perspectiva de curto alcance das emergências. Mas o mundo não para. Se não percebemos a crise ambiental em curso, somos míopes. Devemos nos concentrar na complexidade dos problemas e não nos deixar cegar pela urgência. Devemos aprender a intervir nos fatores fundamentais. Do contrário, e não digo isso por cinismo, mas eticamente, viveremos uma crise perene, sem perspectivas”. As outras intervenções Vercellone volta a resumir alguns conceitos que surgiram durante a conferência: “Existe a possibilidade de reconhecer o mal como covardia ou como a incapacidade dos indivíduos de assumir responsabilidades e riscos, como ilustrado Pepino Ortoleva. Falando do Antropoceno, Christoph Wulf ele relatou como o mundo da arte é sensível a essa questão. Teólogos e filósofos falam pouco com artistas. E os artistas quase têm medo de usar palavras com este mundo. Em vez disso, seria importante criar vínculos, evidências dessa transformação que está ocorrendo na comunidade, em torno de valores a serem redefinidos”. Houve também as intervenções do pastor valdense Sérgio Manácapelão hospitalar e formador de cuidados clínicos e pastorais Enzo Bianchi sobre o enigma do mal na história do cristianismo. Dos teólogos Fulvio Ferrario e Eric Noffke. Ainda, Ariel Di Porto sobre as declinações do mal na tradição judaica. Swamini Hamsananda Giri sobre Dharma, adharma e a finitude do mal. John Balcet sobre o mercado, o poder e o mal na economia. Clare Simonigh sobre a lógica do mal na cultura visual e na mídia. O debate final, moderado pelo próprio Vercellone, contou com a participação de Simon Strong sobre “Qual é o sentido de falar sobre o mal hoje?”. Cláudio Ciancio sobre “Remoção e reconhecimento do mal". Daniele Garrone sobre "Como falar do mal sem simplificações e sem argumentar". Carlo Galli: sobre “Que mal para que política?”. Falou-se da manipulação da dor, do mal como ausência de regras, dos aspectos jurídicos, políticos e econômicos das desigualdades e injustiças, da espiritualidade e da ética. Mauro Belcastro, Maria Bonafede, Paolo Ribet e o próprio Vercellone moderaram A conferência "Ainda sabemos reconhecer o mal? Reflexões sobre o mal entre ciência, filosofia e teologia” aconteceu de 5 a 7 de maio em Turim. Esta conferência nasceu de uma intuição do pastor Paulo RibetPresidente do Comitê Científico do Centro Cultural Protestante de Turim. Para saber mais Na página do FaceBook do Centro Cultural Protestante de Turim: as gravações da conferência, os comentários em vídeo dos protagonistas dos três dias e muito mais. Clique aqui. Abaixo, o comentário de Federico Vercellone. Abaixo do vídeo, o artigo de Emmanuela Banfo no Riforma.it Leia o artigo de Emmanuela Banfo em Riforma.it: A doença é combatida, os doentes são curados ...

Ler artigo
Dia da Terra 2022 – Nevada

Dia da Terra 2022 – Nevada

Roma, 21 de abril de 2022 – Uma maratona multimídia de 14 horas para celebrar o 52º Dia Mundial da Terra. Amanhã, 22 de abril, da Nuvola di Fuksas em Roma em transmissão ao vivo em raiplay.it e diferida em vaticannews.va, o Dia da Terra Itália e o Movimento dos Focolares apresentam a terceira edição de #OnePeopleOnePlanet. O evento “enviará uma forte mensagem de esperança ao mundo e um importante apelo à ação para proteger o planeta. Mais uma vez os jovens estão no centro, os verdadeiros protagonistas da grande questão ambiental”, refere o comunicado de apresentação da iniciativa. Às 14h00 será a vez do debate intitulado "Pontes sobre o Mediterrâneo", conduzido por Cláudio Paravaticondutor de protestantismoo diretor de Comparar. Um momento “em que o ambiente, a solidariedade, o trabalho são contados pelos testemunhos e palavras de quem vive no Mediterrâneo, o mar não é grande o suficiente para dividir, mas também não é pequeno o suficiente para unir. É por isso que se constroem pontes, é por isso que se encontram no Mediterrâneo os perigos do nosso tempo, mas também os recursos para os poder ultrapassar. No estúdio e remotamente, falaremos sobre culturas, economias, diálogo e confronto, refugiados e hospitalidade, corredores humanitários, guerras esquecidas, integração e trabalho”. Entre os convidados Emanuela Claudia Del Re ex-vice-ministro da Cooperação Internacional, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Marco Impagliazzo, presidente de Sant'Egidio, Alberto Negrijornalista e Maria Di Pierri da Associação Sul. Desde 1970, a ONG Earth Day – reconhecida pela Secretaria Geral da ONU – organiza o mais impactante momento de conscientização ambiental do mundo com bilhões de pessoas mobilizadas todos os anos por meio do trabalho de 75 mil parceiros distribuídos nos 193 países membros das Nações Unidas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.