Falando de Deus hoje

Falando de Deus hoje

Roma (NEV/chiesavaldese.org), 6 de dezembro de 2022 – Falamos das igrejas, falamos de Lutero e Calvino, celebramos aniversários, mas quando falamos de Deus? Esta foi (mais ou menos) a pergunta que a Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) se fez no 500º aniversário da Reforma, promovendo a elaboração de um documento de estudo sobre o “falar cristão de Deus”.

O rascunho do documento foi objeto de discussão em uma consulta geral, realizada em Bad Vöslau (perto de Viena) de 1 a 3 de dezembro, que contou com a presença de vinte e cinco representantes das igrejas-membro, incluindo o escritor (em nome dos valdenses e igrejas metodistas na Itália). O documento passará então pelo escrutínio de um comitê editorial para chegar à próxima Assembleia em 2024.

O leitor poderia achar as reflexões aqui relatadas teóricas e afetadas, certamente insuficientes, e não estaria totalmente errado! De fato, como cristãos vivemos um dilema: Pascal disse: “Só Deus fala bem de Deus” e estamos condenados a balbuciar palavras inoportunas; mas tal consciência não é justificativa suficiente para não falar sobre Deus.

Deus fala conosco e sobre nós. Deus nos transforma e nos reconcilia consigo mesmo e com o próximo. Em um relacionamento baseado no amor de Deus por nós, é apropriado arriscar dizer algo, mas apenas repetir (?) as palavras da Bíblia.

Então, o que o documento provavelmente dirá? Está dividido em oito capítulos, mas por questão de espaço menciono apenas o primeiro e o último. A primeira tem o papel de introdução e esclarece que por “falar cristão” o título significa o discurso protestante, declarando de imediato que falar de Deus só pode ser um discurso parcial e, portanto, aberto. Entre outras coisas, a significativa presença na Europa de cristãos de outros continentes, nem sempre integrados nos processos decisórios das Igrejas europeias, torna inviável a pretensão de expressar um discurso fechado e acabado.

Uma passagem importante da introdução sublinha que na tradição teológica protestante não se pode falar de Deus de forma teórica e abstrata, mas apenas a partir de si mesmo ou, melhor, da revelação de Deus ao ser humano e a consequente relação.

Após um caminho de reflexão que vai da relação entre o poder, o amor e a liberdade de Deus ao discurso sobre o Deus Trino e a revelação em Cristo, passando pelo culto, espiritualidade e oração, chegamos ao capítulo 8, que talvez seja o verdadeiro objetivo da discussão, ou melhor, um exame dos quatro contextos em que se fala de Deus, contextos que, de fato, estão interligados.

Em primeiro lugar, a esfera pública e política. A ação da Igreja se desenvolve por meio do testemunho, da liturgia, da diaconia e da koinonia. Portanto, não pode ser relegado a uma esfera puramente privada. Em particular, o documento exorta a não colocar em conflito a liberdade de expressão e a liberdade religiosa, como infelizmente acontece com frequência. Alguma atenção é dada à condição de diáspora de muitas igrejas-membro e à necessidade de encontrar maneiras de falar sobre Deus em um contexto diverso e plural. Um ponto importante (não dado como certo) é que o diálogo com as demandas da sociedade deve ser pensado como um momento de aprendizado mútuo, formação e crescimento.

Depois a esfera privada e profissional, referindo-se, portanto, aos membros das igrejas. Em particular, o documento sugere evitar um testemunho baseado exclusivamente na repetição da palavra “Deus”, mas preparar o discurso sobre Deus através de uma ética de apoio dos colegas de trabalho.

Então, novamente a cultura contemporânea. Um tema vasto, que vai da arte figurativa ao cinema, da literatura de consumo à música pop: uma cultura emancipada há séculos do controle das igrejas. A atitude deve ser de escuta, conhecimento e interação com as instâncias culturais, sem esquecer o vínculo etimológico entre “cultura” e “culto”.

Finalmente, o diálogo ecumênico e inter-religioso. Esta área revela a complicada trama de falar de Deus hoje, numa época em que não somos os únicos a falar de Deus. Os cristãos são vivamente convidados a não se retirarem deste diálogo, lugar privilegiado para testemunhar o amor, a fé e a esperança em Deus.

Artigo por Pedro Ciaccio.

Leia em Chiesavaldese.org


O CCPE nasceu em torno do Concorde assinado em 1973 em Leuenberg. Promove um modelo voltado para a ampliação do ecumenismo baseado no lema “unidade na diversidade reconciliada”. Tem mais de 100 igrejas membros em toda a Europa (com seus respectivos braços sul-americanos) representando mais de 50 milhões de pessoas: luteranas, reformadas, unidas, metodistas, que graças ao Acordo de Leuenberg reconhecem seus respectivos ministérios e sacramentos. A declaração de 1973 acabou efetivamente com a divisão entre as igrejas luterana e reformada que durou mais de 450 anos. A Igreja Valdense também pertence ao CCPE. Para mais informações www.leuenberg.eu.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Religiões do G20, Winkler: “Combater o racismo sistêmico”.

Religiões do G20, Winkler: “Combater o racismo sistêmico”.

Koshu Kunii, antiespalhamento Roma (NEV), 16 de setembro de 2021 – Há um racismo que é sistêmico, nos Estados Unidos, um país “nascido nas costas da escravidão, em terras que foram roubadas e saqueadas”. Como James "Jim" Winkler Jim Winklerpresidente do Conselho Nacional das Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA), protagonista da segunda entrevista com líderes protestantes mundiais, à margem do Fórum Inter-religioso que aconteceu em Bolonha nos últimos dias. O que significa que o racismo nos EUA é "sistêmico"? “Em nossa sociedade, um grande número de brancos nega até a existência do racismo. Isso por si só indica a intensidade do racismo nos Estados Unidos. Muitas pessoas confundem preconceitos, suas próprias orientações e pontos de vista, com racismo. Todo mundo tem algum tipo de viés pessoal. No contexto dos Estados Unidos, entretanto, poder mais preconceito é igual a racismo. E em nossa sociedade, o poder é realmente controlado pelos brancos. É assim que vocês se tornam cúmplices desse sistema. As formas em que se expressa são variadas: desde onde e se você pode ter uma casa própria, até o acúmulo de riqueza, cuidados de saúde, quanto mais chances você tem de ser parado pela polícia. Talvez a situação tenha melhorado desde que eu era mais jovem. Mas continua sendo um problema muito sério em nossa sociedade. Portanto, quando há episódios muito graves – refiro-me ao assassinato de Michael Brownou ao de George Floyd- quando você vê a intensidade do clamor, da frustração, da raiva, se você é branco, também tem que entender que existe algo mais profundo. Há uma raiva que precisa ser abordada. Muitas pessoas não querem fazer isso, eles não entendem a gravidade disso. Eles dizem: "Bem, eu não sou racista." É um problema antigo que realmente nunca foi embora. Por que as pessoas não podem simplesmente viver juntas, a natureza sistêmica do racismo deve ser abordada antes que possamos avançar. Temos que analisar o problema em um contexto e sistema mais amplo, que precisa ser corrigido e mudado. Hoje temos uma compreensão maior de tais fenômenos do que há muitos anos. Mas ainda há um longo caminho a percorrer. Há poucos dias, o aniversário das Torres Gêmeas. Como os Estados Unidos mudaram nesses 20 anos? O que você lembra daquele dia? Para mim, 11 de setembro de 2001 foi um dia muito, muito importante. Eu estava no Capitólio naquele dia, onde ainda trabalho. Do outro lado da rua do Capitólio fica um prédio da Igreja Metodista, um centro ecumênico, onde fica o Conselho Nacional de Igrejas, como muitas outras igrejas. Na época, eu era o responsável pelo prédio, como metodista, lembro de reunir todos para um momento de oração. Então soubemos do colapso da segunda torre e disse a todos para irem para casa. Senti que era minha responsabilidade permanecer no prédio para garantir que tudo estivesse seguro. Lembro que os prédios do governo foram rapidamente fechados. Tantos policiais na rua, não tinham para onde ir, usar o banheiro, ligar para as famílias, se abrigar do calor e pegar um pouco de sombra. Então, quase viramos um refúgio para os agentes. Logo depois tivemos um culto e também vários dias depois, para comemorar, para expressar nossa dor, nossa tristeza. Desde então, por algum tempo, tem sido muito emocionante ir trabalhar todos os dias no Capitólio. Até passar pelo Pentágono era diferente. Eu também estava ensinando uma classe de escola dominical em uma igreja local na época, perto de Washington DC, eu tinha tanto o pessoal do FBI, quanto a mídia, outros que trabalhavam no Pentágono, eu mesmo conhecia pessoas que morreram e nos anos 80 pelo forma como trabalhei no World Trade Center... O 11 de setembro foi e é um assunto muito pessoal. Mas, além da intensidade emocional do momento, devemos entender que os ataques ocorreram em um contexto histórico. As causas básicas desses ataques estão na política externa americana, e essas causas básicas precisam ser abordadas. Muitas pessoas negaram essa tese, elas simplesmente queriam vingança. Nossa proposta era, mais do que invadir o Afeganistão, fazer um esforço por meio de instituições internacionais para levar os responsáveis ​​pelo ataque à justiça e levá-los a julgamento pelo que fizeram. Destrua – não necessariamente militarmente – sua rede terrorista. Em vez disso, os Estados Unidos escolheram invadir o Afeganistão. Achei um erro muito grave, uma decisão fora dos limites do direito internacional. Uma escolha que anulou a forte solidariedade que o mundo tinha na época com os Estados Unidos e contra esse extremismo. Liderei uma delegação de representantes de diferentes religiões ao Paquistão e depois falei também sobre o Iraque…Qualquer pessoa com bom senso pode entender como as decisões que incorporam raiva, fúria e vingança foram tomadas.. E então eu pessoalmente acho que posso dizer que estávamos certos. E George Bush ele estava errado. Participamos de protestos, comícios e todo tipo de esforço para acabar com a guerra, especialmente no Iraque. Sempre pensei que a guerra contra o Afeganistão estava errada. Lá guerra ao Terror naquele início de 11 de setembro. Hoje, os EUA se retiram do Afeganistão. Como você vê a situação dos migrantes afegãos e de outros países do mundo? Para o Afeganistão, como igrejas nos EUA, estamos nos mobilizando para tentar reassentar refugiados. Por exemplo, minha igreja local em Alexandria, Virgínia, está recebendo uma família de refugiados afegãos. Nós somos recolhendo alimentos e roupas, estamos ajudando-os a encontrar um lugar para morar, tentamos garantir que seus filhos frequentem a escola, esperamos que os adultos consigam um emprego. Não tentaremos controlar suas vidas, mas apenas garantir que estejam prontos para viver suas vidas nos Estados Unidos. Esta é uma experiência muito comum em todo o país. Assim, o primeiro objetivo é satisfazer as necessidades imediatas. Enquanto isso, continuamos a exigir que os Estados Unidos sejam o mais generosos possível com as pessoas que estão tentando imigrar para nosso país, pessoas da América Central, Guatemala, Honduras, El Salvador. E estamos muito aflitos com as restrições impostas à imigração nos próximos anos. O governo Trump tem sido desastroso. Mas ainda hoje não estamos vendo as melhorias nas condições de fronteira que esperávamos. E ainda temos que lidar com a xenofobia que permeia nossa sociedade. Você está dizendo que ele já está desiludido com o governo Biden? Sim, estamos desapontados, até dissemos a alguns representantes do governo. O dissemos esperar que houvesse uma mudança real: queremos que mais imigrantes sejam admitidos nos EUA, especialmente aqueles que vêm para o nosso país porque temem por suas vidas, mas também por causa da exploração de recursos. Um problema muito difícil que precisa ser abordado é o seguinte: lA única razão pela qual as pessoas realmente querem deixar seu país é porque as condições de vida são intoleráveis. Porque sou eu? Os fatores são diferentes, mas os Estados Unidos não são inocentes. Há muitos anos que exploramos os países da América Central; nós os usamos como um reservatório de mão de obra barata, como meio de ter plantações de banana, coca, café, cacau, para que possamos desfrutar de luxos baratos em nosso país; apoiou governos militares repressivos; forneceu a esses governos armas e meios militares; teve políticas reacionárias terríveis que tornaram a situação intolerável. Assim, não só devemos acolher os refugiados, não só devemos permitir o acesso aos requerentes de asilo, mas também devemos mudar as nossas políticas em relação aos países de origem e, em particular, à América Central. Há uma necessidade de uma alteração sistêmica e holística das políticas governamentais e anti-racismo por parte de nosso povo. Como as igrejas nos Estados Unidos reagiram à pandemia? Tenho muito orgulho de como as igrejas que fazem parte do Conselho Nacional de Igrejas reagiram, e continuam a fazê-lo de forma muito responsável. É verdade, algumas igrejas e líderes religiosos têm dito que o covid é uma ficção, nunca deixaram de se reunir e rezar pessoalmente e têm apontado o dedo ao governo, “culpado” de reprimir a liberdade religiosa. Mas nossas igrejas entenderam que diante de uma pandemia não poderíamos continuar com centenas de pessoas rezando juntas, havia o risco de espalhar a doença, tínhamos que ser responsáveis. É por isso que entramos no culto virtual, fizemos sacrifícios, também usamos muitos de nossos prédios de igrejas para cuidar de crianças, de alcoólatras anônimos, de escoteiros e assim por diante, nossas igrejas são lugares ocupados, funcionam como centros sociais. Tivemos que parar todas essas atividades, porque a saúde pública é mais importante do que algumas de nossas funções anteriores – foi um grande desafio. Com o tempo, muitas de nossas igrejas também se tornaram centros de vacinação e locais de cooperação com os departamentos de saúde. Compartilhamos informações com a população, sobre distanciamento social, máscaras, prevenção... Hoje há esperança de podermos rezar juntos novamente. Muitas de nossas igrejas estão se movendo nessa direção, com cautela. Veremos como a pandemia progride. No entanto, muitas pessoas nos Estados Unidos sentem raiva, sentem o cansaço deste último ano. Felizmente, o governo Biden lidou com a emergência com responsabilidade, inclusive em relação às vacinas. Quais são os principais desafios para as igrejas norte-americanas? Acho que o primeiro desafio é justamente a Covid, superar a emergência sanitária. Devemos ser responsáveis ​​e encorajar nosso pessoal a ser responsável. Em segundo lugar, devemos abordar a profunda polarização que existe em nossa nação, que sem dúvida piorou muito nos últimos anos. Precisamos dizer às pessoas que só porque vocês discordam, politicamente, não significa que vocês devam se odiar. E então estamos incitando nosso governo a ser generoso: dar assistência econômica aos desempregados, melhorar o sistema de saúde abordando o racismo, afastar-se da devoção que temos em gastar tantos de nossos recursos com os militares. Vejo, portanto, na Igreja uma responsabilidade individual, mas também coletiva e depois a vontade de recorrer ao governo para buscar justiça. Estamos pedindo uma reforma de nossa força policial: muitos policiais veem os cidadãos como inimigos. Portanto, temos muitos desafios pela frente e são desafios políticos complexos. Bancos de argila, antisplash É difícil quando você tem uma nação inteira que foi construída em terras roubadas e criada nas costas de escravos. Desde o início, os EUA têm sido uma nação reacionária que professa ideias progressistas - liberdade, justiça, igualdade - mas entende uma contradição fundamental entre a própria fundação da nação e seus ideais professados. É por isso que digo que precisamos de um período sustentado de liderança calma, madura e responsável, e estou muito preocupado. Podemos desmoronar como nação: estamos em uma encruzilhada. Nós, como igrejas e comunidades de fé, temos diálogos inter-religiosos, entre o Conselho Nacional de Igrejas e nossos membros junto com a comunidade judaica, a comunidade muçulmana, as comunidades sikh, hindu, budista, porque queremos ser solidários uns com os outros, abordar o preconceito contra algumas dessas comunidades. E queremos trabalhar juntos para resolver os problemas de nossa sociedade e enfrentar os desafios futuros. Não podemos fazê-lo apenas como cristãos, temos que fazê-lo numa base inter-religiosa e é isso que estamos tentando fazer”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Bíblia.  Uma nova tradução italiana para o Jubileu da Reforma 2017

Bíblia. Uma nova tradução italiana para o Jubileu da Reforma 2017

Roma (NEV), 23 de outubro de 2013 – Uma nova tradução da Bíblia para o italiano. Esta é a iniciativa que a Sociedade Bíblica na Itália (SBI) está lançando em vista do 500º aniversário da Reforma em 2017. "O grande mérito dos reformadores - escreve o pastor Eric Noffke, presidente da SBI, em carta enviada em a ocasião do domingo da Reforma deste ano – foi precisamente a de chamar o cristianismo de volta à sua fonte, a Cristo, ao Verbo de Deus feito carne, cujo único testemunho de autoridade se encontra nas Escrituras do Antigo e do Novo Testamento”. A iniciativa será apoiada não apenas pelo SBI, mas também pelas igrejas evangélicas italianas às quais a carta de Noffke é dirigida para solicitar sua adesão. De facto, os custos não são indiferentes e ascendem a cerca de 500.000 euros num período de dez anos. “Para apoiar o empreendimento contamos não só com o empenho dos executivos nacionais das igrejas, mas pretendemos criar uma rede de indivíduos dispostos a nos apoiar com pequenas mas constantes quantias ao longo do tempo”, especifica o presidente da SBI. O método escolhido para a tradução também será novo. “A Bíblia protestante em italiano está ligada ao nome de um indivíduo, Giovanni Diodati – explica Noffke -. O método que temos em mente é mais coral porque envolve um grupo de tradutores, consultores e revisores escolhidos no mundo da evangelização italiana, para fazer uma tradução fiel à letra dos textos bíblicos e em uma linguagem moderna”. O Novo Testamento e os Salmos devem ser publicados em 2017, ano do Jubileu da Reforma, enquanto a Bíblia inteira deve ser impressa em 2023. “Esta nova tradução pretende dar expressão renovada à Palavra e pretende ser o legado da nossa geração para as que virão”, conclui Noffke. ...

Ler artigo
Corredores universitários.  Em Palermo, de Asmara, o primeiro graduado é Henok

Corredores universitários. Em Palermo, de Asmara, o primeiro graduado é Henok

Henok Michael com sua mãe (foto Centro Diaconal – Instituto Valdense e Caritas de Palermo) Roma (NEV), 8 de agosto de 2023 – Chama-se o primeiro graduado nos corredores universitários do projeto UNICORE 3.0 Henok Michael. 28 anos, nascido em Asmara na Eritreia, Henok Michael estudou engenharia química no Mai-Nefhi College, Eritrea Institute of technology, graduando-se em 2017 com honras. Hoje celebra o mestrado em Engenharia de Gestão, em Palermo. Em ilMediterraneo24.it uma entrevista por Stephen Edward Puvanendrarajah recolhe "as suas emoções, ambições e o vínculo que construiu com a cidade graças ao trabalho em rede sinérgico dos parceiros do projeto (Universidade de Palermo, Cáritas Diocesana de Palermo, Centro Diaconal "La Noce" - Instituto Valdese, Centro Astalli Palermo) ". A Agência NEV alcançou Ana Ponentediretor do Centro Diaconal “La Noce”, que divulgou esta declaração: “A experiência dos corredores universitários é uma experiência importante para o Centro Diaconal, porque tem como foco o direito de estudar, o direito de realizar seus sonhos. Quando o Centro Diaconal foi contatado para fazer parte desse Protocolo, ainda não conhecíamos bem o projeto. Aderimos logo após uma discussão que tivemos com os vários representantes institucionais, compreendendo de imediato o valor profundo que é colocar a pessoa no centro de tudo. Gostaria de sublinhar a importância do trabalho dos operadores que acompanham concretamente estes jovens todos os dias. Em particular, refiro-me à nossa pessoa de contato nos Corredores da Universidade, Dr. Safa'Nejique é o operador delegado do Centro, que também tem experiência na área de Corredores Humanitários dentro do nosso centro. É importante reconhecer o valor desta colaboração, do encontro, da discussão de pensamentos, dificuldades e necessidades concretas. Por exemplo, na concretude do quotidiano, trata-se de acompanhar os filhos nas questões sanitárias, burocráticas, mas também psicológicas e emocionais. Ainda assim, quero sublinhar a motivação destes jovens. Em especial, gostaria de dizer que esta primeira experiência da graduação de Henok em gerenciamento de engenharia realmente nos comoveu profundamente. Isso nos deixou muito orgulhosos. Henok, assim como os demais alunos que participam deste protocolo e participaram com muito carinho deste primeiro evento realizado em Palermo, são jovens muito ocupados, que estudam muito, que querem muito alcançar seu objetivo de se formar. Ao mesmo tempo, não descuidam do conhecimento do contexto da cidade em que vivem e também estão aprendendo a língua italiana por meio de cursos assiduos. Tudo isso não faz mais do que confirmar que a possibilidade de oferecer vias legais de acesso a homens e mulheres é a mais acertada. Hoje é Henok, mais tarde outros jovens poderão se formar. Sim, deveriam e poderiam ter se formado em sua cidade, em seu país, com seus amigos – como também disseram Henok e sua família -. No entanto, eles puderam fazê-lo aqui, graças ao empenho de todas essas realidades. Este projeto resulta da construção de um diálogo, de um confronto, de um percurso de valores, mas também de um método entre diferentes entidades que operam na cidade. Este é o valor agregado fundamental que faz a diferença na minha opinião. O Centro Diaconal La Noce, a Caritas, a Universidade, o Centro Astalli – que já colaboram e compartilham um pensamento comum de compromisso político-social e baseado em valores – basicamente continuam também pelos Corredores Universitários qual é o caminho para respeitar o direito de todos e todas. Foi realmente um momento inesquecível para mim. Esse foi um dos melhores momentos que vivi em muitos anos de trabalho. Foi ainda mais quando conheci a mãe de Henok e pude ver seu olhar. Fiquei muito entusiasmado, mesmo nos aspectos de convívio, em festejar e passar a noite juntos". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.