55 anos após a morte de Martin Luther King

55 anos após a morte de Martin Luther King

Roma (NEV), 4 de abril de 2023 – Há 55 anos, em 4 de abril de 1968, em Memphis, no estado do Tennessee, foi assassinado o pastor afro-americano Martin Luther King, líder do movimento pelos direitos civis. Nascido em uma América ainda segregada, em que havia espaços apenas para brancos e outros apenas para negros, em um país que de fato impedia o voto dos afro-americanos, em uma época ainda marcada pelo mais violento racismo, King morreu em um país que estava mudando.

A lei de 1965 finalmente reconheceu aos negros também o pleno direito de voto; formalmente as leis de segregação haviam caducado e, pelo menos em algumas áreas, foi lançada uma reflexão crítica sobre o pecado original da América: o racismo, com seus trágicos corolários do tráfico, comércio e uso de escravos para o avanço da economia nacional. Era uma página imoral e até blasfema porque, com raríssimas exceções, igrejas e comunidades cristãs nos Estados Unidos aceitavam a escravidão como um fato natural, uma variável possível das relações sociais e econômicas.

King’s foi um movimento político, claro, mas acima de tudo ele montou uma frente de consciências: em um país também dividido por barreiras confessionais, ele soube unir católicos e protestantes, judeus e muçulmanos, seculares e agnósticos e, em alguns casos, , mesmo conservadores e progressistas. Foi um tempo de esperanças excepcionais, perfeitamente expressas no famoso discurso que King fez no Lincoln Memorial em Washington em 28 de agosto de 1963. Um discurso memorável, feito de improviso, no qual aquele pregador negro delineou o verdadeiro sonho americano: que de um país reconciliado, que busca justiça e quebra as barreiras da cor da pele e da etnia.

No entanto, em poucos meses, esse sonho se transformou em pesadelo. Algumas semanas após o grande encontro em Washington, de fato, um ataque racista da Ku Klux Klan matou 4 meninas negras em Birmingham, Alabama. Eles estavam assistindo a uma aula da Escola Dominical na Igreja Batista da Rua 16 quando, às 10h30, uma bomba letal explodiu. Não foi o último. No que o próprio King chamou de jornada no deserto para a terra prometida, haveria outras dificuldades, outras vítimas, outras lutas.

Como aquela que King liderava às vésperas de seu assassinato: a organização de uma grande marcha contra a pobreza, uma mobilização que reuniria brancos e negros afetados por uma crise econômica causada em grande parte por investimentos militares para financiar a guerra do Vietnã.

Esta foi a última batalha de King antes de ser morto: a denúncia do entrelaçamento de racismo, militarismo e pobreza, faces de um único mal que atacava a consciência da América. E é nessa denúncia que deve ser buscada a chave de seu assassinato que, segundo as investigações, não teria mandato mas apenas um modesto executor criminal de baixo perfil. Depois de tantos anos, a condenação do responsável por aquele ataque parece fraca e cheia de questionamentos.

Cinquenta e cinco anos depois, a América mudou muito, também teve um presidente negro e o próprio King é uma espécie de herói nacional. No entanto, o racismo americano não está morto. Muitos afro-americanos na prisão, muitos vivendo abaixo da linha da pobreza, muitas vítimas negras inocentes mortas pela polícia, muitos bairros só para negros, cada vez mais degradados e marginais. Tampouco parou a corrida armamentista, contra a qual King passou os últimos anos de sua vida, pedindo a conversão dos gastos de guerra em investimentos sociais.

E então, mais do que os monumentos que celebram o pregador negro, precisamos olhar para os movimentos que interpretam sua herança moral, política e espiritual. Paz, desarmamento, direitos, inclusão social: é só raciocinando e agindo sobre essas questões que podemos entender a relevância e a força desse legado que Martin Luther King nos deixou.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Guerra, paz, conversão.  Um testemunho de fé e compromisso

Guerra, paz, conversão. Um testemunho de fé e compromisso

Foto Sunyu / Unsplash Roma (NEV), 14 de fevereiro de 2023 - Na véspera da conferência "Vamos abandonar a guerra mundial em pedaços" em 15 de fevereiro, publicamos a "História de uma conversão pelo caminho da Paz". É o testemunho de Maria Elena Lacquaniti, coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A GLAM é uma das promotoras deste encontro que comemora os 20 anos da grande mobilização de 2003 pela paz no Iraque e pretende reflectir sobre os desafios do movimento anti-guerra internacional. As palavras de Lacquaniti expressam a vocação de "Professar a paz, trabalhar pela justiça". A história de sua conversão vai do comércio justo, ao ativismo político, à entrada em uma igreja batista, segurando cartazes pela paz. A chamada vem através de encontros significativos com os fiéis, padres e freiras, um pároco e sua esposa. Lacquaniti escreve: “Em pouco tempo, o vazio deixado pelos camaradas que lutaram e se extinguiram foi preenchido para nossa surpresa por um público diferente, abrindo-nos para novas amizades e colaborações. […] Assim, turmas de crianças, alunos e alunas do ensino médio, professores ativos e aposentados e, com eles, associações e movimentos, mas sobretudo pessoas de fé, passaram pela oficina aos Hare Krishnas que acompanharam durante uma tarde inteira com sons e canções a exposição de fotos que montamos para aumentar a conscientização sobre o horror das crianças-soldado em Serra Leoa, um Don Gigi do oratório salesiano, passando pelo pároco Blasco Ramirez e a esposa dele Irene Vianello que nos convidou para falar sobre comércio justo na igreja batista de Civitavecchia e vender nossos produtos durante o agapi”. A escolha pacifista se confunde com a vida das pessoas comuns, estudantes, famílias, comerciantes, com irmãs e irmãos das igrejas. E isso leva a reencontrar a Bíblia e Jesus. Maria Elena Lacquaniti quis dar seu testemunho às vésperas do encontro em Roma no dia 15 de fevereiro promovido junto com Un Ponte Per, a Rede Nacional de Coordenação para a Paz e o Desarmamento, o próprio GLAM e outros. (Encontro na Igreja Evangélica Metodista na via XX Settembre em Roma a partir das 16h30 e online ao vivo no facebook e outros sites). Leia aqui a História de uma conversão pelo caminho da Paz. ...

Ler artigo
O Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses de 22 a 25 de agosto

O Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses de 22 a 25 de agosto

a "Casa Valdese" de Torre Pellice onde se realiza o trabalho da assembléia das igrejas metodista e valdense na sala sinodal durante uma semana por ano Roma (NEV CS/16), 6 de agosto de 2021 – De volta Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas. O site www.chiesavaldese.org dá a notícia, que publica hoje o calendário com as principais marcações do evento que se realizará em fórmula mista (presencial e online) para fazer face à emergência Covid ainda não superada. Há um ano o sínodo não foi celebrado e foram organizados momentos de discussão, enquanto este ano o mais alto corpo governante das igrejas valdenses e metodistas estará totalmente operacional, embora com um horário reduzido do que o habitual, de domingo 22 a quarta-feira 25 de agosto, entre a web e o tradicional escritório de Torre Pellice, na província de Torino. Não faltarão eventos paralelos como debates, apresentações, reuniões teológicas, também neste caso parte online e parte presencial, sempre em nome da segurança. O calendário com os principais eventos: sexta-feira 20 – Concerto em francês pela associação Musicainsieme. Encontro às 21 horas no Templo Valdense de Torre Pellice sábado, 21 – O “pré-sínodo” da Federação das Mulheres Evangélicas às 17h propõe uma mesa redonda sobre o tema “Contraponto: mulher e trabalho, um olhar diferente sobre a economia, a sociedade e a política. Mulheres protestantes enfrentando os desafios de uma sociedade em transformação". O debate será transmitido ao vivo pela página do Facebook da Reforma. domingo 22 – Entramos no coração do Sínodo com o culto inaugural às 10h no templo da Torre Pellice presidido pelo pastor Winfrid Pfannkuche. O culto será transmitido pelos canais do Facebook e YouTube da Rádio Evangélica Beckwith. segunda-feira, 23 – A habitual segunda-feira à noite regressa e aborda o tema “Next generation EU? Os jovens e a Europa entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização”. O encontro é às 21h no templo da Torre Pellice, com transmissão ao vivo da Rádio Evangélica Beckwith. Marta Bernardini (Esperança do Mediterrâneo) e Valeria Lucenti (vice-diretora do Centro Ecumênico Ágape) lideram. Annalisa Camilli (jornalista de Internacional), Stefano Allievi (sociólogo, Universidade de Pádua), Brando Benifei (MEP), pastora Daniela Di Carlo; conclusões da moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta. quarta-feira 25 – Outro tema central de cada semana sinodal é o da diaconia. Às 21h, no jardim da casa valdense, será realizado o encontro sobre “Fronteiras diaconais – Pensamento teológico e diaconal” da Comissão Sinodal para a diaconia. Será apresentado o novo número dos cadernos da Diaconia: “Pensamento teológico e diaconal”. quinta-feira 26 – Novo em relação ao habitual é a colocação do tradicional dia teológico dedicado a Giovanni Miegge, geralmente antes do sínodo e desta vez após o seu encerramento. Presencialmente no templo da Torre Pellice e online será possível acompanhar o encontro sobre “A crise da democracia e o papel das igrejas no espaço público. A igreja entre a felicidade individual e a construção da sociedade”. Segue o link da vídeo mensagem da moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta em vista do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense 2021: “O amor nunca falhará” “Estamos confiantes de que na variedade de rostos, sotaques, dos 180 deputados masculinos e femininos, homens e mulheres, jovens e velhos, pastores e leigos, principalmente conectados por uma tela, tudo será expresso a força da união unida, a alegria de compartilhar, responsabilidade pela participação ativa de todos na tomada das decisões que nortearão a vida e a ação de nossas igrejas no próximo ano”, disse Alessandra Trotta no vídeo. Para mais informações sobre o programa e conteúdos do Sínodo 2021: www.chiesavaldese.org ...

Ler artigo
Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Foto: Amber – Unsplash Roma (NEV) 30 de agosto de 2022 - Após a introdução sobre "Água, seca e arredores" assinada por Maria Elena Lacquaniticoordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), continua o ciclo de insights sobre esse recurso fundamental para a existência. A nova contribuição do GLAM intitula-se "Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade" e é editada por Antonella Visintin. No documento, a partir de alguns dados sobre a precipitação, sobre o aumento das temperaturas e sobre os fenómenos de seca em Itália, são recolhidas algumas propostas operacionais. Eles dizem respeito não apenas aos campos agrícola e industrial, mas também aos domésticos e pessoais. Além da crise da água Uma das palavras de ordem do GLAM é "consciência". Falar sobre a crise hídrica pode ser uma das formas de conscientizar as pessoas, contra o desperdício e pelo consumo responsável de água, alimentos e recursos em geral. “A crise hídrica ocorreu num contexto económico extremamente crítico, com empresas já experimentadas pelos fortes aumentos dos custos de produção decorrentes do conflito na Ucrânia, mas não só: energia, fertilizantes, rações, gasóleo, sementes, produtos fitofarmacêuticos” lê-se no documento. Um ponto delicado é o que diz respeito à gestão da água: quase um bilhão de metros cúbicos de água escapam todos os anos devido a vazamentos no abastecimento de água público e privado. Além disso, poderia melhorar o armazenamento da água da chuva, promover o uso racional nos setores agrícola e industrial, conscientizar a população sobre o uso responsável da água “como um bem comum a ser preservado para as gerações futuras”. Um ponto de partida, diz GLAM, “poderia ser o plano de adaptação climática desenvolvido em 2018 pelo então Ministro do Ambiente Gianluca Galletti (nunca aprovado), que enumerava as emergências dos territórios, os riscos repartidos por macrorregiões, as infraestruturas a construir, os tempos e o compromisso financeiro”. O documento faz parte de uma série de reflexões editadas pelo GLAM por ocasião do "Tempo da Criação", período litúrgico ecumênico mundial que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que deu seus primeiros passos com a União Europeia Assembléia Ecumênica em Graz (Áustria) em 1997. Baixe aqui: Água e arredores – INTRODUÇÃO Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.