As palavras de fé na sucessão das gerações

As palavras de fé na sucessão das gerações

Roma (NEV), 1º de junho de 2021 – A sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) está de volta. De 25 a 31 de julho no Mosteiro de Camaldoli, o evento tem como título “As palavras de fé na sucessão das gerações”. Versículo de referência: “Contarás a teu filho” (Êxodo 13,8).

Em 2020, devido ao covid, não se realizou a habitual consulta de verão do SAE. O próximo compromisso em Camaldoli representa, portanto, um verdadeiro “retorno às origens”, como escrevem os organizadores.

A associação interconfessional de leigos e leigas para o ecumenismo e o diálogo a partir do diálogo judaico-cristão afirma: “Algumas das primeiras sessões (1967-1970) concebidas pelo fundador da SAE ocorreram precisamente no Bosque Casentino Maria Vingiani, cujo centenário de nascimento é comemorado este ano. E a SAE foi um estímulo decisivo para o nascimento, há quarenta e dois anos, dos Colóquios Judaico-Cristãos de Camaldoli”.

Hoje todas as igrejas “vivem a questão de como transmitir o anúncio evangélico às novas gerações” continua a SAE. Jovens que estão cada vez mais “afastando-se de contextos religiosos nos quais não se sentem envolvidos e de linguagens que não atingem sua interioridade”.

A semana em Camaldoli inclui relatórios no plenário, oficinas, entrevistas, grupos de trabalho, liturgias confessionais e ecumênicas, momentos de convívio e tarde livre para caminhadas na floresta ou visita à ermida.

Entre os palestrantes, também o teólogo valdense Paulo ricoo pregador valdense Erica Sfreddaa pastora Ulrike Jourdano pastor batista Lydia Maggia pastora valdense Ilenya Gosso histórico Bruna Peyroto monitor valdense Daniele Parisio pastor valdense William Jourdano pastor batista Ângelo Reginato. Além disso, representantes ortodoxos, pentecostais, judaístas e da Coordenação Teológica Italiana (CTI).

A conformidade com os regulamentos anti-covid e os links de streaming serão garantidos. Para informações e inscrições (até 30 de junho) escreva para: [email protected]

Aqui o programa completo: FolhetoSAESessioneCamaldoli-2021

www.saenotizie.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“tristeza e consternação” pelo Conselho Mundial de Igrejas

“tristeza e consternação” pelo Conselho Mundial de Igrejas

Foto de Dennis Jarvis/FLM Roma (NEV), 23 de julho de 2020 – No momento em que as primeiras orações estão em andamento na recém-transformada mesquita de Santa Sofia, o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) destacou mais uma vez na página inicial de seu site a carta que Ioan Saucasecretário-geral interino, enviado em 11 de julho ao presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan expressando "tristeza e consternação" dos membros do CMI por sua decisão de converter Hagia Sophia em uma mesquita. Desde 1934 "Hagia Sophia tem sido um lugar de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e religiões", diz a carta, que também acrescenta que tem sido uma "expressão poderosa do compromisso da Turquia com o secularismo e a inclusão e seu desejo de deixar para trás os conflitos do passado”. Sauca escreve: “Sinto-me obrigado a transmitir a você a dor e a consternação do Conselho Mundial de Igrejas e de suas 350 igrejas-membro em mais de 110 países, representando mais de meio bilhão de cristãos em todo o mundo, na etapa que você acabou de realizar: ao decidir reconverter Hagia Sophia em mesquita, você inverteu aquele sinal positivo da abertura da Turquia e o transformou em um sinal de exclusão e divisão”. “Ao longo dos anos – continuou Sauca -, o CMI tem feito grandes esforços para apoiar o engajamento ativo de suas igrejas no diálogo inter-religioso, a fim de construir pontes de respeito mútuo… entre as diferentes comunidades religiosas (…) e pronunciado em defesa e em apoio de outras comunidades religiosas, inclusive muçulmanas, para que seus direitos e integridade sejam respeitados". Transformar um "lugar emblemático" como a Hagia Sophia de museu em mesquita "criará inevitavelmente incerteza, suspeita e desconfiança, minando todos os nossos esforços para reunir pessoas de diferentes religiões à mesa do diálogo e da cooperação". O CMI também teme que a decisão "encoraje as ambições de outros grupos que buscam derrubar o status quo existente e promover novas divisões entre as comunidades religiosas". AQUI a carta completa. ...

Ler artigo
Otto per mille valdense e metodista, a lista de 1557 projetos

Otto per mille valdense e metodista, a lista de 1557 projetos

Roma, 15 de setembro de 2022 – A lista completa dos projetos financiados este ano com recursos Otto per Mille (OPM) destinados pelos contribuintes italianos à Igreja Evangélica Valdense foi publicada hoje no site www.ottopermillevaldese.org – União das Igrejas Metodistas e Valdenses. As escolhas para a distribuição dos fundos receberam a aprovação do Sínodo, Assembleia que constitui a mais alta autoridade humana das Igrejas valdenses e metodistas, que aconteceu de 21 a 26 de agosto em Torre Pellice (Turim). São exatamente 1557 - 1107 na Itália e 450 no exterior - os projetos aos quais foram alocados ativos totais de aproximadamente 45 milhões, adquiridos em virtude de mais de 570 mil assinaturas (3,3% do total de escolhas expressas pelos contribuintes). Manuela Vinay “O elemento distintivo deste ano, da convocatória de 2022 – explica Manuela Vinay, responsável pelo Otto per mille – é o maior número de projetos mas também o montante – 45 milhões já atribuídos: nosso recorde”. Como isso foi possível? “Graças ao maior número de assinaturas, ou seja, de contribuintes que optaram pelas igrejas valdenses e metodistas”. Recorde-se que é feita referência ao exercício fiscal de 2018 e às declarações fiscais assinadas em 2019, portanto antes da pandemia. Como esse registro pode ser explicado? “Colhemos os frutos da nossa consistência ao longo do tempo, feita de transparência e abertura total a todas as realidades. Para nós é um ponto forte estar presente em muitos territórios, mesmo com pequenas associações e projetos locais” que dificilmente têm possibilidade de acesso a fundos e empréstimos de outras instituições ou entidades. “Semear nas mais diversas realidades, mesmo com quantidades mínimas, significa para nós dar uma resposta aos “pequenos” e aos “poucos”, às realidades que estão bem conscientes das necessidades dos territórios onde trabalham e trabalham para outros", acrescenta Vinay . Diferentes perspectivas futuras. De fato, o número de assinaturas nas declarações fiscais diz que haverá uma queda significativa nas contribuições (para todas as igrejas). “Durante os anos da pandemia, os contribuintes olharam para o Estado com outros olhos, menos desanimados. Daí a decisão de transferir a cota do Otto per mille das confissões religiosas para o Estado”, disse o chefe do OPM. “Sabemos que vamos ter uma quebra de assinaturas e teremos de ser ainda mais criteriosos e criteriosos na gestão dos fundos – conclui – e vamos tentar privilegiar como sempre a qualidade das intervenções”. Projetos Otto per mille: todos os números No que diz respeito às iniciativas apoiadas em Itália, conforme refere o comunicado de imprensa do OPM, o maior número (21% do total) insere-se na categoria “Melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental”. Entre eles, muitos dizem respeito ao tema do "depois de nós" (ou seja, a proteção das pessoas com deficiência deixadas sem apoio familiar), que se faz sentir particularmente hoje. Seguem-se as categorias de “Promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens” (17%), “Atividades culturais” (16%); luta contra a pobreza, privação social e precariedade laboral (9%), proteção da saúde (8%), acolhimento de refugiados e migrantes (7%), prevenção e combate à violência de género (7%), reabilitação de reclusos e ex- reclusos (4%), educação para a cidadania (4%), proteção ambiental (4%), idosos (3%). Os projetos internacionais são divididos da seguinte forma: cuidados de saúde e intervenções de proteção à saúde (19%), educação (19%), proteção à criança (12%), treinamento profissional e atividades geradoras de renda (11%), direitos humanos (9%) , desenvolvimento rural e segurança alimentar (9%), promoção do papel da mulher e igualdade de género (9%), ajuda humanitária de emergência (5%), acesso a água e saneamento (3%), luta contra a malnutrição (3%) , proteção ambiental (1%). A maioria dos projetos está concentrada na África e no Oriente Médio, além da América Latina. As palavras do moderador “Mesmo num ano ainda muito difícil, pelo prolongamento das consequências da pandemia, que acentuou as já profundas desigualdades no acesso a serviços e direitos essenciais a uma vida com dignidade, segurança e liberdade, – explica Alessandra Trotta, Moderador da Mesa Valdense, – temos a possibilidade de não faltar o nosso apoio a essa parte da cidadania ativa que trabalha todos os dias ao lado e no apoio aos menos e mais necessitados. A maior receita recebida, graças ao aumento das assinaturas dos contribuintes a favor da nossa Igreja, permitiu-nos de facto não só garantir a continuidade de pequenos e grandes projectos levados a cabo por associações e organizações que já tinham entrado na nossa 'comunidade' nos últimos anos alargado', mas também para apoiar muitas novas iniciativas: propostas que este ano receberão pela primeira vez o nosso contributo, para serem investidas, num pacto de confiança, na solidariedade, no desenvolvimento, na cultura, na protecção do ambiente". Aqui a lista completa O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado para os fins estabelecidos por lei. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que só podem ser atribuídos a partidos políticos. No entanto, apenas 8×1000 são atribuídos anualmente pelo Ministério das Finanças (uma vez que já está “incluído” na tributação), e funciona efetivamente como uma votação, em que os que se abstêm contribuem para o valor do voto maioritário. Oito por mil de todos os rendimentos declarados são, em qualquer caso, divididos entre o Estado e todas as entidades religiosas responsáveis ​​por recebê-los, na proporção das escolhas efetivamente recebidas por cada organismo. ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 10º dia.  Plaza de Majo, mães e avós

16 dias para superar a violência, 10º dia. Plaza de Majo, mães e avós

Foto Wikimedia Commons Roma (NEV), 4 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 10: 4 DE DEZEMBRO As mães (e avós) indomáveis ​​na Plaza de Majo, Buenos Aires SOLICITARdiscutirÀs vezes, a memória desaparece:como mantê-lo vivopara um futuro melhor? St45 anos se passaram desde 24 de marçozo 1976 as Forças Armadas tomaram o poder na Argentina com um golpe, mas a corajosa luta das mulheres ainda não acabou que sofreram a perda de filhas, filhos, maridos, familiares opositores do regime. Calcula-se que foram presos, detidos ilegalmente, torturado, morto e desaparecido nada menos que 30.000 pessoas: desaparecidodesapareceu em nada, na verdade muitos jogados de aviões no Rio da Prata. Desde então, todas as quintas-feiras suas mães se reúnemencontrado na Plaza de Majo em Buenos Aires com um lenço branco amarrado na cabeça, (originalmente a fralda de pano usada para bebês), caminhar ao redor da pirâmide que fica no centro, com placas de protesto e fotografias: a princípio pediram restitução de seus filhos desaparecidos. três de fundadores da Associação foram presos e feito para desaparecer por sua vez. Mas até hoje os outros persistem para que seja pelo menos reconhecidoaprendeu, reconstruiu e deu a conhecer a história segredo do desaparecimento de seus entes queridos, e eles são identificar e punir os culpados. Junto com mãeso avuelas (avós) e o familiaris eles tentam encontrar pelo menos o netos, nascidos na prisão de desaparecido emcintos. Manuseados como "despojos de guerra", estes crianças foram vendidas ou mantidas pelos militares como seus, ou abandonados como filhos de NN e talvez adotado mais tarde. Para eles as avós eles desejam retribuir o carinho de seus verdadeiros família e identidade que foi abusiva para elesmente negada. Proposta de Visão: 3 POSTERS EM EBBING, MISSOURI dirigido por Martin McDonagh EUA/Reino Unido, 2017, 115'A tenacidade do pedido de justiça pelo assassinato de sua filha pela mãe-coragem deste filme é uma condenação sem apelação para os violentos de todas as latitudes. VERSÍCULO BÍBLICO Abraão mandou o servo embora. Agar partiu e vagou pelo deserto de Berseba. Quando acabou a água do odre, ela colocou o bebê debaixo de um arbusto. E ele foi e sentou-se em frente, à distância de um tiro de arco, porque disse: que eu não vejo a criança morrer! E sentado tão detesta ergueu a voz e chorou (Gn 21, 14b-16) COMENTE Estamos lidando com uma mãe estrangeira chamada Agar que, expulsa com seu filho da casa onde sempre desempenhou diligentemente o papel de serva, chega às profundezas do desespero no deserto. estabeleceo corpo de seu filho moribundo sob um arbusto. O destino da criança parece selado. O sofrimento dessa mulher é inexprimível. Ela se afasta um pouco para não vê-lo morrer e solta um grito de partir o coração. É o grito de quem não aceita sobreviver ao filho. É o grito de quem compreende ter sofrido uma injustiça injustificada justamente do povo, Abraão e Sara, de quem era legítimo esperar proteção e não abandono à morte certa no deserto. É o grito de todas as mães do mundo diante do destino traçado de um filho ou filha que, ao invés de ser valorizado e bem integrado nos processos democráticos de uma sociedade, é privado da vida. E a mãe fica com lágrimas, protestos, denúncias, pedidos de justiça, mesmo depois de anos, porque aquele filho ou filha é a vida dela. ORAÇÃO Odiarquando a vidaLá mostra a cara d'omsutiãe quando os vampiros de rosto humanoviolentamenteeles privam as mães de afeto mais caro,do que seus gritos, ontem como hoje,não caia em vazioda nossa indiferençaza.Deixe esses gritos virempara nós, como para os seus ouvidos.Humanidade ferida em vocêencontre o força para não desistirDe enfrentando a dorcausado por muitas tiraniasespalhado no mundo. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.