A educação cristã no centro do Sínodo da Iglesia Valdense del Rio de la Plata

A educação cristã no centro do Sínodo da Iglesia Valdense del Rio de la Plata

Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2020 – A 57ª Assembleia Sinodal da Igreja Evangélica Valdense do Rio da Prata, que reúne representantes das comunidades valdenses do Uruguai e da Argentina, juntamente com pastores e representantes dos trabalhos diaconais que a igreja realiza nas duas nações, iniciou suas atividades na tarde de sábado, dia 1º de fevereiro, com o tema “Reconhecendo-nos no contexto: uma abordagem de nossas práticas educativas comunitárias” no centro.

O pastor Ariel Charbonnier – como a mais velha – deu as boas-vindas a todos os participantes e fez o credenciamento dos deputados e pastoras com direito a voto, bem como do moderador da área italiana, Alessandra Trotta. 59 são as reuniões sinodais com voz e voto. Como em todas as edições, as pessoas com direito à palavra foram apresentadas uma a uma; entre estes, os conselheiros das obras diaconais, as comissões sinodais e o delegado fraterno da American Waldensian Society, David Stubbs.

A Mesa Sinodal, encarregada de moderar os trabalhos da assembléia, é composta por: Sérgio Bertinatpároco da Colônia Belgrano, presidente; mabel gonnetde Montevidéu, vice-presidente; marta garnierda comunidade de San Gustavo, secretário e pároco Hugo Armand Pilon como conselheiro.

Por se tratar de um sínodo temático, os dois primeiros dias de trabalho foram dedicados ao tema escolhido, a educação cristã, e somente a segunda-feira será dedicada a questões administrativas e à eleição dos cinco membros da Mesa Valdense.

Abaixo, uma galeria de fotos das obras.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 9º dia.  Direito à felicidade para todos

16 dias para superar a violência, 9º dia. Direito à felicidade para todos

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 3 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 9: 3 DE DEZEMBRO Direito à felicidade para todos SOLICITARdiscutirO que significa, emnossa vida, o direito defelicidade? ceu sou mulher, e mulheres: aquelas que chegamo primeiro, o último e o infinitomultidão dos que estão no meio,sem nome. Os primeiros são sempre demaispoucos (estatísticas desanimadoras sobre o númerode gerentes, políticos, cientistas), eles recebemmas visibilidade e satisfação. Interessepouco para saber o quanto de si eles deixaram in-atrasa pra chegar, quanta incompletude simeles guardam dentro. Este último pode serignorado, escarnecido, mas também lamentado, ajudadotates, erguido como um símbolo da maldade docient, quando se trata de migrantes, mulheres,sempre vítimas de outro mundo, tambémquando são vítimas de homens destenosso mundo, porque é difícil admitirque os violentos estejam entre nós. Mulheresno meio, o penúltimo, trabalho para o homemmanter, muitas vezes forçado a tempo parcial Paranecessidades da família, demitido com mais facilidadedos homens, pague menos. Pelas dificuldadesque eles encontram desistir de desejos, pro-jatos, aspirações pessoais. O método deIgualdade de oportunidades não teve resultados satisfatóriosdesfeito, influenciando apenas no topo daramo social, em um período histórico em queo elevador social está bloqueado.Neste panorama qual mulher é, nãoDigo mais feliz, que é uma palavra grande, mas mais umaconfortável em sua própria mente e corpoum pouco de mulher, com a liberdade de estar ali? deve-ser universalmente claro que decolaraspirações, sonhos, ideias, projetos, transformaçõesEu dou a vida em uma pista de obstáculos, onde se você cairvocê mal se levanta, é violência.É demais esperar um tempo de novas so-roridade entre os primeiros, que têm mais poder deato, o último e o penúltimo, sabendo queninguém está sem poder e liberdade? VERSÍCULO BÍBLICO E todas as viúvas vieram a ele tristemente.gendo, mostrando-lhe todas as túnicas e vestidos que Gazelle fez enquanto ele estava com eles. Mas Pedro, tirando todos para fora, ajoelhou-se e orou; e, voltando-se para o corpo, disse: “Tabita, levanta-te” (At 9, 39-40). COMENTE Grande deve ter sido a felicidade deviúvas em re-abraçar sua queridavivo de novo. Tabita não era uma rebelde, masmulher corajosa sim. Na verdade, ele havia abraçado o cristianismo em uma época de perseguição.E fê-lo da forma mais coerente possível, tanto que foi definida como discípula”, a primeira e única mulher a receber esta denominação no Novo Testamento. Tabita era uma mulher ocupada, cuidando dos últimos e mais frágeis da época: as viúvas. Com eles, ele criou fortes laços de irmandade. Ele fez vestes e roupas para eles. Eram ternos feitos sob medida, porque ele considerava as viúvas comopessoas, não como uma categoria indistinta. EntãoTabitha adoeceu e morreu. Pietro foi chamado para intervir e quando chegou as mulheres já estavam lá.Os papéis haviam se invertido. Não era mais Tabitapara agir em auxílio das viúvas, foram elas que mostraram a Pedro o bem tangível do discípulo, pedindo-lhe o impossível. No seguimento de Jesus anulam-se as diferenças, estreitam-se as relações, a nova irmandade transcende os tempos e torna-se real e possível. E neste cenário, Tabitha volta à vida. ORAÇÃO Senhor, ajude-nos a ser seudiscípulos, nunca indiferentesà violência, sempre prontofazer o bem. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
OPM valdense, hotelaria, cultura e saúde no topo da lista de projetos

OPM valdense, hotelaria, cultura e saúde no topo da lista de projetos

foto de Alexei Scutari, unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 – Inclusão e acolhimento de migrantes, cultura e proteção da saúde são as três vertentes mais populares nos projetos financiados pelo Otto per mill Valdensian and Methodist (OPM). A cifra surge da leitura dos números relativos ao ano passado. De fato, o Tavola Valdese publicou ontem o relatório sobre os usos de 2019 do 8×1000 valdenses e metodistas. Um total de 27.524.948 euros foram alocados na Itália – 62% do valor total -, 14.463.063 no exterior. Os custos de gestão, comunicação e pessoal são reduzidos: pouco mais de 5%, 2.249.618 euros. Tudo isso - vale lembrar - em total transparência. Até o último euro que os valdenses decidem dar é um fato público, em suma. “O número de projetos financiados – declara Manuela Vinay, responsável pelo OPM – reflete o número de solicitações recebidas. Em média, apenas 1 em cada 4 solicitações é aceita e se torna um projeto 8xmille. A comissão geralmente recompensa os projetos mais convincentes. Em 2019, o maior número de fundos destinou-se ao acolhimento e inclusão de migrantes (mais de 18%), sobretudo a projetos de inclusão”. Um tema, o dos migrantes, que a olho nu terá um peso específico menor no próximo ano, quando os pedidos sofrerão forçosamente o impacto da pandemia. “Em 2020 – acrescenta Vinay a este respeito – recebemos uma queda significativa nos pedidos de financiamento nesta matéria e de facto o número de projetos financiados diminuiu na mesma proporção”. Mas a OPM valdense e metodista tem um critério que vai além dos pedidos, pode-se dizer mais meritocrático. “Recompensamos os projetos mais convincentes sem perseguir nenhum tema específico”, esclarece o gerente. Após a inclusão e aceitação, “entre as categorias predominantes em termos de recursos alocados está a deficiência física e mental. Nesta questão específica existem muitas realidades que funcionam muito bem e refletem uma necessidade real muito forte. Neste contexto, o tema “depois de nós” é o mais sentido.Outra categoria financiada com quase 16% é a cultura. Alimentar a mente significa oferecer ferramentas e estímulos para pessoas melhores que possam contribuir com a sociedade.Na frente externa, em 2019 alocamos menos recursos do que havíamos suposto inicialmente porque não recebemos pedidos suficientes que atendessem aos requisitos da comissão responsável”. A próxima chamada: todos os prazos Entretanto, deu-se início ao processo do concurso de 2021, ou seja, das contribuições que serão feitas em 2021. Na próxima quinta-feira, dia 10 de dezembro, serão publicadas as FAQs no site do OPM, perguntas frequentesou seja, as perguntas mais recorrentes, para associações, organizações, ONGs. “Espero um aumento no número de solicitações – conclui Vinay – porque o terceiro setor dá principalmente respostas concretas sobre o território. E a pandemia aumentou muito as demandas e necessidades das pessoas, principalmente das mais vulneráveis. Por isso, ainda mais, sentimos a responsabilidade de ser um ponto de referência para as organizações sem fins lucrativos e, através destas realidades, para os grupos mais fracos”. Última informação importante para as realidades que desejam participar e, portanto, solicitar a ajuda dos fundos valdenses Otto per mille: a chamada de 2021 estará aberta de 4 a 25 de janeiro de 2021. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.