A sinodalidade na perspectiva ecumênica

A sinodalidade na perspectiva ecumênica

Heidi Kaden, antisplash

Roma (NEV), 26 de abril de 2022 – A conferência de primavera da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) intitulada “Sinodalidade: perspectivas ecumênicas” começou em 23 de abril na Casa Aurora da Igreja Adventista em Florença. Depois da saudação do Presidente do Conselho das Igrejas de Florença, Marco Bontempie as boas-vindas do diretor do Instituto Adventista de Florença, David Romanoapresentou os trabalhos Erica Sfreddapresidente da associação interconfessional de leigos e leigas para o ecumenismo e o diálogo a partir do diálogo judaico-cristão.

Erica Sfredda, presidente da Sae. Foto de Laura Caffagnini

“A tarefa da Sae é contribuir para a formação ecumênica, e o tema da sinodalidade, particularmente neste período do processo sinodal da Igreja Católica, é uma oportunidade de discussão entre as Igrejas que podem se doar mutuamente com suas próprias práticas e experiências”, disse o presidente. Depois de uma lembrança do teólogo Carlos Molarirecentemente falecido, oferecido pelo teólogo Simone Morandini do Comitê Executivo da Sae, a reflexão partiu da vertente bíblico-teológica com as intervenções de Letizia Tomassone da Faculdade Valdense de Teologia em Roma e de Ricardo Battocchiopresidente da Associação Teológica Italiana.

A partir da esquerda Letizia Tomassone, Erica Sfredda, Riccardo Battocchio. Foto de Laura Caffagnini

Tomassone ilustrou “a declinação da sinodalidade e a dinâmica histórica do Sínodo nas Igrejas Valdenses e Metodistas. Elementos salientes são a plena participação de leigos e leigas no Sínodo, um órgão cuja autoridade deriva da conformidade com as Escrituras e do testemunho interior do Espírito Santo. Além disso, o Sínodo é provisório e suas decisões são submetidas ao exame das igrejas locais. Ao longo da história, também foi um local de resistência a forças externas”, disse Tomassone, lembrando a Confissão de Barmen de 1934, na qual a Igreja Confessante Alemã se opôs a Hitler em sua tentativa de escravizar o cristianismo à ideologia nazista. “O Sínodo, concluiu, “é uma experiência em curso que sempre espera novas aberturas para temas ainda não incluídos”.

Riccardo Battocchio fez “uma análise dos termos Sínodo, sinodal e sinodalidade em um excursus histórico que desde os primeiros Concílios ou Sínodos da Igreja indivisa chegou até hoje em que a visão ecumênica pode dar às igrejas uma nova compreensão do que é plastificado e não palavras aderentes à realidade. A forma sinodal poderia resolver a tensão sempre emergente na Igreja entre comunhão e conflito. Que a Igreja seja “constitutivamente sinodal”, como disse o bispo de Roma, Francisco, não é uma afirmação óbvia”, apontou o teólogo –. É preciso continuar no caminho indicado pelo Concílio e também é preciso estar atento à linguagem: ainda hoje se ouve falar dos pastores e do povo de Deus como se fossem duas realidades distintas e não a mesma Igreja. Finalmente, cada igreja pode relacionar seu entendimento de sinodalidade com o das outras na perspectiva da troca de dons”.

Seguiu-se um debate que precedeu, à noite, a celebração da Eucaristia na oitava da Páscoa em que muitas vozes rezaram pela paz, na noite em que, no meio do conflito na Ucrânia, as igrejas ortodoxas celebravam a ressurreição de Cristo.

A conferência continua com as experiências da tradição ortodoxa com a intervenção remota de Dionisios Papavasileiou da Sagrada Arquidiocese Ortodoxa da Itália e a práxis evangélica com a intervenção na sala do pároco Pawel Gajewski da Faculdade Valdense de Teologia.

O programa também inclui a narração de histórias de diálogo ambientadas em Florença, palestrantes Ricardo Saccenti da Universidade de Bérgamo, Andrea Bigalli do Instituto de Ciências Religiosas da Toscana e da Roberto Pecchioli da Igreja Cristã Evangélica dos Irmãos de Florença.

Hoje, segunda-feira, serão concluídos os trabalhos sobre o tema do caminho sinodal católico, monsenhor Erio Castellucciarcebispo de Modena-Nonantola e vice-presidente da CEI e Serena Nogueira do Instituto de Ciências Religiosas da Toscana.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

300 anos de Henri Arnaud, o “coronel-pastor”

300 anos de Henri Arnaud, o “coronel-pastor”

Roma (NEV/fondazionevaldese), 15 de julho de 2021 – 300 anos se passaram (1721-2021) desde a morte de uma das figuras lendárias da história valdense: Henri Arnaudcoronel e pastor daqueles valdenses que em 1689, com uma façanha que ficou épica, regressaram da Suíça aos seus vales, após dois anos de exílio forçado, para readquirir o direito de aí viver mantendo a sua confissão religiosa diferente da do seu duque ( os valdenses ontem como hoje são protestantes de afiliação reformada). Para celebrar esta importante data podemos falar do homem Arnaud, nascido em Embrun a 15 de julho de 1643 e falecido em Schönenberg a 8 de setembro de 1721, situá-lo no seu tempo, falar das suas vitórias e derrotas, das suas ideias, das suas escolhas; e podemos falar dele descrevendo como sua figura foi narrada e mostrada através das imagens e gravuras que foram produzidas ao longo dos séculos. Uma espécie de viagem na criação da história que sobre ele, e sobre os valdenses, foi feita por aqueles que nestes três séculos contaram esta minoria protestante na Itália, adaptando-a à sua própria época: de historiadores franceses a valdenses, de ilustradores ingleses a Edmondo De Amicisdo artista Vicente Amato para o pintor Maurício Pellegrinido artista holandês Mia van Oostveen para Paulo Paschettode Umberto Stagnaro para Andrea Tridico. Henri Arnaud, o "coronel-pastor" “A história da narração de Arnaud – diz ele David Rosso, diretor da Waldensian Cultural Center Foundation e curador da exposição sobre Arnaud que será inaugurada no dia 14 de agosto na Torre Pellice – é significativo porque nos permite proceder por pares opostos e por diferenças para encontrar os caminhos interpretativos que se desenvolveram em História valdense e européia dos anos 600-700. O primeiro par de termos que vem à mente quando se fala de Arnaud é o clássico do 'pastor-coronel', o homem da igreja e o homem das armas; mas depois surgem outros pares opostos muito mais interessantes nesta narrativa que avança ao longo dos séculos: por exemplo 'fé e resistência' ou 'ser valdense/não ser valdense', ou seja, pertencer à minoria em que se insere ou não pertencer a isso”. Arnaud nasceu um "huguenote de Embrun", então francês reformado, mas também era filho por parte de mãe de uma família italiana reformada que fugiu de Dronero por motivos religiosos. Henri, no entanto, também era "valdense" porque foi "adotado" pelo mundo dos vales valdenses onde sua família se refugiou e, a partir de certo momento, por filiação eclesiástica. Precisamente por ser primeiro francês, depois valdense, acaba refugiado na Suíça e depois definitivamente na Alemanha, onde viverá os últimos anos de sua dupla pertença. Em suma, uma vida passada nos vales e na Europa como resistente, muitas vezes como migrante por motivos religiosos ou como exilado porque lidera o seu rebanho. Percursos interpretativos que foram percorridos na preparação do rico programa de encontros, exposições, eventos que de julho até o final do ano contarão com Henri Arnaud, "o herói da Gloriosa Repatriação" para usar a primeira imagem que muitas vezes nos é proposta dele. Eventos a serem realizados nos vales valdenses, mas também na Alemanha em Schönenberg no museu Arnaud. PLANO A programação começa no dia 18 de julho, às 16h30, em Perosa Argentina (TO), com a apresentação do livro "Henri Arnaud: imagens de um não valdense", de David Rosso, e “Bandidos nos vales valdenses. Histórias do século XVII” de Lucas Perrone, editora Claudiana 2021, como parte da resenha do livro “Scritto misto”. Os autores estarão presentes. Depois, uma série de outras consultas (clique AQUI para ver o programa completo. Ou faça o download em PDF: Arnaud página 1 – Arnaud página 2). A resenha dos 300 anos de Arnaud será encerrada no dia 19 de setembro em Pragelato, com a caminhada histórica do centro da cidade até a Costapiana. Seguindo os passos de Henri Arnaud, no caminho da Gloriosa Repatriação (www.lestradedeivaldesi.it) Para maiores informações [email protected] Folha NEV: FORMA. Os Valdenses ...

Ler artigo
Faculdade Valdense.  Abertura do ano letivo 2020/21

Faculdade Valdense. Abertura do ano letivo 2020/21

Roma (NEV), 29 de setembro de 2020 – A abertura do ano acadêmico 2020/21 da Faculdade Valdense de Teologia (FVT) será oficialmente realizada no sábado, 3 de outubro, a partir das 17h30, com uma prolusão de Fulvio Ferrario, reitor da Faculdade, sobre “A cátedra e o púlpito. Serviço Teológico na Igreja Evangélica”. O culto de abertura editado por Yann Redalié será realizada na igreja valdense na Piazza Cavour, domingo, 4 de outubro, às 10h45, também em transmissão ao vivo no Durante a Semana Introdutória, a partir de segunda-feira, dia 5 de outubro, estão programadas várias atividades: apresentação do programa, introdução à Biblioteca, boas-vindas aos alunos internacionais. Estarão presentes como oradores David Romanosobre “Fazendo Teologia na Faculdade Adventista Villa Aurora”; José Loriziosobre "Fazer teologia na Pontifícia Universidade Lateranense"; Gury Schneider-Ludorff E Markus Mülke sobre “Fazendo teologia na Augustana Hochschule em Neuendettelsau”. Sexta-feira, 9 de outubro, às 17h30, apresentação do livro "Relendo a Reforma" de Fulvio Ferrario e Lothar Vogelpreside Domenico Segnaeles intervêm Cettina Militello (Marianum) e Paulo rico (FVT). Baixe o Pôster da Semana Introdutória Por motivos de organização, favor confirmar sua participação no local enviando um e-mail para a Secretaria da FVT ([email protected]). A participação no atendimento é limitada a 80 pessoas (para o discurso de abertura e adoração) e 12 pessoas (para os eventos da semana introdutória) respectivamente. Prolusão e adoração podem ser acompanhadas na página do Facebook da igreja valdense na Piazza Cavour ou enquanto os eventos da semana podem ser acompanhados via Zoom no modo telemático registrando-se por e-mail no seguinte endereço [email protected] Na oferta formativa da Faculdade, também dois cursos ministrados por Daniele Garrone E Fulvio Ferrarioaberto a todos, segundo o método "All you can learn": ao inscrever-se como "auditor" durante um ano lectivo completo, tem acesso a todos os cursos indicados no catálogo e programa da FVT. Consulte Mais informação: Daniel Garrone. Um Deus, o seu nome e as suas denominações – 13 de outubro de 2020 a 26 de janeiro de 2021, 18h00-19h30 Fúlvio Ferrario. Proclamando o Evangelho na Europa secular. Uma proposta protestante – 14 de outubro de 2020/20 de janeiro de 2021, 18h00-19h30 A Faculdade Valdense de Teologia é o instituto mais antigo da Itália para o estudo universitário de teologia evangélica. Foi fundada em 1855 na Torre Pellice (TO), e depois mudou-se para Florença para o Palazzo Salviati de 1860 a 1921, e para Roma, na via Pietro Cossa, ao lado da igreja valdense na Piazza Cavour. A Faculdade representa um ponto de encontro e diálogo, dada a participação de muitos estudantes estrangeiros e em virtude de uma acentuada sensibilidade ecuménica. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.