FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Christiane Groeben

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Christiane Groeben

unsplash, foto de Tim Mossholder

Roma (NEV), 27 de outubro de 2021 – Em vista da Assembleia a ser realizada em alguns dias, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) encerrará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente será eleito , recolhemos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho no Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro.

O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo

É a vez do vice-presidente, Christiane Groeben.

Qual é a sua avaliação desta experiência?

“Meu saldo pessoal depois de dois mandatos no Conselho da FCEI representando o CELI é que eles me enriqueceram em viver e conhecer melhor a realidade protestante na Itália, na qual minha igreja, parece-me, sempre ou muitas vezes teve um papel marginal . Dois fatores ou eventos muito diferentes aumentaram, a meu ver, a consciência de uma realidade protestante que se expressa com uma voz um pouco diferente, mas com a mesma mensagem: o ano da Reforma e da pandemia. Em 2017 muitos eventos, iniciativas, mensagens nos fizeram entender melhor o que nos une e conseguimos nos fazer ouvir. Em vez disso, a pandemia nos deu a oportunidade de nos encontrarmos em todos os lugares – para discutir, contar uns aos outros, estudar, anunciar a Palavra – fora de nossos muros físicos e mentais em um espaço público igual para todos.

Fico grato por ter feito parte de uma equipe que, graças a muitos colaboradores especializados, conseguiu realizar projetos em benefício de nosso vizinho, como o Mediterranean Hope, com os Corredores Humanitários, em Lampedusa, Bósnia, Sicília e Calábria.

Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você?

Gostaria que os que estarão na diretoria depois de mim tenham cuidado para que a voz pública da FCEI seja percebida em nosso país como a voz de um coro polifônico da realidade protestante. Um coro, não um trio ou um duo”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Doença e fé que salva

Doença e fé que salva

Roma (NEV), 26 de maio de 2021 - Bíblia e arredores, o podcast editado pelo Serviço de Educação e Educação em colaboração com Nev-Evangelical News - Agência de imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália e a revista infantil "L'Amico do crianças". Continue a jornada dentro da Bíblia. Jesus, em sua longa jornada de Nazaré a Jerusalém, conheceu muitas pessoas e suas vidas nunca mais foram as mesmas depois desse encontro. O protagonista deste terceiro episódio é a história do episódio em que Jesus encontra uma mulher doente, conforme narrado em Lucas, capítulo 8, versículos 43 a 48.A história proposta é retirada do número 2 - dezembro de 2020 da revista "Catequese". A música, sem direitos autorais, foi composta por Ilaria Castaldo. A voz é de Sara Tourn. artigo anteriormaio de livros. Revistas durante a pandemia, uma exposição virtualPróximo artigoDdl Zan: uma lei contra o ódio que não tira a liberdade de ninguém Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
A contagem regressiva que vem dos oceanos

A contagem regressiva que vem dos oceanos

Foto NEV/er Roma (NEV), 26 de julho de 2023 – Pedimos ao coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Maria Elena Lacquanitipara compartilhar uma reflexão sobre o que está acontecendo na Itália, mas também na Grécia e no Mediterrâneo. O convite é ouvir o grito "do irmão e da irmã que fogem da sede insuportável, do fogo do sol, da água na garganta". Publicamos abaixo na íntegra a contribuição de Maria Elena Lacquaniti, coordenadora do GLAM. Se pensávamos que a Agenda 2030 era o limite para iniciar mudanças sustentáveis ​​para a proteção do planeta e de seus habitantes, estávamos enganados. A contagem regressiva vem dos oceanos e, salvo engano, 2025 será o ano da loucura oceânica que terá seu ponto de destruição total em meados do século e cujo ensaio geral está em andamento na Itália com inundações, granizo e trombas d'água. destruir cidades, campos e aqueles que vivem e trabalham lá. Onde a água é louca e onde o fogo é dominante, com o sul queimado pelo ar fervente e pelas chamas que atingem as periferias das cidades maiores, Palermo, Catania, Reggio Calabria e a turística San Cataldo in Puglia. Seja água ou fogo, o vento varre multidões derrubando árvores, atirando pedras de granizo do tamanho de bolas de tênis e comendo tudo em seu caminho com línguas de fogo infernais. Revista "naturezas”, que anunciou ontem o colapso dos oceanos até 2025 (na fanpage um artigo em italiano sobre o assunto, ed), especifica - talvez em uma tentativa extrema de dar maior peso ao alerta - que isso "afetaria todos os habitantes da Terra", porque o AMOC (Atlantic meridional overturning circulation), sistema de correntes oceânicas que inclui também o do Golfo, devido ao aquecimento global está desaparecendo. A falta de AMOC produzirá eventos catastróficos para todo o planeta, representando aquele complexo emaranhado de movimentos oceânicos que transportam água quente dos trópicos para o Atlântico Norte, resfriando-a e fazendo-a cair no fundo do oceano. Esta ação, que não é casual nem improvisada, tem como objetivo fundamental equilibrar os movimentos marinhos de onde se originam os ventos que sopram no planeta, as temperaturas e as chuvas. Ainda não compreendemos que esta sofisticação irrepetível, como irrepetível é toda a ordem do universo, só tem um inimigo, o homem, com a sua ação constante, violenta e destrutiva, sem saber, porém, que o planeta resiste procurando novos equilíbrios e alavancando pontos de inflexão que certamente será hostil ao existente, mas que o planeta usará para sacudir o que agora se tornou um perigo insuportável, o homem e seu modo de vida. Na loucura humana poderia resistir um sentimento de superioridade e o pensamento de que alguém será capaz de se salvar e permanecer uma testemunha da espécie. Provavelmente, mas talvez fosse desejável hoje, pelo menos como crentes, que o olhar e a audição cheguem longe, para ver o drama e ouvir o grito de quem já vive este apocalipse prefigurado. Deus ouviu o clamor de seu povo escravizado no Egito e nós ouvimos o do irmão e da irmã que fogem da sede insuportável, do fogo do sol, da água na garganta? Deveríamos fazê-lo, e se isso não bastasse pelo amor de Deus, pelo menos para saber como isso terminará em alguns anos. ...

Ler artigo
Génova.  Hospital Evangélico Internacional “Lado da Mulher”

Génova. Hospital Evangélico Internacional “Lado da Mulher”

Roma (NEV), 17 de abril de 2023 – A conferência “Do lado da mulher, proteção e assistência em casos de violência” é realizada em Gênova na quarta-feira, 19 de abril. Caminhos da rede regional e nacional de apoio às mulheres vítimas de violência". Organizado porHospital Evangélico Internacional de Gênova (OEIGE)a conferência envolve várias realidades, associações, centros e instituições anti-violência. A inauguração de duas bancadas vermelhas também está na agenda. Os créditos de treinamento CME são fornecidos para profissionais de saúde. Os trabalhos, que também podem ser acompanhados online a partir das 9h30, abrem com as saudações de: Bárbara Oliveri CavigliaPresidente do OEIGE; Alessio ParodiDirector Geral;Denise Ashing DardaniVice-presidente; Marinella Fulgheri, Resp. Estrutura Simples - Direcção de Saúde. Está também prevista uma intervenção do Moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trotta. Entrevistado por Daniela Churrasqueira sobre Rádio Beckwith, Barbara Oliveri Caviglia diz: “Teremos dois bancos vermelhos: um na sede de Castelletto e outro na guarnição de Voltri. É um gesto simbólico que, se por um lado quer concretamente captar a atenção de quem por ali passa, sensibilizando ainda que por pouco tempo para os feminicídios e a violência contra as mulheres, por outro quer reafirmar a atenção e o compromisso que o hospital tem com essa questão e com a mulher em geral, desde o nascimento até a velhice. Essa atenção também é reconhecida pelo Observatório Nacional de Saúde da Mulher (ONDA) que, há muitos anos, nos recompensa com selos rosaque se prestam a hospitais próximos da mulher, ou seja, onde são oferecidos serviços dedicados à prevenção, diagnóstico e tratamento das principais patologias femininas". O projeto é realizado graças às contribuições doOtto per mille da Igreja Valdense - União das Igrejas Metodista e Valdense. Acesse a entrevista completa em RBE. Descarregue o flyer com o programa completo: Paths_of_the_regional_and_national_network_in_support_of_women_victims_of_violence_-_poster_conference_19_abril_2023 Informações: [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.