Comitê Central do CMI, uma página de “ecumenismo vivido”

Comitê Central do CMI, uma página de “ecumenismo vivido”

Foto: Albin Hillert/WCC

Roma (NEV), 1º de julho de 2022 – O pastor Michael Charbonnier foi o único italiano a participar da reunião do comitê central, órgão dirigente do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC, WCC em inglês), realizada de 15 a 18 de junho em Genebra, a primeira com presença após quatro anos. Único representante italiano entre 150 eleitos na assembléia anterior, entre 352 igrejas representadas pelo corpo ecumênico. É, como Charbonnier escreveu em um post no Facebook, “provavelmente o corpo mais representativo do cristianismo global (352 igrejas-membro para mais de 550 milhões de cristãos) que em quatro dias conseguiu fazer um trabalho enorme: elegemos após um longo processo para o oitavo secretário-geral da história do CMI, mas também – e pessoalmente ouso dizer acima de tudo – muito diálogo para chegar a muitas declarações importantes. Importantes porque são fortes, inequívocas, concretas, mas ao mesmo tempo importantes porque são a expressão comum de igrejas tão diferentes umas das outras: imagine 352 igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas, carismáticas, unidas, literalmente dos quatro cantos do globo, que conseguem dizer palavras fortes em conjunto sobre questões como a guerra na Ucrânia, a emergência climática, a situação humanitária na Etiópia, sobre a exploração, abuso e assédio sexual, sobre as “ameaças a uma paz justa em Israel e na Palestina “.

Então, quais foram os destaques da cúpula? Em primeiro lugar, uma posição sobre o conflito na Ucrânia que define a “Guerra incompatível com Deus”, também aprovada pelos representantes oficiais do Patriarcado de Moscou. “Como igrejas somos chamados a construir a paz e para nós isso passa pela escuta, pelo diálogo, pela construção conjunta de posições e declarações que reflitam todos nós, apesar de nossas diferenças – explica Charbonnier -. Esta é precisamente a força do Concílio Ecumênico. A mais-valia deste órgão é precisamente poder dizer as coisas em conjunto, com o método do consenso. À força do diálogo e da escuta foi possível construir uma versão que convenceu a todos”.

Aqui o texto completo da declaração conjunta sobre a guerra na Ucrânia.

Durante as jornadas de trabalho, muitos assuntos e disputas foram discutidos, desde a urgência da questão climática até as relações entre Palestina e Israel, com um texto em que as igrejas pedem “o fim da ocupação e igualdade de direitos humanos para todos na área “.

“A força e a fraqueza do Concílio Ecumênico – continua o pároco – é que não é uma “superigreja” que decide e impõe automaticamente diretrizes a seguir ou ações a serem tomadas: chegamos a escolhas comuns porque as igrejas membros decidem que são obrigatórias , eticamente. Ou seja, abdicam de um pedaço de soberania em nome do compromisso de colocar em prática elementos comuns, cada igreja em seu contexto específico”.

Todos os temas discutidos em Genebra alimentarão os trabalhos da XXI Assembleia do Conselho, que será realizada na Alemanha, em Karlsruhe, marcada para o próximo dia 31 de agosto.

Então, que momento vive o Concílio Ecumênico: como responder aos que temem sua “crise”? “Depende de quais são os propósitos do movimento ecumênico – responde Charbonnier -: se serve para produzir um diálogo teológico entre Igrejas que estavam mais distantes e lentamente encontram pontos em comum, esse não é o lugar. Aqueles que criticam o conselho mundial de igrejas costumam argumentar que o ecumenismo agora se baseia sobretudo em diálogos bilaterais. Um ecumenismo entendido como diálogo teológico. Mas, durante décadas, o ecumenismo também significou um caminho feito em conjunto, aludindo a relações que se constroem, batalhas compartilhadas nas quais nos empenhamos juntas, entre diferentes igrejas, desde o acesso à água até a década contra a violência de gênero. Lugares de ecumenismo vivido e neste sentido o Concílio Ecumênico é um espaço onde se realizam muitas iniciativas”.

A comissão também tratou da eleição do novo secretário geral, Jerry Pillay.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

hospitalidade eucarística

hospitalidade eucarística

Foto Debby Hudson - Unsplash Roma (NEV), 6 de fevereiro de 2019 – Há um espaço de debate sobre o tema da hospitalidade eucarística onde os interessados ​​em praticar a aceitação mútua da “Santa Ceia protestante” e da “Eucaristia católica” nas igrejas podem aprofundar experiências e práticas ecumênicas. Trata-se do folheto intitulado “Hospitalidade Eucarística” editado por alguns membros do grupo ecumênico “Partir o Pão”, que inclui crentes individuais protestantes e católicos. O grupo, nascido no campo ecumênico em 2011 em Turim, envolve também igrejas, mosteiros e paróquias e em 2017 produziu um interessante questionário sobre o tema. “O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Assim, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que somos todos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. Na última edição do livrinho, uma carta solicita um debate sobre a consciência com que um crente aborda os elementos da Santa Ceia. Entre as respostas, a de Margarida Ricciuti, que recorda as ocasiões de intercâmbio e encontro, em que se pratica a hospitalidade e a partilha da Ceia do Senhor, momentos em que «Leigos e religiosos, apesar das proibições da Igreja Católica, decidiram romper as fileiras e seguir em frente, movidos pela sua própria necessidade espiritual, mas também exortando à retomada de um processo unitário que está estagnado há algum tempo - escreve Ricciuti -; aliás, o Concílio Vaticano II sancionou, também para os católicos, o primado da própria consciência... A distinção, a meu ver, reside na propensão a aceitar as coisas como são, ou a querer contribuir para a sua melhoria, e isso depende apenas em parte pelos regulamentos das nossas igrejas e pelos cargos que eventualmente venhamos a ocupar, mas sobretudo depende das escolhas pessoais de cada um de nós”. Para comunicações e informações sobre a “Hospitalidade Eucarística” e o Jantar da “Partida do Pão”: grupo Turim Margherita Ricciuti, Igreja Valdense. E-mail: [email protected] Grupo Avellino/Salerno Pietro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected] ...

Ler artigo
A contagem regressiva que vem dos oceanos

A contagem regressiva que vem dos oceanos

Foto NEV/er Roma (NEV), 26 de julho de 2023 – Pedimos ao coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Maria Elena Lacquanitipara compartilhar uma reflexão sobre o que está acontecendo na Itália, mas também na Grécia e no Mediterrâneo. O convite é ouvir o grito "do irmão e da irmã que fogem da sede insuportável, do fogo do sol, da água na garganta". Publicamos abaixo na íntegra a contribuição de Maria Elena Lacquaniti, coordenadora do GLAM. Se pensávamos que a Agenda 2030 era o limite para iniciar mudanças sustentáveis ​​para a proteção do planeta e de seus habitantes, estávamos enganados. A contagem regressiva vem dos oceanos e, salvo engano, 2025 será o ano da loucura oceânica que terá seu ponto de destruição total em meados do século e cujo ensaio geral está em andamento na Itália com inundações, granizo e trombas d'água. destruir cidades, campos e aqueles que vivem e trabalham lá. Onde a água é louca e onde o fogo é dominante, com o sul queimado pelo ar fervente e pelas chamas que atingem as periferias das cidades maiores, Palermo, Catania, Reggio Calabria e a turística San Cataldo in Puglia. Seja água ou fogo, o vento varre multidões derrubando árvores, atirando pedras de granizo do tamanho de bolas de tênis e comendo tudo em seu caminho com línguas de fogo infernais. Revista "naturezas”, que anunciou ontem o colapso dos oceanos até 2025 (na fanpage um artigo em italiano sobre o assunto, ed), especifica - talvez em uma tentativa extrema de dar maior peso ao alerta - que isso "afetaria todos os habitantes da Terra", porque o AMOC (Atlantic meridional overturning circulation), sistema de correntes oceânicas que inclui também o do Golfo, devido ao aquecimento global está desaparecendo. A falta de AMOC produzirá eventos catastróficos para todo o planeta, representando aquele complexo emaranhado de movimentos oceânicos que transportam água quente dos trópicos para o Atlântico Norte, resfriando-a e fazendo-a cair no fundo do oceano. Esta ação, que não é casual nem improvisada, tem como objetivo fundamental equilibrar os movimentos marinhos de onde se originam os ventos que sopram no planeta, as temperaturas e as chuvas. Ainda não compreendemos que esta sofisticação irrepetível, como irrepetível é toda a ordem do universo, só tem um inimigo, o homem, com a sua ação constante, violenta e destrutiva, sem saber, porém, que o planeta resiste procurando novos equilíbrios e alavancando pontos de inflexão que certamente será hostil ao existente, mas que o planeta usará para sacudir o que agora se tornou um perigo insuportável, o homem e seu modo de vida. Na loucura humana poderia resistir um sentimento de superioridade e o pensamento de que alguém será capaz de se salvar e permanecer uma testemunha da espécie. Provavelmente, mas talvez fosse desejável hoje, pelo menos como crentes, que o olhar e a audição cheguem longe, para ver o drama e ouvir o grito de quem já vive este apocalipse prefigurado. Deus ouviu o clamor de seu povo escravizado no Egito e nós ouvimos o do irmão e da irmã que fogem da sede insuportável, do fogo do sol, da água na garganta? Deveríamos fazê-lo, e se isso não bastasse pelo amor de Deus, pelo menos para saber como isso terminará em alguns anos. ...

Ler artigo
Casais inter-religiosos e casamento.  A lei é igual para todos?

Casais inter-religiosos e casamento. A lei é igual para todos?

Foto de Fancy Crave - Unsplash Roma (NEV), 17 de fevereiro de 2023 – O pastor batista Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), participou da apresentação do volume “Famílias e Religiões. Dos casamentos inter-religiosos à criação dos filhos: como a Itália está mudando hoje”. Ligando as considerações dos palestrantes, o pastor falou sobre dois assuntos. A primeira, pelo facto de não termos certos dados estatísticos, e de muitos casais mistos casarem apenas no Concelho e não realizarem casamentos inter-religiosos. “Isso depende da situação muito desfavorável de algumas religiões presentes na Itália, que não têm um entendimento com o Estado – disse o pastor Lio -. Portanto, mesmo em relação aos casamentos mistos, falta igualdade de direitos, apesar de estarmos em um estado inter-religioso". O segundo aspecto diz respeito às pessoas sem cidadania que, continua o pároco, “não aparecem, mesmo que estejam na Itália há muitos anos e, portanto, possam ser cidadãos italianos. Se fossem reconhecidos como tais, a lei italiana também seria aplicável em casamentos mistos entre pessoas de religiões diferentes. Em vez disso, atualmente eles encontram dificuldades, porque têm que apresentar documentos a serem produzidos em seu país de origem, onde esses documentos ainda estão presos a uma posição misógina e patriarcal de relações. Na Argélia, por exemplo, para casar é preciso pedir autorização ao pai para celebrar o casamento e, se o pai já não existir, ao irmão. Se não houver irmão, ao cunhado. Portanto, essas situações atropelam o direito da pessoa de poder celebrar um casamento, tanto secular quanto religioso”. O livro aborda vários temas, desde aspectos religiosos a dados estatísticos, passando por testemunhos. Sobre isso, comenta novamente Gabriela Lio, “muitos têm se concentrado nos testemunhos de casamentos mistos de forma positiva. A forma como criaram os filhos, a relação com a fé e com a diversidade, também celebrada em família. Respeito pela fé do outro, do outro. No entanto, a Itália carece de uma lei sobre liberdade religiosa e não há acordos com algumas expressões religiosas presentes no país – mesmo numericamente significativas, como o Islã. Por detrás desta situação, representada de forma tão feliz (pois é justo que se apresentem realidades interessantes e funcionais de casais inter-religiosos), existe na verdade um grande sofrimento. Sofrendo com a falta de liberdade e a impossibilidade de poder casar como gostaria e expressar-se livremente com a própria fé, mesmo no casamento. Sem falar no fenômeno das crianças contestadas”. O livro “Famílias e Religiões. Dos casamentos inter-religiosos à criação dos filhos: como a Itália está mudando hoje” é editado por Maria Rosa Ardizzone, Frances Baldini, Roman Bogliaccino (Palombi Editora, 2022). Foi apresentado no último dia 7 de fevereiro na Universidade LUMSA de Roma. O projeto editorial nasceu do encontro entre a Fundação Beato Federico Ozanam – San Vincenzo De Paoli (Ente Morale Onlus) com a rede Donne di Fede in Dialogo de Religiões pela Paz Itália e "do desejo comum de investigar como a família muda hoje à luz de uma sociedade globalizada e o quanto a presença de diferentes religiões pode afetar as uniões matrimoniais e conseqüentemente a educação dos filhos”, diz o convite para a apresentação. E ainda: “O livro tem uma intenção informativa e visa investigar, por meio de contribuições de natureza sociológica, pedagógica e jurídica, as causas e os efeitos de uma mudança social ligada à família. A pesquisa é enriquecida pela visão das religiões, com as contribuições de representantes religiosos, que oferecem um ponto de vista verdadeiramente único sobre os limites e oportunidades dos casamentos inter-religiosos. O volume também inclui testemunhos diretos de casais que vivem um casamento inter-religioso e de filhos nascidos em casamentos inter-religiosos”. Para maiores informações – Fundação Ozanam: [email protected];– Mulheres de Fé em Diálogo – Religiões pela Paz Itália: [email protected]. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.