Ore e aja para construir a paz e defender os direitos humanos

Ore e aja para construir a paz e defender os direitos humanos

Roma (NEV), 4 de março de 2022 – “Bem-aventurados os que trabalham pela paz, porque serão chamados filhos de Deus” (Mateus 5:9)

Com dor e consternação também nós, cristãos e evangélicos, assistimos à terrível guerra travada durante dias pela Rússia contra a Ucrânia, em terras europeias e entre povos de antiga tradição cristã.

Como cidadãos da Europa que vivem em paz há décadas e desfrutam de seus frutos, afirmamos e lembramos que a paz é uma escolha precisa e exigente, que deve ser construída e afirmada todos os dias.

Acreditando que existem agressores e agredidos neste conflito, afirmamos que a paz se constrói e se defende com justiça, respeito pelos direitos humanos, pela dignidade das pessoas e dos povos.

Reconhecemos e confessamos nosso pecado como homens e mulheres que não foram capazes de compreender a violência que ardia sob as cinzas, que agora explodiu em uma guerra que já está registrando uma perda intolerável de vidas humanas.

Por isso, perante esta guerra, colocamo-nos em espírito de penitência, rezando para que se calem e para que as feridas cicatrizem rapidamente, e ao mesmo tempo procuramos o arrependimento em gestos de solidariedade para com as vítimas.

Afirmamos que a situação de tantas mulheres e homens, meninas e meninos ucranianos, fugindo de suas casas e de seu país, torna visível dentro das fronteiras de nossa Europa a situação de tantas outras pessoas no mundo que vivem a mesma tragédia.

Reafirmamos a nossa convicção de que as portas dos países europeus devem permanecer abertas para acolher os refugiados que fogem da guerra, da violência e da perseguição, independentemente do continente a que cheguem.

Rezemos pelos responsáveis ​​políticos, para que Deus ilumine suas mentes e os conduza por caminhos de respeito à vida, dignidade e liberdade de cada ser humano. Rezemos para que todas as Igrejas cristãs saibam agir em coerência com o Evangelho, tornando-se promotoras, também nos países em conflito, das razões da paz e da fraternidade humana.

***

Portanto, as igrejas da FCEI expressam sua firme condenação à agressão militar da Rússia e mostram sua proximidade e solidariedade com a população da Ucrânia.

Declaram-se contra a guerra, contra todas as formas de violência e contra qualquer ato de abuso dos direitos humanos e liberdades fundamentais.

Eles pedem às partes em conflito que escolham o caminho do diálogo e da diplomacia para o fim de todas as hostilidades de guerra.

Eles também pedem à comunidade internacional que aja na proteção humanitária de civis e abra corredores humanitários para a recepção de refugiados ucranianos e de outros continentes que vivem o mesmo sofrimento e têm os mesmos direitos e dignidade que os europeus.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia Mundial de Oração.  O material dedicado a meninos e meninas

Dia Mundial de Oração. O material dedicado a meninos e meninas

Imagem retirada dos materiais do Dia Mundial de Oração (GMP) 2023 Roma (NEV), 2 de fevereiro de 2023 – A primeira sexta-feira de março de cada ano é o Dia Mundial de Oração (PMM), a iniciativa ecumênica internacional de mulheres cristãs celebrada em mais de 170 países há mais de um século. Este ano a iniciativa decorre na sexta-feira 3 de março e no fim de semana seguinte. O material litúrgico, preparado para esta edição pelo Comitê WDP de Taiwan, foi traduzido pelo Comitê GMP italiano. Uma parte do material proposto também é dedicada a meninos e meninas, meninos e meninas, e é inspirada no versículo “Tenho ouvido falar da tua fé” (Efésios 1:15). Como no ano passado, o Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) propõe uma adaptação e seleção do material para nossas escolas dominicais, usando o cenário didático e gráfico da revista "The school Sunday" . Quem estiver interessado em receber o restante dos materiais litúrgicos pode entrar em contato com o comitê do GMP Italia no endereço de e-mail [email protected]. AQUI Materiais da escola dominical. ...

Ler artigo
não à cultura do estupro, injustiça e abuso

não à cultura do estupro, injustiça e abuso

Roma (NEV), 18 de outubro de 2019 – A Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) aderiu ao documento do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC) “Declaração sobre violência sexual e de gênero e sobre o Prêmio Nobel da Paz” de novembro de 2018. “A declaração sobre a violência sexual e baseada no gênero continua sendo de grande relevância, de fato ainda hoje observamos o aumento da violência sexual e baseada no gênero contra mulheres, meninas e pessoas vulneráveis ​​– escrevem as evangélicas no documento de adesão -. Como diz a declaração, 'ao ouvir os dolorosos testemunhos e histórias de mulheres sobreviventes de violência sexual, somos encorajados e desafiados a afirmar a dignidade, os direitos e as necessidades' de todos os homens e mulheres”. A CEC e a FDEI comprometem-se a “declarar tal violência como pecado; fazer esforços construtivos para superar as atitudes que predispõem a essa violência; continuar trabalhando com organizações e grupos locais que se opõem a todas as formas de violência sexual e de gênero; para dar suporte de várias formas, inclusive desenvolvendo caminhos de recuperação dos traumas sofridos por mulheres, meninas e outros sujeitos vulneráveis ​​a essa violência em suas comunidades". A FDEI também se juntou à campanha mundial #ThursdaysinBlack, também proposta pelo CEC, "para dizer junto com as irmãs de todo o mundo que nos opomos a uma cultura de estupro, injustiça de gênero, abuso e violência, mas acima de tudo para tornar a resiliência das mulheres e esforços visíveis". A FDEI convida todas as mulheres das diferentes denominações a visitar o site do CMI para saber mais sobre a campanha e as inúmeras adesões em todo o mundo, que nos demonstram a diversidade criativa por meio da qual essa mobilização global ocorreu. A campanha "Quinta-feira Negra" será relançada no dia 25 de novembro, dia mundial contra a violência contra a mulher. “Pedimos o vosso empenho e apoio para promover e testemunhar contra a cultura da violação, da injustiça de género, dos abusos” voltam a escrever as mulheres da FDEI, pedindo a divulgação da campanha e a organização de iniciativas em território nacional “como sinal visível do Evangelho, que nos chama a um caminho de responsabilidade na luta contra a violência, de apoio a quem é vítima dela e de colaboração com quem trabalha há anos em centros antiviolência na esperança de deter os abusos, assassinatos de mulheres, estupros na guerra". As adesões à Declaração do CEC e à campanha #ThursdaysinBlack foram aprovadas durante o Comitê Nacional realizado em 12 de outubro. A Comissão também aprovou a compra de 1.000 broches "Quinta-feira Negra" com a inscrição: "Rumo a um mundo sem estupro e violência" e a logomarca da FDEI, com os grafismos propostos pelo CEC. Para encomendar os distintivos e o cartaz, contacte o presidente da FDEI, pároco Gabriela Liono seguinte endereço: [email protected] Aqui está o PDF completo do declaração adotada pelo CMI sobre violência sexual e de gênero. #QuintasemPreto é uma campanha nascida da Década das Igrejas em Solidariedade com as Mulheres (1988-1998), na qual trabalhamos para tornar visíveis histórias sobre estupro como arma de guerra, injustiça de gênero, abuso e violência. É inspirado em vários movimentos de mulheres ao redor do mundo, desde as Mães da Plaza de Mayo na Argentina em busca de seus filhos desaparecidos durante a ditadura, até as Mulheres de Preto em Israel e Palestina contra a guerra e a violência, até as mulheres de Ruanda e Bósnia que protestou contra o uso do estupro como arma de guerra durante o genocídio, ao movimento Black Sash na África do Sul em protesto contra o apartheid. ...

Ler artigo
Luteranos no Vaticano.  “Do Conflito à Comunhão”

Luteranos no Vaticano. “Do Conflito à Comunhão”

Roma (NEV), 23 de junho de 2021 – Amanhã, 24 de junho, o secretário-geral cessante da Federação Luterana Mundial (FLM) Martin Junge e o presidente, arcebispo Panti Filibus Musaeles vão encontrar Papa Francisco. No dia seguinte será comemorada a Confissão de Augsburgo de 25 de junho de 1530. A Confissão de Augsburgo foi escrita por Philip Melanchthon tendo em vista a dieta (reunião) da cidade de Augsburg. Encomendado por Charles V, sua intenção era "normalizar" a questão protestante perturbadora. Contém substancialmente a exposição dos princípios fundamentais da Reforma nascente. A visita de 24 a 25 de junho ao Vaticano põe em diálogo os responsáveis ​​da FLM e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Uma conferência de Junge também está prevista na Universidade Dominicana de St. Thomas Aquinas (Angelicum). Finalmente, está agendada uma reunião sobre a cooperação entre o Serviço Mundial Luterano e a Caritas Internationalis. Na delegação luterana, também estarão membros das sete regiões da comunhão global. O contexto O encontro com Francesco é baseado em comemoração conjunta dos 500 anos da Reforma (Lund e Malmo, 2016). A visita deste mês é vista como mais um passo na jornada”Do conflito à comunhão“, no centro do diálogo luterano-católico nos últimos anos. Em particular, aquele sobre a doutrina da justificação pela fé (JDDJ). 2021 também marca o 500º aniversário da excomunhão De Martinho Lutero. Uma comissão de teólogos luteranos e católicos está estudando seu contexto histórico e deve produzir uma declaração conjunta na assembléia da Federação Luterana Mundial (Polônia, 2023). O Conselho da FLM acaba de escolher, entre outras coisas, o seu novo Secretário-Geral. Pela primeira vez é uma mulher, a pastora estoniana Ana Burghardt. No que diz respeito às relações com a Igreja Católica, Burghardt falou de "diálogo contínuo", de amizade e reciprocidade. Para saber mais: Anne Burghardt: diálogo, missão holística e despolarização Artigo sobre riforma.it FORMA. Martinho Lutero (1483-1546) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.