Especial Karlsruhe// Dia da Criação

Especial Karlsruhe// Dia da Criação

Karlsruhe (NEV), 1º de setembro de 2022 – Meio ambiente e mudança climática no centro da agenda da Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). E este só poderia ser o tema prioritário dos trabalhos do evento em Karlsruhe, no dia do início do Tempo da Criação. De fato, 1º de setembro é um dia de oração dedicado à Criação: a ideia nasceu em 1989 por desejo do Patriarca Ecumênico Dimitrios, que sugeriu que o primeiro dia do ano ortodoxo, precisamente 1º de setembro, fosse considerado um dia “de proteção ao meio ambiente”. Assim, desde a Assembleia Ecumênica Europeia em Graz, Áustria, em 1997, o “Tempo da Criação” tornou-se um tempo litúrgico ecumênico global, cada vez mais participado em todos os níveis, terminando em 4 de outubro.

Voltando à cúpula de Karlsruhe, na coletiva de imprensa de hoje, o representante do povo Sami, Júlia Rensberg, delegada da Igreja da Suécia, falou de como a mudança climática é concreta e visível, inverno após inverno, em sua terra natal. Ela e seu povo estão literalmente morrendo de fome devido ao aumento das temperaturas na região do Ártico, que é uma “fronteira”. Ele também lembrou como suas raízes estão ligadas à “mãe terra” e o impacto da das Alterações Climáticas “em florestas naturais, que conservam um enorme patrimônio em termos de biodiversidade”.

Joy Kennedy ela é a moderadora do grupo de trabalho sobre mudança climática do Conselho Mundial de Igrejas. “Precisamos de uma nova teologia para o clima, uma cosmologia, uma nova forma de viver neste cosmos”, declarou no encontro com a imprensa realizado esta manhã. Mas, ele admitiu, nem todas as igrejas estão fazendo sua parte ou realmente entenderam a urgência desta questão. Uma crise que afeta globalmente, desde o norte profundo representado, por exemplo, pela voz do expoente Sami até o Caribe. Björn Wards, delegado da igreja presbiteriana de Trinidad e Tobago, destacou os múltiplos problemas da região de onde vem, também ligados ao fenômeno da grilagem de terras (a grilagem de terras para agricultura, na sua maioria intensiva, sem consentimento ou em qualquer caso em detrimento das comunidades locais, ed.). Efeitos devastadores para esses territórios, também potencializados pelo turismo de massa.

Nos próximos dias, a ecologia e o ambiente continuarão a estar entre os temas mais falados tanto nos eventos oficiais da Assembleia como nas iniciativas paralelas. Amanhã, sexta-feira, 2 de setembro, por exemplo, está previsto o protesto climático do movimento #FridaysforFuture liderado por jovens, com uma marcha simbólica e um programa de intervenções do palco com vozes, canções, apelos à solidariedade global e ação dos jovens.

A iniciativa nasceu graças ao Encontro Ecumênico de Jovens (EYG), um grupo de jovens de todo o mundo que organizou uma greve pela justiça climática, em conexão com o movimento lançado pela Greta Thunberg. O EYG Climate Group é constituído por cerca de 25 voluntários com menos de 30 anos. Desde que chegaram a Karlsruhe, eles se reuniram todos os dias durante o horário de almoço para compartilhar histórias e experiências sobre como o clima está mudando seus países e regiões de origem e para planejar a greve.

Aqui está o vídeo da conferência de imprensa do clima:


Para saber mais:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Combater o racismo, uma tarefa ecumênica global”

“Combater o racismo, uma tarefa ecumênica global”

A comemoração antirracista dos 400 anos da chegada dos primeiros africanos escravizados às margens do Old Point Comfort. Foto cortesia de Steven D. Martin / NCCCUSA Roma (NEV), 18 de outubro de 2019 – Em mensagem dirigida aos participantes do Christian Unity Gathering (CUG), em Hampton, Virgínia (EUA), o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), pároco Olav Fykse Tveit falou de "raça, arrependimento e reparação como oportunidade ecumênica". O CUG é a reunião anual patrocinada pelo Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos Estados Unidos da América (NCCCUSA). O tema deste ano é “Acabar com o racismo: comparar nosso passado, revisitar nosso presente e nomear o futuro preferido de Deus”. Entre outras coisas, Tveit participou da comemoração dos 400 anos da chegada dos povos africanos escravizados em Jamestown, Virgínia (EUA). “O racismo em todas as suas formas é exatamente o oposto de nossos valores cristãos, como igrejas e como movimento ecumênico – declarou Tveit -. O racismo vai contra todos os aspectos do nosso trabalho como Conselho Mundial de Igrejas. O racismo também é contrário ao nosso trabalho pela unidade da Igreja”. Na presença de muitos líderes de diferentes tradições cristãs presentes na comemoração, Tveit também sublinhou que o racismo é um pecado que não pode ser enfrentado apenas em um setor, mas deve ser combatido "em tudo o que fazemos: é uma preocupação constante da irmandade mundo das igrejas e, na verdade, de todo o movimento ecumênico”. 30 anos após o colapso do apartheid, continuou Tveit, "hoje vemos uma nova fase e uma nova face do racismo: nos movimentos racistas recentemente encorajados e em tendências e ideologias políticas como a supremacia branca nos Estados Unidos e na Europa, mas também nas novas expressões do mesmo veneno, em todas as partes do mundo”. As próprias igrejas não são isentas de culpa, insistiu Tveit: “O apartheid, lembremo-nos, era fundamentalmente uma heresia religiosa – concluiu -. Ainda hoje, a política e a prática cristã muitas vezes se revelam inúteis na luta contra o racismo moderno”. O moderador do comitê central do CMI também esteve presente em Hampton Agnes Abuom, que recebeu o Prêmio NCCCUSA de Excelência em Liderança. Durante a comemoração, Abuom falou da imagem legítima de Deus, destacando como foi a fé no verdadeiro Deus de justiça e graça que ajudou os escravos africanos a sobreviver naquele período sombrio da história da humanidade. ...

Ler artigo
Estão em curso em Roma as reuniões da Comissão Metodista-Católica Romana

Estão em curso em Roma as reuniões da Comissão Metodista-Católica Romana

Os dois co-presidentes da Comissão: o católico Shane Mackinley e o metodista Edgardo Colon-Emeric (foto christianunity.va) Roma (NEV), 3 de outubro de 2022 – A XII série de encontros de diálogo teológico da Comissão Internacional Metodista-Católica Romana (MERCIC) começou esta manhã com um culto na igreja metodista de Ponte Sant'Angelo, em Roma. Hospedado pelo Escritório Ecumênico Metodista de Roma (MEOR) – cujo diretor, pároco Matthew Lafertyé também co-secretário do MERCIC -, a Comissão abordará o tema da unidade e missão nos próximos cinco anos. O culto de abertura ofereceu a liturgia da Renovação da Aliança, tradição metodista introduzida pelo fundador do movimento, João Wesley (1703-1791). Nesta ocasião, o pároco da igreja da Ponte Sant'Angelo dirigiu suas saudações à Comissão, Daniel Pratt Morris-Chapmano moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trottae o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Daniele Garrone. As reuniões da Comissão, nomeada conjuntamente pelo Conselho Metodista Mundial e pelo Dicastério do Vaticano para a promoção da unidade dos cristãos, durarão até 8 de outubro próximo. A Comissão é co-presidida pelo pastor metodista Edgardo Colon-Emericreitor da Duke Divinity School (EUA) e por Mons. Shane Mackinlay da diocese de Sandhurst (Austrália). ...

Ler artigo
Oração ecumênica em Bari. Entrevista com Souraya Bechealany, Conselho de Igrejas do Oriente Médio

Oração ecumênica em Bari. Entrevista com Souraya Bechealany, Conselho de Igrejas do Oriente Médio

Souraya Bechealany (créditos: Cynthia Bou Zeid / Conselho de Igrejas do Oriente Médio) Roma (NEV), 6 de julho de 2018 – “A paz esteja com vocês. Cristãos juntos pelo Oriente Médio”, com este lema dezenas de líderes cristãos do Oriente Médio de várias denominações se reunirão amanhã em Bari para um encontro ecumênico de oração promovido por Papa Francisco. Entre os muitos participantes também figuram Souraya Bechealanysecretário-geral do Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), libanês maronita e professor de teologia na Universidade "Saint-Joseph" de Beirute. Esperado em Bari, entre outros, o patriarca ecumênico de Constantinopla Bartolomeu I; o metropolitano Hilarion representando o patriarca russo Kirill; o patriarca ortodoxo grego de Alexandria e toda a África Teodoro II; para o papa das igrejas ortodoxas coptas Tawadros II; o Patriarca Siríaco Ortodoxo de Antioquia Aphrem II; o patriarca caldeu, cardeal Louis Sako; o bispo Sani Ibrahim Azar da Igreja Evangélica Luterana na Jordânia e na Terra Santa. Souraya Bechealany (MECC), falando por ocasião da recente Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) em Novi Sad na Sérvia, sublinhou a importância da relação entre as comunidades cristãs e muçulmanas no Médio Oriente, recordando: "não falem por nós, não pense por nós, não decida por nós. Reflitamos juntos, unidos na Palavra e no testemunho”. Na véspera do encontro em Bari, nós a entrevistamos. Souraya Bechealany, as estatísticas falam por si: o número de cristãos no Oriente Médio vem diminuindo há décadas, especialmente em países em conflito. Como as comunidades cristãs presentes na região vivem esta situação? O medo está vivo nos cristãos, é claro. Um sentimento humano e mais do que fundamentado. Mas esse medo está presente em todas as populações do Oriente Médio. Todos estão expostos à incerteza, opressão, pobreza, perseguição. É por isso que se deve fazer um apelo para que se tomem medidas a nível internacional para salvar o homem, cada homem; e para salvar a sociedade, todas as sociedades do Oriente Médio. Você repetiu várias vezes que, no contexto do Oriente Médio, os cristãos são importantes para os muçulmanos e vice-versa. Você pode explicar melhor essa relação, que parece estar em perigo hoje? A fé cristã tem seu fundamento na comunhão da Santíssima Trindade. É, portanto, fundamentado na unidade da diversidade. Falar da diversidade significa saber acolher o outro como “Outro”, como diferente de mim, e com quem sou chamado a viver em comunhão. Devemos cultivar esta comunhão, esta abertura para e para o Outro, para os outros, para todos os outros. Daí a importância do princípio da alteridade. A presença cristã no Oriente Médio faz parte desse movimento de alteridade e de unidade na diversidade. É importante não só para os cristãos, mas também para os muçulmanos, e diria, para o mundo. Se os cristãos desaparecessem desta região, os primeiros a perder seriam os próprios muçulmanos e depois o mundo inteiro. Porque perderíamos o "vis-à-vis" ancestral com os muçulmanos, com o nosso irmão diferente e muito mais. Teríamos desestabilizado o equilíbrio geopolítico e demográfico da região e, portanto, do mundo; e assim enfraquecido, perder-se-ia o direito à existência de todos os cidadãos desta região. O que você espera deste encontro ecumênico de oração para os cristãos do Oriente Médio amanhã em Bari? A kairosum momento propício "para o Espírito Santo e para a Igreja", onde "juntos escutaremos o que o Espírito diz hoje às Igrejas", e nos deixaremos guiar com ousadia por Ele para alcançar a justiça e a paz. Ela será a única líder feminina desta reunião. Cristã e libanesa, você acredita que as mulheres - de todas as confissões e religiões - têm um papel a desempenhar nessa busca pela paz e pela justiça? Tenho certeza de que não apenas as mulheres podem desempenhar um papel importante na busca da paz e da justiça, mas sei que elas já o são. Com efeito, diria mais: a mulher não só “desempenha” este papel, mas é intrinsecamente um ser de paz, desde que se mantenha fiel a si mesma, ou seja, “viva e que dá a vida”. Qual é o seu maior desejo para o futuro da região? Igualdade e fraternidade entre todos, direito à liberdade religiosa, política e social, à cidadania para todos, à educação e a um maior cuidado com o meio ambiente e a Criação. O Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), fundado em 1974 em Nicósia (Chipre) e atualmente sediado em Beirute (Líbano), visa facilitar a convergência das comunidades cristãs do Oriente Médio sobre temas de interesse comum. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.