Bréscia.  Corpos de mulheres, violência, religiões, migrações

Bréscia. Corpos de mulheres, violência, religiões, migrações

Roma (NEV), 9 de fevereiro de 2023 – O Comitê Nacional da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) convida você para dois importantes encontros a serem realizados em Brescia nos dias 11 e 12 de fevereiro. Dirigido a todos os cidadãos, associações, grupos de mulheres de igrejas, os dois compromissos têm como protagonistas, entre outras coisas, mulheres migrantes.

“Um encontro que quer celebrar a enorme contribuição oferecida pelas mulheres migrantes na Itália e nas igrejas evangélicas italianas – escreve o Comitê FDEI -. Mulheres portadoras de valores simbólicos e culturais essenciais, onde a interseccionalidade dos nossos corpos é o testemunho mais autêntico. Falamos de interseccionalidade tendo já constatado, várias vezes, a nossa capacidade comum de lidar positivamente com eventos traumáticos. Nossas formas de reorganizar nossa própria vida diante das dificuldades. E como tentamos reconstruir nossa vida à luz da Palavra de Deus, permanecendo abertos às oportunidades que a própria vida nos oferece”.


Abre no dia 11 de fevereiro com a sessão pública, das 17h às 19h na Sala del Camino, no Palazzo Martinengo delle Palle (via San Martino della Battaglia, 18 – Brescia). Aqui o cartaz: 11 DE FEVEREIRO DE 2023

Violência de gênero e religiões: desafios locais

Apresentação:

No contexto multicultural e multirreligioso de Brescia, a realidade da violência de gênero levanta muitas questões, de natureza cultural, mas também sobre a capacidade de defender os direitos de cidadania de cada mulher. Conforme relatado pelo MigraREport 2022, elaborado pelo Centro de Iniciativas e Pesquisas sobre Migração – Brescia (CIRMIB) da Universidade Católica do Sagrado Coração de Brescia, se é verdade que nos últimos anos houve mais instrumentos legais para lidar com do fenómeno (por exemplo o “código vermelho” e a instituição da advertência ao parceiro violento), também é verdade que as mulheres denunciam mais abusos e violências sofridas pelo que o fenómeno está a aumentar, mesmo entre as populações estrangeiras.

PLANO

Moderado:

pastor Leonardo MagriIgreja Valdense de Brescia

Caixas de som:

Pastora Gabriela Liopresidente da FDEI Roma
Madalena ColomboUCSC, Diretor do CIRMIB e Presidente da Associação Dòsti – Festival de Artes e Culturas Religiosas
Naima DaoudaghMediadora cultural nos serviços de saúde, Associação Dòsti Festival de artes e culturas religiosas
Viviana CassiniPresidente da Women’s House Association-Antiviolence Center, Brescia
Batool HaidariUniversidade de Cabul, ativista dos direitos das mulheres

O evento será tema de um podcast da RADIO DOSTI “um mundo em Brescia”.
entrada livre


Segundo compromisso, em 12 de fevereiro, das 9 às 17h30, na Igreja Evangélica Valdense na Via dei Mille, 4. Aqui o pôster: 12 DE FEVEREIRO DE 2023

Mulheres evangélicas juntas. Ouvindo Abigail: mulher de bom senso e visionária

Caixas de som:

Pastora Eliade Dias Dos Santos
estudante de teologia Heidi Lengler

PLANO

9h00 Chegadas – apresentação e boas-vindas
9h45 Intervalo Café
11h00 Adoração – Igreja Valdense Brescia
12h30 Actividades antes do almoço
12h45 Almoço
14.00 Introdução ao Estudo Bíblico I Samuel 25: História de Abigail e Nabal
14.40 Trabalho de grupo
16.20 Plenário e propostas para um futuro possível
17h30 Conclusões e bênção final
entrada livre

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Centro Inter-religioso para a Paz.  Carta aos Sínodos e associações

Centro Inter-religioso para a Paz. Carta aos Sínodos e associações

Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html Roma (NEV), 6 de abril de 2022 - O Centro Interconfessional pela Paz (CIPAX) "recebeu com interesse e esperança a iniciativa da Igreja Católica de lançar uma dupla jornada sinodal, da Igreja italiana e universal, convidando os católicos a ouvir e à participação também de quem não está inserido nas estruturas eclesiásticas, de quem se sente distante, de quem pertence a outra tradição cristã ou professa outra religião, ou não crente”. Com estas palavras, a CIPAX apresenta a sua mensagem aos Sínodos e à Rede Sinodal de associações constituídas para o “caminho sinodal” da Igreja Católica. O ponto de vista da CIPAX expressa sua natureza de associação inter-religiosa comprometida com a paz. “Acreditamos que o networking é em si um valor importante: muitas vezes nossa capacidade de influenciar é enfraquecida pela incapacidade de superar o individualismo, o narcisismo e o egoísmo. Pretendemos, portanto, caminhar juntos. Por isso, além de pedir ao Sínodo dos Bispos Católicos que se abra ao mundo, propomos passos comuns às nossas associações para que tenham mais força e impacto, sobretudo porque uma instituição, religiosa ou não, seja ela qual for, não pode evoluir sem ser empurrado de baixo". A carta é composta por diferentes seções e propõe objetivos e caminhos comuns. “Considera-se essencial que neste percurso haja igual dignidade e respeito por cada componente participante, e que também sejam acolhidos e incluídos os não crentes que queiram partilhar valores e compromissos”, escreve o CIPAX. E acrescenta: “Pretendemos ir mais longe, numa dimensão inter-religiosa que aproxime todos em torno de alguns valores fundamentais. Esses valores para a CIPAX são paz, não violência, respeito aos direitos, igualdade e paridade entre as pessoas, liberdade e justiça, respeito ao meio ambiente. Para a CIPAX, ecumenismo e inter-religiosidade não podem prescindir da paz, e vice-versa”. O documento também fala de secularismo, minorias, não-violência, casamentos mistos, ministérios femininos, hospitalidade eucarística. Além disso, de um ecumenismo feito de escuta, portanto de silêncio e de superação das divisões: “Todos os fiéis devem poder participar das decisões que afetam sua vida e sua fé. Que todos eles sejam mestres e discípulos ao mesmo tempo. A diversidade é aceita como um ativo e não percebida como um obstáculo. Nesse sentido, o ecumenismo pode ser visto como uma projeção para o encontro inter-religioso, onde valores e ações comuns podem ser compartilhados. Práticas espirituais devem ser valorizadas. Diante das dificuldades iniciais imagináveis, é importante abrir espaço para a alteridade por meio da escuta, esvaziando-se de suas certezas para dar espaço ao “outro”, talvez até pelo silêncio que potencializa nossa sensibilidade. Incentivar o ecumenismo e a inter-religiosidade a partir de baixo, abrindo-se ao encontro com as diferentes experiências das associações religiosas para acolher as práticas que permitem avançar num caminho comum entre as diversas Igrejas e religiões. Na Ecúmena, no espaço habitado, recupera-se a dimensão espacial do círculo, numa referência à centralidade do púlpito, onde o centro é a comunidade, ainda que composta. A roda facilita o diálogo, o conhecimento, a inclusão, a partilha”. Baixe o documento completo. Acesse a apresentação da CIPAX. O Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX) é uma associação cultural que desde 1982 promove "a colaboração de forças religiosas e seculares para a construção da paz, da justiça e da proteção da criação". A CIPAX também se comprometeu, desde a sua criação, com o diálogo ecumênico e tem visto muitos protestantes em sua diretoria e entre seus membros. O canteiro de obras foi criado graças à contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. ...

Ler artigo
Livre para ser – Nev

Livre para ser – Nev

foto @Tim Mossholder, unsplash Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2021 - "Uma nova relação entre mulheres e homens a partir da realidade eclesial": este é o título do encontro realizado na última sexta-feira, 5 de fevereiro, das 18h às 19h30, promovido pela Federação das mulheres evangélicas da Itália (FDEI) e pela revista Confronti. O webinar contou com a presença de inúmeras pastoras e pastoras, teólogas e representantes de igrejas protestantes comprometidas com as questões de gênero: Herbert Anders, Abril Máximo, Cristina Arcidiacono, Stefano Ciccone, Daniele Bouchard, Elizabeth Green, Nicola Laricchio, Daniel Podesta, Davide Rostan, Sandro Spanu, Ângelo Reginato. A consulta foi realizada ao vivo na página do Facebook do centro de estudos e revista Confronti. Neste post o vídeo completo da reunião da última sexta-feira: ...

Ler artigo
Quaresma, Tempo da Paixão, Ramadã: afinidades e diferenças

Quaresma, Tempo da Paixão, Ramadã: afinidades e diferenças

Para as igrejas protestantes as coisas são diferentes. Como bem explicou o pastor Luca Baratto durante episódio do Culto Evangélico transmitido pela Rádio Uno Rai “A palavra Quaresma não faz parte do vocabulário dos protestantes italianos. As igrejas evangélicas de nosso país - pelo menos aquelas que seguem o ano litúrgico - preferem chamar esse período de 'Tempo da Paixão'. Corresponde à história dos Evangelhos que, depois do início na Galileia, veem Jesus a caminho de Jerusalém: uma viagem difícil, pontuada por desentendimentos com os discípulos e, sobretudo, pelo anúncio de que Jesus será preso e morto naquela cidade. É tempo de refletir sobre o que significa seguir aquele Jesus que convida todos a carregar a sua cruz”. O pastor Baratto especifica ainda: “No entanto, também deve ser dito que os protestantes italianos não usam a palavra Quaresma porque a ela está ligada uma espiritualidade que não lhes pertence. Para um evangélico parece estranho que haja uma determinada época do ano para se dedicar à contrição e ao arrependimento; na realidade, toda a vida de um crente é a confirmação de que ele é um pecador perdoado. Da mesma forma, a obrigação religiosa de renúncia ou penitência não pertence à mentalidade protestante. O profeta Isaías escreve que o verdadeiro jejum não é dedicar um dia à abstinência alimentar, mas saber repartir o pão com quem tem fome”. (para ler o discurso completo de Luca Baratto clique aqui: Quaresma da Paixão. A Reforma não rejeitou a Quaresma, mas deu um passo atrás nas práticas penitenciais. Estes permaneceram muito rígidos na Ortodoxia, mas tornaram-se menos rigorosos no Catolicismo. “No século 16, as críticas dos reformadores se concentravam naquelas coisas que alguém tinha que fazer para ser digno da salvação, como indulgências ou jejuns”, lembra ele. Nicolas Cockand, professor de teologia prática no Instituto Protestante de Teologia, em Paris. Hoje, do ponto de vista protestante, a Quaresma é antes de tudo um tempo de solidariedade com os mais pobres, um tempo de abstinência, por exemplo do álcool, e um tempo de busca de uma busca espiritual contemporânea, de uma vida mais simples. Essa ideia de sobriedade feliz pode muito bem ser rastreada até Calvino. É a tradição luterana que dá mais espaço à Quaresma nas suas liturgias, sobretudo através da celebração da Quarta-feira de Cinzas. Para os muçulmanos, o atual mês do Ramadã é aquele em que Deus deu o Alcorão ao Profeta. É o momento da oração, da meditação, mas principalmente do jejum, do nascer ao pôr do sol, juntamente com a proibição do fumo e da prática de sexo.O Ramadã e a Quaresma estão ligados a duas revelações: o início da vida pública de Jesus e o início da revelação da vontade de Alá ao profeta Maomé. O jejum no Ramadã é um dos cinco pilares do Islã, as cinco obrigações fundamentais estabelecidas pela lei religiosa para todo crente muçulmano de qualquer gênero, juntamente com a declaração de fé, oração, esmola e peregrinação a lugares sagrados. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.