Igrejas da diáspora e da fronteira se encontram

Igrejas da diáspora e da fronteira se encontram

Torre Pellice, 21 de outubro de 2022 (NEV/chiesavaldese.org) – Por ocasião de sua assembleia geral (20 de outubro) realizada no Serviço Cristão de Riesi (Cl), a Conferência das Igrejas Protestantes dos Países Latinos da Europa (Cepple) organizou uma conferência teológica (19-20 de outubro) intitulada “Igrejas protestantes latinas, que evolução?”. Fizemos algumas perguntas a dois dos oradores, Daniele Garrone E sabina baral.

O foco do encontro foi a reflexão sobre como as igrejas protestantes do sul da Europa vivem sua condição de minoria (muitas vezes nos últimos dias se falou em “diáspora”) e de fronteira, e como conseguem ser testemunha viva do Evangelho em um contexto de secularização.

Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia em Roma e presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (Fcei), fez o discurso introdutório intitulado “Dizer e fazer algo protestante em uma Europa em mudança. Uma vocação, seus problemas e desafios”.

Em seu discurso, falando do ponto de vista da FCEI, que há muitos anos está engajada nas fronteiras da Europa para levar ajuda aos migrantes, ele ofereceu uma reflexão sobre o tema da fronteira geográfica e simbólica que as igrejas vivenciam todos os dias.

sabina baral, membro cessante do Comitê Executivo do Cepple, introduziu a terceira sessão do debate, “Como você ousa dar testemunho de ser uma igreja viva em uma situação de diáspora?”, na qual as várias igrejas participantes trouxeram suas experiências. Ele refletiu sobre um tema que surgiu várias vezes, o de ser uma minoria, que não é necessariamente um problema, mas pode se tornar uma oportunidade.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Segundo dia do Sínodo Luterano, “Liberdade e responsabilidade”

Segundo dia do Sínodo Luterano, “Liberdade e responsabilidade”

Roma (NEV), 29 de abril de 2022 – Após o primeiro dia, com o culto de abertura e a saudação de Daniele Garrone, presidente da FCEI, a terceira sessão da XXIII sessão do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália concentrou-se hoje em relatórios, moções e uma mesa redonda sobre o tema "liberados à liberdade". Após a intervenção do tesoureiro, Jens Ferstla discussão centrou-se na relação entre os recursos para o funcionamento da Igreja e a perspetiva de envolvimento futuro em diversas atividades eclesiásticas, administrativas e diaconais. Precisamente sobre este último, iniciou-se uma reflexão sobre o compromisso social e diaconal da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Um empenho que se expressa tanto na participação em numerosas iniciativas locais como em projetos de envolvimento mais amplo e exigente: por exemplo na gestão do Hospital Evangélico de Nápoles, Villa Betania; o Hospital Evangélico Internacional de Gênova; mas também em termos de acolhimento de migrantes e refugiados ucranianos na sequência do conflito em curso. “A diaconia do CELI – confirmou Cordelia Vitiellodo Consistório - é uma ponte de relação não só com a sociedade italiana, com as partes mais frágeis que nela vivem, mas também e sobretudo a resposta à vocação evangélica que nos é dirigida de nunca desviar o olhar de quem sofre, de quem está sozinho, de quem é vítima da violência ou da guerra e no cuidado da criação". A fala do representante estrangeiro da Igreja Evangélica Alemã (EKD), Frank Kopania, confirmou o desejo de igual colaboração com o CELI, especialmente no trabalho pastoral. O expoente da EKD sublinhou “a solidariedade que une a Igreja Luterana às Igrejas alemãs e que hoje encontra motivos renovados para continuar rentável”. O #Sinodolutheran2022 See More acaba de aprovar os trabalhos do Consistório. @nev_it @adistait @Riforma_it pic.twitter.com/Lmgmw1m8jt — CeliTWEET (@CeliTWEET) 29 de abril de 2022 Pela manhã, entre outras intervenções, a do moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta. A sessão do Sínodo Luterano será retomada amanhã, 30 de abril, com saudações do diretor do escritório nacional para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana, Juliano Savina E KG Haubelt do Sínodo da Igreja Evangélica da Baviera. À tarde, as eleições para a renovação do Reitor e Vice-Reitor do CELI. ...

Ler artigo
Os Corredores Humanitários do Papa Francisco

Os Corredores Humanitários do Papa Francisco

Roma (NEV), 18 de março de 2023 – O naufrágio de Cutro “não deveria ter acontecido e todo o possível deve ser feito para evitar que isso aconteça novamente. Os corredores humanitários constroem pontes que muitas crianças, mulheres, homens, idosos, vindos de situações muito precárias e de graves perigos, têm percorrido em segurança, legalidade e dignidade até aos países de acolhimento. Atravessam fronteiras e, mais ainda, os muros da indiferença sobre os quais muitas vezes se estilhaça a esperança de muitas pessoas, que esperam anos em situações dolorosas e insustentáveis”. Ele disse isso algumas horas atrás Papa Francisco, durante a audiência desta manhã em que conheceu os refugiados que chegaram à Itália e à Europa graças aos corredores humanitários, criados desde 2016 pela FCEI, Tavola Valdese, com a contribuição do Otto per mille Valdese e da Valdensian Diaconia que cuida de de acolhimento nos vários territórios, Sant'Egidio, com outras realidades da sociedade civil como a Caritas e a Arci. Aula Nervi no Vaticano lotada com vários milhares de pessoas, cerca de 7.000, a partir das 11 de hoje, sábado 18 de março, para a audiência do pontífice. O pastor valdense Daniele Garrone, presidente da FCEI, sublinhou, a propósito do sistema de corredores humanitários: “Não se trata do ingênuo impulso caritativo de almas piedosas ou virtuosas, movidas por um sentimentalismo irrealista. Achamos que é uma das respostas razoáveis, que também os Estados devem adotar, a um problema que também põe em causa a qualidade dessas democracias constitucionais baseadas na proteção dos direitos humanos a que o nosso continente aterrissou tendo atrás de si tragédias bastante semelhantes às que hoje forçam homens e mulheres a fugir, que partem porque não têm outra perspectiva senão sucumbir”. “Mesmo a Europa tem sido ensanguentada por guerras”, recordou o presidente da FCEI, “incluindo guerras de religião, intolerância e ditaduras, também a Europa teve milhões e milhões de migrantes em busca de um futuro melhor. Se olhássemos para o nosso passado, mesmo o recente, talvez nos parecesse clara outra palavra da Bíblia: 'tu conheces a alma do imigrante'”. Hoje, concluiu, “regozijamo-nos convosco; de resto, continuemos a fazer a nossa parte por aqueles que ainda choram”. Ela também compareceu à nomeação no Vaticano Daniela Pompeia, responsável da Comunidade de Sant'Egidio para serviços aos imigrantes, que promoveu a iniciativa de hoje, recordando como os corredores humanitários “nasceram da dolorosa memória das mortes no mar, nasceram do choro e da oração. A oração e a dor nos ajudaram a não desistir, a refletir, a lutar para construir uma rota alternativa para os barcos. A oração e a dor nos empurraram, quase nos forçaram, àquela criatividade no amor de que tantas vezes o senhor, o Santo Padre, falou. De 2016 até hoje, 6.080 vidas humanas foram salvas, chegando legalmente à Europa, chegando principalmente à Itália, mas depois à França, Bélgica e um número limitado no principado de Andorra e San Marino. Uma pequena luz diante do muro da impossibilidade e da ideia de que nada pode ser feito”. Aqui está o discurso completo do presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Daniele Garrone: “Santidade, querido irmão em Cristo, queridos amigos, nossa Escritura diz: “Alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram” (Romanos 12,15 CEI 2008). Hoje a nota dominante, ao ver tantos de vocês aqui, é a alegria e a gratidão. Sabemos o que você passou e o que teve que deixar para chegar até aqui e esperamos e desejamos que aqui você encontre uma vida protegida, aliás abençoada. Há outro motivo de alegria e gratidão: se fizemos alguma coisa para trazê-los até aqui, o fizemos como cristãos de diferentes confissões. É a dimensão ecumênica dos corredores humanitários que sempre redescobrimos: todos somos alcançados pela mesma Palavra de Deus, que nos dá esperança e nos chama a servir o próximo. Uma esperança comum, uma vocação comum, que hoje gostaria de exprimir nas palavras do profeta Miquéias: "Homem, você foi ensinado o que é bom e o que o Senhor exige de você: praticar a justiça, amar o bem, andar humildemente com o seu Deus. “ (Miquéias 6.8 CEI 2008) Foto Sant'Egidio A alegria e a gratidão de hoje não são ofuscadas pela segunda parte do convite: "chorar com os que choram", mas também ela ressoa. Todos nós temos no coração o último trágico naufrágio daqueles que não têm outro recurso senão uma travessia arriscada, de certo modo louca. Aqueles de nós que estão em Lampedusa, no nosso observatório sobre as migrações, para acolher quem as fez, testemunhamos as histórias dramáticas que cada um carrega dentro de si e muitas vezes no corpo. A participação no choro deve mover "praticar a justiça"; este é o chamado que ouvimos dirigido a nós. Os corredores humanitários são uma forma de tentar responder a este chamado. Pensamos que é uma das respostas razoáveis ​​para um problema que envolve também a qualidade dessas democracias constitucionais baseadas na proteção dos direitos humanos que nosso continente chegou a ter atrás de si tragédias bastante semelhantes às que hoje obrigam homens e mulheres fugir, que partem porque não têm outra perspectiva senão sucumbir: também a Europa foi ensanguentada por guerras, mesmo "de religião", por intolerância e ditaduras, também a Europa teve milhões e milhões de migrantes em busca de um futuro melhor. Se olhássemos para o nosso passado, mesmo o recente, talvez nos parecesse clara outra palavra da Bíblia: "tu conheces a alma do imigrante" (Êxodo 23,9). Hoje nos regozijamos com você; de resto, continuemos a fazer a nossa parte por aqueles que ainda choram". A audiência começará em alguns minutos @Pontifex_it com as pessoas acolhidas – e que acolheram – graças ao #corredores humanitários que realizamos com outras igrejas e realidades da sociedade civil. Pastor Daniele Garrone, presidente, falará pelas igrejas protestantes #FCEI pic.twitter.com/y86Bv3k8sF — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 18 de março de 2023 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
A crise do ecumenismo europeu

A crise do ecumenismo europeu

Foto Hilert. Roma (NEV), 17 de julho de 2023 – De 14 a 20 de junho, o XVI Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias, conhecido pela sigla alemã KEK. Esta é a organização ecumênica regional fundada em 1959 para promover o diálogo entre as igrejas da Europa Ocidental e Oriental, então divididas pela Cortina de Ferro. O CEC inclui 114 igrejas pertencentes a diferentes famílias confessionais: protestantes de várias denominações, anglicanos, ortodoxos e católicos antigos. Na Itália há membros batistas, luteranos, metodistas e valdenses, e há uma colaboração estruturada com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Da década de 1980 até a primeira década do séc.zo milênio o KEK desempenhou um papel ecumênico de destaque na Europa, graças às três Assembleias Ecumênicas Europeias de Basel 1989, Graz 1997 e Sibiu 2007, promovidas conjuntamente pela mesma Conferência e pelo Conselho das Conferências Episcopais Católicas da Europa (CCEE) . Desde então, por várias razões, seu papel parece ter sido reduzido. Um downsizing devido, além das crescentes dificuldades econômicas das igrejas, à decisão, já tomada há vários anos, de concentrar os trabalhos da Conferência sobre o relacionamento com a União Européia, fechando os escritórios em Genebra e Estrasburgo e deixando apenas a sede em Bruxelas. Mas também o impasse nas relações ecumênicas com a Igreja Católica após a difícil Terceira Assembleia Ecumênica de Sibiu, na Romênia. A Assembleia de Tallinn parece ter confirmado a tendência de enxugamento, a começar pela ausência de cerca de cinquenta igrejas membros (pela terceira vez consecutiva a Igreja Ortodoxa Russa esteve ausente, o que congelou a sua participação precisamente por causa de uma disputa envolvendo uma das duas Igrejas Ortodoxas de Estônia; os ortodoxos sérvios também estão ausentes). um momento da Assembleia. Foto Hilert. Foi confirmada a dissociação da CEC de duas importantes redes ecumênicas europeias, a que trata dos migrantes, a Comissão de Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME), e a de ecologia, a Rede Cristã Europeia para o Meio Ambiente (ECEN). Havia alguma esperança de que a convocação de uma quarta Assembleia Ecumênica Européia fosse anunciada, mas isso não aconteceu. Mesmo sobre a guerra na Ucrânia, a declaração final decepcionou muitos delegados devido à posição considerada muito pró-OTAN e à falta de insistência em encontrar soluções pacíficas para o conflito. No entanto, os delegados italianos destacaram os pontos positivos da Assembleia: o debate sobre o acolhimento dos migrantes; a presença ativa de jovens que viram uma boa moção sobre o clima aceito; a renovação do Comitê Diretivo no qual também foi eleito um jovem pároco italiano, o Batista Simone De Giuseppe. O novo presidente do KEK é ortodoxo, o arcebispo Nikitas de Thyateira e Grã-Bretanha, que no final do encontro partilhou uma mensagem de esperança: “Esta Assembleia encontra-nos num mundo em guerra, em que as armas nucleares ainda estão a funcionar… Neste contexto, a CEC deseja trazer esperança e luz de Cristo, como mensageira da paz e da solução dos nossos problemas". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.