Conferência das Igrejas Europeias.  Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Conferência das Igrejas Europeias. Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Simone De Giuseppe

Roma (NEV), 21 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi encerrada ontem em Tallinn, Estônia. Entre as novidades, o novo Conselho Deliberativo, que conta também com o pastor batista Simone De Giuseppe, delegado da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI). Fizemos algumas perguntas a ele.

Entretanto, parabéns pela sua eleição para o Conselho de Administração da CEC. Quem está no Conselho além de você e quais são os compromissos de curto e médio prazo nos quais você estará envolvido?

Foto Ulf Tjärnström / KEK

Obrigado. Para mim é realmente uma honra poder servir e contribuir para o Conselho de Administração da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). O Conselho é composto por 20 pessoas: o novo presidente eleito, o arcebispo ortodoxo Nikitas de Tiateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico. Em seguida, a vice-presidência, formada por Inverno de DagmarBispo Anglicano de Huntingdon, da Igreja da Inglaterra, e pelo pastor protestante Frank Kopania, que vem da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). A Direcção é composta segundo uma lógica de equilíbrios. Assim, procura-se um equilíbrio entre homens e mulheres, entre diferentes confissões ou denominações cristãs, entre leigos e ordenados, entre as diferentes regiões de origem das igrejas que fazem parte da CEC na Europa e também entre as diferentes idades , de modo a ter uma pluralidade que reflita tanto quanto possível as igrejas pertencentes à CEC.

Quanto aos compromissos, certamente voltaremos a nos encontrar em novembro. Serão estabelecidos papéis e áreas de competência dentro do Conselho e então tentaremos começar a discutir e trabalhar o que foi deliberado pela Assembleia: estratégias, objetivos, cuidado com as relações com instituições e igrejas.

A CEC é um organismo que reúne igrejas diferentes entre si pela confissão e tradição, mas também pela consistência numérica (minoria/maioria), ou pela localização geográfica que inevitavelmente influencia as prioridades do testemunho evangélico. Se é fácil apontar as diferenças, o que representou a unidade dos cristãos europeus nesta Assembleia?

Certamente existem muitas diferenças entre as igrejas pertencentes à CEC, mas o que realmente as une é a perspectiva ecumênica comum de viver a fé. Portanto, há uma abertura ao diálogo e ao confronto entre diferentes tradições e teologias. Ao mesmo tempo, existe a consciência de fazer parte do único corpo de Jesus Cristo, no qual cada membro, cada igreja, é parte fundamental. Nenhum corpo pode funcionar perfeitamente se uma parte, mesmo que escondida e pequena, não funcione. Todo o corpo seria afetado. Esta consciência de fazer parte do único corpo de Cristo é o que verdadeiramente une as igrejas CEC.

O documento sobre questões públicas fala sobre: ​​justiça climática, Ucrânia, migrantes. Você pode nos dizer algo mais?

No que diz respeito à justiça climática, ela foi trazida ao conhecimento da Assembleia, sobretudo pelas gerações mais jovens, que escreveram uma moção sobre o assunto. A moção destaca a urgência de enfrentar a crise climática a partir da consciência de que ela é causada pela ação humana, pelas injustiças e pelo sistema econômico que atualmente rege a lógica mundial. A CEC comprometeu-se nesta Assembleia a reduzir o seu impacto ambiental, pelo menos nas suas atividades, nos próximos cinco anos.

Quanto à guerra na Ucrânia, esse foi um assunto muito discutido na Assembleia. Houve duas sessões plenárias para ouvir as vozes das pessoas que estão na Ucrânia, ou que fugiram da guerra, ou que vivem em países vizinhos. Foi votada uma declaração condenando a agressão militar russa em território ucraniano. O KEK manifestou solidariedade e apoio à população ucraniana, com o compromisso de levar por diante um caminho de diálogo para poder encontrar uma paz justa o mais rapidamente possível e encorajar todas as iniciativas que visem a reconciliação entre os sujeitos envolvidos .

Finalmente, o tema das migrações. Logo no início da Assembléia houve outro trágico naufrágio na costa da Grécia, matando mais de 500 pessoas. Isso tocou muito as pessoas que compareceram à Assembleia da CEC, que quiseram se expressar com uma declaração específica. A CEC pretende continuar a apoiar as Organizações que trabalham com a questão da migração, trabalhar em parceria tanto quanto possível e continuar a reflexão com as igrejas constituídas sobretudo por migrantes de outros continentes, comunidades que já fazem parte da geografia das igrejas europeias.

Foto Ulf Tjärnström / KEK

O lema da Assembleia foi “Moldar o futuro”. Que forma de futuro emergiu da Assembléia?

O lema da assembléia foi “sob a bênção de Deus dando forma ao futuro” e, portanto, que forma de futuro emergiu da assembléia na realidade sem forma, de fato, tentamos desmantelar o conceito de que, como igrejas cristãs, é possível controlar o futuro da ‘Europa. em vez disso, queríamos dar uma mensagem contra a maré a respeito de uma sociedade que através das tecnologias torna-se cada vez mais capaz de controlar a vida das pessoas e a organização de tudo e, em vez disso, colocar tudo de volta nas mãos de Deus ouvindo o que o Senhor pode comunicar ao igrejas para permanecer abertos ao novo, para mudar sabendo que o futuro pertence a Deus e somente a Deus e que somente sob sua bênção pode se concretizar a partir do testemunho das igrejas.

Na coletiva de imprensa final, o recém-eleito presidente Nikitas usou três palavras-chave: fé, esperança e amor. Em seguida, acrescentou uma mensagem de grande fé nas novas gerações. Na sua opinião, como podemos dar corpo e alma a um pacto intergeracional que dê verdadeiramente voz e liberdade de ação às gerações mais novas?

A Assembleia contou com uma boa participação das gerações mais jovens, que também encontraram voz durante os trabalhos. No entanto, essa voz ainda não é forte o suficiente para afetar as políticas e a vida do CEC. E, portanto, o que fazer para realmente dar voz e liberdade de ação às novas gerações? Certamente uma coisa que pode ser feita é garantir uma participação para eles nas principais comissões do CEC, a começar pela Diretoria. Ao mesmo tempo, o KEK precisa fortalecer as relações e aproveitar as experiências e atividades das várias organizações cristãs europeias que já realizam um grande trabalho durante o ano. E que tratam de questões mais próximas da sensibilidade das gerações mais novas.

Veja todas as fotos oficiais da Assembleia KEK 2023.

Leia todos os novos insights sobre o KEK.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Hungria.  Um simpósio para o 50º aniversário do Acordo de Leuenberg

Hungria. Um simpósio para o 50º aniversário do Acordo de Leuenberg

Foto tirada de Roma (NEV), 7 de março de 2023 – De 9 a 11 de março em Debrecen, Hungria, a conferência acadêmica é realizada para comemorar o 50º aniversário da assinatura do Acordo de Leuenberg. Da Itália o pároco participa Pawel Gajewskimembro do Conselho da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) e representante oficial da Igreja Valdense. Organizado pelo próprio CCPE e pela Universidade Teológica Reformada de Debrecen, o simpósio acadêmico internacional faz parte de uma série de eventos comemorativos deste aniversário. “Este simpósio oferecerá uma oportunidade especial para refletir crítica e construtivamente sobre a importância do Acordo de Leuenberg e sobre os resultados do consequente processo de trabalho teológico comum – escrevem os organizadores -. A ênfase será colocada no significado contemporâneo da realidade eclesial comum iniciada pelo Acordo de Leuenberg e em como isso pode e deve ser no futuro”. Várias intervenções e insights estão programados em Debrecen, com relatórios sobre: Trindade e igreja (comunhão).Realizar a comunhão eclesial nos aspectos compartilhados da vida eclesial.Dimensão ecumênica da comunhão eclesial.Hermenêutica bíblica e comunhão eclesial.Comunhão eclesial diante das diferenças éticas.Comunhão eclesial em diferentes experiências e realidades sociais.O potencial reconciliador do modelo de Leuenberg para a vida em igrejas e sociedades. Outras marcações podem ser consultadas no site criado especialmente para este aniversário, neste link: Concórdia de Leuenberg O Acordo de Leuenberg foi assinado em 1973. É um documento que recompôs as divergências doutrinárias que dividiam protestantes luteranos e reformados, especialmente em torno do entendimento da Ceia do Senhor: um exemplo exitoso de ecumenismo da chamada "unidade na diversidade". As igrejas da comunhão, enquanto permanecem independentes, reconhecem os ministérios, sacramentos e membros da igreja uns dos outros. ...

Ler artigo
Medalha de Prata da ONU pelo Manifesto Inter-religioso #FineLife

Medalha de Prata da ONU pelo Manifesto Inter-religioso #FineLife

Ao centro, Maria Angela Falà, presidente da Mesa Inter-religiosa de Roma Roma (NEV), 17 de abril de 2019 – O Manifesto Inter-religioso dos direitos nos caminhos do fim da vida, assinado entre outros pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), recebeu hoje em Amã a medalha de prata como parte da semana mundial da harmonia inter-religiosa. O reconhecimento, entregue a Maria Ângela Fala, presidente da Mesa Inter-religiosa de Roma, atribuiu-se esta motivação: “Líderes de diferentes religiões (budista, católica, islâmica, hindu, judaica, ortodoxa, cristã reformada) – pode ser lida na motivação do Prêmio – assinou um Manifesto para garantir o apoio religioso e espiritual aos doentes em ambientes de saúde como hospitais, hospícios ou em casa durante a fase final de suas vidas. A ministra da Saúde da Itália, Giulia Grillo, participou da cerimônia de assinatura e enfatizou que o Manifesto é um documento muito importante para o diálogo e a cooperação entre as diferentes religiões e credos. O Governo italiano promoverá esta iniciativa para apoiar a dignidade dos moribundos e o apoio religioso e espiritual no final da vida”. Estabelecido pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 2010, o objetivo da mundo Semana da Harmonia Inter-religiosa é promover o diálogo inter-religioso e a compreensão recíproca entre as diferentes tradições de fé ou pensamento, ambos aspectos da convivência considerados essenciais para uma cultura de paz. Foi proposto em setembro de 2010 à ONU por Rei Abdullah II da Jordânia, no espírito de Carta aberta dos 138 sábios muçulmanos "Uma palavra comum" dirigida ao mundo cristão. O Manifesto, apresentado em 5 de fevereiro em Roma, se baseia em nove direitos fundamentais: o direito de dispor do tempo residual; direito ao respeito pela própria religião; direito a serviços que respeitem a esfera religiosa, espiritual e cultural; direito à presença do referente religioso ou assistente espiritual; direito à assistência de um mediador intercultural; o direito de receber assistência espiritual também de representantes de outras religiões; direito ao apoio espiritual e apoio relacional para si e seus familiares; direito de respeitar as práticas pre e post mortem; direito ao respeito mútuo. Estão sendo definidas as diretrizes e procedimentos operacionais que serão replicáveis ​​em todas as realidades sanitárias italianas, pelo grupo promotor, formado pela Mesa Inter-religiosa de Roma, ASL Roma 1, GMC - Universidade Católica (Hospício Villa Speranza). Os signatários do Manifesto são: Centro Cultural Islâmico da Itália, Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Diocese Ortodoxa Romena da Itália, Villa Speranza Hospice – Universidade Católica do Sagrado Coração, Instituto Budista Italiano Soka Gakkai, União Budista Italiana, União dos Judeus União das Comunidades, União Hindu Italiana, União Italiana das Igrejas Cristãs Adventistas do Sétimo Dia, Vicariato de Roma, Associação de Voluntários Hospitalares (AVO), Centro de Serviços Voluntários (CSV Lazio), Cittadinanzattiva - Tribunal dos direitos dos enfermos, Assistente Social de Saúde em representação da categoria; a Federação Nacional das Ordens das Profissões de Enfermagem (FNOPI) também aderiu recentemente. Baixe a ficha: Nove direitos nos caminhos do fim da vida ...

Ler artigo
Por que somos bem-vindos – Nev

Por que somos bem-vindos – Nev

Roma (NEV), 20 de abril de 2022 – Os primeiros dias de acolhida às famílias ucranianas que chegaram da Polônia há poucos dias, por iniciativa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Ontem realizou-se o segundo encontro do curso de formação online dedicado às famílias e comunidades de acolhimento, "Acolher os que fogem da guerra". Maria Elena Lacquaniti com a jovem ucraniana e as duas crianças, acolhidas pelos batistas de Civitavecchia, à chegada a Roma Nós conhecemos Maria Elena Lacquanitibatista e membro da GLAM, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente da FCEI, membro da igreja batista de Civitavecchia que hospeda uma jovem mãe com dois filhos pequenos, recém-chegados a Roma na última quinta-feira. “Decidimos acolher – explicou – porque sempre o fizemos. Já há alguns anos recebemos em uma casa nossa um casal nigeriano, que acompanhamos em todas as suas dificuldades por cerca de dez anos, desde o desembarque em um navio em Civitavecchia, até 2020, quando se tornaram totalmente independentes”. Nigerianos como os dois meninos recentemente recebidos em Palermo pelo centro valdense La Noce, depois de terem sido rejeitados por uma família que se dispôs a acolher pessoas que fugiam da Ucrânia. Mas há alguma diferença? “Não há diferença, não pode haver. Infelizmente, porém, tenho percebido que existe uma forma de acolhimento com algumas ressalvas em função da cor da pele…”, acrescentou Lacquaniti. Quais são as expectativas e emoções do anfitrião? “Sinto-me tranquila, mas lembro-me sempre que estamos a receber pessoas que estão a sofrer, de desconforto grave, de emergência. Tampouco me preocupei quando quis recebê-lo em nossa casa, mesmo que pequena – concluiu -. Esperamos poder iluminar de alguma forma o futuro dessas pessoas”. A mãe e os dois filhos foram acolhidos em uma estrutura da igreja batista de Civitavecchia e toda a comunidade está envolvida no processo de acolhimento. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.