Conferência das Igrejas Europeias.  Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Conferência das Igrejas Europeias. Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Simone De Giuseppe

Roma (NEV), 21 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi encerrada ontem em Tallinn, Estônia. Entre as novidades, o novo Conselho Deliberativo, que conta também com o pastor batista Simone De Giuseppe, delegado da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI). Fizemos algumas perguntas a ele.

Entretanto, parabéns pela sua eleição para o Conselho de Administração da CEC. Quem está no Conselho além de você e quais são os compromissos de curto e médio prazo nos quais você estará envolvido?

Foto Ulf Tjärnström / KEK

Obrigado. Para mim é realmente uma honra poder servir e contribuir para o Conselho de Administração da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). O Conselho é composto por 20 pessoas: o novo presidente eleito, o arcebispo ortodoxo Nikitas de Tiateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico. Em seguida, a vice-presidência, formada por Inverno de DagmarBispo Anglicano de Huntingdon, da Igreja da Inglaterra, e pelo pastor protestante Frank Kopania, que vem da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). A Direcção é composta segundo uma lógica de equilíbrios. Assim, procura-se um equilíbrio entre homens e mulheres, entre diferentes confissões ou denominações cristãs, entre leigos e ordenados, entre as diferentes regiões de origem das igrejas que fazem parte da CEC na Europa e também entre as diferentes idades , de modo a ter uma pluralidade que reflita tanto quanto possível as igrejas pertencentes à CEC.

Quanto aos compromissos, certamente voltaremos a nos encontrar em novembro. Serão estabelecidos papéis e áreas de competência dentro do Conselho e então tentaremos começar a discutir e trabalhar o que foi deliberado pela Assembleia: estratégias, objetivos, cuidado com as relações com instituições e igrejas.

A CEC é um organismo que reúne igrejas diferentes entre si pela confissão e tradição, mas também pela consistência numérica (minoria/maioria), ou pela localização geográfica que inevitavelmente influencia as prioridades do testemunho evangélico. Se é fácil apontar as diferenças, o que representou a unidade dos cristãos europeus nesta Assembleia?

Certamente existem muitas diferenças entre as igrejas pertencentes à CEC, mas o que realmente as une é a perspectiva ecumênica comum de viver a fé. Portanto, há uma abertura ao diálogo e ao confronto entre diferentes tradições e teologias. Ao mesmo tempo, existe a consciência de fazer parte do único corpo de Jesus Cristo, no qual cada membro, cada igreja, é parte fundamental. Nenhum corpo pode funcionar perfeitamente se uma parte, mesmo que escondida e pequena, não funcione. Todo o corpo seria afetado. Esta consciência de fazer parte do único corpo de Cristo é o que verdadeiramente une as igrejas CEC.

O documento sobre questões públicas fala sobre: ​​justiça climática, Ucrânia, migrantes. Você pode nos dizer algo mais?

No que diz respeito à justiça climática, ela foi trazida ao conhecimento da Assembleia, sobretudo pelas gerações mais jovens, que escreveram uma moção sobre o assunto. A moção destaca a urgência de enfrentar a crise climática a partir da consciência de que ela é causada pela ação humana, pelas injustiças e pelo sistema econômico que atualmente rege a lógica mundial. A CEC comprometeu-se nesta Assembleia a reduzir o seu impacto ambiental, pelo menos nas suas atividades, nos próximos cinco anos.

Quanto à guerra na Ucrânia, esse foi um assunto muito discutido na Assembleia. Houve duas sessões plenárias para ouvir as vozes das pessoas que estão na Ucrânia, ou que fugiram da guerra, ou que vivem em países vizinhos. Foi votada uma declaração condenando a agressão militar russa em território ucraniano. O KEK manifestou solidariedade e apoio à população ucraniana, com o compromisso de levar por diante um caminho de diálogo para poder encontrar uma paz justa o mais rapidamente possível e encorajar todas as iniciativas que visem a reconciliação entre os sujeitos envolvidos .

Finalmente, o tema das migrações. Logo no início da Assembléia houve outro trágico naufrágio na costa da Grécia, matando mais de 500 pessoas. Isso tocou muito as pessoas que compareceram à Assembleia da CEC, que quiseram se expressar com uma declaração específica. A CEC pretende continuar a apoiar as Organizações que trabalham com a questão da migração, trabalhar em parceria tanto quanto possível e continuar a reflexão com as igrejas constituídas sobretudo por migrantes de outros continentes, comunidades que já fazem parte da geografia das igrejas europeias.

Foto Ulf Tjärnström / KEK

O lema da Assembleia foi “Moldar o futuro”. Que forma de futuro emergiu da Assembléia?

O lema da assembléia foi “sob a bênção de Deus dando forma ao futuro” e, portanto, que forma de futuro emergiu da assembléia na realidade sem forma, de fato, tentamos desmantelar o conceito de que, como igrejas cristãs, é possível controlar o futuro da ‘Europa. em vez disso, queríamos dar uma mensagem contra a maré a respeito de uma sociedade que através das tecnologias torna-se cada vez mais capaz de controlar a vida das pessoas e a organização de tudo e, em vez disso, colocar tudo de volta nas mãos de Deus ouvindo o que o Senhor pode comunicar ao igrejas para permanecer abertos ao novo, para mudar sabendo que o futuro pertence a Deus e somente a Deus e que somente sob sua bênção pode se concretizar a partir do testemunho das igrejas.

Na coletiva de imprensa final, o recém-eleito presidente Nikitas usou três palavras-chave: fé, esperança e amor. Em seguida, acrescentou uma mensagem de grande fé nas novas gerações. Na sua opinião, como podemos dar corpo e alma a um pacto intergeracional que dê verdadeiramente voz e liberdade de ação às gerações mais novas?

A Assembleia contou com uma boa participação das gerações mais jovens, que também encontraram voz durante os trabalhos. No entanto, essa voz ainda não é forte o suficiente para afetar as políticas e a vida do CEC. E, portanto, o que fazer para realmente dar voz e liberdade de ação às novas gerações? Certamente uma coisa que pode ser feita é garantir uma participação para eles nas principais comissões do CEC, a começar pela Diretoria. Ao mesmo tempo, o KEK precisa fortalecer as relações e aproveitar as experiências e atividades das várias organizações cristãs europeias que já realizam um grande trabalho durante o ano. E que tratam de questões mais próximas da sensibilidade das gerações mais novas.

Veja todas as fotos oficiais da Assembleia KEK 2023.

Leia todos os novos insights sobre o KEK.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

De norte a sul, proposto pelas 4 Conferências Distritais Metodistas e Valdenses

De norte a sul, proposto pelas 4 Conferências Distritais Metodistas e Valdenses

O coro ganense saúda a procissão à porta do Templo. Sínodo 2019, imagem de arquivo Roma (NEV), 12 de julho de 2022 – Durante o mês de junho, as igrejas Valdenses e Metodistas reuniram-se democraticamente nas habituais “Conferências Distritais”. É um momento programático importante para essas igrejas protestantes, divididas em quatro distritos territoriais (Vales Valdenses, Norte, Centro e Sul da Itália). Entre os objetivos, a identificação de temas e pedidos a serem apresentados ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses, que será realizado no final de agosto na Torre Pellice, na província de Turim. Entre os temas que atravessam as quatro Conferências estão o pós-covid, o compromisso diaconal, a fé e o futuro das igrejas. Outro tema que vem surgindo há algum tempo a nível nacional diz respeito à transformação dos órgãos de gestão das igrejas. Por um lado, é necessário harmonizar e otimizar o trabalho vocacional e administrativo. Por outro lado, sente-se a urgência de uma vida nova, tanto em termos de visão de futuro como em termos quantitativos. No sentido de que seria necessário um novo “chamado”, para envolver diretamente mais pessoas na vida das comunidades. Entre os temas, porém, que de alguma forma caracterizaram especificamente os vários territórios, o Distrito dos Vales Valdenses se concentrou no envolvimento dos jovens. Foi elaborado um projeto articulado que, entre outras coisas, pretende criar e consolidar espaços de encontro que favoreçam o crescimento na fé, mas também o aprofundamento das raízes histórico-religiosas e a cidadania ativa. O Distrito do Norte da Itália explorou algumas questões de "Being the Church Together" (ECI), o programa de trabalho da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) lançado há mais de vinte anos para promover relacionamentos e encontros multiétnicos e multiculturais nas igrejas, que ao longo do tempo viram aumentar o número de seus membros graças à imigração de diferentes países do mundo. Em particular, falou-se de integração com irmãos e irmãs de Gana. O III Distrito, o da Itália Central, encarou uma reflexão sobre os “sinais de cansaço e desconforto das igrejas”, fazendo algumas propostas. Além disso, destacou a importância da capacitação e apoio a atividades que agregam valor às igrejas. Falou também das linguagens da fé e da colaboração entre entidades locais. Do IV Distrito saem as avaliações de cinco trabalhos diaconais, inclusive alguns que envolvem diretamente a FCEI. Uma palavra de ordem: “concretude”. Precisamos de um testemunho evangélico e de uma pregação que tenha implicações práticas. Entre as propostas, a de capacitação para ajudar as igrejas a superar a crise e o isolamento pós-pandemia. Finalmente, palavras duras contra a guerra e a violência, com o compromisso cristão de testemunhar a paz e o amor, a resolução de conflitos e a diplomacia, denunciando a corrida armamentista. Conferência Distrital do 1º Distrito (Vales Valdenses) Conferência Distrital do II Distrito (Itália Norte) Conferência Distrital do III Distrito (Itália Central) Conferência Distrital do Distrito IV (Sul da Itália) ...

Ler artigo
Bouchard.  As condolências das igrejas pentecostais

Bouchard. As condolências das igrejas pentecostais

Roma (NEV), 29 de julho de 2020 - O presidente da Federação das Igrejas Pentecostais, pároco carmim napolitanoenviado ao pároco Luca Maria Negrocomo representante da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), uma mensagem de "proximidade fraterna e amiga" depois de saber da morte do pároco George Bouchard. No texto da carta, Napolitano recorda a "presença multifacetada no mundo evangélico (de Giorgio Bouchard) e as várias funções desempenhadas ao mais alto nível, incluindo as de gestão (que) muitas vezes o colocam em contacto com o mundo pentecostal para o qual, ao longo tempo, ele teve uma abertura significativa ao encorajar colaborações operacionais com o mundo reformado". “Com ele desaparece um protagonista da vida evangélica de nosso país entre os mais comprometidos em termos de diálogo social e político – escreveu Napolitano – certamente deixando um vazio, mas também um exemplo que o consigna à história com emoção e afeto”. ...

Ler artigo
Celebração ecumênica pelos 20 anos da Declaração sobre a Justificação

Celebração ecumênica pelos 20 anos da Declaração sobre a Justificação

Foto www.lutheranworld.org Roma (NEV), 11 de junho de 2019 – Uma oração ecumênica na Catedral de Saint-Pierre, em Genebra, marcará o 20º aniversário da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ). O acordo histórico foi o resultado de mais de três décadas de diálogo ecumênico entre a Federação Luterana Mundial (WLF) e a Igreja Católica Romana. Inicialmente assinado por luteranos e católicos em 1999, o JDDJ efetivamente resolveu um dos principais conflitos da Reforma e pôs fim às suas respectivas excomunhões. Nos anos seguintes, também reuniu membros do Conselho Metodista Mundial (WMC), da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e da Comunhão Anglicana. Representantes das cinco comunidades cristãs globais que assinaram o JDDJ participarão do culto, orando juntos pela unidade e pelo testemunho comum no mundo, no dia 16 de junho às 10h na Catedral de Saint Pierre em Genebra. Em março passado, a Universidade de Notre Dame (Indiana, EUA) recebeu representantes das cinco famílias cristãs globais formalmente associadas à Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação pela Fé (JDDJ) para um encontro destinado a continuar o caminho de maior comunhão eclesial e um testemunho mais visível, também na sequência dos laços mais profundos que se desenvolveram nas duas últimas décadas. artigo anteriorFés e Poderes. Espaço sagrado, espaço político, democraciaPróximo artigoConstruindo pontes. Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.