Armas e bilhões.  O “negócio principal”

Armas e bilhões. O “negócio principal”

Detalhe da capa do livro Futura D’Aprile “Crises globais e assuntos de liderança” (SEB27)

Roma (NEV), 30 de março de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) relança a declaração do Observatório sobre os gastos militares italianos (MIL€X). Os Estados-Maiores das Forças Armadas pediram investimentos extraordinários para novos armamentos. “O custo dos investimentos extraordinários em novos armamentos será de pelo menos 25 mil milhões de euros – escreve MIL€X – se o ministro da Defesa Guido Crosetto implementará as propostas que os Chefes do Estado-Maior do Exército, da Marinha e da Aeronáutica apresentaram em suas audiências programáticas às Comissões de Defesa da Câmara e do Senado”. Um programa de rearmamento, prossegue o Observatório, “impressionante, que teria um impacto considerável nos orçamentos dos Estados, justificado pelos militares com o risco real de guerra provocado pelo conflito na Ucrânia, mas que suscita mais do que uma perplexidade. Também em atenção ao recorde de aprovações de programas de compras militares ocorridas na última Legislatura”.

Sobre o tema das armas e sistemas de guerra made in Italy, esta noite em Turim (18h00 no Circolo dei Lettori), Riforma – Eco delle valli valdesi juntamente com a Ordem dos Jornalistas do Piemonte e a editora SEB27 promovem um debate.A política e as indústrias italianas no mercado de armas de guerra: como contribuem para a persistência dos conflitos bélicos, para a repressão de regimes autoritários, para as migrações; por que o setor de Defesa, cujos lucros nunca diminuem, é considerado estratégico e quanto contribui para o PIB e o emprego”. É o que lemos na página do Círculo de Leitores dedicada ao evento, que conta com a participação de abril futuroespecialista em assuntos internacionais e armamentos e colaborador do jornal Domani; Albert Perducaex-procurador-chefe de Asti, assessor jurídico do Tribunal Penal Internacional por crimes cometidos na ex-Iugoslávia e depois da agência antifraude de Bruxelas Olaf, e chefe da missão Eulez, moderada por David De Michelisjornalista profissional, autor e realizador de documentários televisivos. Futura D’Aprile é, entre outras coisas, autora do livro “Crises globais e assuntos de liderança” (SEB27), com prefácio de Alex Zanotelli, volume no qual apresenta um panorama da indústria de defesa italiana, as leis utilizadas para regular o comércio de material bélico e a prática de contorná-las. “O negócio de armas nunca está em declínio na Itália como no resto do mundo – escreve Riforma citando o volume – «Seus lucros crescem tanto durante conflitos geopolíticos quanto em caso de crises econômicas, como a causada pela pandemia do COVID-19. O Estado, considerando estratégico o setor de defesa, apóia-o e protege-o da exposição à volatilidade do mercado. A escalada do conflito bélico à margem da União Europeia levou os parlamentos a votarem renúncias às exportações para zonas de guerra e ao aumento das despesas militares, de modo que enquanto na Ucrânia, como no Iémen ou na Líbia, os civis sofrem as terríveis consequências da a guerra, os lucros das holdings ao redor do mundo continuam subindo sem serem perturbados”.

> reserve aqui o seu lugar no Clube de Leitores de Turim.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Presbiterianos americanos visitando a Itália

Presbiterianos americanos visitando a Itália

Roma (NEV), 6 de fevereiro de 2020 - Uma reunião com alguns expoentes da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA) aconteceu hoje em Roma, na sede da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália. Na verdade, hoje em dia o valdense está na Itália Luciano Kovacscoordenador da área Europa e Oriente Médio da Missão Mundial da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA), pároco Elmarie ParkerPCUSA responsável pelo Iraque, Síria, Líbano e Irã e Burkhard Paetzoldpessoa de contato da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos para a Europa Central e Oriental. Durante a manhã, os três representantes do PCUSA se reuniram com o presidente da FCEI, pastor Luca Maria NegroFCEI Coordenador do Programa de Migrantes e Refugiados, Mediterranean Hope, Paulo Nasodiretor da revista e centro de estudos Comparisons Cláudio Paravatio pastor Luca Barattosecretário executivo da FCEI, Fiona Kendall E Júlia Gorioperadoras da Mediterranean Hope. No centro do encontro, uma comparação e troca de boas práticas sobre alguns temas particularmente caros à igreja dos EUA, incluindo paz, comércio justo e sustentável, igrejas minoritárias, migrações, que também serão objeto de outros compromissos internacionais durante 2020. Amanhã a delegação dos Estados Unidos partirá para Palermo e outras cidades da Sicília, onde conhecerá comunidades e experiências eclesiais, incluindo, mais uma vez, o trabalho de Mediterranean Hope, com o Marta Bernardini. ...

Ler artigo
Semana da Liberdade 2023: “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”

Semana da Liberdade 2023: “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”

foto: Liz Vo, unsplash Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 – Por ocasião do aniversário de 17 de fevereiro de 1848, quando Carlo Alberto concedeu direitos civis e políticos aos valdenses e logo depois aos judeus do Reino da Sardenha, as igrejas evangélicas celebram uma "Semana da liberdade" que inclui eventos e manifestações em toda a Itália.O tema indicado para 2023 é “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”.“Com estes termos – explica Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) - pretendemos recordar um tema que desapareceu da agenda política, o da cidadania para milhares de 'italianos de facto' a quem é negado o reconhecimento formal da sua presença, do seu trabalho e seu engajamento cívico na Itália. Há muitos anos – continua Garrone – como evangélicos nos empenhamos em afirmar que não há verdadeira liberdade sem direitos e que a cidadania, com os direitos e os diversos deveres que ela implica, fortalece a coesão de uma comunidade nacional.No entanto, com as palavras "Liberdade, cidadania, responsabilidade" não nos referimos apenas aos imigrantes, mas também a nós, italianos, que possuímos a cidadania por nascimento e muitas vezes esquecemos de refletir sobre seu significado, suas implicações e como vivê-la em nosso cotidiano. vida. Somos os primeiros a redescobrir o significado profundo do nosso compromisso cívico e a responsabilidade que ele implica. A cidadania é um pacto entre iguais, um vínculo de coesão social e adesão a um sistema de princípios fundamentais. Em suma, nesta Semana - conclui Garrone - pretendemos reflectir sobre a nossa sociedade, sobre as fracturas que minam os laços de coesão, sobre os desafios da integração e da inclusão, sobre as responsabilidades que implica ser cidadão e, no nosso caso, crente que "procure o bem da cidade" (Jr 29:7).Tendo em vista a Semana da Liberdade de 2023, será publicado um volume dedicado à cidadania, promovido pela Comissão de Estudos da FCEI e editado pelo jurista Ilaria Valenzi: coleta ensaios de I. Valenzi, E. Bein Ricco, T. Moritz, L. Alfieri, MC Giorda e R. Ricucci, D. Spini, B. Peyrot, E. Noffke, P. Naso. “Não é um manifesto – explicam os promotores da iniciativa editorial – mas uma ajuda ao estudo, à discussão comunitária, à reflexão, ao diálogo com aqueles que se interrogam sobre o futuro da nossa democracia constitucional. É com essa postura que queremos participar do debate no espaço público”. ...

Ler artigo
afirmar a plenitude da vida

afirmar a plenitude da vida

Foto Hillert/WCC Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – “Nosso futuro está pegando fogo” e ainda há espaço para esperança em um mundo diferente. “Percorramos o caminho de Cristo que, no seu amor, nos conduz à plenitude da vida para todos e cada um”. Assim se expressou ontem de manhã, segunda-feira, 5 de setembro, Ruth Mathenjovem delegado da Igreja Síria Ortodoxa Malankara, durante a sessão plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Ecumênico de Igrejas (CMI), em curso em Karlsruhe (Alemanha), dedicada ao tema "Afirmar a plenitude da vida". A reunião decorreu de acordo com o método de talanoapraticada nas ilhas do Pacífico para compartilhar um pensamento, uma história que “se enriquece com a contribuição de cada participante e no final se torna a história comum” de todos aqueles que contribuíram para moldá-la, explicou o pároco Babá Tutari da Igreja Metodista na Nova Zelândia, moderador do encontro. Três perguntas guiaram a conversa. A primeira: onde estamos? "Vivemos em um mundo que cada vez mais exclui, cria pobreza e injustiça", disse ele Rudelmar Bueno de Faria, secretário-geral da Action by Churches Together (ACT) Alliance, uma organização ecumênica de ajuda e socorro. “Em vez disso, queremos um modelo econômico que permita que todas as pessoas e todos os seres vivos prosperem e vivam com dignidade”. À segunda pergunta – para onde queremos ir? – eles responderam de forma eficaz Iemaima Jennifer Vaaida população indígena de Samoa, e Jocabed Solano, mulher indígena do Panamá. “No caminho de Cristo, sigo em direção a um mundo onde minha cultura e identidade indígena não sejam negadas, mas façam parte de uma narrativa para a construção de um mundo sustentável”, disse Vaai, insistindo em um ponto que esta Assembleia tem repetidamente enfatizado: defender as culturas indígenas é defender a criação. “Sonho com um mundo onde a economia seja baseada no respeito e na harmonia com a terra. Sonho com uma igreja que seja luz no mundo e percorra o caminho da defesa da vida e da harmonia”, compartilhou Solano com toda a Assembleia. A última pergunta: como alcançamos esses sonhos e objetivos? “É necessária uma conversão profunda. É necessário que cada um de nós saiba dizer 'sinto muito' ao irmão e à irmã contra quem pecou por exclusão e prevaricação", disse o sacerdote anglicano Gideon Byamugisha, co-fundador da Rede Internacional de Líderes Religiosos Vivendo com ou Afetados Pessoalmente pelo HIV/AIDS. “Só serão eficazes soluções que consigam contemplar as necessidades dos últimos, dos mínimos, daqueles que se sentem perdidos. Nenhuma outra estratégia funcionará”, concluiu Byamugisha. A sessão inspirada na prática de Talanoa incluiu as apresentações musicais e teatrais doconjuntos “Oikoumene Pasifika“, incluindo a “Dança da Vida” com que terminou a sessão. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.